Quarta-feira, 2 de Maio de 2018

O Bloco-Notas de José Cutileiro

matsys

Quentin Metsys - O Cambista e a sua mulher (1519)

 

 

 

José Cutileiro

 

 

 

Deutschland, Deutschland über alles

 

 

 

Quem é o maior inimigo da União Europeia? O Reino Unido, de saída no comboio fantasma do Brexit? Itália, onde maioria dos eleitores votaram este ano em partidos que não a querem? Polónia, a submeter o poder judicial ao poder executivo? A Hungria autoritária e xenófoba de Vitor Orban?

 

Ou estará o inimigo fora de portas? Os Estados Unidos de Donald Trump com o seu ataque sistemático ao ambiente e a sua guerra comercial contra mundo? A cleptocracia de Vladimir Putin, incapaz de diversificar economia de gás e petróleo, com 110 pessoas donas de 35% da riqueza russa, a mão de ferro do Kremlin a dominar jornais, telefonias e televisões, controlando a opinião interna, e ordena piratagem informática (e um assassinato ou outro), para tentar destabilizar potências estrangeiras, grandes ou pequenas? Ou será a China, planeando a longo prazo (que já não é o que era: Keynes escreveu que a longo prazo já teremos morrido todos mas agora, a longo prazo, ainda alguns de nós por cá andarão)?

 

Ou, para espíritos seduzidos pela teoria conspirativa da história, todos estes, mancomunados uns com os outros?

 

Nada disso, leitora. O maior inimigo da União Europeia é afinal a Alemanha, que é também o mais populoso e o mais rico dos seus Estados Membros bem como, até há poucos anos, o era a Alemanha Federal – antes da reunificação havia duas Alemanhas - o único a encontrar na Europa um Ersatz de Pátria . Em 1996, em Bruxelas, coronel alemão que trabalhava comigo na UEO e fora no dia 9 de Maio a espectáculo na Grand Place para celebrar o Dia da Europa, contou-me, indignado, que só ele, a mulher e os filhos se tinham levantado quando fora tocado o Hino da Europa (4º andamento da nona sinfonia de Beethoven, sobre a Ode á Alegria de Schiller).

 

Em 1945, os europeus beligerantes estavam de rastos e a Alemanha, além disso, com quatro patas em cima (USA, URSS, Reino Unido e França) para só se levantar devagar e desarmada. Mas em 1957 já assinou o Tratado de Roma (a Itália também); laboriosa e disciplinada fora pagando a sua conta, pagamento muito facilitado porque se precisava dela forte, perante a União Soviética. Com os anos foi recuperando muitas das características de uma grande potência (e uma rara nestas: era o único dos “grandes” a esforçar-se por tratar bem os “pequenos”). Antes de se dissolver, a União Soviética consentiu na sua reunificação. Aí as coisas mudaram.

 

A “construção europeia” fora inventada na esperança de se poder viver em paz com a Alemanha depois das duas tragédias da primeira metade do século XX. Funcionou enquanto a Alemanha era devedora e estava dividida. Cofre pagador e reunificada, opõe-se a qualquer forma de mutualização da dívida. Acredita que o Norte protestante da Europa é bom e o Sul católico e ortodoxo é mau. Dívidas são pecados. Conservadores, liberais, verdes e democratas sociais acham “que a Europa está como está porque não se foi suficientemente duro com os países do Sul”. Nada bom à vista.

 

 

 

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 18 de Abril de 2018

O Bloco-Notas de José Cutileiro

IMG_5457

bola de cristal

 

 

José Cutileiro

 

À procura do futuro?

 

 

 

Dois factos

 

Primeiro: Entre 2007 e 2017, os proventos dos administradores das cem maiores companhias do Reino Unido foram multiplicados por quatro, isto é, passaram em média de um milhão para quatro milhões de libras esterlinas por ano. Durante a mesma década, os proventos do geral das pessoas empregues por conta de outrem no Reino Unido aumentaram de 10%, isto é de 1% por ano.

 

Segundo: Também no Reino Unido, à pergunta, corrente em inquéritos de sociedade, ‘Acha que os seus filhos vão ter vida melhor do que a sua?’ as respostas, até 2007, tinham sido quase sempre sim – e, a partir de 2008, passaram a ser quase sempre não.

 

Uma preocupação.

 

Em toda a Europa Ocidental, comentadores nos jornais, nas telefonias, nas televisões alarmam-nos de há alguns anos a esta parte com o crescimento do chamado populismo. Referendo no Reino Unido a escolher saída da União Europeia; eleição de Donald Trump para presidente dos Estados Unidos; eleição – e reeleição recente e reforçada – de Vitor Orban para primeiro ministro da Hungria; popularidade mantida pelo actual governo liberticida polaco; subida nas sondagens da Frente Nacional em França e – mais ainda – do movimento Cinco Estrelas na Itália, são dados como exemplos, entre outros, desse crescimento. Aos jornalistas juntam-se os cientistas políticos (a final de contas, uma espécie de jornalistas lentos e  possuídos por ‘the craving for generalizations’ que tanto irritava Wittgenstein) os quais tentam definir populismo, classificar variedades, comparar os seus aproveitamentos por demagogos de direita e de esquerda . Uns e outros, os rápidos e os lentos, preocupados por verem a Democracia mirrar dia a dia diante dos seus olhos, espécie de bambu ao contrário.

 

Um lembrete.

 

Ao contrário do que muito boa gente parece pensar, o fim do comunismo – o colapso da União Soviética; o mandarinato marxista-leninista de Beijing – não foi a extinção de uma doença. Foi o falhanço de um remédio e a sua desacreditação. O comunismo perdeu a Guerra Fria porque era pior do que o capitalismo mas a maneira como as coisas têm corrido desde então está a dar ao capitalismo uma vitória pírrica. Prosseguindo na metáfora médica: a doença continua e, esgotadas todas as variedades da mezinha experimentada primeiro em 1917 – de Pol Pot às democracias sociais nórdicas – parece urgente descobrir outro tratamento.

 

Um palpite.

 

Estaline disse a Churchill em Yalta que o embaixador que ele lhe mandara para Moscovo durante a guerra, trabalhista fabiano, era de primeira água mas tinha mania curiosa: querer explicar-lhe a ele, Estaline, o que era o socialismo. Quase 80 anos depois, se os povos fossem gatos, não seria por nenhuma dessas duas vias que iriam às filhoses. Nem pela da Rerum novarum.Inventar-se-ão misturas mais sensatas do que as ortodoxias vigentes. Se os Estados Unidos correrem com o maluco a tempo, mesmo que já não possam ser donos do jardim zoológico talvez ainda possam servir de polícia de trânsito.

  

 

 

 

 

 

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 11 de Abril de 2018

O Bloco-Notas de José Cutileiro

 

Hungria,2018

fronteira húngara

 

 

José Cutileiro

 

 

Fronteiras

 

 

 

Tinha quatorze anos a primeira vez que pisei uma fronteira. Foi numa tarde quente de verão em S. Leonardo-Fronteira, entre Mourão e Villa Nueva del Fresno, muito antes do burgo espanhol ficar conhecido por a PIDE ter assassinado brutalmente o general Humberto Delgado e a sua amante brasileira e os ter mal enterrado num campo próximo. (A segunda, três anos depois, foi numa manhã nevada de inverno, no passe do Kyberg, marcado por lápides de regimentos coloniais ingleses do fim do século XIX e começo do século XX – Churchill, a cavalo, andou à bulha por lá - em caminho montanhoso entre Peshawar, no Paquistão, e Jellalabad no Afeganistão onde iamos pernoitar mas isso é outra história e ficará para outro dia).

 

Nesse tempo, a Espanha era mais pobre do que Portugal e a fronteira, que atravessava a estrada numa linha oblíqua, marcava a diferença. Do nosso lado o piso era alcatrão, do lado espanhol, terra batida. Tínhamos ido de Reguengos até lá de passeio, no carro do Dr. José Pires Gonçalves, médico e medievalista amador competente (em Portugal, cada homem, além de ser o que é é outra coisa, e essa outra coisa é o que ele gostaria de ser, escreveu Ramalho Ortigão) com o Dr. José Sereto, Secretário do Tribunal e poeta satírico de mérito (em Portugal, cada homem …) que de pé, diante do alcatrão e da terra batida, recitou « Fronteira » de Miguel Torga, que eu não conhecia.

 

De um lado terra, doutro lado terra;                                                                                                                  

De um lado gente, doutro lado gente;                                                                                            

Lados e filhos desta mesma serra,                                                                                           

O mesmo céu os olha e os consente.

 

O mesmo beijo aqui; o mesmo beijo além;                                                                                

Uivos iguais de lobo ou de alcateia                                                                                             

E a mesma lua lírica que vem                                                                                                       

Corar meadas duma nova teia.

 

Mas uma força que não tem razão,

Que não tem olhos, que não tem sentido,                                                                                             

Passa e reparte o coração                                                                                                                

Do mais pequeno tojo adormecido.

 

 

Fiquei maravilhado. Desde esse dia e durante muito tempo as fronteiras para mim foram isso. Fronteiras políticas entre estados. Portugal e Espanha, Espanha e França, França e Bélgica, Bélgica e Holanda, Holanda e Alemanha, separações que a União Europeia, dentro dos seus limites, estava a conseguir apagar deixando-nos passar de um estado para outro quase sem dar por isso.

 

Há poucos anos, quando grandes imigrações inesperadas começaram a dar mau viver, o quadro mudou de cores. A ‘força’ que Torga verbera nos seus versos, a repartir o coração do mais pequeno tojo adormecido, tem afinal razão, olhos e sentido. Quem não os tinha era Torga e tantas almas mais ou menos poéticas, como a minha, embevecidas com o génio lírico do transmontano e distraidas do que se passava diante dos nossos olhos.

 

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quarta-feira, 28 de Março de 2018

O Bloco-Notas de José Cutileiro

pain_au_chocolat

pain au chocolat

 

José Cutileiro

 

 

Nova Iorque dos Pobres e Espírito de Contradição

 

 

 I

Há muitos anos chamei a Bruxelas a Nova Iorque dos pobres e dá sempre gosto ao inventor verificar que a coisa inventada existe. (Tem riscos, como tudo quanto seja levado ao excesso; Camões lembrou-o cruelmente: Torna-se o amador na coisa amada/Por virtude de muito imaginar).

 

Hoje, em minúscula clínica dessas que há agora onde a gente se sente muito melhor do que num hospital, de tal maneira que os anestesistas para nos porem a dormir precisam só da quarta parte do líquido que nos injectam nos ditos hospitais, fizeram-me pequena intervenção. O cirurgião era grego, a anestesista polaca, a enfermeira uruguaia, eu português (a minha mulher, cujo telefone lhes dei, é francesa). Belga, só talvez a recepcionista que, nos cinco minutos que passei na sala espera, desembaraçava-se em francês e no holandês que se fala aqui – 60% no país,12% em Bruxelas. Na meia hora de chá preto e pain au chocolat que passei entre acordar e ir-me embora, a conversa terá sido mais variada e divertida do que teria sido na Mãe Pátria sobre mexeriquices de colegas, amigos, parentes e os altos e baixos do Desporto Rei. À uruguaia lembrei embaixador reformado inglês encontrado em Londres na casa de amigos ingleses, há mais de meio século, que em Montevideo fora raptado pelos «Tupamaros», terroristas urbanos, todos de boas famílias e educadíssimos que o trataram sempres bem e foi libertado incólume, aprendendo, todavia uma lição: nunca acreditar em quem prometa paraíso futuro onde só se possa chegar através de inferno intermédio (foi a enfermeira que me lembrou o nome dos guerrilheiros). A anestesista, que tem vergonha do actual governo polaco, fez-me pensar em Geremek, o grande medievalista e ministro dos negócios estrangeiros polaco da Solidarnosc, a contar-me, em Varsóvia, cena entre Walesa e Ieltsin,os dois bêbados, com o russo a garantir ao polaco que deixava a Polónia juntar-se à OTAN enquanto os seus colaboradores lhe repetiam que não podia ser, e o electricista de Gdansk perguntava, do outro lado: «Quem é que manda na Rússia ? És tu ou são eles ?». E ao cirurgião, que trouxera ele mesmo o pain au chocolat e me explicara não haver razões para preocupação, disse que ele conseguira criar, no coração de Bruxelas, uma espécie de Atenas sem corrupção. (Grego nosso conhecido impressionara-nos há dias com a aventura de conseguir internar e tratar bem a sua velha e lúcida mãe num hospital privado de Antenas: só mediante gorjetas e subornos tais que me indignaram, e eu sou d’Évora, não de Oslo nem de Helsinquia. No Peloponeso, assim se vive e se acha natural viver. Viva a Nova Iorque dos pobres!

 

II

John Bolton, como Conselheiro Nacional de Segurança de Trump, poderá ser benéfico. Um defeito de Trump é o espírito de contradição e desconfia tanto dos conselheiros que talvez agora, para mostrar que não depende de Bolton, passe a usar de bom senso. (Estariam ambos melhor em Rilhafolhes mas não se pode ter tudo…)

 

 

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 7 de Fevereiro de 2018

O Bloco-Notas de José Cutileiro

 

US_Constitution

 Constituição dos Estados Unidos da América

 

 

 

José Cutileiro

 

 

Trump, os americanos e nós

 

 

 

Jornais americanos contaram as mentiras de Trump e o cálculo dá mais de 5 mentiras por dia desde a tomada de posse. Para ser justo, o número pouco sentido faz se não for comparado com números equivalentes para os seus predecessores, pelo menos desde Ronald Reagan, inclusive: Bush pai, Bill Clinton, Bush filho, Barack Obama. Obama foi comparado – mentia, mas muito menos - porém estudos dos outros, difíceis e morosos, não foram feitos. Talvez algum bilionário benemérito de extrema-direita pudesse encomendá-los a uma das entidades competentes e impolutas que existem nos Estados Unidos.

 

Não ajuda debate político cada vez mais faccioso ter, de um lado, a diabolização de Trump, e, do outro, a diabolização de Hillary Clinton - e também, para americanos puros e duros, a base evangélica que apoia o Vice-Presidente Pence, desde os cachafundos da cintura bíblica do Sul confederado até ao Knesset em Jerusalém, a diabolização de mulheres que não cozinhem todos dias pontualmente o jantar dos maridos e não criem filhas de maneira que estas venham a portar-se como elas. “She-devils” chamam-lhes os Republicanos mais entusiastas para ganharem votos nas eleições deste ano para o Congresso.

 

À primeira vista, na Europa, é preciso chegarmos a ramalhetes sombrios de curas e fidalgos na Bretanha azul; a aldeias polacas ou austríacas, beatas e anti-semitas; a jovens bávaros ou suecos desempregados, disciplinados na violência, para encontrar tal eflúvio de crenças anacrónicas. Todo o cuidado é pouco mas com Macron em França, a grande coligação na Alemanha (knock on wood!), a Espanha laicizada e a Itália desconfiada de grandes visões, é provável que a Europa escape à ambição de ordem sem democracia que anima os governos de Budapeste e de Varsóvia. (Un polonais, un charmeur; deux polonais une bagarre; trois polonais, la question polonaise, Voltaire).

 

Nos Estados Unidos é diferente. E o que lá se passar vai afectar-nos a todos na Europa. Os números da economia, a curto prazo, confortarão Trump e algumas das suas falhas morais (menos chocantes para latinos do que para europeus do Norte: amigo português, dez anos mais velho do que eu, dizia à mulher: “O nosso azar filha é termos nascido cedo demais – senão tu também me punhas os palitos e eramos os dois felizes”. Já morreram ambos) não abalam o seu eleitorado. Em inquérito recente, 72% dos Republicanos acham Trump um bom modelo para a juventude (faz a gente pensar). O busílis está no assalto a critérios de decência e equilíbrio de poderes (que desde os Pais Fundadores conferem aos Estados Unidos força, atracção e estabilidade) feito escandalosamente por Trump, com desenvoltura que põe os seus interesses próprios à frente dos interesses dos Estados Unidos. Desde a não declaração do património até à publicação recente de elementos de inquérito do FBI contra a oposição do director deste, os casos vão-se acumulando. Se lhe derem mais um mandato, receio que o dano seja irreparável.

 

 

 

 

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 17 de Janeiro de 2018

O Bloco-Notas de José Cutileiro

trump-tower-las-vegas_dezeen

Las Vegas 

 

 

José Cutileiro

 

 

 

Patos bravos

 

 

 

As mesmas palavras dizem coisas diferentes segundo os lugares. Em norueguês, “pato bravo” traz logo à cabeça peça de teatro de Ibsen (e em inglês também, em certas circunstâncias: vi uma tarde em Nairobi cartaz de representação teatral nessa noite e noites seguintes, por actrizes e actores negros do Quénia, alguns dos quais lá estavam figurados, de The Wild Duck de Hendrik Ibsen). E poderia ter visto cartaz equivalente, escrito em dinamarquês, numa rua de Copenhaga, porque a língua em que Ibsen escreveu os seus dramas era o dinamarquês, embora Ibsen ele próprio fosse norueguês - não é bem o mesmo que Luís Bernardo Honwana, sendo moçambicano, escrever em português, mas tampouco é completamente diferente porque a Noruega, se não estou em erro, a certa altura foi colónia ou coisa parecida da Dinamarca - e como o disparate não poupa ninguém, nem os escandinavos, quase sempre tão certinhos em tudo, há agora na Noruega espíritos desembaraçados que retrovertem Ibsen para norueguês moderno, oferecendo a públicos de representações teatrais e a leitoras de livros o que eles entendem ser como Ibsen teria escrito agora. Disse-me entendida um dia que o dito norueguês moderno soava feio e tosco, enquanto o Ibsen original soava bonito e subtil, mas essa minha amiga era um alma sensível e considerava que o punhado de homens e mulheres, instruídos obrigatoriamente, que julgavam estar assim a fazer justiça ao verdadeiro espírito do dramaturgo, estavam na realidade a caricaturá-lo, ainda por cima com mau gosto.

 

Já as três palavras Le Canard Sauvage, lidas em parede de uma rua de Bruxelas, só depois de muitas voltas lembrariam o mister – ou arte, ou engenho – de Racine, Goethe ou Shakespeare ou, porque não, do próprio Ibsen (tenho dias em que não consigo impedir-me de complicar as coisas…) mas antes, prosaica e gulosamente, sugeriria restaurante mais ou menos pretensioso. Em Bruxelas, ou em Estrasburgo, ou em Mulhouse, ou em Basileia, ou em qualquer outro vestígio do Reino Lotaríngio, tudo isto em grande parte depois Ducado de Borgonha, e hoje, Suíça, França, Luxemburgo, Bélgica Valónica, um dos ramalhetes de lugares no mundo onde há séculos se come e se bebe muito bem.

 

Em Lisboa, isto é, na Lisboa do meu tempo - não sei se hoje se falará por lá assim – o significado de ‘pato bravo’ era outro ainda. Um pato bravo era um construtor civil que fizera fortuna e passara a novo rico, nem sempre com honestidade pegada à sua reputação, pelo contrário, mas com jeito para escapar a complicações. Muitas vezes, não sei porquê, vindo de Tomar. Nesse Portugal, o equivalente de Trump seria um pato bravo ordinário. Mas o caso de Trump é mais complicado: os patos bravos de Nova Iorque escapam melhor à troça dos ricos-ricos se forem de Manhattan do que se forem de Brooklyn. E Trump é um pato bravo de Brooklyn. São complexos de inferioridade, uns dentro dos outros como bonecas russas, e o homem sempre a achar que não lhe estão a dar o valor devido.

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 15 de Novembro de 2017

O Bloco-Notas de José Cutileiro

 

soldado-na-bandeira-da-união-europeia

 

 

 

 

José Cutileiro

 

 

 

Incompetência a mais

 

 

 

23 dos 27 países que constituirão a União Europeia depois da saída do Reino Unido lançaram no dia 13 uma Cooperação Estruturada Permanente em Defesa. Esta iniciativa crucial, em estudo há vários meses, abre novas formas de os europeus reforçarem a sua segurança. Todas as capitais europeias sabem que num mundo muito perigoso, com inimigos a Leste (a Rússia de Putin) e a Sul (o terrorismo islâmico) e com aliado a Oeste que parece ter deixado de ser incondicional (os Estados Unidos de Trump), a nossa segurança poderá não ser garantida apenas pelos meios de que dispomos hoje, nomeadamente as forças de cada um e as capacidades da OTAN a que 22 de nós pertencemos. A Irlanda, no mesmo dia, anunciou ir em breve juntar-se aos outros.

 

Ficaram de fora, como já se esperava, a Dinamarca que, quando aderira às Comunidades Europeias em 1973 declarara que nunca participaria em iniciativas militares no quadro desta (a ideia, nessa altura, era não se associar a qualquer eventual enfraquecimento da OTAN, risco que já há anos deixou de existir) e Malta que não é membro da OTAN e é signatária de documentos do seu tempo de país “não-alinhado”. Surpreendentemente, por decisão nossa, ficou também de fora Portugal, signatário em 1949 do Tratado do Atlântico Norte de Washington e, por isso, membro fundador da Organização deste, vulgo NATO.

 

Quando na segunda-feira a notícia me chegou pelo écran do meu computador, dei – literalmente – um salto na cadeira. A leitora que não entenda a vivacidade dessa reacção, conto porquê. Pertencer à NATO é a trave mestra da defesa nacional, isto é, da segurança do nosso país, desde muito antes do 25 de Abril. Embora só depois de passarmos a ser uma democracia, em 1976, tenhamos sido admitidos como candidatos às Comunidades Europeias (hoje, União Europeia), às quais aderimos, ao mesmo tempo que a Espanha, em 1986, necessidades estratégicas nossas e do Ocidente em geral fizeram pôr de parte esse requisito quanto a defesa e segurança, no nosso caso. (A Espanha só pôde entrar na NATO depois de ser uma democracia).

 

Apesar de ocasionais expressões francesas de antiamericanismo o primado da NATO nunca foi posto em causa. Depois do fim da Guerra Fria, porém, certas coisas mudaram. Por um lado, a reunificação alemã fez a França perceber que precisava mais dos Estados Unidos do que julgava; por outro lado, a passagem da Rússia de potência mundial a potência regional levou os Estados Unidos a entenderem que os europeus deveriam pagar mais pela sua própria defesa (pagamos escandalosamente pouco). E aqui entra a necessidade urgente e vital de desenvolver as capacidades potenciais de defesa da União Europeia.

 

Que Portugal não se meta nisso, logo à cabeça, é muito mau sinal. Dada a matéria, precisar do apoio comunista deixa o governo em apneia patriótica mas atacar Costa nesta altura faz a oposição parecer desmiolada e pouco patriótica também. Já não há 5 de Outubro, 28 de Maio ou 25 de Abril. Como ganhar ânimo?

 

O autor foi Secretário-Geral da União da Europa Ocidental, à época a única organização europeia de defesa, de 1994 a 1999.

 

publicado por VF às 12:27
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 1 de Novembro de 2017

O Bloco-Notas de José Cutileiro

666px-Miguel_de_Unamuno_Meurisse_1925

 Miguel de Unamuno

 

 

 

 

 

José Cutileiro

 

 

 

Hommage to Catatonia

 

 

 

George Orwell publicou um livro célebre sobre a guerra civil espanhola – a Guerra de Espanha de 1936-1939, tantas vezes lembrada ultimamente – a que chamou Homenagem à Catalunha, Hommage to Catalonia no original inglês. Na manhã de 31de Outubro em que este bloco escrevo, quando a tragicomédia das últimas semanas que parecia opor Madrid e Barcelona, ameaçando aqui e além caminhar para tragédia mesmo, se começou de repente a desfazer em farsa, em opera buffa, levando toda a gente, salvo os independentistas mais aguerridos, a dar grande suspiro de alívio, Orwell nosso contemporâneo deveria começar a escrever livro sobre a dita tragicomédia, a que chamasse Hommage to Catatonia – Homenagem à Catatonia.

 

Mas deixemos o manicómio e suspiremos de alívio. Quando o homem que, por iniciativa própria, decidira declarar e incarnar a Republica independente da Catalunha, e apoiado por almas igualmente determinadas, dar a cara contra Madrid, a União Europeia, Washington, por fim contra mundo (salvo a Ossécia do Sul, pequeno fantoche caucasiano manobrado pelo Kremlin, porque Putin não perde um oportunidade para tentar prejudicar ou irritar a Europa, e, não sei porque razões mas hão de ser frescas, a Gâmbia), a cara dada, depois de circular na televisão como se estivesse no seu posto – mas era manha; tinha filmada noutro dia – foi às escondidas por terra até Marselha, com alguns dos seus ministros, e lá apanhara avião de linha para Bruxelas onde agora está e haverá de falar aos seus. Saída de sendeiro, diz-se em casos destes.

 

É claro que foi infinitamente melhor assim. Se a confrontação continuasse e a certa altura houvesse sangue, teria havido depois mais sangue, e todos os ódios passados subjacentes viriam a seguir ao de cima. Tal tem acontecido em outras partes do mundo - e em Espanha muitas das feridas não têm ainda um século. Graças a políticos como Adolfo Suarez e Filipe Gonzalez, ao rei D. Juan Carlos, e, sobretudo, ao povo espanhol – castelhano, catalão, basco, galego, andaluz, todos – a construção democrática é sólida. Como se está a ver agora.

 

E foi um longo caminho. É célebre a troca de palavras entre Unamuno, reitor da Universidade de Salamanca e o general fascista que numa sessão solene em 1936, governava Franco de Burgos (e os Republicanos de Madrid), gritou: “Muera la inteligência! Viva la muerte!”. Unamuno respondeu: “Este es el templo de la inteligência y yo soy su sumo sacerdote. Venceréis (…) pero no convenceréis”. Etc. Menos conhecido é que na mesma sessão um lente atacara violentamente a Catalunha e o País Basco que considerou “cánceres en el cuerpo de la nacion. El fascismo, que es el sanador de Espanã, sabrá cómo esterminarlas, cortando en la carne viva, como un decidido cirurjano libre de falsos sentimentalismos”.

 

Não foi há tanto tempo assim: eu, por exemplo, já era nascido. Percebem-se melhor os independentistas antigos e, ao mesmo tempo, assusta a insensatez crassa dos independentistas modernos.

 

 

 

 

 

 

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 25 de Outubro de 2017

O Bloco-Notas de José Cutileiro

pinhal de Leiria

Pinhal de Leiria, 2017

 

 

José Cutileiro

 

 

 

O mundo real

 

 

François Mauriac, católico apostólico romano da região de Bordéus e prémio Nobel da literatura em 1947, escreveu que não conhecia a alma dos criminosos mas conhecia a das pessoas honestas e era um horror. Menos argutas, as nossas elites - eu e tu, hypocrite lecteur, mon semblable, mon frère… (et, de nos jours, nos soeurs aussi) - estão a descobrir agora que aquilo a que gostam de chamar o país real – o Portugal profundo, escuridão misteriosa escondendo grande diamante por lapidar – é, afinal de contas, tão mau ou pior do que elas próprias. Contentará videirinhos saberem-se dotados de um olho em terra de cegos mas vai deprimir mais o resto de todos nós. A calcinação do Pinhal de Leiria foi a pedra de fecho da abóboda sonâmbula de incúria em que se fora transformando o Estado português.

 

Acabada a ficção “do Minho a Timor” (ainda ouvi gente dizer isso a estrangeiros, sem pestanejar) veio o grande desafio europeu: desde que o Dr. Soares bateu à porta de Bruxelas até nos deixarem entrar passaram dez anos, durante os quais se trabalhou. Uma vez dentro, porém, as coisas começaram a mudar. O Projecto Europeu, onde sempre quisemos estar “no pelotão da frente” (em Portugal a única literatura com leitores é a desportiva) passou a ser uma espécie de renda, ou de lotaria onde não havia nunca prémios astronómicos mas se ia ganhando sempre um poucochinho. Até que chegou a austeridade – “Os pobres que paguem a crise!” – e alguém se lembrou do cavalo do inglês que o dono treinava para viver sem comer e quando estava quase, quase treinado, morreu. Qual o quê! Os povos não são cavalos; entre troikas e autocensura íamos cantando e rindo - até que, de repente, duas girândolas de fogos deram connosco em terra.

 

Ninguém nos estenderá a mão num mundo cheio de outros disparates. Por exemplo, há dias a Organização Mundial da Saúde nomeou seu “Embaixador” Robert Mugabe, ditador que com mão de ferro transformou um dos países mais ricos de África num dos mais pobres. O escândalo foi geral e em 24 horas a OMC tirou-lhe o título. Porque é que o distinguiram? A razão é simples e percebi-a a 25 de Junho de 1982, em Nairobi, numa cimeira da OUA onde fora de observador. Moçambique fazia 7 anos; eu, embaixador em Maputo, quis felicitar Samora Machel que chegava com a comitiva à sala das reuniões quando de outro corredor apareceram Omar Bongo, presidente do Gabão e a sua gente. Estávamos na Guerra Fria: para esquerdistas europeus Bongo era um lacaio do capitalismo; para europeus de direita Machel era um perigoso marxista-leninista. “Machel!”; “Bongo!” gritaram e caíram nos braços um do outro às gargalhadas. Pertenciam ambos à irmandade de escravos forros que agora mandava em África. Capitalismo e comunismo eram problemas nossos, não deles.

 

Pela primeira vez o director da OMS vem de África (ex-ministro dos estrangeiros etíope); para ele Mugabe deve ser ainda, sobretudo e para sempre, um dos grandes heróis das guerras de independência africanas.

 

 

 

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 18 de Outubro de 2017

O Bloco-Notas de José Cutileiro

 

 

 

capitol-hill-washington-d_c

Capitol Hill, Washington

 

 

 

 

José Cutileiro

 

 

Perigo de Morte

 

 

 

Um argumento contra a monarquia é esta designar para chefe de Estado herdeiro (ou herdeira) mesmo quando o dito (ou a dita) não tenha o mínimo de qualificações. Tudo pode sair na rifa – Nero herdara o Império e divertira-se a pegar fogo a Roma - e, há uns séculos, os europeus meteram-se a preferir repúblicas a monarquias ou, no canto noroeste do continente onde o feudalismo foi forte e incutiu regras de convívio entre pobres e ricos, a conservar monarquias, mas afastando-as cada vez mais da governação (Suécia, Noruega, Dinamarca, Países Baixos, Reino Unido). Em 1974, uma das primeiras pessoas que conheci no MNE, a D. Adelaide, que trabalhara na nossa embaixada em Oslo durante mais de dez anos, explicou-me porquê: “Aquelas criaturinhas pouco ou nada fazem mas têm o condão de manter o povinho unido”.

 

Quem não tenha tido, ou não tenha querido ter tanta sorte, foi alargando o número de sócios da empresa até ao sufrágio universal – nas democracias contemporâneas não há metecos nem escravos - julgando que, como não é possível enganar toda a gente todo o tempo, se haveria encontrado a maneira mais segura de evitar no futuro Neros, Calígulas e demais fatalidades dinásticas. Infelizmente, tal foi atribuir à voz do povo mais sabedoria do que ela é, permanentemente, capaz de mostrar. Exercendo os seus direitos numa das maiores (e mais senhoras do seu nariz) das repúblicas do mundo, em eleições livres e limpas, o povo dos Estados Unidos da América escolheu para seu Presidente Donald J. Trump, manifestamente incapaz de desempenhar tais funções com o mínimo de sanidade mental, competência política e integridade moral que elas exigem. E com mau fundo. Nunca acontecera nada assim.

 

Se Trump tivesse sido eleito presidente da Albânia, ou da Bolívia, ou da Malásia, nesta altura os albaneses, ou os bolivianos, ou os malaios - e eventualmente algum vizinho – estariam em maus lençóis, o Conselho de Segurança das Nações Unidas já se teria reunido e, por geografia ou interesses, talvez até um dos mandachuvas do mundo, com ou sem o beneplácito da ONU, tivesse mandado o Trump local pró catano. Mas o homem mora em Washington e só os americanos nos poderão livrar dele.

 

A lista de desmandos é egrégia: internacionais, nos casos da Coreia do Norte e do Irão, por um lado, e relações económicas com o estrangeiro, por outro; universais, em aquecimento global (incluindo desmantelamento de profilaxias já estabelecidas); nacionais, com a tentativa de destruição do sistema de saúde de Obama, a ilegalização de filhos de emigrantes, projecto de orçamento incoerente. Tudo recheado de aldrabices, golpadas, insultos e birras que envergonham e desacreditam os Estados Unidos.

 

Sem Estados-Unidos que nos fica? A Rússia de Putin? A China de Xi Jinping? A União Europeia, incapaz de matar uma mosca mesmo que a mosca seja tsé-tsé? Valham-nos alguns senadores e congressistas em Washington capazes de removerem o homem sem derramamento de sangue. Já houve caso parecido.

 

 

 

 

 
publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito

pesquisar

mais sobre mim

posts recentes

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

tags

todas as tags

links

arquivos

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Creative Commons License
This work by //retrovisor.blogs.sapo.pt is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Blogs Portugal

blogs SAPO

subscrever feeds