Quarta-feira, 5 de Dezembro de 2018

O Bloco-Notas de José Cutileiro

 

FRANCE-SOCIAL-POLITICS-ENVIRONMENT-OIL-DEMO

Foto: Lucas Barioulet@AFP

 

 

 

José Cutileiro

 

Zangas

 

A França, um dos países do mundo onde se vive melhor quer se seja rico quer pobre, está em pé de guerra. Contra o aquecimento global, Macron resolveu aumentar o preço dos combustíveis. Movimento popular espontâneo - como se insiste em dizer apesar de Facebook&Companhia - os ‘coletes amarelos’, resolveu protestar nas ruas e nas estradas. Rapaziada e algum mulherio de extrema direita e de extrema esquerda poz colete amarelo sobre a roupa negra do costume e passou barreiras policiais juntando-se aos manifestantes de boa fé, antes de meter capucho e máscara e começar a partir tudo à sua roda, fazendo estragos consideráveis até no monumento ao Soldado Desconhecido do Arco do Triunfo.

 

A França, lembram sempre os franceses, não é país de reformas mas país de revoluções. A seguir a De Gaulle, os predecessores de Macron na Quinta República (salvo Giscard d’Estaing) reformaram muito pouco ou muito mal mas safaram-se sem que revolução os beliscasse, assim como os habitantes de Lisboa não tornaram a apanhar com terramoto parecido com o de 1755. Mas a natureza sísmica do sistema francês não perdoa e calhou a Macron estar no Eliseu a tentar meter as coisas na ordem mais do que nenhum dos seus predecessores fizera quando os tremores começaram.

 

Não houve Estados Gerais nem Trotsky a assaltar o correio. Em 1911, durante a primeira greve geral de trabalhadores rurais alentejanos, influenciados pelo que se passava na Andaluzia e esperançados no governo republicano de Lisboa, quando o grito ‘Vem aí a greve !’ foi dado numa pequena vila do distrito de Évora, as pessoas trancaram portas e janelas por estarem convencidas de que a greve era um bicho. Ignorância assim quanto a revoluções não existe em França, muito pelo contrário. Dos Pirinéus às Ardenas e mormente em Paris, toda a gente está convencida de que sabe tudo mas, na realidade, como historiadores sábios não se cansam de lembrar, sabe-se muito pouco e menos ainda quando a coisa esteja em curso e se quiser apostar no vencedor. É preciso estar à hora certa no lugar certo, passada essa primeira selecção, há quem tenha unhas para tocar aquela guitarra (muito poucos) e quem julgue que as tenha, sem as ter (muitos). E, como com os melões, só depois de encetado é que se sabe.

 

E  das duas uma. Ou Macron tem de facto o que alguns entusiastas entendidos viram nele – a capacidade de agarrar e usar o poder com génio comparável, na história de França, ao de Napoleão Bonaparte – e consegue sair da crise por cima, a França está salva por mais umas décadas (até à próxima pulsão revolucionária animada a Facebook ou ao que se tiver inventado entretanto) e a Europa provavelmente também ou então Macron afinal não dá para as encomendas, Marine Le Pen chega ao poder, anima e é animada por almas gémeas noutros países europeus e, mais ano menos ano, estaremos todos outra vez à bulha uns com os outros.

 

Para gáudio de Putin, Trump e o Príncipe Herdeiro da Arábia Saudita, paladinos de valores mais antigos.

 

 

 

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito

pesquisar

mais sobre mim

posts recentes

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

tags

todas as tags

links

arquivos

Creative Commons License
This work by //retrovisor.blogs.sapo.pt is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Blogs Portugal

blogs SAPO

subscrever feeds