Quarta-feira, 22 de Maio de 2019

O Bloco-Notas de José Cutileiro

 

-letter-f-from-soccer-football-balls

© Getty Images

 

 

José Cutileiro

 

The F words

 

Em inglês, as ‘F words’ são várias, têm significado sexual e, quase sempre em tom de imprecação, soam brutas e violentas. No português de Portugal não se passa nada disso. Alhures, em São Salvador da Baía, Quelimane, Cabinda, Medina do Bué, Príncipe, gueto de Macau, vilas antigas da Malásia, Timor-Leste, ladinos turcos, que sei eu, não faço a menor ideia.

 

No Continente e Ilhas Adjacentes – suponho que ainda se possa dizer assim – as F words são três e caiem como gotas de mel na maioria dos ouvidos que as sintam vibrar ou dos olhos que entendam o seu recorte escrito: Fátima, Fado e Futebol, as três com maiúscula. Era assim quando eu era pequenino, acabado de nascer, e daí até agora nem o sobressalto breve causado pelo golpe militar de 25 de Abril de 1974 – quando os nossos compatriotas fardados para morrer pela Pátria passaram de tropa a forças armadas (porque a verdade, leitora, é que o Estado Novo viveu apoiado no poder militar e caiu quando este se virou contra ele) – lhes fez mossa que durasse. Estou a passar uns dias em Portugal e ouvi relatos emocionados do Marquês de Pombal – e do resto do sul do país em festa quando no fim de semana o Benfica ganhou o campeonato. A leitora que ache que foram festejos demais – ou de menos – lembrarei a inauguração do Estádio Nacional em 1942, estava a Europa em guerra, com um jogo de futebol Portugal-Espanha (que acabara há dois anos a sua própria guerra civil), empatado 2 a 2. Antes do jogo, avionete espalhara milhares de panfletos. De um lado, as equipas com seus lugares marcados no terreno. Do outro, texto político com o título: O QUE NÓS QUEREMOS É FUTEBOL! A Europa estava em guerra aberta mas nós, fora desta graças à sabedoria do governo, vivíamos a nossa vida, trabalhávamos, descansávamos, comíamos e dormíamos sem tais preocupações. Hoje, não já não há guerra na Europa nem sequer fria mas o que parecemos continuar a querer é futebol.

 

O fado triunfa. Dizem-me que do clero, da nobreza e do povo, por um lado, do povo unido, por outro, continuam a surgir vocações. Ao seu público conhecedor junta-se agora outra gente atroando os lugares da noite com férreas sapatorras de turistas. E mesmo que os lusíadas se fartassem dele, lá fora não o esquecem. Desde que me lembre, dos dois único portugueses a quem The Economist dedicou obituários, uma foi Amália Rodrigues. (O outro, Ernesto Melo Antunes).

 

Fátima é mais complicado. Fé é o que não falta por aí mas assaltada por novas igrejas evangélicas, contrabandistas do além, diz indignado católico meu amigo. O Papa Francisco irrita mais os ricos do que convence os pobres. E haverá ainda velhos como Francisco Gião (deu-me o meu primeiro charuto tinha eu 14 anos) que sendo ateu mandava sempre pôr colchas às janelas em dias de procissão e não o fez quando passou a primeira de Nossa Senhora de Fátima. «Em tudo deve haver sempre um bocadinho de respeito» explicou aos filhos «e vistas bem as coisas essa Senhora é muito mais nova do que eu».

 

 

 

 

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 15 de Maio de 2019

O Bloco-Notas de José Cutileiro

 

Vaclav-Havel-001Vaclav Havel em 1989 - foto Hulton Archive @ The Guardian

 

 

José Cutileiro

 

O Povo é quem mais ordena…

 

…ou Deus, Pátria, família que é dizer o mesmo, julga amigo meu que quase toda a gente considera reaccionário mas insiste em achar que não o é: tem é bom senso que muitas vezes falta aos outros. O cabrão do povo é quem mais ordena, seria variante vernacular para exprimir a sua desilusão com algumas consequências do 25 de Abril mas o meu amigo acha a fórmula grosseira e recusa-se a ser malcriado.

 

Tal como com quase tudo agora, estas coisas vão sobretudo por modas que se espalham pelo mundo como fogo de mato – ou de floresta californiana - a velocidade inédita na História, o que faz velhos eruditos sentirem-se novos analfabetos. E por causa das redes sociais – acho que se diz assim – o povo fala directamente com o povo, sem os filtros colocados entre uns e outros por várias camadas de doutores. Directores de jornais, de rádios, de televisões, leitores que trabalham para editores, e alguma outra gente no sacerdócio ou laica, em encruzilhadas importantes das vidas de agora, agindo esses mais como agulheiros do que como censores, ajudavam a manter coerência e compatibilidade nos discursos de uns e de outros e agiam com grande eficácia no que dissesse respeito a fake news. Nem todas. Tem sido até agora privilégio das religiões, escaparem a exigências do senso comum e da ciência, e proclamarem, urbi et orbi, fake newstão evidentes como a Imaculada Conceição ou a Ressurreição, bookends, por assim dizer, da vida de Nosso Senhor Jesus Cristo tal como ela é contada no Novo Testamento. Isto para falar apenas de uma das três grandes religiões reveladas, monoteístas, e aquela que quase todos os europeus conhecem melhor. Além destas, pululam muitas mais por esse mundo fora e beneficiam todas da mesma licença. (Salvo da parte de ateus mais ou menos filosóficos: a força da convicção destes pode ser tão rígida e arreigada como a de muitos crentes e, comentava jesuíta meu conhecido, sofrem de orgulho humanista. No meu caso, por exemplo, só aí aos dezasseis anos me dei conta de que havia católicos muito mais inteligentes do que eu).

 

Fora das fés, porém, não há razão que justifique dar cidadania a fake news. (Dentro das fés também não mas os costumes são arreigados demais para serem desaconselhados a bem. Na União Soviética aparatchiques faziam baptizar filhos e filhas às escondidas; não sei o que se passe na China com isto de fé em Deus – palpita-me que nada de bom).

 

Sem agulheiros e censores fiáveis, a conversa dos povos que depois de unidos jamais serão vencidos é um desastre permanente, parecido com o que está a acontecer com o cristianismo. Em Portugal, por exemplo, enquanto as igrejas católicas estão vazias, brotam todos os dias novas igrejas evangélicas, No geral, Deus, pátria, família, libertados da propaganda estreita e beata do Estado Novo e dos rigores da Cúria romana, ganham viço novo e impõem-se cada vez mais à razão, irmã do amor e da justiça. Cada dia se vê melhor o túnel ao fundo da luz, diria Vaclav Havel.

 

 

publicado por VF às 19:35
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 8 de Maio de 2019

O Bloco-Notas de José Cutileiro

 

Waterloo 1Batalha de Waterloo

 

 

José Cutileiro

 

Viagem na minha terra

 

 

Nota introdutória  Este título ignora que a Vera tem relação especial com os escritos do autor de Frei Luís de Sousa. Desencantou em casa manuscritos dele que acrescentam ao espólio do homem que inventou o português que nós falamos. Sem Garrett antes, Eça não poderia ter encantado tanto tantos de nós  nem haveria porventura, no pior dos casos, passado do janota do Porto que o meu chorado amigo Carlos Leal insistia erradamente em desprezar nele. Vá lá saber-se. Por mim devo confessar que Camilo (Castelo Branco) – é com ele que a comparação era feita em serões de província, alguns ainda iluminados a petróleo – me fascina às vezes – o fim de A Sorte em Preto, por exemplo, é uma pequena joia – mas que, na maior parte das vezes, me aborrece. Garrett e depois dele, mais ainda, Eça, purificaram o dialecto da tribo, expressão de Mallarmé que T. S. Eliot tirou do esquecimento ao metê-la na língua franca dos nossos dias. Entretanto, deste lado do mar não tivemos James Joyce, Marcel Proust ou Graciliano Ramos. O Zé Cardoso Pires foi o que mais perto dessa limpeza   andou, sobretudo em Lisboa livro de bordo.

 

Adiante. Estou sentado com a Myriam, que empurrara a cadeira de rodas pela manga abaixo, na segunda fila. As cadeiras são as mesmas e são poucochinho – no Alvar Aalto here – bengaleiros para casacos há muito desapareceram, viajamos assim como que em versão formicada e voadora de antiga camioneta para Sintra da Eduardo Jorge. Faltam bilhas de água de Caneças que dariam toque ecológico, sempre benvindo por estrangeiros mais ricos do que nós. Por outro lado, com louvável empenho cultural e alguma consciência do país que servem – não esquecer que o dia nacional de Portugal é o dia da morte do nosso maior poeta (e não, como acontece com outros, o de uma batalha ganha ou perdida ou, pior ainda, o da tomada sangrenta, por multidão armada, de cadeia para fidalgos tarados) – os dirigentes da TAP dão a cada um dos seus grandes aviões de passageiros o nome de uma ou um grande artista português, julgo que quase sempre das letras, e ontem calhou-me um chamado José Saramago. Infelizmente, porém, eu não gostava do homem nem gosto dos escritos dele.

 

Parado com as rodas quietas e firmes no plancher des vaches, como diria médico sábio meu amigo, o avião ia deixando entrar pessoas, muitas desejosas do sol de Portugal (que não haveria desta vez). Um homem mais bem vestido do que os outros, de barba cuidada, riu-se para nós e parou de pé contra a fila da frente. Era o Bernardo, irmão da Vera, vindo de reunião europeia, onde os participantes agora, com ingleses nem cá nem lá e eurocépticos à frente das sondagens eleitorais se sentem como Fabrice em Waterloo, sem perceberem como está a correr a batalha.

 

Quando todos se sentaram vi que o Bernardo, na fila atrás da nossa, ia já em economia. Eu julgara que se tivesse acabado com essa pelintrice do tempo de Passos Coelho mas não: alinhar por baixo continua a ser a regra. Coitado do país.

 

 

 

publicado por VF às 13:22
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 1 de Maio de 2019

O Bloco-Notas de José Cutileiro

Donald e IvanaDonald Trump e Ivana, a sua pimeira mulher

 

José Cutileiro

 

 

A eficácia do mal…

 

 

…ou a incompetência do bem ou porque é que eu apostaria, dobrado contra singelo, que Trump será reeleito 45° presidente dos Estados Unidos, como o foram o 44°, o 43° e o 42°. Disseram-me um dia que os chineses dizem – e não sei se quem mo disse conhecia algum chinês que o tivesse dito - Deus nos livre de viver em tempos interessantes. Mas desta vez não nos livrou e, lendo alguns propósitos de bispos e teólogos cristãos contemporâneos, reverendas e reverendos ditos progressivos, talvez nem sequer o pudesse fazer pela razão simples de afinal não existir.

 

Faz mais de 80 anos que, no começo da Guerra de Espanha , 1936-1939, Federico Garcia Lorca foi assassinado na sua Andaluzia natal por fascistas homófobos parecidos com muitos dos que acabam de levar o partido espanhol Vox às Cortes em Madrid. Lorca era um progressivo que morreu cedo demais para ter virado reaccionário com a idade, mas era também um grande dramaturgo e nem todos os seus personagens, homens ou mulheres, falam connosco na flor da idade – além disso, falam como eles e elas eram e não como ele foi – tal uma mulher, não me lembro se na Yerma se nas Bodas de Sangre (não tenho os livros à mão): «A mi me gustan las cosas asi: los hombres hombres, el trigo trigo». Eu estou com ela e receio que número crescente de eleitores americanos, de qualquer idade e sexo, esteja também, sobretudo desde que o Partido Democrata ganhou maioria gorda na Câmara dos Representantes e, entre correcção política e visões mirabolantes do futuro próximo, assusta os moderados de um lado e do outro, precisos para derrotar Trump quando este se bater por segundo mandato.

 

O receio instalou-se na noite das eleições e, desde então, nunca diminuiu. As minhas primeiras reacções, sem serem imediatas, foram simbólicas. Quando chegaram as alturas próprias não renovei as assinaturas da New York Revue of Books e do New Yorker – apesar de tentivas de ambos  de me levarem de novo aos respectivos redis. Tão-pouco lhes escrevi a explicar a minha retirada; antecipei que não concordariam com a explicação e que, por isso, menos a mereceriam ainda. Eu achara que, regressado depois de uns anos à Europa (Montemor, Marinha, Ilha de Ré, Bruxelas) não haveria melhores bisbilhoteiros para me manterem ao corrente de andanças transatlânticas. Consideram-se os mais inteligentes da costa oriental do seu continente, assim como os franceses se consideram os mais inteligentes da costa ocidental do continente deles.  Se os fosse lendo regularmente saberia tudo.

 

Puro engano. Não perceberam nada de nada do que, da costa à contracosta, a sua gente queria. Pior que Macron com os franceses. E, dado o tempo decorrido da eleição até hoje, não parecem ter emenda. Na quinta-feira passada o New York Times, em anúncio para angariar novos assinantes, gabava-se assim: Whatever happens next, we’ll help you to make sense of it. A arrogância não mudou. E The Donald – como lhe chamava a sua primeira mulher – irá ser reeleito.

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 24 de Abril de 2019

O Bloco-Notas de José Cutileiro

 

Notre Dame após incêndioCatedral de Notre Dame após o incêndio © Bloomberg/Getty Images

 

José Cutileiro

 

Notre-Dame e o resto

 

O Presidente Macron fez o que  pôde  para trazer o Papa Francisco a Paris no rescaldo do incêndio de Notre Dame mas o Papa que não só não é italiano mas tampouco é europeu, não se deixou convencer. Se tivesse vindo ajudaria talvez também a fazer esquecer em peitos fieis franceses as suas manifestações de amizade por Cardeal francês, compincha de longa data que muito o ajudou a subir ao trono pontifício, condenado há pouco em primeira instância em tribunal francês por ter protegido padre pedófilo, que Francisco recebeu em Roma recusando-se a aceitar a sua demissão (há apelo e há presunção de inocência, sublinhou o Vaticano). Macron, que precisará de legitimidade quase divina para conquistar de novo legitimidade eleitoral, há de ter ficado desapontado (decidira fazer-se baptizar aos 12 anos contra a opinião de pai livre-pensador; ultimamente diz-se que pende para o agnosticismo mas o ponto evidentemente não é esse – é a política: trazer o Papa a Paris teria aumentado a sua cota na França profunda e na outra).

 

Victor Hugo tem sido muito citado, com o corcunda Quasimodo e a cigana Esmeralda em primeira linha; a história de França relembrada desde o século XII, com as provações da catedral postas em relevo, mormente durante o Terror na Revolução Francesa de 1789 em que pensaram deitá-la abaixo e serviu de armazém. Rompendo com tradição da monarquia foi lá que Napoleão se coroou Imperador. E têm-se enumerado os tesouros perdidos no fogo bem como os tesouros salvos dele (entre estes últimos, discretamente, às vezes de maneira quase envergonhada, a mais notável das relíquias lá guardadas: a coroa de espinhos, que só os mais beatos entre os beatos acreditam ser a original – e que para espírito como o meu evoca sobretudo a visita a Jerusalém do Raposão, anticlerical e desavergonhado d’ A Relíquiade Eça de Queiroz e não o Calvário, com Cristo entre os dois ladrões).

 

Que as religiões – incluindo o catolicismo apostólico romano bem como suas Cruzadas e Inquisição – tenham sido dos maiores criadores de sofrimento no mundo é convenientemente esquecido nesta altura até porque também criaram, e continuam a criar, felicidades e êxtases sem paralelo e porque o catolicismo está a perder fieis, não tanto para o judaísmo e o islão mas para religiões protestantes evangélicas. E isso nota-se todos os dias: em França as igrejas católicas estão vazias nos dias e às horas de culto e as mesquitas estão cheias. Pior ainda, igrejas protestantes carismáticas, muito populares há décadas em África e na América Latina, estão agora pela primeira vez a entrar em força no Hexágono. E, ainda por cima, nenhum destes outros cultos (nem as igrejas protestantes tradicionais) está marcado pela mancha da pedofilia que a igreja de Roma começou por procurar esconder e negar. Tempos difíceis.

 

NB Vítimas têm-se queixado, passados anos. Ainda não soube de ninguém agradecer ao padre que o seduzira havê-lo colocado na via da sua própria natureza.

 

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 17 de Abril de 2019

O Bloco-Notas de José Cutileiro

bar-do-ritz

Bar do Ritz, Lisboa

 

 

José Cutileiro

 

Mais um bey de Tunis !

 

 

Prometi ontem ao almoço no bar do Ritz à Vera que ela teria hoje até ao fim do dia, sem falta, na sua casa da rua dos Caetanos, esta folha de bloco-notas, para depois procurar ilustração condigna. Não contei com já não vir a Portugal há quase seis meses, o país ter entretanto mudado, as mudanças serem no geral para pior e uma delas residir exactamente na qualidade do bacalhau à Braz do Ritz, que piorou escandalosamente desde a última vez em que eu o tinha lá ido comer, excursão até ontem sempre feita, de há muitos anos para cá, com o sossego de espírito dado pela certeza antecipada de coisa boa ao fim da viagem. Papa dôce que acabou. Um dos segredos do bacalhau à Braz é a espessura dos bocados de bacalhau que nele se metem com os ovos e a batata finamente cortada. Para se fazer justiça ao nome do prato tem de se sentir o bacalhau mas se este se sente demais, se as fibras são demasiado espessas, estraga-se o equilíbrio dessa joia da nossa culinária, quebra-se o encanto – e foi isso que aconteceu ontem ao almoço no bar do Ritz.

 

O melhor bacalhau à Braz da minha vida foi o do cozinheiro chinês do clube da Covilhã, teria eu uns vinte e cinco anos e ele aí setenta, onde o António Alçada Baptista e a Zezinha me tinham levado a almoçar. O chinês fora trazido de Macau em pequeno por doutor da administração ultramarina e sua mulher, crescera na Covilhã e lá envelhecera, dando aos sócios do clube e aos convidados destes maravilhas culinárias para lá dos costumes da Beira Baixa - o segundo foi o de um homem discreto e simpático, com restaurante onde o mano João me levou um par de vezes em Évora, perto dos arcos baixos do aqueduto e da Rua das Amas do Cardeal, que morreu de repente há anos, tendo o restaurante fechado. A seguir a esses dois sinais de excelência, bem mais abaixo mas ainda bons, espalhados por Portugal, havia vários outros e, em Lisboa, valia-me o bar do Ritz, o qual, a certa altura, me pareceu mesmo estar a querer melhorar ainda.

 

A leitora poderá achar que a partir de receita falhada uma vez só, só se declararia a decadência do país num excesso de arrogância e de cegueira. Permito-me discordar. Aconteceu ao bar do Ritz, com a abundância recente de cada vez mais turistas endinheirados, o que aconteceu ao resto de Lisboa: uma perda de exigência quanto aos seus próprios padrões, sobre os quais a nova clientela não sabe pronunciar-se, deixando nós assim que esta nos deseduque, em vez de sermos nós a ensinar-lhe coisa nova. É pena.

 

E o bey de Tunis? Esse, leitora, vem de Eça de Queiroz que também escrevia para os jornais e um dia, sem lhe ocorrer assunto, resolveu, a despropósito, atacar o bey de Tunis (que ainda por cima acabara de morrer: « Que importa ? Em Tunis há sempre um bey ») – ou pelo menos Eça assim conta a Pinheiro Chagas em polémica a fazer troça dele. No meu tempo adorávamos todos Eça*.

 

*Tirando o meu chorado Carlos Leal que achava Eça um janota do Porto e preferia Camilo Castelo Branco.

 

 

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 10 de Abril de 2019

O Bloco-Notas de José Cutileiro

 

ze-povinho-e-maria-paciencia-

Zé Povinho e Maria Paciência

 

 

 

José Cutileiro

 

 

Descoberta de Portugal

 

 

Do Presidente da República ao mais modesto estagiário da imprensa, bem como os  animadores de Facebook & Co, toda a gente parece agora ter descoberto que Portugal é como é – e espantar-se, indignada, como se nunca cá tivesse vivido.

 

País de brandos costumes, as pessoas estão a fixar-se mais na brandura do que nos costumes. O facto do Dr. Álvaro Cunhal se ter doutorado em direito quando estava preso, indo dormir à cadeia a seguir a cada dia de provas, lembra-nos que o regime do Dr. Salazar não era como os regimes de Estaline ou Ceausescu, mas não deve fazer-nos esquecer que era, em todo o caso, uma ditadura a qual – mesmo sem contar as atrocidades cometidas em África – estava bem longe de uma democracia parlamentar. Poderia dizer-se de Salazar o que o Papa Urbano VIII disse de Richelieu quando soube da morte dele: «Se há Deus, o Cardeal vai ter muitas contas a prestar. Se não há Deus, levou uma vida bonita.» Moderação deve ser a nossa característica mais vezes evocada e estimada, por portugueses e estrangeiros. Amiga brasileira que enviuvou de português mas continuou a viver aqui, um dia explicou essa decisão assim: «No Brasil, se eu for jantar com um homem tenho de dormir com ele e em Portugal não».

 

Esta moderação ajuda, por exemplo, a que não haja vendetas, mas não anula que cada um deva lealdade suprema à sua família concreta (pai, mãe, filho, filha, irmão, irmã, avós, netos, primos, primas), com o centro em si próprio, e não a um conceito abstrato de estado ou de cidadania. A moral universalista (protestante?) do noroeste da Europa, que me manda ter para com um estranho (ou até para com o meu pior inimigo) obrigações que tenha para com os meus irmão, pai ou filho, soa entre nós como um disparate, quase como um pecado. É uma das razões pelas quais o capitalismo nunca funcionou bem aqui, carregado com lealdades a parentes (e amigos) que tecem teia de obrigações particulares, contrariando a lógica do negócio. Essa carga é também de favores prestados e recebidos. O estatuto de um homem – ou de uma mulher – mede-se muito por ela. Quando, em 1934, o Pai fez exame de obstetrícia, a primeira coisa que o catedrático Professor Moreira, por alcunha «o Moreirinha», lhe perguntou foi :  «O Senhor não tem vergonha de vir fazer exame sem uma recomendaçãozinha ?» As recomendações, as ‘cunhas’, faziam parte do seu capital: quanto mais pedidos satisfizesse, mais favores lhe ficassem a dever,  mais o seu crédito crescia. Aluno que não trouxesse recomendação era hora perdida.

 

A modernidade avança porém e algumas obrigações do capitalismo e da democracia vão a contra-pêlo da tradição. Um homem (ou mulher) honrado tem escolhas dolorosas a fazer, entre regras de convivência que se desvanecem e ditames da busca de eficácia estabelecidos por algoritmos que poucos entendem.

 

Entre compadres cuja ajuda falha e computadores que não dominam bem, portuguesas e portugueses sofrem – e cogitam, à portuguesa, que não há de ser nada.

  

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 3 de Abril de 2019

O Bloco-Notas de José Cutileiro

 

Jnicholson6

Harold Nicolson e Vita Sackville West em 1932

 

 

 

José Cutileiro

 

  Pérfida Albion II

                          

The worst kind of diplomatists are missionaries, fanatics and lawyers

                                                             Harold Nicolson, Diplomacy, OUP, London, 1939

 

 

Quando a primeira edição do supra citado livro de Sir Harold Nicolson foi publicada não havia, depois do fiasco da Sociedade das Nações, organizações publicas internacionais como há agora e menos ainda qualquer coisa parecida com a União Europeia. Na realidade, foram precisos seis anos de guerra brutal como nenhuma outra antes e, a seguir a esta, a tenacidade e a visão de meia dúzia de europeus, (entre os quais um francês, Jean Monnet, exportador de cognac que não se formara em Normale Sup e aconselhara o Presidente Franklin Roosevelt), bem como boa vontade, apoio militar e ajuda financeira dos Estados Unidos da América para pôr de pé o projecto que levou à União, cuja trave mestra é invenção recente, a amizade franco-alemã, e está a atravessar o momento mais difícil da sua existência devido a incapacidade aparente do Reino Unido, de um lado, e dos seus vinte e sete parceiros, do outro, de encontrarem maneira aceitável para todos do Reino Unido sair dela a bem.

 

Essa incapacidade assumiu recentemente, do lado do Reino Unido, facetas mais de opera buffa do que de negociação internacional, exercitando as melhores cabeças do jornalismo e da academia na busca de uma saída que fosse aceitável para a Câmara dos Comuns em Londres. Entre a quantidade de descrições interpretativas do que aconteceu até agora e do beco – ou becos – a que se chegou, muitas tendem a culpar a maneira como a negociação fora conduzida desde o princípio por Theresa May, escolhida para Primeiro Ministro pelo partido conservador  depois do chefe anterior deste, David Cameron – responsável pelo referendo em que os britânicos deviam escolher entre permanecer na União Europeia ou sair dela - se demitir. Deixo tudo isso de lado mas não sem recordar que parte do problema reside no facto dos ingleses levarem o seu parlamento muito mais a sério do que os continentais (o que é sinal de saúde política e não sintoma de doença).

 

No Verão passado, historiador expatriado meu amigo, falando do Brexit, perguntou-me « Eles, lá em Bruxelas,  estão conscientes da tragédia que isto é tudo ? » Infelizmente, com raríssimas excepções, julgo que não estivessem nem estejam. Há imensa gente a saber tudo sobre todas as árvores e quase ninguém capaz de ver a floresta. Ora Brexit, se não for tratado com muito cuidado, precipitará mudança tectónica indesejável no equilíbrio do Ocidente. E quer o fado que, à falta de grande estadista que agarrasse este gato pela pele do pescoço, se junte muito do pessoal que Nicolson mais receava. Do lado do Continente, de várias cores políticas, abundam os federalistas – e não há mais missionário; do lado das Ilhas, metendo medo ao governo, vociferam os Brexiters de base – e não há mais fanático. Dum lado e doutro, o terreno está polvilhado de assessores jurídicos, isto é, de advogados.

 

Azar dos Távoras.

 

 

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 27 de Março de 2019

O Bloco-Notas de José Cutileiro

Xultimatum

Outros tempos

José Cutileiro

 

Pérfida Albion

 

Para crítico perspicaz Theresa May e os seus sucessivos negociadores queriam que acordo comercial perfeito com a União Europeia, soberania nacional pura e nenhuma fronteira com a Irlanda fizessem parte do contrato de saída da União a assinar pelo Reino Unido e os 27 estados membros restantes. Quando, a pouco e pouco, foram percebendo que tal vontade não era realizável sem ajustes que ajeitassem as contradições, já May tomara medidas e fizera declarações desastrosas (exemplos: assim que escolhida para chefe do partido promover eleições que perdeu e, com elas, a maioria absoluta; declarar, repetidamente, que no dealera preferível a um bad dealsem ter percebido que esta negociação não era como as outras; marcar linhas vermelhas exactamente onde precisava de espaço para negociar) que a revelaram incompetente e incapaz de resistir aos Brexiters extremos que, desde Thatcher, atormentam quem mande no partido Tory.

 

Um fraco rei faz fraca a forte gente e a podridão da cabeça chegou ao corpo todo. Colaboradores directos foram-se demitindo e contradizendo, até mesmo na última semana, à qual se chega em estado da maior confusão graças a inépcia de governo de Londres (exemplo: o homem que provavelmente media melhor o que estava em jogo, o embaixador do Reino Unido junto da União à data do referendo, foi expeditamente levado à demissão). O desejo de May de aplacar os Brexiters nunca abrandou: mesmo agora quando um prazo longo de adiamento da data de Brexit faria todo o sentido, limitou-se a pedir 30 de Junho – Brexiters receavam que mais tempo animasse mais compatriotas seus a afinal ficarem na União.

 

A incapacidade política abissal de May não explica tudo. Por um lado, em Ocidente que perdeu o comando do mundo e onde o fosso entre poucos ricos cada vez mais ricos e muitos pobres cada vez mais pobres aumenta dia a dia e com ele o mau viver, os governados estão fartos dos governantes, protofascistas ganham votos e, no Reino Unido, campanha pela saída da União entusiástica e descaradamente aldrabona, levou a melhor de defesa honesta e tíbia do statu quo. (The best lack all conviction while the worst/Are full of passionate intensity).

 

Por outro lado, a percepção do mundo dos ingleses é especial. Não têm Constituição escrita. Lords, o mais célébre terreno de cricket do mundo, conta 5 portas: East Gate, South Gate, North Gate, Grace Gate e Gate Number 6. Universitários desorientam-se para cá da Mancha por ignorarem o comprimento de 1 quilómetro. Antiquário do sul de Inglaterra entrevistado pelo New York Times não sabia há dias que com no deal os móveis que compra em França para vender mais caros em Inglaterra passariam a pagar direitos. Em 1955, quando o mano João andava na Slade School of Fine Arts, pediu num Workers Cafe (os restaurantes mais baratos da altura) bacon and eggs. Resposta: You can have the bacon, you can have the eggs but you can’t have bacon and eggs because it’s Wednesday. Etc.

 

NB Se a leitora achar que o Conselho de Ministros de May é parecido com um Workers Cafe talvez tenha razão. Dez anos depois do fim da guerra, regras de racionamento de comida estavam ainda nas memórias (e algumas em vigor) recorda o meu amigo Fernando. Em país sem Constituição escrita memórias de precedentes fazem lei e às vezes não são bem lembradas.

 

 

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 20 de Março de 2019

O Bloco-Notas de José Cutileiro

 

Favoritas do Soba_ Angola _ Cuanhama - Portugal em Postais Antigos' - postaisportugal_canalblog_com_albums_angola_photos_39954666-cuanhama_html

Favoritas do Sóba, Angola

 

José Cutileiro

 

 

O passado e o presente

 

Desabafo de leitor amigo: «Foi quando se perdeu o respeito pelos mais velhos que começou a dégringolade… afirmo eu agora que sou velho». A leitora terá o seu exemplo preferido desta evidência; eu tenho o meu, não da minha própria experiência de vida mas de bisbilhotices registadas em estudos que alguns querem fazer passar por ciência, aos quais me dediquei quando era novo.

 

Em quase toda a África ao sul do Sara, antes da chegada dos colonos europeus, os velhos mandavam em tudo quanto lhes coubesse na hierarquia da tribo: ficavam com o melhor das colheitas, casavam com as pequenas mais bonitas, dirimiam pendências internas, comandavam os seus contra o mundo. Os brancos trouxeram  muitas mudanças, por exemplo, a autoridade da língua do colonizador (ainda hoje, em Madagáscar, pastores dão ordens às vacas em francês), sendo a mais importante, nisto de velhos e novos, o pagamento de trabalho a dinheiro. O trabalho era e foi por muitos anos, agrícola e mineiro, privilegiando homens novos e robustos, enquanto o dinheiro dos brancos se tornara na única moeda de troca corrente e fiável. De repente, homens novos de origem modesta podiam pagar dotes acima das posses dos velhos mais distintos da tribo. A ordem antiga resistiu simbolicamente, aqui e além (em recantos bucólicos, há reis com trono mas sem poder), mas o grosso das coisas passou a ser regido pela ordem nova donde partiram as élites dos novos países independentes. Os velhos deixaram de constituir uma espécie de Senado da sua terra; sobrevivem esquecidos à mercê da caridade dos novos. Muitos pensarão, como o meu amigo, que a dégringolade começou quando lhes perderam o respeito.

 

Entendo-os mas não simpatizo com a nostalgia. O pitoresco da ordem antiga tinha incómodos. Aquí há 75 anos o meu chorado amigo Carlos Manuel fora a tourada em Santarém com o Fernando e o António Mascarenhas e o Conde da Torre, pai deles. Carlos Manuel deu a certa altura opinião sobre a lide; o Conde, sentado ao lado dele, discordou e deu-lhe uma estalada. Carlos Manuel levantou-se e saiu, no silêncio embaraçado da bancada. Ao fim do dia, no bar do hotel (nesse tempo o mundo era maior e quem viesse aos touros a Santarém ficava a dormir lá) o Fernando e o António foram ter com o Carlos Manuel: «O Pai está incomodadíssimo com o que se passou esta tarde. Vai lá pedir-lhe desculpa».

 

Tudo isto se passava nesta terra de costumes brandos onde Álvaro Cunhal se doutorou na Faculdade de Direito de Lisboa, arguido por Marcello Caetano, indo dormir à prisão e lá ficando depois de doutor e onde o tenente-coronel Majolinha, na Flandres durante a Grande Guerra, sempre que fazia disparar morteiro contra os alemães, rezava para não matar ninguém. Havia muito pior na Cristandade. O Marquês de Custine conta que a sociedade russa do seu tempo estava dividida em 14 classes, podendo os de cada uma delas bater nos das classes inferiores. Isto bem antes do bolchevismo.

 

A dégringolade fez bem a muita gente.

 

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito

pesquisar

mais sobre mim

posts recentes

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

tags

todas as tags

links

arquivos

Creative Commons License
This work by //retrovisor.blogs.sapo.pt is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Blogs Portugal

blogs SAPO

subscrever feeds