Quarta-feira, 25 de Outubro de 2017

O Bloco-Notas de José Cutileiro

pinhal de Leiria

Pinhal de Leiria, 2017

 

 

José Cutileiro

 

 

 

O mundo real

 

 

François Mauriac, católico apostólico romano da região de Bordéus e prémio Nobel da literatura em 1947, escreveu que não conhecia a alma dos criminosos mas conhecia a das pessoas honestas e era um horror. Menos argutas, as nossas elites - eu e tu, hypocrite lecteur, mon semblable, mon frère… (et, de nos jours, nos soeurs aussi) - estão a descobrir agora que aquilo a que gostam de chamar o país real – o Portugal profundo, escuridão misteriosa escondendo grande diamante por lapidar – é, afinal de contas, tão mau ou pior do que elas próprias. Contentará videirinhos saberem-se dotados de um olho em terra de cegos mas vai deprimir mais o resto de todos nós. A calcinação do Pinhal de Leiria foi a pedra de fecho da abóboda sonâmbula de incúria em que se fora transformando o Estado português.

 

Acabada a ficção “do Minho a Timor” (ainda ouvi gente dizer isso a estrangeiros, sem pestanejar) veio o grande desafio europeu: desde que o Dr. Soares bateu à porta de Bruxelas até nos deixarem entrar passaram dez anos, durante os quais se trabalhou. Uma vez dentro, porém, as coisas começaram a mudar. O Projecto Europeu, onde sempre quisemos estar “no pelotão da frente” (em Portugal a única literatura com leitores é a desportiva) passou a ser uma espécie de renda, ou de lotaria onde não havia nunca prémios astronómicos mas se ia ganhando sempre um poucochinho. Até que chegou a austeridade – “Os pobres que paguem a crise!” – e alguém se lembrou do cavalo do inglês que o dono treinava para viver sem comer e quando estava quase, quase treinado, morreu. Qual o quê! Os povos não são cavalos; entre troikas e autocensura íamos cantando e rindo - até que, de repente, duas girândolas de fogos deram connosco em terra.

 

Ninguém nos estenderá a mão num mundo cheio de outros disparates. Por exemplo, há dias a Organização Mundial da Saúde nomeou seu “Embaixador” Robert Mugabe, ditador que com mão de ferro transformou um dos países mais ricos de África num dos mais pobres. O escândalo foi geral e em 24 horas a OMC tirou-lhe o título. Porque é que o distinguiram? A razão é simples e percebi-a a 25 de Junho de 1982, em Nairobi, numa cimeira da OUA onde fora de observador. Moçambique fazia 7 anos; eu, embaixador em Maputo, quis felicitar Samora Machel que chegava com a comitiva à sala das reuniões quando de outro corredor apareceram Omar Bongo, presidente do Gabão e a sua gente. Estávamos na Guerra Fria: para esquerdistas europeus Bongo era um lacaio do capitalismo; para europeus de direita Machel era um perigoso marxista-leninista. “Machel!”; “Bongo!” gritaram e caíram nos braços um do outro às gargalhadas. Pertenciam ambos à irmandade de escravos forros que agora mandava em África. Capitalismo e comunismo eram problemas nossos, não deles.

 

Pela primeira vez o director da OMS vem de África (ex-ministro dos estrangeiros etíope); para ele Mugabe deve ser ainda, sobretudo e para sempre, um dos grandes heróis das guerras de independência africanas.

 

 

 

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 18 de Outubro de 2017

O Bloco-Notas de José Cutileiro

 

 

 

capitol-hill-washington-d_c

Capitol Hill, Washington

 

 

 

 

José Cutileiro

 

 

Perigo de Morte

 

 

 

Um argumento contra a monarquia é esta designar para chefe de Estado herdeiro (ou herdeira) mesmo quando o dito (ou a dita) não tenha o mínimo de qualificações. Tudo pode sair na rifa – Nero herdara o Império e divertira-se a pegar fogo a Roma - e, há uns séculos, os europeus meteram-se a preferir repúblicas a monarquias ou, no canto noroeste do continente onde o feudalismo foi forte e incutiu regras de convívio entre pobres e ricos, a conservar monarquias, mas afastando-as cada vez mais da governação (Suécia, Noruega, Dinamarca, Países Baixos, Reino Unido). Em 1974, uma das primeiras pessoas que conheci no MNE, a D. Adelaide, que trabalhara na nossa embaixada em Oslo durante mais de dez anos, explicou-me porquê: “Aquelas criaturinhas pouco ou nada fazem mas têm o condão de manter o povinho unido”.

 

Quem não tenha tido, ou não tenha querido ter tanta sorte, foi alargando o número de sócios da empresa até ao sufrágio universal – nas democracias contemporâneas não há metecos nem escravos - julgando que, como não é possível enganar toda a gente todo o tempo, se haveria encontrado a maneira mais segura de evitar no futuro Neros, Calígulas e demais fatalidades dinásticas. Infelizmente, tal foi atribuir à voz do povo mais sabedoria do que ela é, permanentemente, capaz de mostrar. Exercendo os seus direitos numa das maiores (e mais senhoras do seu nariz) das repúblicas do mundo, em eleições livres e limpas, o povo dos Estados Unidos da América escolheu para seu Presidente Donald J. Trump, manifestamente incapaz de desempenhar tais funções com o mínimo de sanidade mental, competência política e integridade moral que elas exigem. E com mau fundo. Nunca acontecera nada assim.

 

Se Trump tivesse sido eleito presidente da Albânia, ou da Bolívia, ou da Malásia, nesta altura os albaneses, ou os bolivianos, ou os malaios - e eventualmente algum vizinho – estariam em maus lençóis, o Conselho de Segurança das Nações Unidas já se teria reunido e, por geografia ou interesses, talvez até um dos mandachuvas do mundo, com ou sem o beneplácito da ONU, tivesse mandado o Trump local pró catano. Mas o homem mora em Washington e só os americanos nos poderão livrar dele.

 

A lista de desmandos é egrégia: internacionais, nos casos da Coreia do Norte e do Irão, por um lado, e relações económicas com o estrangeiro, por outro; universais, em aquecimento global (incluindo desmantelamento de profilaxias já estabelecidas); nacionais, com a tentativa de destruição do sistema de saúde de Obama, a ilegalização de filhos de emigrantes, projecto de orçamento incoerente. Tudo recheado de aldrabices, golpadas, insultos e birras que envergonham e desacreditam os Estados Unidos.

 

Sem Estados-Unidos que nos fica? A Rússia de Putin? A China de Xi Jinping? A União Europeia, incapaz de matar uma mosca mesmo que a mosca seja tsé-tsé? Valham-nos alguns senadores e congressistas em Washington capazes de removerem o homem sem derramamento de sangue. Já houve caso parecido.

 

 

 

 

 
publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 11 de Outubro de 2017

O Bloco-Notas de José Cutileiro

 

budchen5

 

 

José Cutileiro

 

 

 

Voltas do Mundo

 

 

 

Na segunda-feira de manhã, a telefonia do carro lembrou-me que fazia 50 anos desde a morte de Che Guevara. 50 anos, dantes, eram um ror de tempo, mais do que a vida de muita gente (o meu Pai, por exemplo, morreu com 44, tinha eu 21); hoje os números são outros: casa-se bem mais tarde, muitas mulheres dão à luz pela primeira, e geralmente última vez por volta dos 40. Foi a pílula – a pastilha, dizia amiga minha, também aí há 50 anos, mas nunca ouvi mais ninguém usar a palavra com esse significado, de maneira que não figurará em dicionários de sinónimos: a excentricidade morreu com quem a inventou.

 

No começo de Outubro de 1967 eu vivia em St. Antony’s College, Oxford, e dava-me com economista francês, Jean-Marc Fontaine, chegado há pouco de Sciences-Po. Carregado de todos os preconceitos anti-ingleses que qualquer francês que se prezasse, fosse ele sans-culotte, ci-devant ou mistura dos dois, trazia consigo desde as batalhas de Azincourt, de Waterloo, teve todavia de ir reconhecendo, com relutância, os grandes méritos do que lhe davam agora a ler na pérfida Albion (embora a maneira de pensar fosse tão diferente da sua que lhe acontecia chegar ao fim do primeiro capítulo de um livro com a sensação de ter chegado ao fim do livro). Só na Páscoa seguinte, depois de discussão épica no correio de North Parade, ao virar da nossa rua, julgou entender. “Pourquoi ces types sont, d’une façon générale, si stupides mais leurs intellectuels sont, quand-même, assez astucieux? C’est que, pour eux, penser ce n’est pas naturel. It’s a job. You either do it well or you don’t do it at all”.

 

Jean-Marc era um romântico e quando a notícia chegou pela televisão, e a seguir nas capas de jornais, a preto e branco, com o Che deitado de costas morto, nu da cintura para cima, lembrando Cristo famoso pintado por Mantegna na Renascença, e soldados bolivianos armados em pano de fundo, que geralmente as redacções tiravam da fotografia, achou que era preciso mandar pêsames à embaixada de Cuba em Londres. Ele ia mandá-los, não era comunista mas o Che era figura impar que merecia homenagem e eu deveria mandá-los também. Eu tampouco era comunista; nem sequer tinha a simpatia por Cuba revolucionária que muitos lhe estendiam só por serem anti-americanos – eu não o era – mas também não chegava aos rigores dos que falam dos comunistas como de peste bubónica. O comunismo não foi uma doença; foi um remédio que falhou; o manifesto dos dois alemães (como o Sermão da Montanha do nazareno) não queria dar cabo do mundo, queria endireitá-lo. Deu para o torto; a emenda foi pior do que o soneto - mas o Che morreu convencido do contrário. Mandei os pêsames – e não parei de me arrepender. Passei a receber em quantidade e com regularidade exasperantes toda a espécie de propaganda impressa daquela ditadura de ilhéus, crassa e mentirosa, enquanto estive em Oxford. Três anos depois, quando mudei para Londres, o Colégio passou a devolver tudo e perderam-me o rasto.

 

 

 

 

 

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 4 de Outubro de 2017

O Bloco-Notas de José Cutileiro

AfD

 

 

 

José Cutileiro

 

 

Tempo circular

 

 

 

O tio Clarimundo proibira-me de fazer mais de duas citações ao almoço e três ao jantar. Adolescente, eu passava uma semana em casa dele porque o Pai visitava outra vez a clínica do Lopez Ibor em Madrid e a Mãe fora com ele. Cingi-me à disciplina avuncular mas a emenda não pegou. Adiante.

 

As I write highly civilized human beings fly over my head trying to kill me”, George Orwell, em Londres, durante o Blitz. “Je suis la guerre civile. Quand je tue, je sais que je tue”, Henri de Montherland, começo da sua peça “La Guerre Civile”. A guerra atómica começara nesse dia, o soldado teve de partir sem se despedir da mãe mas promete ir visitá-la assim que a guerra acabar … “three quarters of an hour from now!”, Tom Lehrer, matemático do MIT, cantor de protesto e de humor na década de 60, com muito sucesso na costa e na contracosta dos Estados Unidos (mas menos ou mesmo nenhum no interior entre as duas, que sem ninguém dar por isso já germinava por lá essa coisa politicamente teratológica – ou talvez seja a nova normalidade e o aleijado seja eu – a que se chama Trumpismo).

 

Vieram-me os três juntos à cabeça agora porque, depois de alguns entre nós, embalados por tanto aumento de riqueza e tanta aparência de virtude desde a autodestruição da União Soviética (que Vladimir Putin considera a maior catástrofe geopolítica do século XX - once a KGB officer, always a KGB officer) se meterem a imaginar, com pormenor adaptado aos nossos dias, a paz perfeita proposta pelo filósofo Immanuel Kant e parecerem convencidos de que tudo ia realmente pelo melhor no melhor dos mundos possíveis (conheço um ou dois, mais espertos a meterem equações à economia do que a leitora ou que este seu criado, mas para entendimento do mundo à sua e nossa volta, valha-nos Deus...) até começaram a brotar por toda a parte flores venenosas apostadas em darem cabo de jardim tão carinhosamente plantado.

 

Empreendimento criminoso hereditário, vulgo Coreia do Norte , talvez compreensivelmente preocupado com o que aconteceu a Muammar Khadafi que negociara com o Ocidente o desmantelamento das suas ambições nucleares, resolveu lembrar-nos a todos que tem bombas e que as poderá usar. O choque cultural cria estranheza; talvez o homem não assuste os seus mas assusta todo o resto (tirando as Bolsas que, com a acuidade geopolítica dos homens de negócios, parecem nem dar por ele). Com sorte não há de ser nada - mas aumenta o perigo por o Presidente dos Estados Unidos actual ser tão escandalosamente inepto. Entretanto a Catalunha, devido a manha perversa de alguns políticos locais e a estupidez granítica de Madrid, poderá dar à Espanha e à Europa déja vus impensáveis há um mês, desarrumadores de outras cabeças e potencialmente sangrentos. Por fim, em Berlim o pior sistema de governo tirando todos os outros levou ao Budenstag noventa e seis deputados nostálgicos de Hitler e das glórias passadas do Volk.

 

Como ao jantar em casa do tio Clarimundo, fico-me por três citações.

 

 

 

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 27 de Setembro de 2017

O Bloco-Notas de José Cutileiro

 

 

E. Munch.winter

 Edvard Munch, 1899

 

 

 

 

 

 

José Cutileiro

 

 

 

Winter is coming

 

 

 

Toulouse-Lautrec adorava o Outono, que para ele era a Primavera do Inverno, e embora esta semana Bruxelas esteja banhada no que os ingleses imperiais apodaram de Verão Indiano, o Inverno avizinha-se como monstro em pesadelo que exigiria almas ainda mais torturadas do que a do fidalgo-pintor – há mais de meio século, em cantiga portuguesa traduzidota de filme a cores de Hollywood, “…por mais que fizesse/Vivia a lembrá-la/E bebia absinto/Pelo cabo da bengala” – para apetecerem a estação das trevas e sofrerem por ela levar quase um ano antes de nos tornar a visitar (no Hemisfério Norte. Não sei como a correcção política dá conta do recado sem ofender as/os do Hemisfério Sul).

 

Para mim, como em todos os sistemas simbólicos que o bicho homem foi inventando durante milhares de anos para tentar viver com a noite e o dia, o mal e o bem, a força e a fraqueza, a mulher e o homem, a vida e a morte, o Inverno é coisa péssima (ao contrário do que achava o aleijadinho genial, que “ia ao Moulin Rouge/Enfrascar-se no vinho”) - e o de 2017-2018 vai ser “très very péssimo” como diria chauffeur de táxi poliglota que me levou o ano passado de casa ao aeroporto, onde ainda decorriam trabalhos de reconstrução, consequentes de terrorismo bombista.

 

No verão de 1914, ministro britânico ganhou nota de pé de página no grão livro dos viventes por ter dito que por toda a Europa as luzes se estavam a apagar. Para os europeus, a primeira metade do século XX foi uma Bernardette do caboz e, para muitos – incluindo, leitora, este seu criado – a segunda foi work in progress até ao colapso da União Soviética. Mas o mundo é mais complicado do que cada um de nós julga. Um bem que hoje se alcança/Amanhã já o não vejo/Assim nos traz a mudança/De esperança em esperança/E de desejo em desejo - ou, olhando para o ano que se aproxima e tomando outra inspiração clássica, de Bernardette do caboz em broncalina do camandro. Na América, Trump – e quanto melhor se percebe no que deram quer o partido Republicano quer o partido Democrático menos a gente se espanta. Na Europa, da Polónia ao Reino Unido, da Hungria à Catalunha, poucos dizem coisa com coisa; Macron procura, em vão, que os franceses se portem como alemães e Frau Merkel descobre com alarme que quem quer cada vez mais portar-se como os alemães são os alemães eles próprios. Très very péssimo.

 

O mal vem de longe. Durante a Guerra Fria, para encostar a URSS à parede, armámo-nos em defensores dos direitos do homem, levantando a fasquia bem acima das nossas posses – mas, como os soviéticos podiam muito menos ainda do que nós, passámos por virtuosos (assim um bocadinho como a filha do general birmanês). Ainda por cima, financeiros e economistas acham mais graça a tornar os ricos mais ricos do que os pobres menos pobres e o mau viver está a espalha-se por toda a parte. Por um tempo, sabedoria e bondade foram valores seguros. Se deixarem de o ser, acabou o meio milénio de intervalo lúcido a que tivemos direito.

 

 

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 20 de Setembro de 2017

O Bloco-Notas de José Cutileiro

 

 

 

António Guterres

António Guterres, secretário geral da ONU 

 

 

 

José Cutileiro

 

 

O Circo da ONU

 

 

 

Tenho fraca opinião das Nações Unidas embora lhe reconheça algumas vantagens, que pude medir pela primeira vez no Cairo, onde o Superconstellation fizera escala ao começo da noite, voando de Genebra para Bombaim em Janeiro de 1952. A altura era especial: o General Naguib tinha tomado o poder, levando o país a caminho do Terceiro Mundo (depois de correr com ele, o seu sucessor, Nasser, juntamente com o Pandita Nehru e o jugoslavo Tito – que viriam os três a morrer fiéis ao posto, de morte natural e cercados de acólitos – iriam criar o Movimento dos Não-Alinhados) forçando o Rei Faruk, deposto e exilado, a contribuir pessoalmente para a plausibilidade de vaticínio seu: daí a cinquenta anos só haveria cinco reis no mundo, o Rei de Espadas, o Rei de Paus, o Rei de Ouros, o Rei de Copas e o Rei de Inglaterra. (Voltei a passar no Cairo, daí a pouco mais de seis meses, tinha Naguib sido deposto. Mas a memória mais exótica dessa escala foi outra: ao pequeno-almoço no restaurante do terminal, servido por criados de fez encarnado, se se pedia bacon & eggs vinham sempre três ovos com o bacon. Nunca me acontecera antes nem aconteceu depois, em nenhum lugar do mundo).

 

Nós viajávamos com laissez passer das Nações Unidas porque o Pai trabalhava para a Organização Mundial da Saúde. No mesmo avião vinham duas enfermeiras inglesas de meia-idade, também funcionárias da OMS, que insistiram em se fazer identificar pelos seus passaportes britânicos, válidos e legais no Egipto – e desde há mais de um século impositores de ordem, respeito e eventual subserviência desde o Suez até Pequim. Mas as autoridades fronteiriças do Egipto agora ao serviço de Naguib – nem imagino como terá sido quando passaram a servir Nasser – fingiam não perceber a insistência das Misses e, sabendo que estas viajavam pela OMS, exigiam os laissez-passer da ONU, para eles organização acima de todas as outras no mundo, subalternizando assim os British Passports emitidos por agentes de Sua Majestade Britânica - propósito evidente e inflexível da sua diligência. As enfermeiras a certa altura perceberam que não as deixariam seguir para a Índia, submeteram a razão ao bom senso, e seguiram para Bombaim indignadas.

 

Passados 34 anos, na minha primeira ida à ONU em Nova Iorque, pego à chegada no New York Times, vejo na primeira página artigo sobre a Assembleia Geral que começava e, no segundo parágrafo, leio “Diz António Monteiro, de Portugal: é psicoterapia de grupo para o mundo”. Ele não era ainda embaixador mas diplomata na nossa Missão – e nunca esqueci essa maneira de explicar a utilidade do ritual. Outro momento a não esquecer, 8 anos mais tarde. Nos 50 anos da Organização, o Fernando Andresen, embaixador em Washington e eu, secretário-geral da UEO, entrávamos às 9 da manhã no grande anfiteatro cheio de convidados. “Tu põe-te a pau” disse ele sem olhar para mim. “A maioria desta malta é estrangeira”.

 

Quem não seja burro de todo também aprende com os mais novos.

 

 

 

 

publicado por VF às 20:38
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 13 de Setembro de 2017

O Bloco-Notas de José Cutileiro

 

Schubert

 Franz Schubert, aguarela de Wilhelm August Rieder, 1825.

 

 

 

José Cutileiro

 

 

O quinteto em dó maior, D 956, de Schubert

 

 

 

O mano Jorge, que morreu com dez anos e tinha menos nove do que eu, era o único dos três filhos com jeito para música. O piano que fora da Mãe veio de Évora para nossa casa em Lisboa e a Professora Mariana que dera lições ao Babalhú, à Luzinha e à Nucha, filhos de João Cid dos Santos e de sua mulher Nazaré Vilhena, amigos lá de casa – o Pai era padrinho da Nucha – começou a dar lições ao Jorge quando ele tinha seis anos.

 

O Pai cantara em novo cantigas alentejanas (lembro-me da confusão que me fizera ouvi-lo nos Olhos da Marianita em casa do avô quando eu sabia estar ele em Lisboa: era um disco gravado quando era estudante e posto na telefonia naquela manhã pelo Radio Clube Português ou a Emissora Nacional) mas quer o João quer eu pouco ou nada herdámos dessa inclinação; o João, nada mesmo: se fosse inglês poderia dizer como Winston Churchill que só conhecia duas músicas – uma era o God Save the King e a outra não era; eu saíra um bocadinho menos duro de orelha, distinguindo alguns compositores de outros e sentindo preferências fortes por alguns deles.

 

Nunca saberemos o que o Jorge teria dado. Na geração seguinte, a inclinação reapareceu. O meu filho toca há muitos anos em dois grupos pop holandeses que têm conhecido algum sucesso em Groningen e outras cidades do Norte dos Países Baixos. E o meu sobrinho Tiago, que agora vive em Berlim, é compositor, inter alia, de uma ópera, de música orquestral e de música de câmara, tendo também sido professor de composição. Para entender melhor estes saltos de gerações é útil saber que não são à toa. Existe toda uma ciência destas coisas a partir das experiências de um monge agostinho de Brno, hoje na República Checa, chamado Mendel que, passou oito anos a cruzar ervilhas de cheiro e descobriu as leis segundo as quais, em cada espécie, os caracteres hereditários passam de geração em geração, fazendo comunicação científica em que explicou tudo isso, incluindo a existência de pares do que hoje chamamos genes, em 1865. Ficou esquecido meio século, depois inspirou investigações que ainda hoje continuam: é um gigante da biologia, ombreando com Darwin. Ver-se-á o que darão o meu neto e os netos (e o bisneto) do mano João.

 

Tudo isto porque na telefonia do carro ouvi hoje mais uma vez o quinteto em dó maior de Schubert D 956 quase todo, tocado não sei por quem. De há um século para cá ouve-se música que nos chega assim, por acaso ou de propósito, em discos e em maneiras mais modernas ainda de a reproduzir sem ter de haver músicos a tocá-la diante de nós ou nessa altura. Ouvi-o pela primeira vez em casa do Ruy Cinatti e, na minha ignorância musical, tocou-me muito e veio-me à cabeça linha de Eliot “ an infinitely gentle, infinitely suffering thing”. Volta sempre que o oiço (a última vez o ano passado, ao vivo). Quando estou em sala, dá-me para achar que não devia haver discos. Depois caio em mim: sem discos, teria ouvido muito pouca música, quase toda má.

 

 

 

 

 

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 6 de Setembro de 2017

O Bloco-Notas de José Cutileiro

 

1463490499619

Norte Coreanos inclinam-se diante de estátuas dos antigos líderes Kim Il-sung and Kim Jong-il na capital Pyongyang.

foto: J.A. de Roo via Wikimedia Commons. 

 

 

José Cutileiro

 

 

 

Grande chatice à vista?

 

 

 

Com o psicopata de Pyongyang na maior, parece-me que estamos mesmo pela primeira vez em perigo de guerra nuclear, desde o colapso da União Soviética. Ora na guerra, escreveu Thomas Hobbes (1588- 1679) e eu vi acontecer à minha frente, força e fraude são as duas virtudes capitais. Exactamente o contrário do que a correcção politica da presidência de Barrack Obama queria impor aos americanos. Ao fim de oito anos, a malta yankee fartou-se de tanta bondade e, em vez de votar terceira vez seguida nos democratas, votou em Trump, toma lá que já almoçaste. Nem tanto ao mar nem tanto à terra, mas acontece quase sempre assim.

 

Em Portugal é diferente. Cá, as tentativas de correcção política são sempre ridículas – mesmo quando não cheguem à insensatez fascistoide da proibição dos livros para meninos e para meninas da Porto Editora. Não por sermos desajeitados mas porque a correcção política resulta de exagero inapropriado de exigência moral – e em Portugal tal exigência moral não existe. Não há noções de mal e de bem universalistas, fontes de satisfação ou de culpabilização geral. O centro dos direitos e deveres é a família e não uma obrigação abstracta aplicada por igual a toda a gente. Pai de amigos meus, grande commis d’État do regime de Salazar (mas poderia ter sido um dos manda-chuvas de hoje menos iletrados) teria candidamente dito que nas relações dos governantes com os governados se deveriam favorecer os amigos, prejudicar os inimigos e, a quem fosse nem uma coisa nem outra, aplicar a lei. O cocheiro da tipoia que levara Fradique Mendes de Santa Apolónia ao hotel em noite tempestuosa, por preço exorbitante exigido à cabeça, quando Fradique lhe perguntou no fim “Com que então são três mil reis?”, respondeu: “Eu disse aquilo porque não tinha conhecido o Senhor D. Fradique. Para o Senhor D. Fradique é o que o Senhor D. Fradique quiser”. Dei uma libra àquele bandido, desabafa Fradique. À gente destas terras do Sul europeu – nós, os espanhóis, os italianos, mais de metade dos franceses, os croatas, os sérvios, os albaneses, os gregos – Lutero e Calvino não chegaram. Mas chegaram às grandes tribos anglo-saxónicas e germânicas que estão a agora a perder o controle do mundo, depois de dois séculos a mandarem vir. (De caminho, deixaram estado de direito e democracia nalguns lugares – a Índia é o mais conspícuo – que espero não venham a desaparecer). No estertor desse poder temos hoje em casa as batalhas inglórias da austeridade.

 

Voltando à Coreia do Norte. Devemos ajudar os americanos a definir sensatamente qual seria o mal menor – a fim de que o Ocidente não se desconjunte diante da China e da Rússia. A história da Coreia do Norte com a arma atómica vem de longe e quando se julgava que no mundo multipolar se encontraria enquadramento propício, o psicopata mandou matar tio e irmão e bateu o pé. A nosso favor: em 1914 e 1939 guerra era natural e grandes potências a queriam; hoje não o é e nenhuma potência a quer.

 

 

 

 

publicado por VF às 14:24
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 30 de Agosto de 2017

O Bloco-Notas de José Cutileiro

 

 

 

shopify-faae7065b7b351d28495b345ed76096c03de28bac346deb1e85db632862fd0e4

código QR

 

 

José Cutileiro

 

 

 

Futuro? Passado?

 

 

 

O meu amigo mais erudito – haverá eruditos ainda mais eruditos do que ele mas não são meus amigos – contou-me de filósofo grego pré-socrático, cujo nome esqueceu, para quem a invenção da escrita estava a enfraquecer cabeças que assim já não se exercitavam a aprender coisas de cor. Passados milénios de escrita, porém, o saber de cor perdeu a utilidade e o prestígio que tinha, salvo no teatro e no circo – há mais de meio século, estudante da Faculdade de Medicina de Lisboa perguntou a outro se estudava Medicina Legal “compreendendo ou empinando” o que, em vez de sugerir versatilidade no espírito do perguntador, confirmou a sua fama de burro. O facto mesmo do meu amigo erudito se lembrar do pensamento mas não do nome do pensador ilustra convicção que fui ganhando ao longo dos anos: quem nasce sem memória acaba a perceber muito melhor as coisas do que quem nasça com ela. Os memoriosos como eu empinam sem dar por isso muitos bocados do mundo e, mais tarde ou mais cedo, a brincadeira sai-nos cara.

 

A conversa sobre o filósofo pré-socrático aconteceu no dia seguinte a jantar com outros amigos, tripeiros que trouxeram com eles pimpolho adorável, quase com dois anos, cujo conhecimento da língua falada cresce como um bambu e sobressalta de vez em quando ouvidos sulistas, elitistas e liberais com esboços de palavras que, ao descerem (ou subirem? Que ordenaria, em casos de Norte contra Sul, a correcção política?) das margens do Douro até às margens do Tejo, se transformam em palavrões - para hilaridade mais ou menos furtiva dos circunstantes, só parando o índex de palrar quando, antes de se sentarem à mesa, os pais lhe metem um iPhone nas mãos. Aí, embevecido, cala-se e ao agradável junta o útil: vai aprendendo inglês e a usar a maquineta com mais destreza do que os pais. Perante miúdos com a habilidade dele, sinto-me eu analfabeto. Gutenberg estragara o conforto estético recatado de homens como o banqueiro Cosimo de Medici, anafado na sua bolha de incunábulos, vistos só por ele e por quem ele consentisse, caligrafados um a um por monges silenciosos, distribuídos a alguns clérigos, alguns fidalgos e alguns banqueiros. Remanso que Gutenberg destruiu - e a desordem não acabou aí. Depois de pregar as suas teses na porta da igreja, Lutero fê-las imprimir. Séculos mais tarde, Máximo Gorki em rapaz novo lia Pushkin a dezenas de operários analfabetos numa grande padaria (antes do bom Tio José ter posto os amanhãs a cantar, a Rússia não morria de fome: era um enorme celeiro e exportava trigo). Mas papel tipografado, que fez o mundo dar voltas, está a passar de moda: na administração da Estónia, paraíso do numérico que este semestre preside à União Europeia, praticamente já não se usa.

 

Quando o filho dos meus amigos for da idade do meu, muitas coisas e maneiras de as fazer que haviam um dia sido parte do futuro pertencerão ao passado. Dantes não era assim, a gente ainda estranha, e o pimpolho em crescido já nem dará por isso.

 

 

 

 

 

publicado por VF às 11:37
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 23 de Agosto de 2017

O Bloco-Notas de José Cutileiro

 

 

 

 

 

José Cutileiro

 

 

 

 

Sacanas e bananas

 

 

 

Passam-se anos sem eu ver o Duro. Desde novos, privámos em passagens animadas da vida e ele conhece-me melhor a mim do que eu o conheço a ele - ou pelo menos é isso que eu sinto. (Outro com quem acontecia o mesmo era o meu chorado Zé Cardoso Pires e eu achava que tal se devia ao Zé ser romancista e eu não; com o Duro essa explicação não colhe). Encalhámos um no outro há dias e lembrei-me – lembro-me sempre que nos encontramos - de encalhe anterior, também no verão, à porta do Balaia, depois do 25 de Abril mas antes do Balaia ter virado Club Med.

 

“Voltaste?”. Fazia-o ainda pela finança internacional, em Londres ou numa das costas dos Estados Unidos.

 

“Não! Só quando as condições estiverem cumpridas”.                                                                                  

“Quais condições?”                                                                                                                                                  

“Salazar no poder; Marcelo Caetano na oposição; Freitas do Amaral na clandestinidade!” (Freitas do Amaral, nessa altura, considerava-se e era considerado de direita).

 

A mi me gustan las cosas asi: los hombres hombres; el trigo trigo!” afirma camponesa andaluza numa peça de teatro de Lorca. Camponesa que havia de ser, como o Duro, pessoa de um só princípio, de um só rosto, uma só fé, de antes quebrar que torcer. Como seria também o médico cujo nome me escapa, membro do Partido Comunista Português no tempo da clandestinidade, preso duas ou três vezes, esbofeteado pela Pide, que encontrei em casa da Mimi e do Fernando Bandeira de Lima, amigos dos meus Pais (ele também maltratado na António Maria Cardoso) e que, ao falar eu de inspector da Pide inteligente me interrompeu, indignado, porque a inteligência era um dom das almas superiores e, por isso, nenhum Pide podia ser inteligente.

 

Ainda haverá gente assim. O Duro é fino como um coral; o amigo dos Bandeira de Lima era burro; o que nos chegou da camponesa de Lorca não dá para saber – mas tudo seres morais e isso escasseia agora no pessoal político. Não só por cá (já lá vamos); falha no cimo mesmo do que chamávamos “O Mundo Livre”: Trump, palhaço pouco esperto, ignorante e malfazejo terá de ser corrido depressa; no Reino Unido não se vê hoje ninguém; em Berlim, automóveis poluentes e superavit escandaloso são demais para que a mediocridade da Senhora disfarce a Alemanha. Talvez Macron, se fizer os franceses perderem egoísmo e peneiras.

 

E nós? No tempo de Salazar o escritor José Rodrigues Migueis dizia que Portugal era um país de bananas governado por sacanas. Democracia e Europa trouxeram-nos harmonia: hoje somos, governados e governantes, bananas assacanados - ou sacanas abananados se a leitora preferir.

                                                                            

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito

pesquisar

mais sobre mim

posts recentes

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

tags

todas as tags

links

arquivos

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Creative Commons License
This work by //retrovisor.blogs.sapo.pt is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Blogs Portugal

blogs SAPO

subscrever feeds