Sábado, 10 de Setembro de 2016

dicionário pessoal : omissão

 

 

O rose petals.jpg

 

 

 

omissão
o.mis.são
nome feminino
(do latim omissio, -onis)

 

 

O que se deixa de fazer ou de dizer. Esquecimento, voluntário ou involuntário. Silenciamento com que se modela a realidade e, por tal razão, recurso gramatical e estilístico muito presente na resposta a perguntas do tipo «O que fizeste hoje?» ou «Em que estás a pensar?». Lacuna. Falta. Ocultação. Apagamento. Técnica narrativa que consiste numa aceleração ou salto no tempo; exemplo clássico é, entre muitos outros, o início do terceiro capítulo de Os Maias: «Mas esse ano passou, outros anos passaram. Por uma manhã de Abril, nas vésperas da Páscoa, Vilaça chegava de novo a Santa Olávia.» Na economia da construção da verdade opera por supressão, que é uma forma de selecção. Mentira politicamente mais subtil ou juridicamente menos gravosa. Forma de cobardia.

 

 

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito
Sábado, 3 de Setembro de 2016

dicionário pessoal : participação

 

 

shield-with-police-p-letter.jpg

 

 

 

 

 

participação
par.ti.ci.pa.ção
nome feminino
(de participatio, -onis)

 

 

Como acção cívica ou expressão de cidadania designa o dever de intervir, de ajudar, de colaborar, de contribuir, de cooperar. Como exigência contemporânea significa falar, comentar, seguir, configurando uma espécie de obrigação de comunicar, muito para além do âmbito jurídico da participação, como a queixa ou a denúncia, ou do âmbito social, como a participação do nascimento, do casamento ou do óbito. A participação, como a comunicação, de que é causa e consequência, está na ordem do dia, na ordem de serviço da ordem geral. Dizem que faz bem à saúde. De pequeninas, as crianças aprendem os seus fundamentos e as escolas requerem impiedosamente a sua prática; as famílias reclamam-na, as empresas exigem-na e até a premeiam, os artistas praticam-na ou servem-na, os governos administram-na. Ficar calado e quieto a um canto pode ser interpretado como disfunção com direito a acompanhamento de psicólogo e subsequente reeducação. É preciso ter um certo cuidado.

 

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 30 de Agosto de 2016

Fernando Guedes, editor e homem de cultura

 

 

Untitled-1.jpgFernando Guedes (1929-2016)

 

 

 

 

Ignoro se têm sido muito ou pouco estudadas eventuais afinidades do nosso modernismo com o dos Britânicos, para além da comum recusa do sentimentalismo (mas talvez não a procura radical da despersonalização e do distanciamento, que quase só encontramos em Pessoa; a estética imagista só terá verdadeira expressão portuguesa com Alberto de Lacerda, mas esta poderá ser uma opinião controversa), mas não resisto a chamar a vossa atenção para os conselhos que William Carlos Williams, um outro americano que foi figura de proa do Imagismo, dava à poeta inglesa Denise Levertov, em 1954, repercutindo ainda nesse momento, de forma bastante fiel, o ideário imagista de Pound e Eliot em 1914. Dizia ele: «Corte, e corte de novo, tudo o que escrever — ao mesmo tempo que por obra da sua arte não deixa vestígios dos cortes — e o resultado final ficará repleto do que tem para dizer».

 

O crítico britânico Harold Monro, num livro intitulado Some Contemporary Poets, publicado em 1920, conta a história de um jovem poeta americano recém-chegado dos Estados Unidos que procurou Eliot a fim de lhe mostrar os seus trabalhos. Este, ponderou longamente em silêncio um poema e, erguendo finalmente os olhos, terá dito: «Precisou de 97 palavras para o fazer; eu acho que poderia tê-lo feito em 56». Mas nada disto era novo e os próprios imagistas não se cansavam de o afirmar: «Estes princípios não são uma novidade; caíram em desuso. Eles são o essencial de toda a grande poesia».

 

É claro que estamos no plano estilístico da precisão. Mas creio que poderíamos articular isto, independentemente dos particulares relativos à diferença de contextos, com o que António Ferro — fundador e referência desta Casa — escrevia, em 1919, em Leviana (publicado em 1921):

 

«O excesso de pormenores embrulha a concepção, a intenção. Já que não podemos simplificar a vida, simplifiquemos a literatura. A literatura, como a vida, está atravancada. Há que descongestioná-la: um só quadro numa parede, dois ou três móveis em cada sala. Simplifiquemos! Simplifiquemos! A falta de espaço é cada vez maior. Há que fazer peças com poucas personagens, romances com poucas páginas, telas com poucas tintas. Seleccionar! Seleccionar! Escrever muito é fácil. Escrever pouco é heróico, muitas vezes. Poucos escritores têm essa coragem».

 

Como é sabido, The Waste Land, o poema de Eliot que Fernando Guedes considera o mais visionário do século xx, foi drasticamente reduzido na sua dimensão pela mão de Pound, que na dedicatória de Eliot é justamente designado como il miglior fabbro.

 

***

 

Há muito que Fernando Guedes se interessa por estes dois autores, Eliot e Pound. Poeta, ligado à Távola Redonda, nessas «folhas de poesia», cuja publicação se iniciou em Janeiro de 1950, apresentou e traduziu ambos (possivelmente pela primeira vez entre nós, como ele próprio notou na sessão de apresentação do livro). Eliot fora distinguido com o Nobel em 1948; Pound, internado num hospital psiquiátrico, recebera o Prémio Bollingen, em 1949. Posteriormente, no final da década, Fernando Guedes haveria de dirigir uma outra revista que logo no título – Tempo Presente – evocava Eliot (O tempo presente e o tempo passado/ São ambos presentes talvez no tempo futuro/E o tempo futuro contido no tempo passado) e que no segundo número apresentava traduções de Pound e saudava a sua libertação, ocorrida no ano anterior.

 

Deste modo, o que Fernando Guedes faz nestas quatro comunicações é arrumar de forma condensada o seu próprio percurso de leitor de Eliot e Pound ao longo de décadas e apresentar a sua visão sobre o lugar de cada um deles na poesia do século xx. Partindo de uma perspectiva, que foi antes de mais geracional, de reavaliação da modernidade face à tradição, de indagação estética (o tal percurso partilhado em fraterna amizade com Fernando Lanhas), mas também ideológica na marcação das suas distâncias, Fernando Guedes engloba no seu interesse por estes poetas a dinâmica concisa e complexa da estética imagista, a relação com as artes plásticas, e, muito particularmente, a sua ressonância mítica e religiosa.

 

 

Jorge Colaço

 

Excerto de um texto lido no Círculo Eça de Queirós no dia 4 de Setembro de 2014 a propósito do livro de Fernando Guedes T. S. Eliot e Ezra Pound – uma tentativa de aproximação às suas vidas e às suas obras, publicado nesse mesmo ano.

 

 

O artigo de Jorge Colaço  Na morte de Fernando Guedes (1929-2016)  aqui.

 

Algumas obras de Fernando Guedes disponíveis na Wook aqui

 

 

 

 

 

 

 

publicado por VF às 15:24
link do post | comentar | favorito
Sábado, 27 de Agosto de 2016

dicionário pessoal : borra-botas

 

 

 

letter-b_lg.gif

 

 

 

borra-botas
bor.ra-bo.tas
nome com dois géneros e 2 números
(de borrar + bota)

 

Mesmo que tenha um dia designado o engraxador desastrado ou incompetente, o termo terá acabado por se aplicar à generalidade dos lustradores de calçado. Porém, a expressão «borra-botas» passou, em momento que não se consegue descortinar, a designar o indivíduo insignificante, miserável, sem valor, sem categoria nem dinheiro. Um desgraçado. Terá esta acepção sido originada a partir da profissão de engraxador em geral ou especificamente do mau engraxador? Não sabemos. Sabemos que, na escala social, o engraxador integrou sempre um escalão muito baixo, para mais tratando-se de um trabalho sujo que se realiza curvado sobre pés do cliente. Mas a ideia de que se tivesse originado uma expressão pejorativa para designar um mau profissional não deixa de ser uma ideia curiosa. Embora também perigosa, pois seríamos obrigados a reconhecer que, em certos momentos, ou em certas áreas, se vive rodeado de borra-botas. Por outro lado, o desaparecimento dos engraxadores, outrora numerosos e indispensáveis, deu maior relevo aos graxistas, também designados manteigueiros, uma outra classe de indivíduos que partilha com os borra-botas a acepção moderna de desprezível.

 

 

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito
Sábado, 20 de Agosto de 2016

dicionário pessoal : acrimónia

 

 

A-16th-Century-letter-a-q85-468x500.jpg

 

 

 

acrimónia
a.cri.mó.ni.a
nome feminino
(do latim acrimonia, «acidez», «amargor»)

 

 

A acrimónia distingue-se do amargor, que é a experiência pessoal do que é amarescente, do que tem um certo travo adstringente. Do seu prolongamento na alma resulta, por exemplo, o gosto deixado pelo desgosto (o qual sendo uma experiência pessoal é muitas vezes também intransmissível), que aplicado a gente se diz amargura. A acrimónia, ao invés, embora decorrendo também do que é acre, azedo, usa-se para designar a atitude relacional marcada por maus humores, ressentimentos, ou ressabiamentos (ver ressabiamento), e se traduz em azedume, em aspereza, em má vontade, em irritação permanente.

 

 

 

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito
Sábado, 13 de Agosto de 2016

dicionário pessoal: epopeia

 

 

E classic.png

 

 

 

epopeia
e.po.pei.a
nome feminino
(Do grego epopoía, de epos «palavra» + poíeo «compor»)


A epopeia clássica é um poema narrativo, composto em hexâmetro dactílico (formado por seis dáctilos, uma unidade métrica de versificação constituída por uma sílaba longa seguida de duas sílabas breves), cujo assunto são os feitos praticados por heróis, superiores em força e coragem, engenho e astúcia, mas que dependem dos deuses, os quais intervêm na orientação das suas acções.
É, porém, no mais doloroso verso lírico camoniano —«Errei todo o discurso dos meus anos»— que encontramos a única epopeia que o homem moderno ainda pode/ poderá/ poderia ser capaz de compreender. 

 

 

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito
Sábado, 6 de Agosto de 2016

dicionário pessoal : palinódia

 

 

P for Pamela Pinterest.jpg

 

 

 

 

palinódia
pa.li.nó.di.a
nome feminino
(do grego palinodía, canto diferente)

 

 

Como género literário da Grécia antiga era uma retractação, que servia ao autor para desdizer ou desmentir o que dissera num canto anterior. Nem sempre é fácil perceber se tais retractações eram sinceras, mas é um facto que a palinódia se tornou uma forma poética que teve a sua fortuna. Estesícoro, no século VII-VI a.C., terá sido o primeiro a usá-la. Leopardi, já no século XIX, retomou o género na «Palinodia al marchese Gino Capponi», que a certa altura diz assim: «Vendo isto/ e meditando profundamente sobre as largas/ folhas, de minhas graves, antigas/ ilusões e de mim próprio senti vergonha.»* (tradução de Albano Martins). Em português, tanto na variante brasileira como na europeia, o termo designou, pelo menos a partir do século XIX, a mudança de opinião, sobretudo política, sem rasto da retractação original. Isto é, sem vergonha.

 

 

*Così vedendo,/ e meditando sovra i largui fogli/ profondamente, del mio grave, antico/ errore, e di me stesso, ebbi vergogna.

 

 

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito
Sábado, 30 de Julho de 2016

dicionário pessoal : bambúrrio

 

 

 

B van Bibliotheek den Haag.jpg

 

 

 

 

bambúrrio
bam.búr.ri.o
nome masculino
(possivelmente do baixo latim bamburrus)

 

 

Sorte inesperada; acaso feliz ou maré de acasos felizes – não procurados, nem planeados – que tilintam (de forma real ou simbólica) como o jackpot de uma máquina onde não se tinha introduzido qualquer ficha. Oportunidade caída do céu. Casualidade; ganho inexplicável. Bafejo do destino. Golpe favorável que intimamente se conhece, mas não se reconhece publicamente, pois isso seria admitir a parca, ou nula, contribuição do bafejado no processo que conduz a tão benigno resultado.

 

 

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito
Sábado, 23 de Julho de 2016

dicionário pessoal : contubérnio

 

 

C Celtic.jpg

 

 

contubérnio
con.tu.bér.ni.o
nome masculino
(do latim contubernium, «camaradagem ou comunidade de tenda»)

 

 

Na Roma antiga designava a união conjugal entre escravos ou mesmo entre escravos e pessoas livres. Por extensão passou também a designar o concubinato ou a mancebia em geral, fazendo a ponte com uma certa ideia de vida dissoluta ou espúria (ver espúrio). Restringido à vida boémia, o contubérnio refere-se sobretudo à camaradagem, não implicando a vida em comum. Porém, na realidade, o tipo de convivência implícita no contubérnio é uma ideia de comunidade familiar. O termo, hoje geralmente caído em desuso, poderia designar, com vantagem, certos casos espúrios de aliança política ou certos alinhamentos do que habitualmente se chama coabitação.

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito
Sábado, 16 de Julho de 2016

dicionário pessoal: eclectismo

 

 

 

E modern.jpg

 

 

 

 

eclectismo
e.clec.tis.mo
nome masculino
(do francês éclectisme)


Na história das ideias corresponde à formação de um corpo doutrinário composto por elementos colhidos em, ou aproveitados de, diversos, e por vezes contraditórios, sistemas de pensamento. Equivalente a manta de retalhos. Modernamente é muitas vezes assimilado ao sincretismo, de que é uma forma. Nos tempos que passam, é, geralmente, reflexo da atitude relativista reinante, da construção de um sistema em que todas as coisas se equivalem (há quem diga que tudo é bom — sobretudo nas artes, mas não só — desde que — cláusula misteriosa — seja «de qualidade»). Aplicado mais habitualmente ao pensamento e ao gosto, em política pode assumir facetas particularmente sinistras. Com a decadência das verdades únicas e absolutas, e apresentado como virtude, o eclectismo confunde-se, na maior parte dos casos, erradamente, com heterodoxia, de que não é sinónimo, pois esta configura um entendimento do mundo não conforme a uma visão ou regra dominantes, claramente assente na liberdade de espírito (sendo que a liberdade é a mais severa disciplina do espírito).

 

 

 

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito

pesquisar

mais sobre mim

posts recentes

dicionário pessoal: topia...

dicionário pessoal: fezad...

dicionário pessoal: bimbo

dicionário pessoal: já-ag...

dicionário pessoal: eles

dicionário pessoal: ludíb...

dicionário pessoal: ventr...

dicionário pessoal: locup...

dicionário pessoal: tento

dicionário pessoal: adapt...

tags

todas as tags

links

arquivos

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Creative Commons License
This work by //retrovisor.blogs.sapo.pt is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Blogs Portugal

blogs SAPO

subscrever feeds