Quarta-feira, 28 de Novembro de 2018

O Bloco-Notas de José Cutileiro

giovanni-domenico-cerrini-vanitas--time-reveals-the-truthTime reveals truthGiovanni Domenico Cerrini 

 

José Cutileiro

 

Armadilhas da verdade

 

“A verdade, Zé, é uma água muito quente onde eu de vez em quando meto um dedo para ver se ainda queima e ainda” disse-me o Luís Sttau Monteiro que era mitómano e encantador, uma manhã no Almanaque.

 

A mitomania é incurável. Cardoso Pires fora a França por uma semana mas ficara lá dois meses e o Luís começara a dizer que recebera carta dele de vinte páginas, algumas manchadas de lágrimas, em que narrava amor novo e intenso que o mantinha fora. Quando voltou, alguém lhe falou da conversa do Luís e o Zé não gostou. Convocou-o para reunião no Almanaque e pediu-me para ir também; contou-lhe o que lhe tinham dito da carta que não lhe havia escrito e perguntou-lhe se era verdade. O Luís respondeu que sim mas não por culpa dele: mentia compulsivamente porque em pequeno dera queda grave, fora operado à cabeça e “metade do meu crânio é de platina”. O que era mentira. O Zé trocou olhar comigo e aceitámos a explicação.

 

Para quem não seja mitómano, as armadilhas são outras. Por exemplo: adolescente, o meu amigo António passou uns dias na Irlanda em casa de condiscipulo no colégio interno de Millfield. Na primeira noite sonhou que no dia seguinte iam a outra casa de campo próxima onde havia rapariga muito bonita, música como ele, e que dormiam juntos. No dia seguinte tudo aconteceu assim. Quando em Londres me contou acrescentou: “Nunca na vida acreditei em coisas destas. E agora?”

 

O Almanaque e Millfield foram há muito tempo. Na semana passada, taxista disse-me esperar “não estar a ofender ninguém mas não acredito em religiões, em nenhuma. Nunca ninguém voltou da morte para nos dizer o que havia”. Respondi que não estava ofendido e continuámos a conversa. De uns 65 anos, belga nascido em Bruxelas a mãe espanhola católica e pai muçulmano marroquino, vivera desde pequeno entre duas fés e acabara por não aceitar nenhuma. Depois da morte dos pais continuara a ver gente da família da mãe, dava-se ainda com alguns deles - “os católicos são muito tolerantes” – mas a família do pai ostracizara-o porque acabara a não acreditar no Deus deles. Eram os seus parentes paternos extremistas muçulmanos, perguntei? (Bruxelas tem muitos. Do bairro de Mollenbeek sairam os cabecilhas dos ataques terroristas em Paris de 2015 e tinham saído para o Afeganistão os assassinos do comandante Massoud em 2001). Não. Eram muçulmanos correntes, iguais a tantos outros. “São todos fanáticos. Lembra-se da fatwa contra Rushdie? Está em vigor e ele vive escondido. E os marroquinos são como os persas: quem não tiver a fé deles é inimigo.”

 

Contra Trump e Orban, espíritos bons e justos exortam-me a distinguir entre Islão verdadeiro, de amor e tolerância, praticado por milhões de muçulmanos e o credo distorcido e cruel dos terroristas que me queiram matar. A experiência do taxista é que no Islão os bons são tão pouco de fiar quanto os maus mas não sei se os pais dele se tratavam bem ou mal, davam ou não bom viver em casa. A verdade nem veio nem se foi.

 

 

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito

pesquisar

mais sobre mim

posts recentes

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

tags

todas as tags

links

arquivos

Creative Commons License
This work by //retrovisor.blogs.sapo.pt is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Blogs Portugal

blogs SAPO

subscrever feeds