Sexta-feira, 20 de Março de 2015

My Years in Angola (1950-1970)

 

 

A.P. van der Graaf

 

 

Andries Pieter van der Graaf (1909-1996) spent almost his entire professional career (1928-1970) with the Dutch company Zuid Afrikaans Handelshuis (ZAH). In 1950 he was posted to Angola to act as managing director of the Luanda Office. He served as Dutch Honorary Consul from 1952 till 1971.

 

It is with great pleasure that we present in Retrovisor excerpts from a memoir in which he tells about his experiences learning to run a Dutch trading company in Angola in colonial times and his fascination with the country and its peoples.

 

Many thanks to Elizabeth Davies (van der Graaf) and her family for allowing me to adapt the text and to illustrate it by using photos from the family's collection.

 

 

 * * *

 

 

I visited Angola for the first time in 1950. ZAH (Zuid Afrikaans Handelshuis) had two offices there, one in Luanda, the other in Nova Lisboa. The area covered by the Nova Lisboa office was mostly that along the Benguela Railway: a section from the coast to the border with the Belgian Congo (Katanga). The purpose of my stay in Nova Lisboa was to familiarize myself with the activities that the business had in Africa. Luanda always brought in good year-end results, but paid very little attention to the advice and instructions coming from Head Office, causing continued conflict.

 

 

 

Untitled

Zuid Afrikaans Handelshuis, Luanda c. 1960

 

 

 

The ZUID building in Nova Lisboa was a warehouse, mostly. Trade was mainly in foodstuffs, textile, construction materials, paint, small agricultural tools, general merchandise, and so on.

 

Massive square piles of cotton cloth were the first thing you saw. The cotton prints that attracted the greatest interest were the ones that had just arrived: "novidades". In the area around Nova Lisboa, "pintados" ("blue print"), originally from Germany (Fritz Becker), were still in general use, and worn by both men and women. It was dark blue material with white lines or spotted patterns.

 

Casa Holandesa

 

 

Casa Holandesa

 

 

Sometimes business contacts arrived from the interior with elephant tusks. Their weight varied from 10 to 40 kg, sometimes even more. Consignments were made up and eventually shipped to Holland, where there was always a great deal of interest in these tusks. The tusks were mainly used to make billiard balls. Other products from the upper plateau which were exported by ZUID were beans, castor seed, manioc (cassava, Portuguese: crueira) and sesame seed; and from the river basins: palm nuts, palm oil; also Arabica coffee, as opposed to Robusta, which was practically the only kind of coffee grown in the north of Angola.

 

 

 

Angola Mapa anos 60

 Map of Angola c. 1960

 

 

 

During the eight months I spent in Nova Lisboa, I made a number of trips to the coast. In the rainy season, these trips often had to be postponed, as the road was poor, and very little was done about this, as the Railways, who had a great say in the matter, felt that good road connections would harm the railway's interests.

 

7 Ferry across the Quanza

 

Ferry across the Cuanza

 

 

On the road from Sá da Bandeira (formerly "Lubango") to Moçamedes, I saw groups of zebra grazing near the road, and further off, herds of springbok, leaping to get out of the way. There are very few springbok left nowadays. The Portuguese name for them is "cabra de leque." "Leque" means "fan," and when alarmed, the hair on their backs stands up on end.

 

 

cabra-de-leque-3.50ags-880x1024

 Cabra de Leque

 

 

Benguela itself still had the appearance of an old slave town, with the old walled enclosures still there, where the slaves were kept after their arrival from the interior until being shipped away. Other than that, the most striking things were the red-colored earth and the orange blossoms of the acacia rubra (flame tree).

 

 

Nova Lisboa, Angola 1960

 Nova Lisboa c. 1960

 

 

 

 

 

Benguela

 Benguela, c. 1960

 

 

I remember that one morning, a young native man who always travelled with us to help with the bags, told me that "the rain had rained during the night." This was the first time I had come across the typically Bantu personification of natural phenomena.

 

 ... to be continued... 

 

 

Andries Pieter van der Graaf

Jan/Feb 1974

Translated by Elizabeth Davies (van der Graaf) 2012

 

Other posts:

My Years in Angola (2)

My Years in Angola (3)

My Years in Angola (4)

My Years in Angola (5)

 

 

Full text:

The memoir of Andries Pieter van der Graaf is in two parts: Part 1 (written in English) starts in 1909 with his birth, and provides a vivid description of his early life in Krimpen aan de Lek, a small community near Rotterdam; of the effects of the Depression on the family; and of his experiences during the war. In Part 2 (written in Dutch, translation into English provided), he takes us from his first day in Angola, through his years learning how to run a Dutch trading company in Angola in colonial times, to his fascination with Angola and its peoples.

 

www.asclibrary.nl/docs/341/217/341217840.pdf

http://www.asclibrary.nl/docs/341220647.htm

 

 

Album "Vintage Angola" on Flickr 

 

 

Notes:

Map of Angola: Veteranos da Guerra do Ultramar

Nova Lisboa and Benguela: Tempo Caminhado 

 

 

publicado por VF às 09:43
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Sexta-feira, 25 de Julho de 2014

Rallye Miramar (1949)

 

Folhas dos álbuns de Fernando Lezameta Simões:

Rallye de Miramar:

 

Miramar 1949-1

Miramar 1949-2

 

 

 

 

 

  III Cintra Rampa 1950:

 

 

III Cintra (Rampa) 50

 

 

Capa de álbum: 

 

Fernando L.Simões 1949 capa

 

 

  

Veja mais fotografias nos posts

Fernando Lezameta Simões

Cascais (1950)

Ofir (1949)

Rallye Lisboa (Estoril) 1950

Tauromaquia Portuguesa

revolução da arte 

Amália Rodrigues (1949)

 

 

 

Agradeço mais uma vez a Rita Simões Saldanha que disponibilizou generosamente os álbuns do pai para digitaliação e partilha neste blog.

 

 

 

 

Notas:

 

O “II Rallye de Miramar” teve lugar em redor da praia de Miramar (Vila Nova de Gaia) no norte de Portugal, entre 26 e 28 de Agosto de 1949, com partida de Cacilhas. 

 

A prova, promovida pela secção regional Norte do “Automóvel Clube de Portugal”, foi vencida pela equipa formada por Jorge Seixas e Martinho Lacasta, num «Allard» M Type. 

 

Agradecimentos aos blogs HeróisRestos de Colecção e João Saldanha, neto de Fernando Lezameta Simões.

 

 

 

 

 

 

 

publicado por VF às 11:08
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Segunda-feira, 3 de Fevereiro de 2014

Mwana Kitoko: Beautiful White Man

 

 

 

Luc Tuymans

Reconstruction (Reconstitution), 2000.

© 2000, Friedrich Christian Flick Collection, photo courtesy David Zwirner, New York

 

 

Les dix tableaux qui constituent la série «Mwana Kitoko: Beautiful White Man» (Mwana Kitoko: Bel Homme blanc») ont trait à l'histoire du régime colonial belge au Congo et à l'assas­sinat de Patrice Lumumba en 1961. Premier homme politique nommé Premier ministre de l'ac­tuelle République démocratique du Congo à la suite d'élections démocratiques, Lumumba fut assassiné moins de sept mois après que son pays eut arraché son indépendance à la Belgique. Leader charismatique qui s'éleva avec vigueur contre les brutalités historiques du joug belge et appela à l'unité nationale, il représentait une menace pour les ambitions néocoloniales de la Belgique et des Etats-Unis, qui visaient à maintenir un contrôle politique et économique sur ce pays riche en ressources. On a pu rattacher la fomentation de son assassinat au gou­vernement belge, à la cia et aux hommes politiques sécessionnistes congolais; le mystère qui entoure les circonstances de sa mort reflète l'obscurité des réseaux de pouvoir en lice.

 

Dans «Mwana Kitoko», Tuymans interroge l'aptitude de la peinture à répondre aux événements traumatiques du passé récent et à les refléter de façon critique. Les œuvres sont tirées de sources iconographiques disparates, qui vont d'anciens films de propagande à des photos, prises par l'artiste, de scènes imaginaires et reconstituées, qui soulignent l'influence que les événements historiques continuent d'exercer sur le présent. La série comporte tout un éventail de styles et de genres, depuis le portrait formel jusqu'à l'instantané pris en passant. Exposées ensemble, ces images hétéroclites montrent que les récits historiques sont toujours formés de fragments contingents, incertains et discutables.

 

in Luc Tuymans (Catalogue de l' Exposition Luc Tuymans - Retrospective

Sous la Direction de Madeleine Grynsztejn et Helen Molesworth

Palais des Beaux-Arts de Bruxelles, 2011

@2011 Ludion & BOZAR

 

 

 

 

*

 

 

 

 

 

Léopoldville c. 1950

Foto: Gaby Foto, Leo

Fotografia do meu espólio familiar (ver mais na tag "Congo")

 

 

 

publicado por VF às 09:30
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 31 de Dezembro de 2013

boas saídas

e melhores entradas!

 

 

Estrada Marginal, Lisboa anos 40
foto de imprensa?
 
Bom Ano Novo

 

 

 

 

publicado por VF às 10:35
link do post | comentar | favorito
Domingo, 30 de Junho de 2013

Fernando Lezameta Simões

 

 

 

Portugal, 1950

Fotos: Fernando Lezamenta Simões (1920-2011)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

auto-retrato, 1950

 

No verão passado digitalizei boa parte de três álbuns de fotografias de Fernando Lezameta Simões, gentilmente cedidos por sua filha Rita Simões Saldanha, a quem mais uma vez agradeço. Veja outras fotos de Fernando Lezameta Simões neste blog nas tags "automóveis", "barcos", "verão", e "tauromaquia".

 

Fernando Henrique - Tanas, para os amigos - nasceu na Freguesia de São Mamede em Lisboa a 8 de Março de 1920 e lá viveu até casar em 9 de Fevereiro de 1944 com Maria Helena Morais da Costa Araújo, que conhecera na infância, em São João do Estoril. Tiveram quatro filhos.

 

Rita, sobre o Pai:

 

Aos 17 anos deixou de estudar para ir trabalhar com o Pai, Carlos Freitas Simões, na empresa familiar de comercialização de produtos próprios, como arame e pregos, e importados, como espingardas e canas de pesca, estabelecida na Rua do Comércio 38.

 

Fez a tropa em Tavira e era muito popular e divertido. Casou com a noiva que conheceu em bébé no Beco (S. João do Estoril). Foi um Pai extremoso, e fez muitas vezes o lugar da Mãe, sobretudo afectivamente.

 

Viveu sempre apaixonado pela mulher que com a sua doença de nervos o fez sofrer muito e morreu como um passarinho.

 

 

 Um neto de Fernando L. Simões:

 

Foi ele que trouxe o ski para a familia ; hoje em dia vivo profissionalmente do ski, logo cada vez que dou uma aula....penso nele.

 

Foi ele que me ensinou o conceito de familia, pois todas as sextas- feiras ao longo de 30 anos reuníamos a familia em sua casa ao jantar para óptimos serões, conversas e jantares.

 

Era um óptimo contador de histórias.....e eu vou contar uma delas:

O Meu avô, quando o meu Tio Dudu foi operado aos olhos, para além de distribuir balões por todas as crianças do hospital....deu um ramo de flores em forma de agradecimento à enfermeira chefe ; um ano depois quando o meu avô voltou para consulta de rotina a enfermeira chefe disse....como está Sr Simões ; o meu avô ficou surpreso por ela ainda se lembrar do nome dele.......ela disse-lhe......nunca me hei-de esquecer do seu nome....no dia em que me deu as flores estava a caminho do metro....estava a chover e deixei cair as flores no chão.....um homem me ajudou......hoje é o meu marido !!!!

 

 
 

 

publicado por VF às 10:22
link do post | comentar | favorito
Domingo, 5 de Maio de 2013

Tunnel Tree (1957)

 

 

 

 

 

Postal de minha Mãe para sua irmã Stella, de um conjunto oferecido por meu primo Miguel Freitas da Costa, a quem muito agradeço.

Outro postal de Margarida para Stella aqui


Uma foto de Stella e Miguel em 1947 aqui


Todos os postais para Stella na tag "postal"

 

 

publicado por VF às 12:25
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 15 de Abril de 2013

Adeus anos 70

 

 

 

© José Paulo Ferro/ Sistema Solar,CRL (Documenta 2012)
Edições Documenta com o apoio da Fundação EDP.
 

 

 

É um álbum da cena jovem pós 25 de Abril em Lisboa: bandas de rock, bares, concursos de dança, festas públicas e privadas, uma peça de teatro, "Tragédia Infantil", de Wedekind, encenada por Osório Mateus em 1979, e o templo budista da rua do salitre. Poderá este retrato de uma época gerar outros que o completem, como sugere Margarida Medeiros no seu texto introdutório? E em que formatos e suportes? Ao folhear este livro, voltei a interrogar-me sobre a existência e o paradeiro de colecções inéditas de fotografias da sociedade portuguesa, de profissionais e amadores desconhecidos do público*.  

 

Roll Over adeus anos 70 é um álbum discreto e intimista. Estas fotografias transmitem uma certa fragilidade, que embora seja própria da juventude de qualquer época, mesmo a juventude das camadas privilegiadas, é aqui acentuada pelos tempos difíceis que se viviam em Portugal. O pano de fundo destas cenas é um país pobre e cheio de incertezas mas muito diferente do actual, na ressaca do 25 de Abril, sem estradas, "equipamentos" nem internet, e anterior à disseminação das drogas duras e da SIDA que havia de marcar a década seguinte.

 

 

* sobre este assunto leia o artigo "No rasto de António da Loja" de Abel Coentrão no jornal Público aqui e, neste blog, aqui e aqui

 

 

 

 

* * *

 

 

As imagens que vemos neste livro, como de um modo geral as fotografias o fazem, conduzem o leitor a uma viagem num tempo. São imagens snapshot, tiradas no calor do momento e das emoções experimentadas, quer pelos fotografados, quer pelo fotógrafo. Retratam uma geração que reúne gentes de vários quadrantes artísticos, durante a década de setenta e princípios de oitenta.[...]

Roll Over fica como um retrato de uma época que ainda está (em certa medida estava) por fazer e que sem dúvida gerará outros que o completem; numa época em que a imagem digital faz desaparecer a importância da fotografia e do snapshot pela imensidão de imagens que se podem gerar em cada segundo, este é um arquivo valioso para a memória des­tes anos e que complementa qualquer história do «rock português». Mas é-o sobretudo pelo estilo de aproximação, pela forma como sublinha a cena em detrimento do personagem individual que nela se destaca, o acto em detrimento da pose, a dinâmica literal em detrimento do esteticismo.

 

Margarida Medeiros

in Roll Over adeus anos 70 de José Paulo Ferro

no texto de introdução "A estética snapshot: imagens quase privadas de uma geração"

© Sistema Solar,CRL (Documenta 2012)

 

 

 
publicado por VF às 16:58
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 27 de Dezembro de 2012

Boas saídas...

 

 

 

Contracapa de Revista Panorama, 1960



publicado por VF às 11:45
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 15 de Novembro de 2012

na blogosfera (desde 2008)

 

 

 

Foto: © Martin Parr / Magnum Photos

Fashion shoot (1999)

 

 



O blog faz hoje 4 anos. Aproveito este aniversário para agradecer especialmente aos leitores e amigos que ao longo destes quatro anos puseram à minha disposição fotografias e textos, deixaram comentários no blog, divulgaram nos seus próprios blogs o meu, e também aos que simplesmente espreitam com regularidade o Retrovisor. O número de visitas tem vindo sempre a subir, o que me anima a prosseguir viagem na vossa companhia.

 

 

Mais sobre este blog aqui e aqui



 

publicado por VF às 00:05
link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
Sábado, 10 de Novembro de 2012

Rallye Lisboa (Estoril) 1950

 

 

Tenho publicado neste blog imagens de dois fotógrafos amadores de talento sem os ter até hoje apresentado aos leitores.

 

Fernando Henrique Lezameta Simões e António Sérgio Carneiro Bustorff Silva foram contemporâneos, nasceram no princípio dos anos 20. Fernando Henrique era empresário e António Sérgio engenheiro. É bem possível que se conhecessem, fotografavam com boas máquinas o mesmo tipo de situações e eventos, e mandavam revelar as fotografias nas mesmas casas, geralmente estabelecimentos da baixa lisboeta. A série tauromáquica** que publiquei recentemente contém imagens dos dois.

 

Fernando Simões deixou álbuns paginados e (sucintamente) legendados, ao passo que as fotografias de António Bustorff* ficaram guardadas em caixas, a maioria sem qualquer anotação. São dele as fotografias que aqui publiquei doutro rali automóvel realizado em Portugal no mesmo ano (1ª edição do Circuito Internacional do Porto), evento que só a posteriori foi identificado por leitores deste blog interessados e conhecedores do assunto.

 

A ambos e às suas fotografias regressarei em futuros posts.

 

 

 

 

IV Rallye Automóvel Internacional de Lisboa (Estoril), que contou com 80 concorrentes entre pilotos nacionais e estrangeiros, foi organizado pelo Automóvel Clube de Portugal tendo-se realizado entre 18 e 21 de Maio de 1950. As fotos deste post referem-se às provas complementares e finais do rallye no parque do Estoril. 

Tudo sobre este evento aqui

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

1º classificado

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 Fotos: Fernando Henrique Lezameta Simões (1920-2011)

 

No Flickr aqui 

 

Nota:

 

 

 

*Fotografias gentilmente cedidas por Rita Simões Saldanha e Teresa Bustorff, a quem muito agradeço.

 

 

 

 

publicado por VF às 10:48
link do post | comentar | favorito

pesquisar

mais sobre mim

posts recentes

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

Marrocos, anos 40

Rali Senhoras (França, an...

Rali (França, anos 30)

Fotografias de João D'Kor...

My Years in Angola (3)

tags

todas as tags

links

arquivos

Creative Commons License
This work by //retrovisor.blogs.sapo.pt is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Blogs Portugal

blogs SAPO

subscrever feeds