Quarta-feira, 8 de Novembro de 2017

O Bloco-Notas de José Cutileiro

 

g-k-chesterton

G.K. Chesterton

 

 

 

 

José Cutileiro

 

 

“Pajens de um morto mito/

 

 

 

Tão líricos, tão sós./ Não têm na voz um grito,/ Mal têm a própria voz/ E ignora-os o infinito/ Que nos ignora a nós”. Assim, Fernando Pessoa exprimia classicismo comedido – o coração geométrico de Ricardo Reis temperado pelo jeito tanto-me-faz de Pessoa Ele Próprio – tudo ao abrigo de relação contrabandista com o outro mundo. Alexandre O’Neill, sempre atirado para a frente – outro mundo tinha deixado de haver - já não ia nessas: “Quem? O Infinito?/ Diz-lhe que entre./ Faz bem ao Infinito/ Estar entre gente”; ou melhor ainda “Sonetos garantidos por dois anos/ E é muito já, leitor que mos compraste/ À procura da alma que trocaste/Por rádios, frigoríficos, enganos”. Por mim, molhei a sopa de outra maneira: “A hora é dos gladiadores./Dos leigos de todas as fés,/Do imperador futuro que dorme/Em quem eu sou, em quem tu és.”

 

Mas havia (ainda) ordem: bem e mal, verdade e erro eram os mesmos em todas as boas casas, fosse qual fosse a indumentária que vestissem. E a razão, irmã do amor e da justiça, parecia, a pouco e pouco, ir escutando preces de almas livres, só a si submissas (embora com bombas atómicas no Japão e holocausto de meia dúzia de milhões de judeus pelo meio). É preciso dar crédito e autoridade á razão para que o acaso se não constitua soberano, escrevera o Cavaleiro de Oliveira que havia sido colocado como diplomata no estrangeiro e fora queimado, em efígie, num auto de fé por ter escrito que o terramoto de 1755 fora castigo de Deus por Lisboa ser demasiado católica. Ele e um jesuíta italiano, o Reverendo Malagrida (queimado em carne e osso) que achara, pelo contrário, que o terramoto fora castigo de Deus por Lisboa não ser suficientemente católica. O Marquês de Pombal era um espírito forte e achava que o terramoto tivera causas naturais. (Havia desmancha-prazeres. Por exemplo, o católico inglês G.K. Chesterton, quase nosso contemporâneo, escreveu que os loucos eram pessoas que tinham perdido tudo menos a razão).

 

Ao Cavaleiro de Oliveira ou quejandos aplicou-se o nome de “estrangeirado”, usado como termo de opróbrio pelos que os tinham feito fugir e por quem ache que é preciso “estar bem com a lei que há” mas empregue com admiração e inveja por muitos outros portugueses sempre desconfiados da Pátria. Lembro-me de há 30 anos em Lisboa precisar de um esquentador e o lojista me dizer: “Não compre Junker que já são feitos cá”. (Virá esta pecha do Tratado de Methwen? Ou desde a fundação da nacionalidade? Não sei, mas vai levar muitas start ups a sacudi-la do capote).

 

Bem e mal. Verdade e erro. Razão e falta dela. Com tudo a chegar-nos hoje in real time e sem anestesia fica-se sem distância no tempo e no espaço para medir bem seja o que for. Dantes, multidões analfabetas à trela de clérigos, depois de doutores, e Gutenberg a ajudar uns e outros. Hoje, Facebook, Twitter & Cia dispensam filtros de quem saiba e deixam que gladiadores domem o acaso e se constituam soberanos. Não há de ser nada? Oxalá.

 

 

 

publicado por VF às 15:38
link do post | comentar | favorito

pesquisar

mais sobre mim

posts recentes

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

tags

todas as tags

links

arquivos

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Creative Commons License
This work by //retrovisor.blogs.sapo.pt is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Blogs Portugal

blogs SAPO

subscrever feeds