Sábado, 23 de Dezembro de 2017

Bom Natal

 

 

Presépio Marva 2

 

Cartão de Boas Festas (1965)

desenhado por Vasco Luís Futscher Pereira (1922-1984) e vendido nas Papelarias Progresso e da Moda.

 

publicado por VF às 18:35
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 20 de Dezembro de 2017

O Bloco-Notas de José Cutileiro

 

rodrigues-migueis-g-ciup-704x350

 José Rodrigues Miguéis

 

 

 

José Cutileiro

 

 

 

Bananas e sacanas

 

 

 

José Rodrigues Miguéis (1901 - 1980), autor de romances aborrecidos e de uma novela genial (Páscoa feliz), homem de esquerda, militando na oposição ao regime dirigido minuciosamente pelo Presidente do Conselho de Ministros, António de Oliveira Salazar (que, nos primeiros anos, quando queria reorganizar o Estado, chegava a decidir ele próprio processos de acumulação de funções de pequenos funcionários públicos), viveu muito tempo em Nova Iorque e dizia que Portugal era um país de bananas governado por sacanas. Na minha juventude, quando as estupidezes e as maldades do governo do dia me lesavam e me indispunham cada vez mais com o ditador e os seus cúmplices – e quando não tinha percebido ainda que o Dr. Salazar, mais do que ser causa dos nossos males era, sobretudo, consequência deles – eu achava a formulação de Rodrigues Miguéis admirável e justa. (Só mais tarde me apercebi que qualquer nova-iorquino acharia qualquer português um banana, antes, durante ou depois do Estado Novo. Exemplo: em compêndios de clínica médica norte-americanos, entre os sinais gerais de doença – fadiga, falta de apetite, febre, etc. – figura, para sobrolho franzido de qualquer português bem-formado da minha geração, “falta de ambição”).

 

Com a longevidade da Democracia a aproximar-se da longevidade do Estado Novo - e tendo deixado muito para trás a República que, coitada, nem à maioridade chegou - passei por fase em que me apeteceu virar a formulação de pernas para o ar e dizer que Portugal era um país de sacanas governado por bananas, porque muitos dos nossos políticos vinham ainda da oposição ao regime anterior, e viviam na ilusão de estarem a libertar a bondade do chamado povo, enquanto o chamado povo, por seu lado, não estava tão desenvolto como entretanto ficou e não se tinha apercebido ainda de que ser livre não era passar a sentir o que os doutores do reviralho achavam que ele devia sentir mas sim sentir o que lhe desse na real gana, doesse aos doutores a quem doesse. (Digo o “chamado povo” e não o povo, com vénia ao meu amigo João Carlos Espada que prefere dizer “população” em vez de “povo”. Não sou cientista dessas coisas mas percebi porque é que ele o faz ao lembrar-me de conversa sobre democracia directa com Maria de Lourdes Pintasilgo - Deus lhe tenha a alma em descanso - então primeiro-ministro, em que ela me perguntou o que é que eu achava que o povo pensava. “Oh Maria de Lourdes, o povo sou eu” respondi-lhe. Para “povo” não vejo outra volta a dar-lhe, desde a abolição dos três estados. Para “população”, vá estatísticas).

 

A democracia destapou os portugueses e pôs tudo bem à vista. Temos sacanas e bananas sortidos entre quem governa e entre quem é governado. Sem ditadura o baralho baralha-se mais. Escândalos recentes mostram torpezas tão más na mó de baixo como na mó de cima. Vai custar muito pôr tudo no são. Mas, para país de fundo católico, sobretudo no Norte, e de costumes mouros, sobretudo no Sul, podia ser pior.

 

 

 

 

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

O Bloco-Notas de José Cutileiro

 

 

staffordshire-dogs-black

 

 

 

José Cutileiro

 

 

Decência e Bom Senso

 

 

 

O bom senso era a coisa mais bem partilhada no mundo em que Descartes vivia ou pelo menos o bom filósofo estava convencido disso. Olhando à roda no mundo em que vivemos hoje, seja o seu centro Nova Iorque, Madrid, Paris, Berlim, S. Petersburgo, Évora ou Ponte da Barca, não se fica com a certeza de que ainda seja assim mas talvez nos enganemos. Debaixo da espuma insensata dos dias vigora porventura bom senso resistente – quem aguentou desde o organismo monocelular original até ao Homo Deus do sábio professor israelita, aguenta tudo. Forte do seu passado, esse bom senso dá garantias ao futuro. E, de caminho, vai corrigindo contradições, imprecisões e a arrogância de certezas falsas próprias do senso comum que tanto mal nos têm feito. (Quando o senso comum derrota o bom senso e a malta gosta, convencida de que a verdade derrotou o erro, está o caldo entornado. Exemplo: o ensino do criacionismo como alternativa plausível à teoria da evolução nalgumas universidades americanas).

 

O outro cão de cerâmica policromada de Staffordshire, assente sobre os quartos traseiros no lintel da nossa lareira, chama-se decência e é garantia, juntamente com o bom senso, de não querermos entregar o mundo a quem vier depois em pior estado do que aquele em que nos foi entregue a nós. Bom senso e decência constituem par precioso, sempre em risco de que um - ou os dois - seja partido, risco que tem variado ao longo da História e atravessa agora passagem perigosa. Políticos, burocratas, intelectuais, clérigos, banqueiros, industriais, bilionários, comentadores, donas de casa que ainda haja, eleitores de qualquer idade ou sexo – todos nós – assistem agora a coisas muito parecidas com aquelas que, entre as duas guerras mundiais do século XX, levaram ao florescimento brutal do fascismo e do nazismo na Europa. (Na Rússia e na China foi pior). As predileções e fobias de alguns tribunos de hoje - e também daqueles e daquelas que neles sentem o chefe que lhes falta - mostram semelhanças inquietantes com as dos cultos de personalidade fomentados e praticados na Europa no intervalo entre as duas Grandes Guerras. Apesar de vidas cada vez mais longas permitidas pelo progresso da ciência cada vez menos pessoas se lembram desse tempo mas o progresso trouxe também fotografia e cinema. Pode ver-se, ler-se, saber-se muito do que se passou. Ao engano só vai quem quer.

 

Se o bom senso corrige o senso comum, a decência assiste as leis e a aplicação delas. Como no juramento hipocrático, a sua preocupação é não fazer mal. Dos casos maiores aos mais pequenos respeita a pessoa que há em cada um de nós, esperando que esta respeite também as que há nos outros. É moderada em tudo salvo na exigência de moderação. Procura que justiça seja feita com rigor mas sem pieguice nem sanha: mais vale ter dez culpados à solta do que um inocente preso. Viceja quando governantes e governados têm confiança uns nos outros.

 

Nada disto é utópico. Existe nalguns lugares do mundo.

 

 

 

 

publicado por VF às 15:33
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 6 de Dezembro de 2017

O Bloco-Notas de José Cutileiro

 

D Pedro

 Infante D. Pedro

 

 

 

José Cutileiro

 

 

De burro para cavalo?

 

 

 

Em tempo normal (se tal se puder ainda dizer nos nossos dias, vendo os filhos desobedecerem aos pais, as mulheres aos maridos, os novos aos velhos, os pobres aos ricos, os pretos aos brancos, os malcriados aos bem educados – tudo coisas que não eram costume quando eu era pequeno neste país que tão generosamente viria a acolher no seu seio o meu chorado amigo Freddy; as poucas que aconteciam, aconteciam à socapa - e quase toda a gente a achar bem que assim seja ou então a achar que não tem nada a ver com isso e a querer que a deixem em paz, o que é diferente - contrário mesmo - a querer que haja paz) o lema que não existia, nem existe, da diplomacia portuguesa que eu conheci por dentro, a do Estado depois do 25 de Abril, isto é, depois do fim da Ilusão Colonial e antes do Tratado de Lisboa, isto é, do renascer aqui e além da Ilusão Federal - mas deixando pela primeira vez porta de saída que Londres, sem gosto pelo contorcionismo comunitário, está agora desajeitadamente a abrir - deveria ter sido as palavras de despedida ao fim do dia de trabalho, que ouvi uma tarde e nunca mais esqueci, a mulher-a-dias da minha Mãe: “Adeus, parabéns, obrigado e desculpe”. A visão do saguão e o instinto da porta de serviço, por um lado e, por outro lado, o reflexo contrário ao do Infante Dom Pedro a finar-se em Alfarrobeira: “Fartai, vilanagem!” (Avec ses quatre dromadaires/ Don Pedro d’Alfarrobeira/Couru le monde et l’admira./Il a fait ce que je voudrais faire/Si j’avais quatre dromadaires escreveu Wilhelm Kostrovicki, conhecido por Guillaume Apollinaire, que sobreviveu á Grande Guerra – Ah que la guerre est jolie/Avec ses canons et ses cris! – mas foi levado logo a seguir pela Gripe Espanhola, aos 39 anos. Como é que o polaco terá sabido do português?) Mas, desde que nos sentamos à mesa dos crescidos, tem sido um vê se te avias. Qualquer dia há de estranhar-se o Papa não ser português.

 

Releio as linhas acima e desagrada-me a propensão para parágrafos quase tão compridos quanto os do divino asmático mas enquanto este enchia os seus de palavras tão bem escolhidas que a gente chegava ao fim de cada uma dessas ladainhas com a alma consolada e com água na boca para a ladainha seguinte, eu só recebo de volta irritações das leitoras, apostadas às vezes em descobrir erros de concordância, ou predicados sem complemento directo, ou indicativos onde deveriam perfilar-se conjuntivos – que a portuguesa poderá ter muitos defeitos e insuficiências mas, tal como o português, tem um mérito certo: deitar ao desprezo quem julgue esteja a armar ao pingarelho, ou esteja a armar em carapau de corrida, expressões que o Senhor J. Fonseca me disse um dia serem quase mas não serem bem a mesma coisa, sem conseguir explicar-me a diferença de maneira que eu a entendesse. No Negage a gente topava, acrescentou.

 

Infelizmente palpita-me que a minha mania de escrever parágrafos muito compridos seja vista como uma dessas armações por muito boa leitora.

 

 

 

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 29 de Novembro de 2017

O Bloco-Notas de José Cutileiro

gettyimages-877485292

Fotografias de vítimas do massacre de Srebrenica expostas à porta do Tribunal de Haia

 

 

 

 

 

 

José Cutileiro

 

 

 

Guerra, Paz, Bem, Mal

 

 

O general sérvio Ratko Mladic, conhecido na parte muçulmana da Bósnia e Herzegovina e nalguns meios cosmopolitas dados ao proselitismo moral por “O Carrasco de Srebrenica” mas considerado um herói nacional na parte sérvia da Bósnia e Herzegovina e, com algumas nuances, na própria Sérvia, foi este mês condenado à pena de prisão perpétua pelo tribunal na Haia que há mais de vinte anos se ocupa de crimes de guerra, contra a humanidade, etc. cometidos durante as guerras que assolaram a Jugoslávia, na sua transição para ex-Jugoslávia, no começo dos anos noventa do século passado. (Tal como, oitenta anos antes, no começo do segundo decénio do século XX outras guerras tinham assolado a região no seu caminho de pré-Jugoslávia a Jugoslávia). O general, para além de outros crimes menos vistosos, foi considerado culpado pelo assassínio de cerca de 8.000 homens e rapazes muçulmanos, separados de mulheres e crianças e encaminhados à parte pela tropa sérvia a quem guardiões da paz das Nações Unidas - os capacetes azuis - no caso vertente, oficiais e soldados holandeses, mandatados para garantirem que Srebrenica fosse um “porto seguro”, isto é, inexpugnável perante atacantes, os entregaram sem resistência nem objecção no verão de 1995. (Para se chegar lá foram precisas incúria e hipocrisia irresponsáveis dos membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU, que ofereceram às populações civis garantias que sabiam ser incapazes de assegurar).

 

O massacre foi o maior cometido até agora na Europa desde o fim da guerra de 1939-1945 e não resta dúvida de que ocorreu sob o comando do general. Depois de anos de negação, a “narrativa” sérvia passou a ser a seguinte. Durante muito tempo, da população muçulmana de Srebernica confinada no burgo durante o dia, saiam à noite pequenos grupos armados que iam matar camponeses sérvios (com efeito, o campo à roda é quase todo sérvio e houve muitos ataques assim). Um conhecido malfeitor/patriota (segundo o lado em que se estiver) organizava e comandava essas sortidas – e fugiu nas vésperas da queda da cidade. Quando a tropa de Mladic tomou conta, a sede de vingança era muita, a identificação de culpados problemática e o princípio da cruzada contra os albigenses terá prevalecido: “Tuez les tous. Dieu reconnaitra les siens”. Os sérvios lembram a seguir que tempo de guerra não é como tempo de paz (“quem mata primeiro, ganha” dizia o meu motorista Vasco dos townships de Cape Town); se a conversa animar, podem lembrar Dresden.

 

O caso de Mladic foi o último do Tribunal para a Jugoslávia; adjudicará ainda alguns recursos e depois fecha. A meu ver, nunca deveria ter aberto. A sua maneira de promover paz futura é absurda; promove, sim, vendetas antigas e cria vendetas novas. Até agora, em casos assim, com nações apanhadas em grande remoinho, a maneira mais sábia de tentar prevenir que a horrores se sigam horrores, é a criação de comissões de verdade e reconciliação, como fez a África do Sul.

 

publicado por VF às 14:43
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 22 de Novembro de 2017

O Bloco-Notas de José Cutileiro

 

tambor barcelos

 

 

 

José Cutileiro

 

 

 

Já mesmo na mó de baixo? Ou só a querer chegar lá?

 

 

 

“Isto está preto. E não chove.” Assim amiga muito querida se associou à minha indignação pela incúria com que Presidente, governo, parlamento, jornais, televisões, telefonias, Facebook & quejandos, parecem nem dar pelo estado das nossas defesa e segurança. Incúria antiga, que seria injusto atribuir à “geringonça” ou até, indo mais atrás, à Democracia que vigora desde 1976, ou ao Estado Novo chegado em 1926 ou à Primeira República instalada em1910. Ou sequer à Monarquia Liberal.

 

Algures na história da Europa, entre um Pacheco fortíssimo e os temidos Almeidas por quem sempre o Tejo chora, Albuquerque terríbil, Castro forte e outros em quem poder não teve a morte, e a fuga de D. João VI e da corte para o Brasil, deixando os marechais do corso a tomar conta da gente e a roubar-nos património, aquela mayonnaise firme de vontade, de coragem e de lucidez que nos fizera passar ainda além da Taprobana, talhou dentro das nossa almas e nunca mais fomos os mesmos. Tal mayonnaise talhada - caruncho, osteoporose, reumatismo - foi-nos esfarelando por dentro. A pouco e pouco, fomos perdendo o hábito de ganhar e fomos ganhando o hábito de perder. Em tudo, de todas as maneiras, de forma explícita ou implícita, de entrada talvez com algum incómodo, depois quase já sem nos apoquentarmos com isso e, por fim, como se tal pertencesse à ordem natural e inquestionável das coisas.

 

Quando eu era pequeno ouvia-se cantiga muito espalhada que não sei quando, nem onde, nem por quem fora composta, presumo que já no século XX mas talvez antes e talvez também, na direcção oposta, tendo deitado até ao tempo da leitora que porventura se lembrará dela. Começava assim:

 

Lá em cima está o tiro-liro-liro,                                                                                              

Cá em baixo está o tiro-liro-ló.

 

Anos a fio, de vez em quando a ouvi, de vez em quando a cantarolei, sem nada achar de esquisito. Até que um dia me ocorreu, de repente, como uma revelação, que não poderia ter sido cantada por um inglês ou por um chinês, ou por alguém que, viesse donde viesse, tivesse gosto e orgulho em ser de lá. Quem quer que fosse senhor do seu nariz, que fosse de um só parecer, um só rosto, uma só fé, de antes quebrar que torcer, cantaria outra cantiga que pareceria quase igual à primeira mas seria, na realidade, o oposto dela:

 

Cá em cima está o tiro-liro-liro,                                                                                              

Lá em baixo está o tiro-liro-ló.

 

Porque não lhe passaria pela cabeça dizer o contrário. Porque não traria consigo a visão do saguão e o instinto da porta de serviço que parecem terem passado a ser apanágio de nós todos.

 

Assim vamos vivendo do lado de cá do Atlântico, longe da inteligência artificial dos engenhocas de Silicone Valley, onde robots vão mandar na gente, e da estupidez natural da cintura bíblica do Alabama, onde o Mundo começa circa 5.500 a.C.

 

 

 

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 15 de Novembro de 2017

O Bloco-Notas de José Cutileiro

 

soldado-na-bandeira-da-união-europeia

 

 

 

 

José Cutileiro

 

 

 

Incompetência a mais

 

 

 

23 dos 27 países que constituirão a União Europeia depois da saída do Reino Unido lançaram no dia 13 uma Cooperação Estruturada Permanente em Defesa. Esta iniciativa crucial, em estudo há vários meses, abre novas formas de os europeus reforçarem a sua segurança. Todas as capitais europeias sabem que num mundo muito perigoso, com inimigos a Leste (a Rússia de Putin) e a Sul (o terrorismo islâmico) e com aliado a Oeste que parece ter deixado de ser incondicional (os Estados Unidos de Trump), a nossa segurança poderá não ser garantida apenas pelos meios de que dispomos hoje, nomeadamente as forças de cada um e as capacidades da OTAN a que 22 de nós pertencemos. A Irlanda, no mesmo dia, anunciou ir em breve juntar-se aos outros.

 

Ficaram de fora, como já se esperava, a Dinamarca que, quando aderira às Comunidades Europeias em 1973 declarara que nunca participaria em iniciativas militares no quadro desta (a ideia, nessa altura, era não se associar a qualquer eventual enfraquecimento da OTAN, risco que já há anos deixou de existir) e Malta que não é membro da OTAN e é signatária de documentos do seu tempo de país “não-alinhado”. Surpreendentemente, por decisão nossa, ficou também de fora Portugal, signatário em 1949 do Tratado do Atlântico Norte de Washington e, por isso, membro fundador da Organização deste, vulgo NATO.

 

Quando na segunda-feira a notícia me chegou pelo écran do meu computador, dei – literalmente – um salto na cadeira. A leitora que não entenda a vivacidade dessa reacção, conto porquê. Pertencer à NATO é a trave mestra da defesa nacional, isto é, da segurança do nosso país, desde muito antes do 25 de Abril. Embora só depois de passarmos a ser uma democracia, em 1976, tenhamos sido admitidos como candidatos às Comunidades Europeias (hoje, União Europeia), às quais aderimos, ao mesmo tempo que a Espanha, em 1986, necessidades estratégicas nossas e do Ocidente em geral fizeram pôr de parte esse requisito quanto a defesa e segurança, no nosso caso. (A Espanha só pôde entrar na NATO depois de ser uma democracia).

 

Apesar de ocasionais expressões francesas de antiamericanismo o primado da NATO nunca foi posto em causa. Depois do fim da Guerra Fria, porém, certas coisas mudaram. Por um lado, a reunificação alemã fez a França perceber que precisava mais dos Estados Unidos do que julgava; por outro lado, a passagem da Rússia de potência mundial a potência regional levou os Estados Unidos a entenderem que os europeus deveriam pagar mais pela sua própria defesa (pagamos escandalosamente pouco). E aqui entra a necessidade urgente e vital de desenvolver as capacidades potenciais de defesa da União Europeia.

 

Que Portugal não se meta nisso, logo à cabeça, é muito mau sinal. Dada a matéria, precisar do apoio comunista deixa o governo em apneia patriótica mas atacar Costa nesta altura faz a oposição parecer desmiolada e pouco patriótica também. Já não há 5 de Outubro, 28 de Maio ou 25 de Abril. Como ganhar ânimo?

 

O autor foi Secretário-Geral da União da Europa Ocidental, à época a única organização europeia de defesa, de 1994 a 1999.

 

publicado por VF às 12:27
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 8 de Novembro de 2017

O Bloco-Notas de José Cutileiro

 

g-k-chesterton

G.K. Chesterton

 

 

 

 

José Cutileiro

 

 

“Pajens de um morto mito/

 

 

 

Tão líricos, tão sós./ Não têm na voz um grito,/ Mal têm a própria voz/ E ignora-os o infinito/ Que nos ignora a nós”. Assim, Fernando Pessoa exprimia classicismo comedido – o coração geométrico de Ricardo Reis temperado pelo jeito tanto-me-faz de Pessoa Ele Próprio – tudo ao abrigo de relação contrabandista com o outro mundo. Alexandre O’Neill, sempre atirado para a frente – outro mundo tinha deixado de haver - já não ia nessas: “Quem? O Infinito?/ Diz-lhe que entre./ Faz bem ao Infinito/ Estar entre gente”; ou melhor ainda “Sonetos garantidos por dois anos/ E é muito já, leitor que mos compraste/ À procura da alma que trocaste/Por rádios, frigoríficos, enganos”. Por mim, molhei a sopa de outra maneira: “A hora é dos gladiadores./Dos leigos de todas as fés,/Do imperador futuro que dorme/Em quem eu sou, em quem tu és.”

 

Mas havia (ainda) ordem: bem e mal, verdade e erro eram os mesmos em todas as boas casas, fosse qual fosse a indumentária que vestissem. E a razão, irmã do amor e da justiça, parecia, a pouco e pouco, ir escutando preces de almas livres, só a si submissas (embora com bombas atómicas no Japão e holocausto de meia dúzia de milhões de judeus pelo meio). É preciso dar crédito e autoridade á razão para que o acaso se não constitua soberano, escrevera o Cavaleiro de Oliveira que havia sido colocado como diplomata no estrangeiro e fora queimado, em efígie, num auto de fé por ter escrito que o terramoto de 1755 fora castigo de Deus por Lisboa ser demasiado católica. Ele e um jesuíta italiano, o Reverendo Malagrida (queimado em carne e osso) que achara, pelo contrário, que o terramoto fora castigo de Deus por Lisboa não ser suficientemente católica. O Marquês de Pombal era um espírito forte e achava que o terramoto tivera causas naturais. (Havia desmancha-prazeres. Por exemplo, o católico inglês G.K. Chesterton, quase nosso contemporâneo, escreveu que os loucos eram pessoas que tinham perdido tudo menos a razão).

 

Ao Cavaleiro de Oliveira ou quejandos aplicou-se o nome de “estrangeirado”, usado como termo de opróbrio pelos que os tinham feito fugir e por quem ache que é preciso “estar bem com a lei que há” mas empregue com admiração e inveja por muitos outros portugueses sempre desconfiados da Pátria. Lembro-me de há 30 anos em Lisboa precisar de um esquentador e o lojista me dizer: “Não compre Junker que já são feitos cá”. (Virá esta pecha do Tratado de Methwen? Ou desde a fundação da nacionalidade? Não sei, mas vai levar muitas start ups a sacudi-la do capote).

 

Bem e mal. Verdade e erro. Razão e falta dela. Com tudo a chegar-nos hoje in real time e sem anestesia fica-se sem distância no tempo e no espaço para medir bem seja o que for. Dantes, multidões analfabetas à trela de clérigos, depois de doutores, e Gutenberg a ajudar uns e outros. Hoje, Facebook, Twitter & Cia dispensam filtros de quem saiba e deixam que gladiadores domem o acaso e se constituam soberanos. Não há de ser nada? Oxalá.

 

 

 

publicado por VF às 15:38
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 1 de Novembro de 2017

O Bloco-Notas de José Cutileiro

666px-Miguel_de_Unamuno_Meurisse_1925

 Miguel de Unamuno

 

 

 

 

 

José Cutileiro

 

 

 

Hommage to Catatonia

 

 

 

George Orwell publicou um livro célebre sobre a guerra civil espanhola – a Guerra de Espanha de 1936-1939, tantas vezes lembrada ultimamente – a que chamou Homenagem à Catalunha, Hommage to Catalonia no original inglês. Na manhã de 31de Outubro em que este bloco escrevo, quando a tragicomédia das últimas semanas que parecia opor Madrid e Barcelona, ameaçando aqui e além caminhar para tragédia mesmo, se começou de repente a desfazer em farsa, em opera buffa, levando toda a gente, salvo os independentistas mais aguerridos, a dar grande suspiro de alívio, Orwell nosso contemporâneo deveria começar a escrever livro sobre a dita tragicomédia, a que chamasse Hommage to Catatonia – Homenagem à Catatonia.

 

Mas deixemos o manicómio e suspiremos de alívio. Quando o homem que, por iniciativa própria, decidira declarar e incarnar a Republica independente da Catalunha, e apoiado por almas igualmente determinadas, dar a cara contra Madrid, a União Europeia, Washington, por fim contra mundo (salvo a Ossécia do Sul, pequeno fantoche caucasiano manobrado pelo Kremlin, porque Putin não perde um oportunidade para tentar prejudicar ou irritar a Europa, e, não sei porque razões mas hão de ser frescas, a Gâmbia), a cara dada, depois de circular na televisão como se estivesse no seu posto – mas era manha; tinha filmada noutro dia – foi às escondidas por terra até Marselha, com alguns dos seus ministros, e lá apanhara avião de linha para Bruxelas onde agora está e haverá de falar aos seus. Saída de sendeiro, diz-se em casos destes.

 

É claro que foi infinitamente melhor assim. Se a confrontação continuasse e a certa altura houvesse sangue, teria havido depois mais sangue, e todos os ódios passados subjacentes viriam a seguir ao de cima. Tal tem acontecido em outras partes do mundo - e em Espanha muitas das feridas não têm ainda um século. Graças a políticos como Adolfo Suarez e Filipe Gonzalez, ao rei D. Juan Carlos, e, sobretudo, ao povo espanhol – castelhano, catalão, basco, galego, andaluz, todos – a construção democrática é sólida. Como se está a ver agora.

 

E foi um longo caminho. É célebre a troca de palavras entre Unamuno, reitor da Universidade de Salamanca e o general fascista que numa sessão solene em 1936, governava Franco de Burgos (e os Republicanos de Madrid), gritou: “Muera la inteligência! Viva la muerte!”. Unamuno respondeu: “Este es el templo de la inteligência y yo soy su sumo sacerdote. Venceréis (…) pero no convenceréis”. Etc. Menos conhecido é que na mesma sessão um lente atacara violentamente a Catalunha e o País Basco que considerou “cánceres en el cuerpo de la nacion. El fascismo, que es el sanador de Espanã, sabrá cómo esterminarlas, cortando en la carne viva, como un decidido cirurjano libre de falsos sentimentalismos”.

 

Não foi há tanto tempo assim: eu, por exemplo, já era nascido. Percebem-se melhor os independentistas antigos e, ao mesmo tempo, assusta a insensatez crassa dos independentistas modernos.

 

 

 

 

 

 

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 25 de Outubro de 2017

O Bloco-Notas de José Cutileiro

pinhal de Leiria

Pinhal de Leiria, 2017

 

 

José Cutileiro

 

 

 

O mundo real

 

 

François Mauriac, católico apostólico romano da região de Bordéus e prémio Nobel da literatura em 1947, escreveu que não conhecia a alma dos criminosos mas conhecia a das pessoas honestas e era um horror. Menos argutas, as nossas elites - eu e tu, hypocrite lecteur, mon semblable, mon frère… (et, de nos jours, nos soeurs aussi) - estão a descobrir agora que aquilo a que gostam de chamar o país real – o Portugal profundo, escuridão misteriosa escondendo grande diamante por lapidar – é, afinal de contas, tão mau ou pior do que elas próprias. Contentará videirinhos saberem-se dotados de um olho em terra de cegos mas vai deprimir mais o resto de todos nós. A calcinação do Pinhal de Leiria foi a pedra de fecho da abóboda sonâmbula de incúria em que se fora transformando o Estado português.

 

Acabada a ficção “do Minho a Timor” (ainda ouvi gente dizer isso a estrangeiros, sem pestanejar) veio o grande desafio europeu: desde que o Dr. Soares bateu à porta de Bruxelas até nos deixarem entrar passaram dez anos, durante os quais se trabalhou. Uma vez dentro, porém, as coisas começaram a mudar. O Projecto Europeu, onde sempre quisemos estar “no pelotão da frente” (em Portugal a única literatura com leitores é a desportiva) passou a ser uma espécie de renda, ou de lotaria onde não havia nunca prémios astronómicos mas se ia ganhando sempre um poucochinho. Até que chegou a austeridade – “Os pobres que paguem a crise!” – e alguém se lembrou do cavalo do inglês que o dono treinava para viver sem comer e quando estava quase, quase treinado, morreu. Qual o quê! Os povos não são cavalos; entre troikas e autocensura íamos cantando e rindo - até que, de repente, duas girândolas de fogos deram connosco em terra.

 

Ninguém nos estenderá a mão num mundo cheio de outros disparates. Por exemplo, há dias a Organização Mundial da Saúde nomeou seu “Embaixador” Robert Mugabe, ditador que com mão de ferro transformou um dos países mais ricos de África num dos mais pobres. O escândalo foi geral e em 24 horas a OMC tirou-lhe o título. Porque é que o distinguiram? A razão é simples e percebi-a a 25 de Junho de 1982, em Nairobi, numa cimeira da OUA onde fora de observador. Moçambique fazia 7 anos; eu, embaixador em Maputo, quis felicitar Samora Machel que chegava com a comitiva à sala das reuniões quando de outro corredor apareceram Omar Bongo, presidente do Gabão e a sua gente. Estávamos na Guerra Fria: para esquerdistas europeus Bongo era um lacaio do capitalismo; para europeus de direita Machel era um perigoso marxista-leninista. “Machel!”; “Bongo!” gritaram e caíram nos braços um do outro às gargalhadas. Pertenciam ambos à irmandade de escravos forros que agora mandava em África. Capitalismo e comunismo eram problemas nossos, não deles.

 

Pela primeira vez o director da OMS vem de África (ex-ministro dos estrangeiros etíope); para ele Mugabe deve ser ainda, sobretudo e para sempre, um dos grandes heróis das guerras de independência africanas.

 

 

 

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito

pesquisar

mais sobre mim

posts recentes

Escultura de Manuel Rosa

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

tags

todas as tags

links

arquivos

Creative Commons License
This work by //retrovisor.blogs.sapo.pt is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Blogs Portugal

blogs SAPO

subscrever feeds