Quarta-feira, 24 de Outubro de 2018

O Bloco-Notas de José Cutileiro

 

seven pillars

 

 

 

José Cutileiro

 

 

Sete Pilares de Sabedoria: a honra da Arábia

 

 

 

Na passada sexta-feira a Arábia Saudita declarou que o jornalista Jamal Khashoggi tinha morrido agredido em luta corpo a corpo no gabinete do consul da Arábia Saudita em Instanbul  – depois de semanas passadas a afirmar que ele saíra livremente do consulado onde por seu pé entrara horas antes. À parte o presidente Trump que achou a declaração credível e um bom começo de esclarecimento, toda a gente continuou indignada pela falta de explicação satisfatória para o crime bizarro e hediondo praticado pelos Sauditas. Alimentados por escutas, diplomaticamente ilegais mas tecnicamente satisfatórias, feitas pelos serviços secretos turcos (porventura já partilhadas com autoridades americanas), jornais de Ankara e Istambul têm vindo a contar o que se passou.

 

Por proposta do consul, Khashoggi fora ao consulado receber documento que pedira provando o seu divórcio. Quando entrou no gabinete foi atacado por vários compatriotas chegados nessa manhã da Arábia que, em sete minutos, o  torturaram e mataram (cortaram-lhe alguns dedos não se percebendo bem na gravação se antes se depois de morto). A seguir, médico legista que trouxera a malinha dos pertences, desmembrou-o para o corpo poder ser transportado em caixas, dizendo aos outros para porem auscultadores com música a fim de atenuar o incómodo do momento. Ouve-se o consul pedir « Não façam isto aqui » e voz reponder-lhe que se quer ir depois viver na Arábia é melhor calar-se. Passadas duas horas, visitantes e morto ao bocados deixaram o consulado e foram apanhar o avião que os esperava para o regresso.

 

Khashoggi não era terrorista nem dissidente: dizia a verdade ao poder. Jornalista conceituado, antigo conselheiro de governantes e diplomatas sauditas, oposto à governação do príncipe Mohamed Ben Salman (MBS) - que é quem manda no país - decidira viver nos EUA, escrevendo duas colunas de opinião por semana no Washington Post. Não era um democrata, Westminsteriano ou Capitoliano; era um islamista moderado, perto dos Irmãos Muçulmanos, querendo sociedade que talvez achássemos tolerável mas onde não gostaríamos de viver. Escrevia bem, tinha público, o turco Erdogan era seu amigo. MBS odiava-o e, de temperamento violento e comportamento desiquilibrado, muita gente pensa que o tenha mandado matar.

 

Em 1922, o arqueólogo e militar inglês T.E. Lawrence publicou Seven Pillars of Wisdom, autobiografia que é joia da literatura inglesa e conta da sua guerra no deserto, ajudando principes árabes a libertarem-se do Império Otomano. Homens de honra, coragem e virtude, as histórias destes contribuiram muito para boa reputação árabe na Europa e nos Estados Unidos. Se o Rei Zalman a quiser recuperar deverá fazer julgar MBS e, se este for condenado à morte, deixá-lo decapitar como têm sido tantos dos seus súbditos. Politicamente incorrecto? Certamente. Mas talvez a Arábia Saudita começasse a ser respeitada de novo e pudesse enfim abordar reformas constitucionais.

 

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 18 de Julho de 2018

O Bloco-Notas de José Cutileiro

daily beast-tomasky-putin-trump-mob-hero_xgynkk

Trump e Putin

@ The Daily Beast

 

 

José Cutileiro

 

 

Reflexões tristes

 

 

 

Escrevo na segunda-feira. No Domingo, o Público recordou-me a libertação de Nelson Mandela em 1990, começo do fim do apartheid; no Sábado, publiquei no Expresso in memoriam de Peter Carrington que morreu na terça-feira passada aos 99 anos e que, em 1982, se demitira de Foreign Secretary (Ministro dos Negócios Estrangeiros) por o seu ministério não se ter apercebido de que a Argentina ia invadir as Falklands: o ministro era ele, a responsabilidade era sua.

 

Nesta mesma segunda-feira, encontraram-se em Helsínquia Donald Trump, Presidente dos Estados Unidos e Vladimir Putin, Presidente da Rússia. Vivemos outros tempos: a força interior que amarrou Mandela ao mastro, o ponto de honra que fez Carrington despedir-se, raros em qualquer altura, são praticamente inexistentes na vida política actual. Indo do geral para o particular, estão a anos-luz de distância dos personagens que hoje se encontraram um com o outro na cidade a que os suecos ainda chamam Helsingford.

 

Putin é o chefe de um estado-máfia, estruturado em rede de ex-funcionários do KGB - como ele próprio - assente em cleptocracia consecutiva à privatização da economia soviética, posta em marcha com as melhores intenções pelo falecido Yegor Gaidar (não foi assassinado mas houve tentativas), aos 32 anos o primeiro primeiro-ministro do Presidente Yeltsin. O entusiasmo era grande mas não se passa de hoje para amanhã de uma dieta de marxismo leninista para uma dieta de Hayek sem dar cabo da saúde. O resultado é país com esperança de vida e liberdade de imprensa menores do que há 25 anos e alcoolismo maior. Não se criou economia que fosse libertando a Rússia da dependência das exportações de gás e petróleo (Helmut Schmidt dizia justamente que a URSS era o Alto Volta sem bombas atómicas; substituindo URSS por Rússia e Alto Volta por Burkina Faso, ainda se aplica). A Rússia não é a China: entregues a si próprios, os russos não criam riqueza, consomem vodka. Politicamente, uma pseudodemocracia oprime os cidadãos, assassinando de vez em quando um ou outro. Bilionário, autocrático e imoral (riqueza e poder roubados ao povo), Putin vem na linha de Estaline e dos czares mais brutais.

 

Portando-se como anfitrião, que não era, acolheu um Trump subserviente e acomodatício ao ponto de aumentar suspeitas de alguns de que os russos tenham qualquer coisa contra ele. Ignorante, preguiçoso e inepto louvou constantemente o seu anfitrião. Chegou a dizer que a afirmação de Putin de que a Rússia não se tinha metido nas eleições americanas lhe parecia convincente – contra as convicções, provadas e públicas, dos seus próprios serviços de informação e segurança que acompanham o assunto.

 

Desta vez, a indignação nos Estados Unidos - não há memória de presidente se ter portado tão mal no estrangeiro – brota até de políticos Republicanos. Há mais: sendo Trump e Putin aldrabões públicos e notórios, ouviremos mentiras do que foi dito em tête-à-tête. Salvo se a CIA tiver feito o seu trabalho…

 

 

 

 

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 14 de Março de 2018

O Bloco-Notas de José Cutileiro

 

Fake news

 

 

José Cutileiro

 

 

 

Et nunc et semper

 

 

Há agora grande animação a propósito de fake-news e de aldrabices quejandas que fervilham desde que os americanos escolheram para Presidente um mentiroso compulsivo (mas - ao contrário dos mitómanos que ás vezes se prejudicam com as mentiras que inventam – este está sempre a ver se leva água ao seu moinho e, quando não o consegue, foi por limitação de inteligência, de cultura ou de informação como acontece tantas vezes a chicos espertos e não por reconhecimento de a razão estar do outro lado. Há quem diga nessas alturas que o Presidente é sobretudo narcisista, como se tal fosse grande pecado, mas eu não estou convencido: Oscar Wilde contava que as águas do lago, quando lhes perguntaram se Narciso era realmente belo, responderam que não sabiam porque, quando Narciso vinha ver-se nelas, não olhavam para ele - olhavam para si próprias nas meninas dos olhos dele. Atirar a primeira pedra…

 

Felizmente, pelo menos por enquanto, a algazarra passa-se sobretudo nas chamadas redes sociais, uma gigantesca bolha, porventura ela própria dentro de uma outra bolha - e por aí fora - onde vivem deusas e deuses, homens e mulheres, onde se mata, se morre, se ama, se odeia, se acaba e se recomeça, como se se a vida fosse uma fantasia impune de ricos e, enquanto assim for, não virá daí mais mal ao mundo do que aquele que já tinha vindo ao longo de milénios, por mor de quezílias semelhantes, explodindo em amores e ódios, dividindo famílias, nações e fés, pelo menos desde Abel e Caim (para leitora que prefira ou esteja mais calhada com a mitologia cristã). Se fake news e fantasias acopladas tomassem conta dos livros texto, da experimentação e dos debates em cirurgia torácica, por exemplo, ou na construção de pontes sobre rios ou na pilotagem automática de automóveis e de aviões ou na análise, selecção e engarrafamento da Água do Luso – aí haveria razão para grande susto. De algoritmos a física quântica, muita coisa hoje nos organiza as vidas, cujo entendimento escapa a muitos de nós mas cujo estatuto científico e técnico não é minado pela tagarelice cacofónica zumbindo constantemente ao nosso alcance visual e auditivo nas redes sociais. O que é minado, esse sim, é o chamado conhecimento comum, já de si vago, incoerente, gabarola, e há eras sem fim, constantemente posto à prova pelas religiões do mundo, sobretudo pelas religiões reveladas e, destas, pelas três maiores: Cristianismo, Islamismo e Judaísmo.

 

O que mudou, quase desapareceu, são os guardas florestais e mais arranjos destinados a prevenir fogos incontroláveis no Pinhal de Leiria que é o espírito. O aparelho científico e, pelo menos por enquanto, a máquina judiciária estão seguros, olhando pelos conhecimentos lógico e empírico, por um lado, e pela aplicação das leis, por outro. No resto dos espaços públicos e privados, a razão arrisca-se a perder crédito; a autoridade e o acaso a constituírem-se soberanos – mas isso já o temia o Cavaleiro de Oliveira (1702-1783). Não há de ser nada.

 

 

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 21 de Fevereiro de 2018

O Bloco-Notas de José Cutileiro

 

 

 camilo_castelo_brancoEça de Queiroz

Camilo e Eça

 

 

 

José Cutileiro

 

 

Polémicas do burgo

 

 

 

A Vera gostou muito do artigo do Henrique Raposo sobre o Vasco Pulido Valente no Expresso, “duro mas certeiro”; disse-me que eu próprio saí “muito bem na fotografia” e perguntou-me o que achava. Respondo-lhe neste seu blog “Retrovisor”, onde há mais de quatro anos me dá asilo político.

 

A primeira coisa que me ocorre é dar parabéns ao Vasco. A nossa relação para-fraternal - sendo ele irmão mais novo que de vez em quando se zanga, sem eu perceber porquê – vem muito detrás e logo no começo Vasco ganhou em mim crédito tal que, passadas mais de seis décadas, não se esgotou ainda. Aos catorze anos e baixinho – deitou corpo logo a seguir – levantou os olhos para o pai, engenheiro erudito (explicou-me que os romanos faziam a barba com sílex muito afiado) e disse-lhe: “Á pai, se eu tivesse a tua idade sabendo o que eu sei…” Toda a sua vida tem sido uma luta para estar á altura dessa espécie de promessa. Acho alguns dos muitíssimos artigos bons que publicou e, pelo menos, um dos seus livros, “O Poder e o Povo” (sobre a revolução republicana), peças de antologia. Que ensaísta competente e brilhante lhe dê tanta importância mesmo discordando, central e convincentemente, da sua maneira de olhar para nós, portugueses, faz jus ao trabalho de uma vida.

 

E, por fim, assunto mais pessoal, devo-lhe ter encontrado A.B. Kotter. Quando se preparava o diário “A Tarde”, Vasco disse a Victor Cunha Rego que se eu lá escrevesse, ele não escreveria e o Victor recebeu de braços abertos o inglês da Várzea de Colares.

 

A segunda coisa que me ocorre é dar parabéns ao Henrique Raposo. Também gostei muito do ensaio e lembrei-me da resposta intrigada de Mário Soares, recém-eleito Presidente, quando lhe perguntei como era Cavaco Silva, que eu não conhecia. “Não sei. Não pertence à burguesia urbana, como nós. Vai à televisão dizer que não mente!”. Por também não vir da burguesia urbana - nem do Alentejo da mó-de-cima - o olhar de Henrique Raposo vê diferente e foi diferentemente educado, até pelo próprio e pelas suas escolhas filosóficas (sem a mitologia do PC, não houve Santa Catarina Eufémia que o desencaminhasse). Sente melhor do que outros a diferença entre os doutores e o povo mas também o que todos têm em comum. (No fim dos anos 40 do século XX menina inglesa de 12 anos que viera visitar primas por essa idade filhas de lavrador rico de Reguengos, desatou a chorar numa aldeia do concelho porque nunca tinha visto gente tão pobre). A falta metódica de paciência de Henrique Raposo para o que chama o snobismo do Vasco, tratando os seus por indígenas, ajuda a perceber o país que somos. E acerta em cheio no papel de Eça de Queiroz no amolecimento das nossas elites. O velho Carlos Martins Pereira, também de Reguengos e também rico, preferia Camilo e dizia que Eça era “um janota do Porto”. Terá porventura tido razão.

 

Quanto a A. B. Kotter, tinha aprendido muito sobre Portugal em conversas com Jorge Dias. (Falavam sempre em alemão um com o outro).

 

 

 

publicado por VF às 12:10
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 14 de Fevereiro de 2018

O Bloco-Notas de José Cutileiro

codorniz65

Capa de La Codorniz celebrando a nova lei de imprensa conhecida como “ley Fraga” (1965)

 

 

 

José Cutileiro

 

 

Mundo Novo

 

 

Assino há muito tempo a New York Review of Books e, desde que vivi em Princeton, professor no Institute for Advanced Study, de 2001 a 2004 passei a assinar o New Yorker que, costumava eu dizer a toda a gente, é o melhor semanário do mundo – ou pelo menos o melhor semanário publicado em língua que eu saiba ler. Veio ocupar o lugar deixado vago há décadas por La Codorniz – “La revista más audaz para el lector más inteligente!”, trazia impresso numa tarja que atravessava a capa – impressa em castanho e cor-de-rosa, publicada em Madrid no tempo de Franco, suspensa de vez em quando pelo Poder (uma vez por causa de boletim meteorológico: “Mañana, como en igual fecha en años anteriores, se sentirá en toda la peninsula um fresco general del Noroeste”; outra, por pôr na capa de um número o desenho de um ovo enorme com a legenda “El huevo de Colón” e, na capa do número seguinte, novamente um ovo enorme com a legenda “El outro huevo de Colón”) e sempre implacável: grande fotografia do próprio com a legenda seguinte: “D. Jose Ortega y Gasset, Primero filósofo de España y Decimoquinto de Alemania”. Quando Franco acabou e veio a liberdade, acabou a Codorniz. 

 

Acontece-me agora uma coisa bizarra. Desde que Trump chegou à Casa Branca, depois de quase dois anos de campanha, com primárias republicanas e democratas primeiro e face-a-face Trump-Clinton depois, em eleições livres e limpas, tirante uma ou outra intervenção secreta e indevida do Kremlin para fazer Clinton perder votos, nunca saberemos quantos (a palavra tirante chegou-me agora directa de Camilo no começo da novela de Cenas da Foz, A Sorte em Preto, quando diz que a fidalguia do pai da heroína – cito de cor – vinha desde os godos em linha pura e varonil, “tirante um ou outro capelão atravessado”) e não se irão impugnar as eleições por causa disso, seja qual for o resultado do inquérito em curso; desde a chegada de Trump ao Escritório Oval dizia eu, perdi a paciência para os dois pontificadores nova-iorquinos – a New York Review; o New Yorker – e deixei praticamente de os ler. Continuam a vir pelo correio, de vez em quando tiro-lhes a cingida bolsa de plástico fino e transparente dentro da qual chegam a minha casa e ponho-os nas pilhas respectivas mas li por junto um artigo do New Yorker porque amigo insistiu. Estou de nojo; é estado que passa com o tempo e não cancelei assinaturas. Mas, por enquanto, raramente lhes toco – porque me sinto enganado. Afinal, eles que julgavam saber tudo mas não tinham percebido nada, deixaram multidões fartas de serem descuradas pela arrogância da mó de cima escolher gente ignorante, mal formada e viciosa para governar o país.

 

Também não tenho desculpa. Cheguei ao Instituto em Princeton logo a seguir ao 11 de Setembro com a América em estado de choque. Poucos dias depois carpinteiro da casa explicou-me como se distinguiam os automóveis do pessoal menor dos dos professores: “A gente cola a bandeira nas janelas dos nossos carros e eles não”.

 

 

 

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 3 de Janeiro de 2018

O Bloco-Notas de José Cutileiro

 

george-orwell-a-linguagem-como-construcao-de-poder.html

George Orwell

 

 

José Cutileiro

 

 

 

 

 

Ano Novo. Vida Nova ?

 

 

 

 

Sou velho demais para acreditar no automatismo de mudanças assim mas há o que a Natureza nos traz e nos tira; quer queiramos quer não. A seguir ao solstício de Dezembro (a 21 do mês; dia de anos, a propósito, do presidente francês Emmanuel Macron, cuja eleição foi, de longe, a melhor novidade política a animar a Europa desde a nefasta eleição de Trump e, antes disso, da escolha imbecil dos ingleses de se separarem da União Europeia) os dias vão roubando cada vez mais tempo às noites até ao solstício a 21 de Junho, a partir do qual as horas de luz do dia vão passar a mirrar em vez de se expandirem como fora o caso durante os seis meses anteriores, até chegarem ao seu mínimo no próximo dia de anos de Emmanuel Macron.

 

Antes que me esqueça: leitora do meu último Bloco-Notas, escreveu-me a dizer que não sabia que os jornais ingleses dantes dedicavam a sua primeira página a anúncios. Ainda conheci nesse apuro o último a fazê-lo, The Times, de Londres, que nessa altura era um jornal sério, e cujos anúncios me davam leitura obrigatória juntamente com os obituários e as cartas dos leitores. Havia, evidentemente, uma ordem no arranjo dos anúncios que nós leitores lá liamos ou lá púnhamos para outros lerem. Coisas para vender; precisão de comprar coisas; procura de casas; ofertas de casas; procura de emprego; ofertas de emprego; assuntos mais pessoais; busca de pessoas, parentes ou não, há muito desaparecidas do convívio dos anunciantes; mensagens amorosas mais ou menos crípticas – em suma, um manancial de informação sobre a vida e os costumes dos leitores do Times de Londres desse tempo, quase todos vindos das fatias mais altas da sociedade – não há na Europa estratificação mais minuciosa que a inglesa mas, ao mesmo tempo, com capacidade única de capilaridade social (“Não é o lado da moda” comenta Lady Bracknell quando o pretendente à mão da filha lhe diz o número da porta de sua casa em Belgrave Square “mas isso pode mudar-se”. “O quê? A moda ou o lado?” pergunta ele. “Ambos, se preciso for!” fulmina ela, peremptória). Era entretém fascinante e dos milhares de anúncios que ao longo dos anos li nessa primeira página do Times, houve um, nesse dia à cabeça da coluna das Vendas de que nunca mais me esqueci: “Parrot. Unsuitable for vicarage. Any offers?”

 

Mas, entre uma coisa e outra, não creio que o ano novo vá trazer vida nova. Trump irá provavelmente cumprir dois mandatos: embora os grandes beneficiários do orçamento agora aprovado estejam na fina camada de cima dos bilionários mais ricos, toda a gente vai ver um pouco mais de dinheiro nos bolsos, pelo menos nos anos mais próximos – e como dizia Bill Clinton na primeira campanha para a Casa Branca: It’s the economy, stupid!. Isto, por um lado. Por outro lado, como George Orwell, na sua fala única, disse de maneira lapidar, o homem às vezes precisa de mal, apetece-lhe o mal. Trump satisfaz anelos desses e, por todo o mundo, estamos numa de desconfiar uns dos outros.

 

 

 

 

publicado por VF às 12:53
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 20 de Setembro de 2017

O Bloco-Notas de José Cutileiro

 

 

 

António Guterres

António Guterres, secretário geral da ONU 

 

 

 

José Cutileiro

 

 

O Circo da ONU

 

 

 

Tenho fraca opinião das Nações Unidas embora lhe reconheça algumas vantagens, que pude medir pela primeira vez no Cairo, onde o Superconstellation fizera escala ao começo da noite, voando de Genebra para Bombaim em Janeiro de 1952. A altura era especial: o General Naguib tinha tomado o poder, levando o país a caminho do Terceiro Mundo (depois de correr com ele, o seu sucessor, Nasser, juntamente com o Pandita Nehru e o jugoslavo Tito – que viriam os três a morrer fiéis ao posto, de morte natural e cercados de acólitos – iriam criar o Movimento dos Não-Alinhados) forçando o Rei Faruk, deposto e exilado, a contribuir pessoalmente para a plausibilidade de vaticínio seu: daí a cinquenta anos só haveria cinco reis no mundo, o Rei de Espadas, o Rei de Paus, o Rei de Ouros, o Rei de Copas e o Rei de Inglaterra. (Voltei a passar no Cairo, daí a pouco mais de seis meses, tinha Naguib sido deposto. Mas a memória mais exótica dessa escala foi outra: ao pequeno-almoço no restaurante do terminal, servido por criados de fez encarnado, se se pedia bacon & eggs vinham sempre três ovos com o bacon. Nunca me acontecera antes nem aconteceu depois, em nenhum lugar do mundo).

 

Nós viajávamos com laissez passer das Nações Unidas porque o Pai trabalhava para a Organização Mundial da Saúde. No mesmo avião vinham duas enfermeiras inglesas de meia-idade, também funcionárias da OMS, que insistiram em se fazer identificar pelos seus passaportes britânicos, válidos e legais no Egipto – e desde há mais de um século impositores de ordem, respeito e eventual subserviência desde o Suez até Pequim. Mas as autoridades fronteiriças do Egipto agora ao serviço de Naguib – nem imagino como terá sido quando passaram a servir Nasser – fingiam não perceber a insistência das Misses e, sabendo que estas viajavam pela OMS, exigiam os laissez-passer da ONU, para eles organização acima de todas as outras no mundo, subalternizando assim os British Passports emitidos por agentes de Sua Majestade Britânica - propósito evidente e inflexível da sua diligência. As enfermeiras a certa altura perceberam que não as deixariam seguir para a Índia, submeteram a razão ao bom senso, e seguiram para Bombaim indignadas.

 

Passados 34 anos, na minha primeira ida à ONU em Nova Iorque, pego à chegada no New York Times, vejo na primeira página artigo sobre a Assembleia Geral que começava e, no segundo parágrafo, leio “Diz António Monteiro, de Portugal: é psicoterapia de grupo para o mundo”. Ele não era ainda embaixador mas diplomata na nossa Missão – e nunca esqueci essa maneira de explicar a utilidade do ritual. Outro momento a não esquecer, 8 anos mais tarde. Nos 50 anos da Organização, o Fernando Andresen, embaixador em Washington e eu, secretário-geral da UEO, entrávamos às 9 da manhã no grande anfiteatro cheio de convidados. “Tu põe-te a pau” disse ele sem olhar para mim. “A maioria desta malta é estrangeira”.

 

Quem não seja burro de todo também aprende com os mais novos.

 

 

 

 

publicado por VF às 20:38
link do post | comentar | favorito
Domingo, 20 de Agosto de 2017

Espólio de Vasco Luís Futscher Pereira (1922-1984)

 

Disponível para consulta no  Arquivo Histórico Diplomático do Ministério dos Negócios Estrangeiros. 

 

 Daniel Rocha

 

Hoje, como no início da carreira de Futscher Pereira, os telegramas rosa são os recebidos e os telegramas verdes são os expedidos. O espólio ocupa 14 prateleiras do Arquivo Histórico Diplomático do Ministério dos Negócios Estrangeiros.

Foto Daniel Rocha

 

  

Estudar este espólio, disse o ministro [dos Negócios Estrangeiros] que é ele próprio um académico, vai permitir ver “como se exerce a profissão de diplomata, como se cresce e se amadurece passando pelos postos C., e como se faz política externa em Portugal — que tem sido sempre um pouco singular”. Foi justamente isso que a filha Vera mais gostou de descobrir ao mergulhar no universo profissional do pai: “Ver o que realmente faz um diplomata. Tem-se aquela ideia do croquete. Como a história da menina a quem perguntam: ‘O que faz o teu pai?’ e ela responde: ‘É diplomata e faz discursos em francês.’ Aqui percebe-se que ser diplomata é sobretudo a descrição e a análise do que se está a passar nos países. Foi ver os bastidores de uma profissão que é tão secreta.”

 

Em momentos separados e a milhares de quilómetros de distância, ela em Lisboa, ele em Dublin, os dois irmãos usam exactamente a mesma expressão. “Estava sentado em cima dos papéis quando já há historiadores interessados em ver”, conta Bernardo. “Até que percebemos que estávamos aqui sentados em cima dos papéis e que assim os papéis morrem”, diz Vera. O filho-embaixador tem uma razão extra: “Sendo eu próprio investigador nas horas vagas [é autor de A Diplomacia de Salazar (1932-1949), de 2012, e Crepúsculo do Colonialismo – A Diplomacia do Estado Novo (1949-1961), que acaba de ser lançado], não me sentiria bem perante os meus colegas académicos dispondo daquele espólio e não o pondo à disposição deles também. Se o meu pai guardou isto tudo, é porque achava que os documentos tinham valor histórico. Não era apenas para nós podermos saber o que ele tinha feito como diplomata.”

 

Leia na íntegra o artigo de Bárbara Reis no jornal Público 

 

 

 

 

 

Vasco e Malu com Nancy e Ronald Reagan

Vasco e Malu Futscher Pereira com Nancy e Ronald Reagan em Washington

 

 

 

* * *

José de Freitas Ferraz* :

 

Ele, na realidade, foi o diplomata mais completo que eu conheci. Na medida em que era um homem extremamente inteligente e culto, tinha uma enorme capacidade de análise, escrevia muitíssimo bem, ainda hoje se quiserem podem ver, e para além disso era extremamente gregário, era extremamente afável, era extremamente simpático, ele tinha uma necessidade terrível de ter gente à volta e tinha também a seu favor o facto de, na realidade, a embaixada em Washington para ele ser o terceiro posto que ele fazia nos EUA. [...] O que aconteceu nesse período, nos períodos em que ele tinha estado nos outros postos ia coleccionando amigos e quando chegou a Washington já tinha uma rede importante e uma rede que desenvolveu.

 

Ele tinha uma, algo que eu aprendi na altura e os colegas também, que era : ele não tolerava "nós". Ele que era extremamente simpático e afável, não tolerava que num jantar oficial, numa recepção, nós, nos apanhasse a falar uns com os outros. Porque ele explicava que vocês estão aqui para trabalhar, portanto fazem o obséquio de falar com os convidados.

 

E ele, por seu lado, se eu estivesse numa ponta da sala, era um prazer ver o Vasco Futscher Pereira e a Malu a trabalhar, como os americanos diziam, “working the crowd”, praticamente cobrindo digamos 60 ou 100 convidados que eles lá tinham.

 

 

*

Bernardo Futscher Pereira:

 

Sempre guardou cuidadosamente e transportou consigo pelo mundo a sua correspondência com o ministério, as inúmeras cartas que trocou com colegas e amigos, os recortes de imprensa em que se apoiaram os seus relatórios. É todo este manancial de documentos, com a única exceção dos que são de natureza estritamente pessoal e familiar, que hoje simbolicamente entregamos à guarda do Arquivo Histórico-Diplomático.

 

E não haverá certamente melhor sitio para o depositar do que no Arquivo Histórico Diplomático do Ministério dos Negócios Estrangeiros. Faço-o com particular gosto por ser eu próprio um utilizador assíduo do arquivo e conhecer o seu valor ímpar para o estudo da história diplomática de Portugal – ou seja para a história de Portugal.

 

Sempre procurou transmitir a importância de fazer as coisas bem feitas. Punha um grande apuro em tudo o que fazia, e em particular naquilo que escrevia, num estilo que se esforçava para tornar límpido e elegante. Não era pessoa timorata, que se acanhasse perante os seus superiores ou que deixasse de exprimir, de forma delicada mas firme, os seus pontos de vista. Estava à vontade com toda a gente.

 

Teve uma vida muito atribulada, mas nunca se deixou abater pelas preocupações. Pelo contrário, procurou sempre gozá-la tanto quanto podia. Tinha tempo para tudo. Aliás, costumava dizer: “não ando com pressa na vida”. 

 

Discípulo de António Sérgio e Agostinho da Silva, creio que se via como um humanista. O amor pela cultura manifestava-se numa devoção pelos livros, não como objetos – não era bibliófilo nesse sentido embora adorasse todas as artes decorativas, incluindo a encadernação – mas como expressão do que de mais profundo e elevado a razão e a arte podem criar.

 

 

 

*

 

*Presidente do Instituto Diplomático

 

 

Agradecimentos: Margarida Lages, José de Freitas Ferraz, Bárbara Reis, jornal Público 

 

 

 

 

 

 

 

 

publicado por VF às 10:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 16 de Agosto de 2017

O Bloco-Notas de José Cutileiro

 

 

Ninotchka-05

Greta Garbo em Ninotchka

 

 

 

José Cutileiro

 

 

Elogio dos coca-bichinhos

 

 

 

Num fim de tarde sombrio do fim do Outono de 1967, em sala aquecida a gás da cave victoriana de Saint Antony’s College, Oxford, assistia eu a uma das cinco palestras sobre Marx dadas pelo Professor Chemin Abramsky, sumidade que vinha às quintas-feiras de Londres iluminar os nossos espíritos, quando ele declarou que Marx se dera imediatamente conta da importância para a história da Europa da Comuna Francesa como tal. “Engels”, acrescentou, “foi mais lento. Levou-lhe cerca de quinze dias”. (Talmúdico e germânico, Abramsky lera, inter alia, toda a correspondência entre os dois).

 

Percebi nesse instante que a vida académica onde há três anos me metera não era para mim mas passariam ainda mais sete – e revolta vitoriosa, por fartura das guerras coloniais, de maioria esmagadora de oficiais milicianos e do quadro das forças armadas portuguesas – até a deixar. Sem o espírito coca-bichinhos porém, não haveria ciência e sem ciência não teríamos, por exemplo, nem aspirina, nem aviões, nem o numérico. Outro exemplo: sem inclinação coca-bichinhos a meter ombros à sua visão, o frade de Brno não teria aguentado oito anos de registo da fecundação cruzada de ervilhas de cheiro - e não haveria genética moderna. Nada é simples. Quando Vasco Pulido Valente era candidato a Saint Antony’s, Raymond Carr, director do colégio perguntou-me se o meu amigo era realmente bom. “É um homem muito inteligente” respondi. “Com certeza. Mas porque é que um homem muito inteligente haveria de fazer investigação pormenorizada?”

 

Até hoje nunca ninguém soube o futuro e continuamos a não o saber. Mas, graças aos progressos da ciência (incluindo nesses progressos a liberdade de estudar o que se quiser e de publicar livremente os resultados desses estudos) tampouco agora temos sobre o passado as certezas que tínhamos. Por um lado, mais uma vez, a liberdade de levantar dúvidas – “If you think your mother loves you, check it”, dizia o chefe da redacção ao estagiário nos grandes anos da imprensa escrita americana – por outro lado, cada vez mais coca-bichinhos auferem tempo e dinheiro para satisfazer a sua curiosidade diligente.

 

Para a vasta maioria de nós todos incluindo, presumo, a leitora, o colapso da União Soviética e o fim dos regimes comunistas da Europa Oriental foram um alívio para quem lá vivia e um sossego para nós também. Salvo – e, machista, a nossa opinião em geral não reparou nisso – quanto à satisfação sexual das mulheres. Em 1917, mesmo antes do Bolchevismo, tiveram o voto na Rússia; na URSS e satélites depressa ganharam direitos e liberdades económicas e sociais que as libertaram de muitas dependências e jugos do homem. Estaline fez marcha atrás; mas embora menos na URSS, na Albânia e na Roménia onde também houve retrocessos, a situação feminina europeia do lado de lá era muito melhor do que do lado de cá – para mais fruição e prazer das próprias, também sexual. Tudo medido e avaliado agora por coca-bichinhos e coca-bichinhas.

 

 

 

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 11 de Janeiro de 2017

O Bloco-Notas de José Cutileiro

 

 

 

Mário Soares

 

Mário Soares

1924-2017 

 

 

 

 

 

José Cutileiro

 

 

O bey de Tunis

 

 

 

O bey de Tunis entrou na literatura portuguesa na manhã em que Eça de Queiroz se serviu dele para acudir a um writer’s block. Prometera na véspera ao director do jornal que teria o artigo pronto para ele no dia seguinte. O moço da tipografia que viera buscá-lo esperava no pátio, andando de um lado para o outro com botas que rangiam. Mas a noite passara, a inspiração não chegara e agora, entre a espada e a parede, Eça, sem outro tema que lhe passasse pela cabeça, resolvera atacar o bey de Tunis – com má consciência, porque o que sabia do bei dava este como homem perfeitamente estimável e, ainda por cima, julgava ter visto algures que ele tinha morrido. Pouco importava. “Em Tunis há sempre um bey” decretou – e deu cabo dele.

 

Ou pelo menos assim resolveu dizer aos seus leitores e ao também escritor Pinheiro Chagas a quem treplicava. Eça escrevera em artigo publicado numa revista duas passagens cujos conteúdos haviam indignado Pinheiro Chagas: que a nossa colonização no Oriente fora um monumento de ignomínia e que no começo do século XIX Portugal fora uma colónia do Brazil. Num artigo de jornal Pinheiro Chagas replicara, com argumentos recheados de erudição (num deles evoca as Molucas, levando Eça a perguntar-lhe na sua tréplica: “Pois todas as Molucas, Pinheiro Chagas?) e condenara Eça pela insuficiência do seu conhecimento e a sua falta de patriotismo. Agora Eça, com talento polémico e leveza de prosa muito superiores aos do outro, considera Pinheiro Chagas um brigadeiro da campanha do Roussilhão que “sabiam deitar fundilhos numas calças e estavam convencidos de que Deus era padre” e diz-lhe por fim “Você, meu caro Pinheiro Chagas, não ama a Pátria, namora-a”. Pretendendo fazê-lo para desculpar Chagas dos disparates que contra ele dissera, inventa sardonicamente a história do bey de Tunis explicando que sabia bem quanto a falta de inspiração era razão de tantos disparates que se publicam nos jornais. (Ou diz isto por palavras suas, melhores do que as minhas, porque cito de memória e não vale a pena contar outra vez à leitora quanto a memória é traiçoeira: tanto ou mais do que as mulheres garantiu-me há anos, sem estar bêbado, um marialva desmemoriado).

 

Os tempos não são bons. Estamos a poucos dias de Trump dispor dos códigos secretos, isto é mais perto do que alguma vez estivemos de uma guerra nuclear – e de muitas outras arrelias convencionais. E Mário Soares deixou-nos. Entre Setembro de 1974 e Novembro de 1975, sempre que vinha de Londres a Lisboa tentava ir ver, antes de quaisquer outros, o mais pessimista e o mais optimista dos meus amigos, traçava a bissetriz entre o que cada um deles me dizia e sabia em que Portugal estava. Mais tarde, com a Pátria outra vez pacata, quando Victor Cunha Rego se foi embora procurei tentar substituir o pessimismo dele pelo meu. Não foi fácil mas não foi impossível. Mas o optimismo de Mário Soares não o encontro em mim e fiquei agora sem saber em quem o possa encontrar.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

publicado por VF às 19:54
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

pesquisar

mais sobre mim

posts recentes

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

Espólio de Vasco Luís Fut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

tags

todas as tags

links

arquivos

Creative Commons License
This work by //retrovisor.blogs.sapo.pt is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Blogs Portugal

blogs SAPO

subscrever feeds