Quarta-feira, 23 de Maio de 2018

O Bloco-Notas de José Cutileiro

 

 

max-beerbohm-oscar-wilde

Oscar Wilde por Max Beerbohm

 

 

 

 

José Cutileiro

 

 

Novos e velhos

 

 

Janus Onyszkiewicz, dissidente polaco virado ministro da defesa no intervalo feliz  entre o fim do comunismo e o regime beato e bruto que está a agarrar a Polónia e a tentar tornar a fazer dela uma penitenciária, disse-me que, nisto de novos e velhos, decidira há muito que todos os que tivessem a sua idade ou menos eram novos e todos os que tivessem mais idade do que ele eram velhos. (Velhos ou velhas; novos ou novas. Para não tornar este escrito uma sucessão de solavancos, tal fica subentendido para todo o texto – salvo evidentemente quando não faça sentido nenhum). À volta da meia-idade que ele tinha na altura esta partilha ajuda a genica de um homem. Uns anos mais tarde, se a cabeça continuar viva, faz dele um velho espirituoso. Mais uns anos ainda e é disparate a evitar por quem não goste que o julguem senil. (Seja como for, há casos impossíveis. Oscar Wilde dizia de Max Beerbohm, escritor e desenhador seu contemporâneo em Oxford, tinham os dois vinte anos, que os Deuses  haviam contemplado Max com ‘o dom da velhice perpétua’, ‘the gift of perpetual old age).

 

Conheci senhor português de mais de 70 anos que chorou de emoção perante tanto progresso científico e técnico quando o sputnik de Yuri Gagarin deu lá em cima um par de voltas à terra e toda a gente cá em baixo soube disso in real time. E um bom meio milénio antes, o navegador Juan Ponce de Leon que, no dia de S. João, morreu à vista de terra a que nenhum europeu chegara antes e que hoje chamamos Florida, entrou na história pelas palavras que então pronunciou: « Gracias te seam mi San Juan bendito, que he mirado algo nuevo ! »

 

Se deste lado da curva de Gauss saltitam velhos vivos da costa, do outro lado dela jazem a espreguiçar-se novos com alma de velho – que podem revelar-se de maneira divertida. Há anos sem fim, estava eu a jantar num restaurante de caça em Hampstead com a minha mulher e casal amigo, todos nós ainda novos (todos portugueses), e falou-se do Brasil, talvez por eu ter estado dias antes em festa londrina de brasileiros e portugueses da qual guardara - e guardo ainda – duas sentenças lapidares. Primeira: uma brasileira disse-me “Vocês si detestam!” (‘Vocês’ eram os portugueses; não só os que estavam ali, todos, em geral). Segunda: tendo eu dito de alguém “É o último dos imbecis”, brasileiro ao meu lado sugeriu “Não diga último; diga penúltimo. Deixe sempre lugar para um cara.” Rimo-nos todos à mesa quando contei dessa festa, o meu amigo sentiu pulsão interior e exclamou: “Gostava de ir ao Brasil!”. Depois parou, calou-se um instante, reflectiu e acrescentou “Não. O que eu gostava era de já ter ido e de ter gostado.”

 

Achei a formulação excelente, contei-a a várias pessoas e agora, meio século depois, de repente, ocorre-me que é sinal de velhice,  confortada por vida bem vivida, mas velhice. Emoção simétrica à de Fernando Pessoa quando se lembra de momento bom da infância e acrescenta: “Era eu feliz então? Não sei. Fui-o outrora agora.”

 

 

 

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 11 de Abril de 2018

O Bloco-Notas de José Cutileiro

 

Hungria,2018

fronteira húngara

 

 

José Cutileiro

 

 

Fronteiras

 

 

 

Tinha quatorze anos a primeira vez que pisei uma fronteira. Foi numa tarde quente de verão em S. Leonardo-Fronteira, entre Mourão e Villa Nueva del Fresno, muito antes do burgo espanhol ficar conhecido por a PIDE ter assassinado brutalmente o general Humberto Delgado e a sua amante brasileira e os ter mal enterrado num campo próximo. (A segunda, três anos depois, foi numa manhã nevada de inverno, no passe do Kyberg, marcado por lápides de regimentos coloniais ingleses do fim do século XIX e começo do século XX – Churchill, a cavalo, andou à bulha por lá - em caminho montanhoso entre Peshawar, no Paquistão, e Jellalabad no Afeganistão onde iamos pernoitar mas isso é outra história e ficará para outro dia).

 

Nesse tempo, a Espanha era mais pobre do que Portugal e a fronteira, que atravessava a estrada numa linha oblíqua, marcava a diferença. Do nosso lado o piso era alcatrão, do lado espanhol, terra batida. Tínhamos ido de Reguengos até lá de passeio, no carro do Dr. José Pires Gonçalves, médico e medievalista amador competente (em Portugal, cada homem, além de ser o que é é outra coisa, e essa outra coisa é o que ele gostaria de ser, escreveu Ramalho Ortigão) com o Dr. José Sereto, Secretário do Tribunal e poeta satírico de mérito (em Portugal, cada homem …) que de pé, diante do alcatrão e da terra batida, recitou « Fronteira » de Miguel Torga, que eu não conhecia.

 

De um lado terra, doutro lado terra;                                                                                                                  

De um lado gente, doutro lado gente;                                                                                            

Lados e filhos desta mesma serra,                                                                                           

O mesmo céu os olha e os consente.

 

O mesmo beijo aqui; o mesmo beijo além;                                                                                

Uivos iguais de lobo ou de alcateia                                                                                             

E a mesma lua lírica que vem                                                                                                       

Corar meadas duma nova teia.

 

Mas uma força que não tem razão,

Que não tem olhos, que não tem sentido,                                                                                             

Passa e reparte o coração                                                                                                                

Do mais pequeno tojo adormecido.

 

 

Fiquei maravilhado. Desde esse dia e durante muito tempo as fronteiras para mim foram isso. Fronteiras políticas entre estados. Portugal e Espanha, Espanha e França, França e Bélgica, Bélgica e Holanda, Holanda e Alemanha, separações que a União Europeia, dentro dos seus limites, estava a conseguir apagar deixando-nos passar de um estado para outro quase sem dar por isso.

 

Há poucos anos, quando grandes imigrações inesperadas começaram a dar mau viver, o quadro mudou de cores. A ‘força’ que Torga verbera nos seus versos, a repartir o coração do mais pequeno tojo adormecido, tem afinal razão, olhos e sentido. Quem não os tinha era Torga e tantas almas mais ou menos poéticas, como a minha, embevecidas com o génio lírico do transmontano e distraidas do que se passava diante dos nossos olhos.

 

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quarta-feira, 7 de Março de 2018

O Bloco-Notas de José Cutileiro

BreakerBoys Lewis Hine

 "Breaker Boys" (1910)

 

 

 

 

José Cutileiro

 

 

Matar o tempo

 

 

 

John Lennon dizia que era capaz de se levantar de manhã da cama e começar logo a não fazer nada. Nessa época, que talvez esteja a acabar em Portugal, em que quem não fosse um camponês era um senhor e vivia numa espécie de férias grandes com “room service” incluído, eu gostava de gente assim e ainda hoje embirro com quem nos deseje «Bom trabalho!» de manhã, quer de viva voz quer por écran de computador intermédio.

 

Parece estar agora muito na moda em Portugal fazer exortações moralistas que não passariam pela cabeça de protestantes do Norte da Europa, os quais, desde que, já lá vai meio milénio, tiveram de aprender a ler para tratarem com Deus – era preciso cada um e cada uma ler a Bíblia, enquanto cá pelo Sul continuou a bastar que o cura lesse a vulgata, ficando o resto da malta (diria o malogrado Zeca Afonso) analfabeta – fazem o que têm a fazer, tal como deve ser feito, sem que isso dê direito a prémio ou distinção. Lá, o trabalho é uma obrigação nobre - pais e mães ensinavam a filhos e filhas que perder tempo é pecado - cá, o trabalho « é bom pró preto » ou pelo menos assim ouvi dizer muitas vezes; agora talvez seja diferente como o é muita coisa que espanta qualquer Ulisses local que regresse a esta Ítaca, a começar por descobrir que os velhos são mais velhos, os novos são mais altos e as pequenas vão todas prá cama antes de casarem.

 

Chegado a meio deste Bloco-Notas tenho que firmar o rumo, resistindo à tentação tradicional dos anciães de acharem tudo pior agora – como aquele casal amigo da Senhora Tichbein, mãe do Emílio de Emílio e os Detectives na Berlim dos anos 30 do século XX, com saudades do tempo deles, quando o céu era mais azul e as cabeças dos bois eram maiores. Tais perspectivas, por consoladoras que sejam para egoísmos de fim de vida, convencidos de lhes ter cabido melhor do que à rapaziada e à raparigada que agora lhes poluem o ambiente, são falsas.

 

Em termos simples: malgrado a horrível guerra na Síria e outras guerras indecentes (convém a leitora não esquecer que houve guerras decentes e podem ser precisas outra vez), o lamentável Presidente Trump e outros mandachuvas desanimadores - Putin, Erdogan, Orban, Duterte , Xi (o Chinês perpétuo), Maduro, tantos mais - o mundo nunca foi melhor para as pessoas do que é agora. Quem julgue o contrário é ignorante e, se insistir depois de advertido, além de ignorante será teimoso para lá do razoável. O mundo em geral está muito melhor do que estava, por exemplo, no começo da Grande Guerra em 1914. As pessoas são muito mais saudáveis e inteligentes do que eram nesse tempo e muito menos religiosas (59% no mundo inteiro quando, nessa altura, rondavam 100%). Em consequência, usam mais a razão do que fézadas irracionais para resolver problemas e tudo vai claramente melhor que dantes.

 

Vale a pena ler Enlightenment Now: The Case for Science, Humanism and Progress por Steven Pinker, para argumentação fundamentada e convincente. Pelo menos convenceu-me a mim.

 

 

 

 

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quarta-feira, 21 de Fevereiro de 2018

O Bloco-Notas de José Cutileiro

 

 

 camilo_castelo_brancoEça de Queiroz

Camilo e Eça

 

 

 

José Cutileiro

 

 

Polémicas do burgo

 

 

 

A Vera gostou muito do artigo do Henrique Raposo sobre o Vasco Pulido Valente no Expresso, “duro mas certeiro”; disse-me que eu próprio saí “muito bem na fotografia” e perguntou-me o que achava. Respondo-lhe neste seu blog “Retrovisor”, onde há mais de quatro anos me dá asilo político.

 

A primeira coisa que me ocorre é dar parabéns ao Vasco. A nossa relação para-fraternal - sendo ele irmão mais novo que de vez em quando se zanga, sem eu perceber porquê – vem muito detrás e logo no começo Vasco ganhou em mim crédito tal que, passadas mais de seis décadas, não se esgotou ainda. Aos catorze anos e baixinho – deitou corpo logo a seguir – levantou os olhos para o pai, engenheiro erudito (explicou-me que os romanos faziam a barba com sílex muito afiado) e disse-lhe: “Á pai, se eu tivesse a tua idade sabendo o que eu sei…” Toda a sua vida tem sido uma luta para estar á altura dessa espécie de promessa. Acho alguns dos muitíssimos artigos bons que publicou e, pelo menos, um dos seus livros, “O Poder e o Povo” (sobre a revolução republicana), peças de antologia. Que ensaísta competente e brilhante lhe dê tanta importância mesmo discordando, central e convincentemente, da sua maneira de olhar para nós, portugueses, faz jus ao trabalho de uma vida.

 

E, por fim, assunto mais pessoal, devo-lhe ter encontrado A.B. Kotter. Quando se preparava o diário “A Tarde”, Vasco disse a Victor Cunha Rego que se eu lá escrevesse, ele não escreveria e o Victor recebeu de braços abertos o inglês da Várzea de Colares.

 

A segunda coisa que me ocorre é dar parabéns ao Henrique Raposo. Também gostei muito do ensaio e lembrei-me da resposta intrigada de Mário Soares, recém-eleito Presidente, quando lhe perguntei como era Cavaco Silva, que eu não conhecia. “Não sei. Não pertence à burguesia urbana, como nós. Vai à televisão dizer que não mente!”. Por também não vir da burguesia urbana - nem do Alentejo da mó-de-cima - o olhar de Henrique Raposo vê diferente e foi diferentemente educado, até pelo próprio e pelas suas escolhas filosóficas (sem a mitologia do PC, não houve Santa Catarina Eufémia que o desencaminhasse). Sente melhor do que outros a diferença entre os doutores e o povo mas também o que todos têm em comum. (No fim dos anos 40 do século XX menina inglesa de 12 anos que viera visitar primas por essa idade filhas de lavrador rico de Reguengos, desatou a chorar numa aldeia do concelho porque nunca tinha visto gente tão pobre). A falta metódica de paciência de Henrique Raposo para o que chama o snobismo do Vasco, tratando os seus por indígenas, ajuda a perceber o país que somos. E acerta em cheio no papel de Eça de Queiroz no amolecimento das nossas elites. O velho Carlos Martins Pereira, também de Reguengos e também rico, preferia Camilo e dizia que Eça era “um janota do Porto”. Terá porventura tido razão.

 

Quanto a A. B. Kotter, tinha aprendido muito sobre Portugal em conversas com Jorge Dias. (Falavam sempre em alemão um com o outro).

 

 

 

publicado por VF às 12:10
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 24 de Janeiro de 2018

O Bloco-Notas de José Cutileiro

1049472447

Davos, Suíça

 

 

 

 

José Cutileiro

 

 

 

Ricos e pobres no mundo inteiro

 

 

 

Quando eu era antropologista praticante publiquei um livro em inglês, sisudo como o título sugeria: A Portuguese Rural Society. Estávamos em 1971 e eu pensara poder inventar nome menos aborrecido para lhe chamar mas quando já havia provas revistas, as fotografias do Mano João e do meu chorado Gérard tinham sido escolhidas, tudo pronto para a feitura física dos volumes da edição, eu não encontrara ainda nome que armasse ao pingarelho quantum satis. No meu gabinete, nos escritórios da Oxford University Press, na oficina da tipografia escolhida para a impressão, o nome continuava a ser o da tese de doutoramento na qual o livro se baseara.

 

A certa altura ocorrera-me chamar-lhe Before the Revolution (explicando no prefácio que, apesar do ambiente e das condições de vida daquelas aldeias tal poder sugerir a algumas cabeças jovens e entusiásticas da burguesia urbana, não iria haver revolução nenhuma) mas desisti por me parecer pretensioso (três anos depois teria ajudado às vendas, mas fosse lá alguém saber). Em última tentativa, passei um dia inteiro numa pequena biblioteca da Universidade com uma “Concordance” de Shakespeare, a ver se havia qualquer verso, dito, frase do Bardo que incluísse as palavras peasant ou peasants e me desse de bandeja o título de que eu precisava. Qual o quê: no tempo de Shakespeare, bem antes de ilusões sobre as virtudes e belezas dos camponeses terem animado almas românticas (e, mais tarde, de pungências sobre o seu sofrimento terem animado almas neo-realistas – No impressionismo, pinta-se o que se vê; no expressionismo pinta-se o que se sente; no neo-realismo pinta-se o que se ouve contou-me o Luís de Sousa que já não sei que professor ensinava por essa altura numa das universidades de Londres), não se escrevia nada de simpático sobre peasants, gente rude, sem maneiras nem conversa, mais própria para se roçar por bestas do que para convívios humanos. Vão tal esforço derradeiro, foi A Portuguese Rural Society que apareceu nas livrarias.

 

Depois da Revolução, que afinal sempre viera, podia por fim aparecer edição portuguesa que a Sá da Costa me propôs e a questão do título levantou-se de novo. Não me lembro se por sugestão minha, ou do João Sá da Costa ou da mulher dele, Ricos e Pobres no Alentejo foi escolhido e (salvo o Iá, Deus lhe tenha a alma em descanso, que com sentido moral exigente me disse, contristado, achar o título demagógico) toda a gente achou bem: o Alentejo tinha fama de grandes diferenças – lavrador abastado dissera um dia de trabalhador despedido que lhe queimara a seara: “Custou-lhe mais o fósforo do que a mim o trigo”.

 

Eram outros tempos e temos a mania das grandezas. Números divulgados este mês mostram que 82% da riqueza mundial gerada o ano passado couberam a 1% dos habitantes, enquanto os 50% mais pobres - 3,6 mil milhões de pessoas - não viram qualquer melhoria. As fortunas de 8 homens somam o mesmo que a totalidade dos bens desses 3,6 mil milhões.

 

 

 

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 17 de Janeiro de 2018

O Bloco-Notas de José Cutileiro

trump-tower-las-vegas_dezeen

Las Vegas 

 

 

José Cutileiro

 

 

 

Patos bravos

 

 

 

As mesmas palavras dizem coisas diferentes segundo os lugares. Em norueguês, “pato bravo” traz logo à cabeça peça de teatro de Ibsen (e em inglês também, em certas circunstâncias: vi uma tarde em Nairobi cartaz de representação teatral nessa noite e noites seguintes, por actrizes e actores negros do Quénia, alguns dos quais lá estavam figurados, de The Wild Duck de Hendrik Ibsen). E poderia ter visto cartaz equivalente, escrito em dinamarquês, numa rua de Copenhaga, porque a língua em que Ibsen escreveu os seus dramas era o dinamarquês, embora Ibsen ele próprio fosse norueguês - não é bem o mesmo que Luís Bernardo Honwana, sendo moçambicano, escrever em português, mas tampouco é completamente diferente porque a Noruega, se não estou em erro, a certa altura foi colónia ou coisa parecida da Dinamarca - e como o disparate não poupa ninguém, nem os escandinavos, quase sempre tão certinhos em tudo, há agora na Noruega espíritos desembaraçados que retrovertem Ibsen para norueguês moderno, oferecendo a públicos de representações teatrais e a leitoras de livros o que eles entendem ser como Ibsen teria escrito agora. Disse-me entendida um dia que o dito norueguês moderno soava feio e tosco, enquanto o Ibsen original soava bonito e subtil, mas essa minha amiga era um alma sensível e considerava que o punhado de homens e mulheres, instruídos obrigatoriamente, que julgavam estar assim a fazer justiça ao verdadeiro espírito do dramaturgo, estavam na realidade a caricaturá-lo, ainda por cima com mau gosto.

 

Já as três palavras Le Canard Sauvage, lidas em parede de uma rua de Bruxelas, só depois de muitas voltas lembrariam o mister – ou arte, ou engenho – de Racine, Goethe ou Shakespeare ou, porque não, do próprio Ibsen (tenho dias em que não consigo impedir-me de complicar as coisas…) mas antes, prosaica e gulosamente, sugeriria restaurante mais ou menos pretensioso. Em Bruxelas, ou em Estrasburgo, ou em Mulhouse, ou em Basileia, ou em qualquer outro vestígio do Reino Lotaríngio, tudo isto em grande parte depois Ducado de Borgonha, e hoje, Suíça, França, Luxemburgo, Bélgica Valónica, um dos ramalhetes de lugares no mundo onde há séculos se come e se bebe muito bem.

 

Em Lisboa, isto é, na Lisboa do meu tempo - não sei se hoje se falará por lá assim – o significado de ‘pato bravo’ era outro ainda. Um pato bravo era um construtor civil que fizera fortuna e passara a novo rico, nem sempre com honestidade pegada à sua reputação, pelo contrário, mas com jeito para escapar a complicações. Muitas vezes, não sei porquê, vindo de Tomar. Nesse Portugal, o equivalente de Trump seria um pato bravo ordinário. Mas o caso de Trump é mais complicado: os patos bravos de Nova Iorque escapam melhor à troça dos ricos-ricos se forem de Manhattan do que se forem de Brooklyn. E Trump é um pato bravo de Brooklyn. São complexos de inferioridade, uns dentro dos outros como bonecas russas, e o homem sempre a achar que não lhe estão a dar o valor devido.

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 3 de Janeiro de 2018

O Bloco-Notas de José Cutileiro

 

george-orwell-a-linguagem-como-construcao-de-poder.html

George Orwell

 

 

José Cutileiro

 

 

 

 

 

Ano Novo. Vida Nova ?

 

 

 

 

Sou velho demais para acreditar no automatismo de mudanças assim mas há o que a Natureza nos traz e nos tira; quer queiramos quer não. A seguir ao solstício de Dezembro (a 21 do mês; dia de anos, a propósito, do presidente francês Emmanuel Macron, cuja eleição foi, de longe, a melhor novidade política a animar a Europa desde a nefasta eleição de Trump e, antes disso, da escolha imbecil dos ingleses de se separarem da União Europeia) os dias vão roubando cada vez mais tempo às noites até ao solstício a 21 de Junho, a partir do qual as horas de luz do dia vão passar a mirrar em vez de se expandirem como fora o caso durante os seis meses anteriores, até chegarem ao seu mínimo no próximo dia de anos de Emmanuel Macron.

 

Antes que me esqueça: leitora do meu último Bloco-Notas, escreveu-me a dizer que não sabia que os jornais ingleses dantes dedicavam a sua primeira página a anúncios. Ainda conheci nesse apuro o último a fazê-lo, The Times, de Londres, que nessa altura era um jornal sério, e cujos anúncios me davam leitura obrigatória juntamente com os obituários e as cartas dos leitores. Havia, evidentemente, uma ordem no arranjo dos anúncios que nós leitores lá liamos ou lá púnhamos para outros lerem. Coisas para vender; precisão de comprar coisas; procura de casas; ofertas de casas; procura de emprego; ofertas de emprego; assuntos mais pessoais; busca de pessoas, parentes ou não, há muito desaparecidas do convívio dos anunciantes; mensagens amorosas mais ou menos crípticas – em suma, um manancial de informação sobre a vida e os costumes dos leitores do Times de Londres desse tempo, quase todos vindos das fatias mais altas da sociedade – não há na Europa estratificação mais minuciosa que a inglesa mas, ao mesmo tempo, com capacidade única de capilaridade social (“Não é o lado da moda” comenta Lady Bracknell quando o pretendente à mão da filha lhe diz o número da porta de sua casa em Belgrave Square “mas isso pode mudar-se”. “O quê? A moda ou o lado?” pergunta ele. “Ambos, se preciso for!” fulmina ela, peremptória). Era entretém fascinante e dos milhares de anúncios que ao longo dos anos li nessa primeira página do Times, houve um, nesse dia à cabeça da coluna das Vendas de que nunca mais me esqueci: “Parrot. Unsuitable for vicarage. Any offers?”

 

Mas, entre uma coisa e outra, não creio que o ano novo vá trazer vida nova. Trump irá provavelmente cumprir dois mandatos: embora os grandes beneficiários do orçamento agora aprovado estejam na fina camada de cima dos bilionários mais ricos, toda a gente vai ver um pouco mais de dinheiro nos bolsos, pelo menos nos anos mais próximos – e como dizia Bill Clinton na primeira campanha para a Casa Branca: It’s the economy, stupid!. Isto, por um lado. Por outro lado, como George Orwell, na sua fala única, disse de maneira lapidar, o homem às vezes precisa de mal, apetece-lhe o mal. Trump satisfaz anelos desses e, por todo o mundo, estamos numa de desconfiar uns dos outros.

 

 

 

 

publicado por VF às 12:53
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 20 de Dezembro de 2017

O Bloco-Notas de José Cutileiro

 

rodrigues-migueis-g-ciup-704x350

 José Rodrigues Miguéis

 

 

 

José Cutileiro

 

 

 

Bananas e sacanas

 

 

 

José Rodrigues Miguéis (1901 - 1980), autor de romances aborrecidos e de uma novela genial (Páscoa feliz), homem de esquerda, militando na oposição ao regime dirigido minuciosamente pelo Presidente do Conselho de Ministros, António de Oliveira Salazar (que, nos primeiros anos, quando queria reorganizar o Estado, chegava a decidir ele próprio processos de acumulação de funções de pequenos funcionários públicos), viveu muito tempo em Nova Iorque e dizia que Portugal era um país de bananas governado por sacanas. Na minha juventude, quando as estupidezes e as maldades do governo do dia me lesavam e me indispunham cada vez mais com o ditador e os seus cúmplices – e quando não tinha percebido ainda que o Dr. Salazar, mais do que ser causa dos nossos males era, sobretudo, consequência deles – eu achava a formulação de Rodrigues Miguéis admirável e justa. (Só mais tarde me apercebi que qualquer nova-iorquino acharia qualquer português um banana, antes, durante ou depois do Estado Novo. Exemplo: em compêndios de clínica médica norte-americanos, entre os sinais gerais de doença – fadiga, falta de apetite, febre, etc. – figura, para sobrolho franzido de qualquer português bem-formado da minha geração, “falta de ambição”).

 

Com a longevidade da Democracia a aproximar-se da longevidade do Estado Novo - e tendo deixado muito para trás a República que, coitada, nem à maioridade chegou - passei por fase em que me apeteceu virar a formulação de pernas para o ar e dizer que Portugal era um país de sacanas governado por bananas, porque muitos dos nossos políticos vinham ainda da oposição ao regime anterior, e viviam na ilusão de estarem a libertar a bondade do chamado povo, enquanto o chamado povo, por seu lado, não estava tão desenvolto como entretanto ficou e não se tinha apercebido ainda de que ser livre não era passar a sentir o que os doutores do reviralho achavam que ele devia sentir mas sim sentir o que lhe desse na real gana, doesse aos doutores a quem doesse. (Digo o “chamado povo” e não o povo, com vénia ao meu amigo João Carlos Espada que prefere dizer “população” em vez de “povo”. Não sou cientista dessas coisas mas percebi porque é que ele o faz ao lembrar-me de conversa sobre democracia directa com Maria de Lourdes Pintasilgo - Deus lhe tenha a alma em descanso - então primeiro-ministro, em que ela me perguntou o que é que eu achava que o povo pensava. “Oh Maria de Lourdes, o povo sou eu” respondi-lhe. Para “povo” não vejo outra volta a dar-lhe, desde a abolição dos três estados. Para “população”, vá estatísticas).

 

A democracia destapou os portugueses e pôs tudo bem à vista. Temos sacanas e bananas sortidos entre quem governa e entre quem é governado. Sem ditadura o baralho baralha-se mais. Escândalos recentes mostram torpezas tão más na mó de baixo como na mó de cima. Vai custar muito pôr tudo no são. Mas, para país de fundo católico, sobretudo no Norte, e de costumes mouros, sobretudo no Sul, podia ser pior.

 

 

 

 

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 8 de Novembro de 2017

O Bloco-Notas de José Cutileiro

 

g-k-chesterton

G.K. Chesterton

 

 

 

 

José Cutileiro

 

 

“Pajens de um morto mito/

 

 

 

Tão líricos, tão sós./ Não têm na voz um grito,/ Mal têm a própria voz/ E ignora-os o infinito/ Que nos ignora a nós”. Assim, Fernando Pessoa exprimia classicismo comedido – o coração geométrico de Ricardo Reis temperado pelo jeito tanto-me-faz de Pessoa Ele Próprio – tudo ao abrigo de relação contrabandista com o outro mundo. Alexandre O’Neill, sempre atirado para a frente – outro mundo tinha deixado de haver - já não ia nessas: “Quem? O Infinito?/ Diz-lhe que entre./ Faz bem ao Infinito/ Estar entre gente”; ou melhor ainda “Sonetos garantidos por dois anos/ E é muito já, leitor que mos compraste/ À procura da alma que trocaste/Por rádios, frigoríficos, enganos”. Por mim, molhei a sopa de outra maneira: “A hora é dos gladiadores./Dos leigos de todas as fés,/Do imperador futuro que dorme/Em quem eu sou, em quem tu és.”

 

Mas havia (ainda) ordem: bem e mal, verdade e erro eram os mesmos em todas as boas casas, fosse qual fosse a indumentária que vestissem. E a razão, irmã do amor e da justiça, parecia, a pouco e pouco, ir escutando preces de almas livres, só a si submissas (embora com bombas atómicas no Japão e holocausto de meia dúzia de milhões de judeus pelo meio). É preciso dar crédito e autoridade á razão para que o acaso se não constitua soberano, escrevera o Cavaleiro de Oliveira que havia sido colocado como diplomata no estrangeiro e fora queimado, em efígie, num auto de fé por ter escrito que o terramoto de 1755 fora castigo de Deus por Lisboa ser demasiado católica. Ele e um jesuíta italiano, o Reverendo Malagrida (queimado em carne e osso) que achara, pelo contrário, que o terramoto fora castigo de Deus por Lisboa não ser suficientemente católica. O Marquês de Pombal era um espírito forte e achava que o terramoto tivera causas naturais. (Havia desmancha-prazeres. Por exemplo, o católico inglês G.K. Chesterton, quase nosso contemporâneo, escreveu que os loucos eram pessoas que tinham perdido tudo menos a razão).

 

Ao Cavaleiro de Oliveira ou quejandos aplicou-se o nome de “estrangeirado”, usado como termo de opróbrio pelos que os tinham feito fugir e por quem ache que é preciso “estar bem com a lei que há” mas empregue com admiração e inveja por muitos outros portugueses sempre desconfiados da Pátria. Lembro-me de há 30 anos em Lisboa precisar de um esquentador e o lojista me dizer: “Não compre Junker que já são feitos cá”. (Virá esta pecha do Tratado de Methwen? Ou desde a fundação da nacionalidade? Não sei, mas vai levar muitas start ups a sacudi-la do capote).

 

Bem e mal. Verdade e erro. Razão e falta dela. Com tudo a chegar-nos hoje in real time e sem anestesia fica-se sem distância no tempo e no espaço para medir bem seja o que for. Dantes, multidões analfabetas à trela de clérigos, depois de doutores, e Gutenberg a ajudar uns e outros. Hoje, Facebook, Twitter & Cia dispensam filtros de quem saiba e deixam que gladiadores domem o acaso e se constituam soberanos. Não há de ser nada? Oxalá.

 

 

 

publicado por VF às 15:38
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 1 de Novembro de 2017

O Bloco-Notas de José Cutileiro

666px-Miguel_de_Unamuno_Meurisse_1925

 Miguel de Unamuno

 

 

 

 

 

José Cutileiro

 

 

 

Hommage to Catatonia

 

 

 

George Orwell publicou um livro célebre sobre a guerra civil espanhola – a Guerra de Espanha de 1936-1939, tantas vezes lembrada ultimamente – a que chamou Homenagem à Catalunha, Hommage to Catalonia no original inglês. Na manhã de 31de Outubro em que este bloco escrevo, quando a tragicomédia das últimas semanas que parecia opor Madrid e Barcelona, ameaçando aqui e além caminhar para tragédia mesmo, se começou de repente a desfazer em farsa, em opera buffa, levando toda a gente, salvo os independentistas mais aguerridos, a dar grande suspiro de alívio, Orwell nosso contemporâneo deveria começar a escrever livro sobre a dita tragicomédia, a que chamasse Hommage to Catatonia – Homenagem à Catatonia.

 

Mas deixemos o manicómio e suspiremos de alívio. Quando o homem que, por iniciativa própria, decidira declarar e incarnar a Republica independente da Catalunha, e apoiado por almas igualmente determinadas, dar a cara contra Madrid, a União Europeia, Washington, por fim contra mundo (salvo a Ossécia do Sul, pequeno fantoche caucasiano manobrado pelo Kremlin, porque Putin não perde um oportunidade para tentar prejudicar ou irritar a Europa, e, não sei porque razões mas hão de ser frescas, a Gâmbia), a cara dada, depois de circular na televisão como se estivesse no seu posto – mas era manha; tinha filmada noutro dia – foi às escondidas por terra até Marselha, com alguns dos seus ministros, e lá apanhara avião de linha para Bruxelas onde agora está e haverá de falar aos seus. Saída de sendeiro, diz-se em casos destes.

 

É claro que foi infinitamente melhor assim. Se a confrontação continuasse e a certa altura houvesse sangue, teria havido depois mais sangue, e todos os ódios passados subjacentes viriam a seguir ao de cima. Tal tem acontecido em outras partes do mundo - e em Espanha muitas das feridas não têm ainda um século. Graças a políticos como Adolfo Suarez e Filipe Gonzalez, ao rei D. Juan Carlos, e, sobretudo, ao povo espanhol – castelhano, catalão, basco, galego, andaluz, todos – a construção democrática é sólida. Como se está a ver agora.

 

E foi um longo caminho. É célebre a troca de palavras entre Unamuno, reitor da Universidade de Salamanca e o general fascista que numa sessão solene em 1936, governava Franco de Burgos (e os Republicanos de Madrid), gritou: “Muera la inteligência! Viva la muerte!”. Unamuno respondeu: “Este es el templo de la inteligência y yo soy su sumo sacerdote. Venceréis (…) pero no convenceréis”. Etc. Menos conhecido é que na mesma sessão um lente atacara violentamente a Catalunha e o País Basco que considerou “cánceres en el cuerpo de la nacion. El fascismo, que es el sanador de Espanã, sabrá cómo esterminarlas, cortando en la carne viva, como un decidido cirurjano libre de falsos sentimentalismos”.

 

Não foi há tanto tempo assim: eu, por exemplo, já era nascido. Percebem-se melhor os independentistas antigos e, ao mesmo tempo, assusta a insensatez crassa dos independentistas modernos.

 

 

 

 

 

 

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito

pesquisar

mais sobre mim

posts recentes

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

tags

todas as tags

links

arquivos

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Creative Commons License
This work by //retrovisor.blogs.sapo.pt is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Blogs Portugal

blogs SAPO

subscrever feeds