Quarta-feira, 6 de Março de 2019

O Bloco-Notas de José Cutileiro

 

 

mata-hariMata Hari

 

José Cutileiro

 

E se soubessem quem é, o que saberiam ?

 

 

Assim pergunta Álvaro de Campos no começo da Tabacaria (Janelas do meu quarto,/Do meu quarto um dos milhões do mundo que ninguém sabe quem é) e eu pergunto o mesmo quando gente à minha roda se assusta com o que os gigantes do web sabem agora de nós todos. A minha reacção imediata é egocêntrica e narcisistica (‘Querem? Sirvam-se!’ dizia Almada de jornal que bisbilhotara na sua vida privada); a seguir é simplesmente sensata, como a do nosso heterónimo engenheiro.

 

O susto vem da novidade brutal dos meios usados que se modernizam a velocidade inédita de progresso técnico e tem o seu exemplo mais radical na Inteligência Artificial. Quando uma manicazinha esperta, como o Tio Zé Peidinho chamava ao meu gravador, ganha partida de xadrez ao campeão do mundo Casparov e, poucos anos depois, outra manicazinha, mais esperta ainda, ganha partida de go ao campeão oriental desse jogo, mais dificil ainda do que o xadrez, até eu me alarmo. Digo até eu porque sou reformado e portanto relativamente imune a medidas de eficiência propostas por manicazinhas parecidas que despedem pessoal a eito – uma das práticas que vão cavando o fosso entre poucos ricos, cada vez mais ricos, e muitos pobres cada vez mais pobres e levarão por fim, aposto dobrado contra singelo, a broncalina do camandro ou, se a leitora preferir, a Bernardette do caboz.

 

Claro que o mal não vem só do progresso técnico – vem também da iniciativa (ou falta dela) de cada um. Em Portugal onde há muitos anos conheci selfmade men bem feitos, porque tinham tido bons modelos e repeitavam saber antigo (à bilheteira de teatro de zarzuela em Madrid, diante de vendedeira  espampanante, um deles perguntou ao filho «Oh Gérard, como é que se diz ‘colo alabastrino’ em português ?) tais sucessos eram raros e a outra ponta da curva de Gauss às vezes cortava o coração. Perguntei um dia ao Senhor Moreira, de manhã à noite dentro do seu quiosque no largo do Príncipe Real, do lado da faculdade de ciências, que tinha tudo antes de haver lojas de conveniência e estendia um maço de Porto e uma carteira de fósforos ao Ruy Cinatti quando ele lhe dizia «Gluglu e flófló», há quanto tempo ali estava e ele respondeu-me «Há 50 anos, Senhor Doutor. Uma vida inglória».

 

De resto, desde o aparente recato de lugarejos perdidos até ao bulício cosmopolita das grandes cidades comerciais, a espionagem existe desde a origem da humanidade. E técnicas modernas podem às vezes deixar mais peixe sair da rede do que métodos tradicionais. Do ponto de vista de quem espie – e toda a gente, todas as partes que se confrontem em paz ou em guerra, espiam –o melhor será sábia mistura de ambos. Quando o Vasco Valente foi abrir a nossa embaixada em Lusaca, a Teresa, sua mulher, tinha amiga em Salisbury a quem telefonava muitas vezes. Uma noite não conseguia fazer a chamada e ao fim de quase uma hora apareceu na linha voz de homem, redonda e simpática: «Try tomorrow, Madam. Tape recorder out of order».

 

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 27 de Fevereiro de 2019

O Bloco-Notas de José Cutileiro

 

idosos3

 

 

 

 

José Cutileiro

 

 

O que é que vem nos livros que um homem da minha idade não saiba ?

 

 

Assim me explicou pequeno proprietário alentejano o facto de não ir buscar livros à biblioteca itinerante da Gulbenkian que nesse dia visitava a vila, enquanto a filha fora lá direita como fazia sempre. Ele, e tantos outros alentejanos da sua idade e do seu tempo, era um céptico; ela, mais do que outras raparigas da JIC feminina da região que eu tenha conhecido nessa altura, era uma entusiasta. Estava-lhe na massa do sangue, de criança pequena à senhora de idade que agora é, fosse para onde fosse que o intelecto a puxasse. Na JIC era praticante exaltada e intolerante; depois, com a Pátria, metera-se a outras crenças e nos tempos animados da reforma agrária alentejana tornara-se comunista convicta. A última vez que estive com ela - muitos anos depois do PREC e há outros tantos já – era ecologista vibrante, escrupulosa e prosélita como sempre. Não sei se nalguma das suas três fases converteu alguém à fé que tinha na altura; sei, pelo contrário, que havia gente que fugia dela quando a via aproximar-se. Talvez o entusiasmo assustasse as pessoas ; in meso stat virtus diziam os romanos . É extraodinário o número de coisas que gregos e romanos diziam com que nós estamos de acordo – e eles nem pela primeira revolução industrial tinham passado. (Alguém que já tenha tido dores de dentes terá de admitir que aspirina é progresso, o resto…).

 

Ele ficou também como era. Tinha cara que me lembrava caras de fidalgos castelhanos pintados por El Greco no enterro do Conde de Orgaz, de uma tristeza da Europa do Sul que atinge o nadir em partes da Calábria. E, embora não chegando a estatura meã, tinha cara de homem alto. Continuou a arruinar-se lentamente até morrer; o filho há muito casara e deixara a vila, a filha ficou solteira na casa de família. A obstinação do pai estava longe de ser atípica: outro senhor da terra, em princípio com mais obrigações por ser bacharel formado em direito, sentado em esplanada de café vendo passar muito devagar maquinaria rebocada por tractor a caminho de uma curva do Guadiana onde se instalava fábrica de cartão (anos depois submersa graças à barragem de Alqueva)  disse, em parte para mim e em parte urbi et orbi, «Como se eu acreditasse que esta merda serve para fazer papel!».

 

Voltando ao progresso: talvez tenha havido. Há poucos anos, juíza na Malásia, incapaz de averiguar seguramente qual de dois gémeos univitelinos matara um homem, mandou os dois em paz. Exactamente o contrário do que fizera fidalgo francês católico que, no século XIII, derrotara os albigenses, pois uns eram heréticos cátaros e os que o não eram negavam-se a denunciar parentes e vizinhos. O fidalgo foi lapidar: «Matai-os a todos, Deus reconhecerá os seus.» A juíza da Malásia também o foi mas em sentido contrário, mais de acordo com os nossos gostos de agora: na dúvida preferiu poupar um inocente a sacrificá-lo mesmo que assim fazendo tenha poupado um culpado ao castigo devido.

 

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 20 de Fevereiro de 2019

O Bloco-Notas de José Cutileiro

Hino pauta

 

 

 

José Cutileiro

 

As luzes estão apagar-se na Europa

 

 

Assim disse estadista inglês no começo da Primeira Guerra Mundial. Esse novo caminho para a escuridão está a ser trilhado agora, de maneira convencida não só na Polónia que parece vítima de maldição perene (Un polonais, un charmeur; deux polonais, une bagarre; trois polonais, la question polonaise, escreveu Voltaire que morreu antes da Revolução Francesa) e na Hungria, onde Victor Orban está metodicamente a enfraquecer democracia parlamentar por  governação autoritária e corrupta, com a cumplicidade do Partido Popular Europeu (que não o expulsa nem autoriza a Comissão Europeia a cortar-lhe finanças, continuando a pretender, contra toda a evidência, que o levará a mudar de rumo a bem) mas também em outros países da Europa de Leste onde se prestam agora homenagens a militares pro-nazis dos anos 30 e 40 do século passado - tratados de criminosos de guerra há  50 anos.

 

Na Europa dantes dita Ocidental a preocupação também é grande. Na Alemanha, talvez de todos os países europeus, aquele em que o apego à democracia parlamentar é maior (salvo na antiga Alemanha de Leste, envenenada à nascença pela mentira que a criara) o partido da Alternativa ganha terreno. Na Itália evoca-se abertamente saudade de Mussolini, e a coligação extrema direita/extrema esquerda que desgoverna agora o país entende-se em pouco mais do que no desprezo da democracia parlamentar e do estado de direito. Na Inglaterra, políticos desnorteados ou mal norteados transformam séculos de grande história to a trouble of fools (com vénia minha a Yeats). Em Espanha, pela primeira vez desde 1975, partido franquista ganha deputados em parlamento regional e lugar à mesa das pessoas de bem da política. Em França, há catorze fins de semanas, os gilets jaunes manifestam em ruas, estradas e rotundas, destroem propriedade, insultam o presidente da república e pedem democracia directa em vez de representativa (os lugares em que democracia directa foi tentada acabaram em ditadura mas ou não sabem isso ou é isso que querem). Paisagem retocada por antissemitismo renascente, que nestas coisas configura o tradicional canário da mina.

 

George Orwell escreveu algures que, de vez em quando, as pessoas queriam o mal, se batiam por ele. Madame de Stäel, no Paris revolucionário, sentira hiato entre políticos e povo, entre quem mandava e quem era mandado, como nunca sentira antes. Cesário Verde faz pensar: A dor humana busca amplos horizontes/E tem marés de fel como um sinistro mar. Mas ao lado de reflexões luminosas depressa surgem feitos medonhos, do terror de Robespierre às matanças de Pol Pot - e é para feitos assim que a Europa se está a pôr a jeito.

 

Portugal parece escapar à maré de fel. Em 1942, na inauguração do Estádio Nacional o governo salazarista fez espalhar de avionete milhares de panfletos rezando em grandes letras O QUE NÓS QUEREMOS É FUTEBOL. Se em inauguração próxima o governo democrático fizesse o mesmo o povo também haveria de gostar.

 

 

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 13 de Fevereiro de 2019

O Bloco-Notas de José Cutileiro

foto Inês GonçalvesRapariga católica em Panjim © Inês Gonçalves

 

José Cutileiro

 

Só arrelias

 

 

Leio na primeira página do jornal: «Acusação de violação divide a Índia». A Índia é enorme (a maior democracia do mundo, nunca esquecer) e lá não direi que as violações sejam mais que as mães, mas são quase. Esta haveria de ter que ver, para chegar à capa de um diário internacional e fiquei curioso. Até porque gosto da Índia, sinto-me lá bem, falo sem esforço como Peter Sellers em The Party (ou Luis Amorim de Sousa quando lhe dá para isso) e a imitação não é troça, é homenagem, pedido de inclusão, vontade da companhia. Entendo-os bem, desde os jovens contabilistas a jantarem no hotel em Mogadiscio com olhinho triste de punheta e juros compostos  (nos tempos pacíficos do ditador Siad Barre, antes da canalha islamista se meter a purificar o país) até à brasa a quem perguntei numa festa em Londres «Are you from Sweden?», me respondeu «Is that an opening gambit?» e acabámos os dois na minha cama em Oxford. E a memória de fertilidade sem fim, vista do avião de Bombaim com o seu aeroporto de Santa Cruz  até Nova Deli, em grandes manchas vermelhas e verdes de paisagem. Países houve onde me senti de fora assim que lá entrei. Na Índia, em viagens separadas por 60 anos, uma espécie de líquido amniótico virtual protegeu-me dos males do mundo.

 

Curioso, fui ver. Em letras menores que as do título mas maiores que as do texto que introduziam e na legenda de fotografia de eclesiástico saído de um carro e ladeado por dois polícias, aprendi que freira dizia que bispo abusara dela (treze vezes) e que a hierarquia católica urgira que ela se calasse. Senti-me ainda mais em casa. Filho e neto de alentejanos republicanos anticlericais (o Pai vivera crise mística aos 17 anos, casara pela igreja, mas quando eu nasci passara-lhe e não fui baptizado) os malefícios, verificados ou supostos, da Santa Madre Igreja eram pitéu da conversa quotidiana (como no Sul de Espanha: Un cura es un señor a quien todos llaman padre menos los hijos que le llamam tio), lembro-me de folheto ainda do tempo da monarquia que esclarecia na primeira página «A palavra padre é aqui empregue no seu sentido o mais pejorativo» - e depois havia padres anafados e contentes que discretamete tinham amigas.

 

Que até na India a Igreja Católica se veja metida em sarilhos de sexo preocupa-me. Nos Estados Unidos – e alhures – parecem nunca mais acabar os casos de pederastia, prática hoje condenada embora nem sempre tenha sido assim. Espartanos, atenienses, romanos, militares e civis, revigoravam-se com ela. E, de Marrocos ao Afeganistão, ainda hoje faz parte dos costumes.

 

Desprestígio da Igreja de Roma preocupa-me por ela ser parte importante do cristianismo que trouxe à história valorização única do homem. Tu es immortel et irremplaçable diz o capelão ao condenado à morte num filme de Cayatte. Imortal julgo que não mas insubstituível sim – o que em tempo de inteligência artificial, mira constante do lucro e imperador Xi na China poderá escapar demais a quem tenha agarrado o poder.

 

publicado por VF às 16:30
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 6 de Fevereiro de 2019

O Bloco-Notas de José Cutileiro

Claude Lanzmann e Simone de Beauvoir2Claude Lanzmann e Simone de Beauvoir

 

 

 

José Cutileiro

 

Desabafos

 

 

Claude Lanzmann, director da revista Les Temps Modernes, onde sucedeu a Jean-Paul Sartre; autor de Shoa, filme-documentário de 10 horas sobre o morticínio dos judeus europeus por nazis alemães e acólitos de outros nacionalidades (a caça ao judeu é passatempo cristão intermitente e antigo) nos anos 30 e 40 do século passado; único amante de Simone de Beauvoir que esta admitiu que vivesse com ela na sua própria casa – apresento estes três feitos por ordem crecente de mérito – escreveu ter percebido desde muito novo estar condenado a uma vida falhada (ratée) por não ter nascido rico. São raras pessoas com essa lucidez e, mais raras ainda, aquelas que, possuindo-a, têm depois a franqueza de dizer o que ela lhes diz a quem as queira ler. Só encontrei a sentença de Lanzmann depois da morte dele, o ano passado, e talvez não tenha sido o único a identificar-me com a sua percepção fatalista. Mas é pensamento incómodo de albergar, sobretudo associado, inevitavelmente quando se pense em Lanzmann - Grande Senhor, ele próprio – e em Shoa, nos destinos dos milhões de pessoas por esse megamassacre consumidas (a maior barbaridade cometida por europeus contra europeus) . Na paz de uma sociedade tolerante que condena o antissemitismo, passados mais de 70 anos sobre os julgamentos de Nuremberg, parecerá mesquinho pôr na ideia que o dinheiro traga felicidade (não traz mas, dizia Bernard Shaw, traz qualquer coisa tão parecida que só um perito será capaz de as distinguir) de tal maneira que lamentar tão fundamente não o ter – e não o ter de nascença, como parte da ordem natural das coisas – dir-se-ia exercício narciso-masoquista antipático, mesmo desprezível.

 

Talvez – mas depois a gente olha à roda e factos incómodos começam a vir ao de cima. Hoje sabem-se muito mais coisas do que os crescidos sabiam quando eu era pequeno e arrumam-se essas coisas também de muito mais maneiras, avivando semelhanças e contrastes. Por exemplo, sabe-se, com números certos e contas feitas, que as 26 pessoas mais ricas do mundo possuem mais no seu conjunto do que metade – metade - da população do globo terrestre – o que, quer eu quer a leitora, deveremos concordar ser um um rôr de gente. Ao mesmo tempo, nos grandes vazios políticos criados nas cabeças pelo fim do comunismo e das esperanças que este levantara – antes de as aniquilar em Moscovo, Beijing, Havana,  Pyong Yang, onde quer que agarrou poder e prometeu amanhãs que cantam – nada ainda medrou capaz de concorrer com as moderações, decentes e sensatas, que equilibravam os pratos da balança a nosso favor no tempo da Guerra Fria. Nas Américas, em África vibram intolerâncias de fundamentalismo cristão. Em Myanmar morreram ilusões sobre o budismo. O Islão descamba demais em violência.

 

Ficam as nossas democracias, a sua mistura de fome, saciedade e esperança que nos dá a todos, incluindo os Lanzmann, um lugar ao sol. Mas se as diferenças abissais de  riqueza não forem reduzidas até estes oasis se sumirão.

 

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quarta-feira, 30 de Janeiro de 2019

O Bloco-Notas de José Cutileiro

brexit cartoon

 

José Cutileiro

 

Pouca paciência

 

                                                                                         

A ministra dos negócios estrangeiros sueca disse não desculpar aos ingleses terem-nos metido a todos numa broncalina do camandro – ou numa Bernardette do caboz, poderia preferir dizer pedante de linguajares alfacinhas mas afinal é o mesmo, salvo para tais pedantes. Cada um tem os seus gostos.

 

E a mulher tem carradas de razão. Os ingleses nunca se habituaram a terem deixado de ser os patrões do mundo, embora tal tivesse acontecido há um século com a Paz de Versailles (oportunamente confirmado em 1945, quando os patrões do mundo passaram a ser os Estados Unidos da América, com a Rússia, durante 70 anos, a tentar roubar-lhes o poleiro) e, de maneira característica, meteram-se a partir de então a sentirem-se ofendidos por não o serem. Partilhar poder custa-lhes mais do que a outros – a «indirect rule» colonial era estratagema hábil: os sobas mandavam nos seus e os ingleses mandavam nos sobas, o que lhes garantia o poder, mantendo os outros com algumas plumas – e na União Europeia nunca perceberam bem o essencial: que, com a Alemanha desarmada e depois pouco armada, eles eram os mais fortes, ofenderam-se com ninharias e, por fim, sobretudoToriesmas também muitosLabour, julgaram que « a Europa» era o que os impedia de serem grandes como antes, em vez de perceberem que era, pelo contrário, o que lhes permitia conservarem parte dessa grandeza. Acompanhado tal estado de espírito permanente por erupções patrioteiras muitas vezes ridículas, a incompetência dos políticos fez o resto.

 

Os políticos são como os vinhos: há anos bons e anos maus. Na Europa, a seguir ao colapso da União Soviética, as colheitas não têm sido das melhores, com gente na sua maioria medíocre no que era dantes a Europa Ocidental e gente hábil na conquista do poder mas fiel às tradições fascistoides do lugar no que era dantes a Europa Oriental, tradições vindas dos anos 20 e 30 do século passado, exemplificadas pelo húngaro Orban e o gémeo polaco sobrevivente. Em Inglaterra, passadas  grandeza de Churchill, nervo de Thatcher e a ‘terceira via’ de Blair (arte de cortar pensões a velhinhas, com boa consciência) vieram pequenezes a coincidirem com o grande debate nacional – e da Magna Carta passou-se a desordem inédita. Salvo nos horrores próprios aos nacionalismos, costumavam-se encontrar nos ingleses mais decência e bom senso do que de costume. Foi chão que deu uvas.

 

Há quem julgue que longos períodos de paz impedem a aparição de grandes homens de Estado mas a ciência política (slow journalism, chamava-lhe o meu amigo Herb) não dá para certezas assim e poucas generalizações que não sejam triviais se poderão fazer a partir dela. É o que temos por agora, depois se verá – e, seja como fôr, «dos Lloyd Georges da Babilónia/Não reza a história nada» lembrou o Poeta, pondo pontos nos is.

 

Voltando aos ingleses. Só conheci um português como eles, juiz que vinha às vezes a Estrasburgo: «Não domino idiomas estrangeiros e sinto-me mal fora do território nacional».

 

 

 

 

publicado por VF às 18:07
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 25 de Janeiro de 2019

O Bloco-Notas de José Cutileiro

Igreja-Matriz-de-Reguengos-de-MonsarazIgreja Matriz de Reguengos em estilo Bernardino Machado florescente. segundo Octávio Durão

 

José Cutileiro

 

Lembranças de Carlos Leal

 

 

Carlos Martins Pereira tinha veterinário. Não o tinha, porém, como se possa ter um gato ou uma prima-direita. A sua casa agrícola, a Casa Leal, era tão vasta que lhes saía mais barato empregar todo o ano um veterinário full time do que depender do mercado. E porquê Casa Leal se o nome era Martins Pereira (o do médico das Caldas que fora seu pai)? Porque a terra vinha da mãe que a herdara do tio Jaime Leal, solteirão que mantivera serralho de moças do campo (Carlos Manuel, seu sobrinho neto, ao passarmos há uns setenta anos diante de casa arruinada no meio do trigo do Barrocal, disse-me que era o monte onde o tio Jaime fodia). Passagem de monta na saga secular de S. Lourenço do Barrocal que correcção política procurará esquecer ou esconder mas que faz parte tanto ou mais que Catarina Eufémia, da herança de todos os alentejanos, da parte que nos cabe deste latifúndio.

 

Carlos Leal, como o meu amigo era tantas vezes referido, sabia tudo isto e ao seu casulo alentejano fazia de vez em quando recolher amigos menos rústicos  da juventude. Passavam temporadas no conchego de Reguengos o sábio matemático professor do Técnico Mira Fernandes e o Tio João Duarte Silva, um dos mais estimados e estimáveis bêbados, caçadores e jogadores da sua geração («A melhor coisa na vida é jogar e ganhar, e a seguir, jogar e perder», dizia). Quando estavam os dois em Reguengos, o Carlos não precisava de sair: tinha em casa « la Science et la Vie », dizia Octávio Durão, outro pândego local enxertado em Philosophe.

 

O veterinário do Carlos viu-se metido em mexerico local. Durante ausência profissional (a Casa Leal cobria vários concelhos) fanfarrão local, mestre d’obras novo-rico por alcunha o Tranca-Ruas, que em vez de exibir sinais exteriores de riqueza recente, preferia alardear sinais exteriores de pobreza passada, dizia-se comunista,  no café dos ricos pedia um café, tirava de embrulho de papel de jornal, chouriço e pão caseiro que cortava à navalha e comia, tudo com tal alarde que o Carlos dizia, quando viesse o comunismo querer ser criado dele, para o ensinar a comer, para o ensinar a vestir-se; o Tranca-Ruas, pois, teria tido propósitos inaceitáveis sobre a virtude da mulher do veterinário. Informado e ofendido, o veterinário declarara no Clube e no Café que ia «matar o Tranca-Ruas». Reguengos ficou em suspenso. Passaram dias, semanas, um mês. A meio do segundo, Carlos perguntou ao veterinário: «Então você mata ou não mata o Tranca-Ruas?». «Mato o Tranca-Ruas quando tiver acabado de pagar as minhas dívidas». «Muito bem» concluiu Carlos e não se falou mais do assunto.

 

Pena as nações terem menos senso. A França gaba-se de ser o melhor lugar do mundo para comer, amar, pensar, viver. Depois, de vez em quando, franceses acham ser precisa Revolução que mude tudo. Desta vez, pelas bocas desatinadas dos gilets jaunes, apoiados por  marotagem de esquerda e direita : Mélenchon, Le Pen. Irá tudo ao sítio mas custará tempo e dinheiro.

 

 

 

publicado por VF às 19:31
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quarta-feira, 16 de Janeiro de 2019

O Bloco-Notas de José Cutileiro

 

akhenaton-principal-kAdD--620x349@abcAkhenaton

 

José Cutileiro

 

 

 

Rex/Pontifex

 

 

As palavras são latinas mas os conceitos vêm dos egípcios que inventaram as traves mestras do poder neste mundo e no outro. Tudo o que veio depois deles – de gregos, romanos, cristãos, muçulmanos – foi construido sobre esses alicerces, expressos inter alianas maravilhas mais antigas ao Sul do país e nas  pirâmides de Gizé a Norte, dizia-me amigo que há dias subiu o Nilo, parando nos dois hoteis preferidos de Agatha Christie, um típicamente inglês colonial, o outro já afrancesado e ambos excelentes para alguém se desalterar e meditar nos intervalos de tal regresso às origens, bafejados há cem anos por ventoínhas e agora por ar condicionado. O meu amigo só lamentava que, perante tanta sabedoria ancestral, não se pudesse pedir agora ao General Abdel Fathah el-Sisi que se fosse instalar em Londres para meter na ordem o bando de descerebrados, eleitos e eleitores, que numa mistura surpreendente de incompetência, ignorância e engano, meteu o Reino Unido na camisa de onze varas do Brexit.

 

 

Respondi-lhe que inventar tudo, tudo, não tinham. Escapara-lhes o monoteismo, embora o faraó Amenofis IV – ou, como ele preferia ser denominado, Akhenaton – durante o seu reinado tentasse promovê-lo. Foi, para os artistas (sempres solícitas ao gosto dos seus patronos), tempo diferente dos outros: o que chegou até nós dos seus ateliers e oficinas está cheio de esculturas e de restos de pinturas murais naturalistas, como não se encontram em nenhum outro momento da história egípcia, desde dos primórdios desta até à invasão romana, nem.em qualquer outro lugar antes do Renascimento. Quando, aos doze anos, eu soube destes sucessos, Akhenaton passou a ser um dos meus herois, juntamente com Fernão de Magalhães e o capitão Scott que com a sua expedição atingira o Polo Sul para encontrar a bandeira da Noruega, hasteada por Amundsen que lá chegara antes e, no regresso, morrer de frio com os seus companheiros na neve da Antártida.

 

Entretanto, mudei muito. A admiração por Akhenaton mantém-se mas com  grande beliscadura: estou há décadas convencido de que o monoteísmo é um dos maiores flagelos do mundo; que os males sancionados pelo Deus de Abraão, Isaac e Jacob excedem de longe os bens que se lhe possam atribuir . Na tradição cristã seguem-se ao monoteismo, o cristianismo primitivo e a Reforma - fora das igrejas mas em veias semelhantes eu acrescentaria Marx e Freud). E para tudo isto, lembrando-me da sugestão do meu amigo, nem o General el-Sisi chegaria.

 

Ia continuar sobre monoteísmo e lei e ordem à l’égyptiennemas, escrevo terça-feira, acabo de saber que o ex-presidente da Costa do Marfim, Laurent Gbagbo, preso há 7 anos, acusado de crimes contra a humanidade, foi absolvido e mandado libertar pelo Tribunal Penal Internacional. Gostei que o Tribunal começasse a ganhar juízo – e lembrei-me de Gbagbo, ainda presidente a dizer a jornalista francês: « Pois é, vocês querem que a gente faça a Revolução de 1789 sem ofender a Amnistia Internacional ».

 

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 9 de Janeiro de 2019

O Bloco-Notas de José Cutileiro

Caution FS

 

José Cutileiro

 

 

De desejos do bem a práticas do mal

 

 

«All politics is local politics» disse famosamente Tip O’Neill, muitos anos presidente da Camara dos Representantes em Washington, que nunca pôs os pés na Embaixada Britânica porque como todos os O’Neill era descendente de irlandeses e ha ódios de honra que mesmo que não se sintam (deu-se sempre bem com os embaixadores britânicos) se devem simbolicamente significar. Ódios que estão agora a subir de dia para dia em quase toda a parte, numa espécie de moda que de Trump a Bolsonaro, de Erdogan a Putin, de Duterte a Orban, de Le Pen a Salvini, e por aí fora, vão envenenando as relações entre pessoas, tribos, nações e tornando cada vez menos improváveis guerras que os europeus, depois de cinquenta anos no casulo do abrigo atómico fornecido por destruição mútua garantida às mãos de Washington, Moscovo ou ambas durante a paz da Guerra Fria, julgavam tão extintas como a varíola nesta península da Ásia, tão linda que Zeus um dia se transformou em touro para dormir com ela.

 

Não estavam. E, neste ‘cada-um-a-querer-o-seu-e-ou-tudo-ou-nada’, talvez nos devessemos preocupar com nossos filhos e netos. (Embora, a avaliar pelo pouquíssimo que se faz para deixar o Planeta vivável por quem venha a seguir, a ideia de sacrificar prazer de hoje a prazer futuro - sobretudo se esse prazer futuro já não for nosso – não pareça ser regra geral de vida mas mania de muito poucos). Deveríamos, pelo menos, ser capazes de contradizer  as mentiras inventadas  e orquestradas para deitar abaixo decência de viver que, com uma origem distante no lugar do homem no mito cristão, se começou a impôr no Renascimento, a seguir no Iluminismo, ganhou duas Grandes Guerras e, depois do fim da segunda, derrotados nazismo e fascismo, estabeleceu o Plano Marshall e o Pacto do Atlântico e veio a meter o comunismo no caixote do lixo da História.

 

Contra o que Talleyrand julgava, la douceur de vivre é muito maior e chegou a muito mais gente depois da Revolução. Dos seus caboucos fazem parte arranjos constitucionais que enquadram direitos e deveres de quem governe e de quem seja governado. Quando se toca neles – como agora na Polónia e na Hungria – está-se a fazer mal ao Homem, abrindo caixa de Pandora  cheia de víboras. As fake news que nos bombardeiam enfraquecem a defesa da decência, sem a qual a vida seria muito mais dura e brutal mas é difícil acabar com elas. Por exemplo, lembra o historiador-guru israelita Yuval Noah Harari, a Bíblia está cheia delas  e embora sejam raros os que creem ainda que o Mundo começou há 5.760 anos ou que Nossa Senhora concebeu virgem, muitos acreditam em outras inverosimilhanças.

 

Não importa. Metamos entre parêntesis os Deuses de cada um, e ataquemos mentiras sobre o que esteja provado lógica ou empiricamente. Que eu saiba não vingam fake news sobre o teorema de Pitágoras, o princípio de Arquimedes ou as teorias  da relatividade de Einstein - e por aí abaixo. A eito e sem tréguas, senão adeus douceur de vivre.

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 2 de Janeiro de 2019

O Bloco-Notas de José Cutileiro

 

Manif 1970Manifestação de mulheres em Portugal na década de 1970

 

 

José Cutileiro

 

Europa não. Portugal, nunca!

 

Tal era o grito de guerra, princípio de vida, lema de campanha do malogrado Mário Viegas quando se candidatou à presidência da nossa República. Não me lembro de apelo mais lúcido vindo de nenhum país europeu, substituindo Portugal pelo nome de qualquer dos outros 28 – um dia destes 27, se rasgo de bom senso britânico que parece extinto ou vítima de convulsões suicidárias, não pedir, como pode ainda fazer sem autorização seja de quem for, a anulação do seu fanfarronado anúncio de saída, ficando tudo como dantes. Se tal não acontecer (e se as duas Câmaras de Westminster, a dos Comuns e a dos Lordes, não aceitarem o plano de Theresa May) o dia a dia dos ingleses (e escoceses, galeses, irlandeses do Norte) será muito mais caro, laborioso, incerto e irritante do que é agora, o PIB receberá um rombo de que levará muitos anos a recuperar e – isso são favas contadas - a Irlanda do Norte resvalará outra vez para a guerra civil.

 

Toda esta tragédia - não há outro nome a dar-lhe, a não ser quiçà opera buffa - porque meia-dúzia de tontos nostálgicos de grandezas imperiais mitificadas, de súcia com aprendizes de ditador fartos do rame-rame da paz democrática, mentiram escandalosamente aos súbditos de Sua Magestade Britânica (é assim que se diz; cidadãos é nas repúblicas) sobre as consequências de sair da União (contaram ao povo que ficariam mais ricos quando, se tal chegar a acontecer, ficarão garantidamente mais pobres). O Partido Conservador que se dilacera há mais de 20 anos sobre a questão europeia deu provas de nem perceber o que a saida acarretava nem saber negociá-la. Os Trabalhistas são dirigidos por esquerdista irreformável da velha escola, que agrada à ala mais barulhenta e descerebrada do Partido e torna este alternativa de poder inaceitável para a maioria dos eleitores que, com um Tony Blair ou um Gordon Brown do outro lado da « Casa » já teria mandado os Tories às ortigas.

 

Vou deixar os «bifes» pela mão de um deles - «O patriotismo é o último refúgio do tratante» disse o Dr. Johson que na sua terra é quase tão citado como Shakespeare e do lado cá do Canal da Mancha passa por indústria farmaceutica – e voltar à Pátria. Na primeira Grande Guerra, médico mobilizado, amigo do meu avô, pavoneava-se por Évora já fardado para a Flandres, enquanto em Lisboa movia influências que o deixaram ficar em Portugal. Inglês da Várzea de Colares espantava-se por eu dizer tanto mal de Portugal e ele só dizer bem. Expliquei-lhe que ele gostava do país e eu o amava: caso houvesse uma broncalina do camandro, ele punha-se ao fresco e eu, se preciso fosse, ficava e morria. (Quem ama a Pátria é assim; depois há os que a namoram como Eça achou que Pinheiro Chagas fazia).

 

A maior exigência tem de ser com os nossos. Os Pais jantavam num hotel em Sevilha quando grupo palreiro de portugueses entrou. Sem combinação prévia, passaram a falar francês um com o outro. Nessa altura em Portugal havia nós e eles. Hoje não é tão simples.

 

publicado por VF às 09:00
link do post | comentar | favorito

pesquisar

mais sobre mim

posts recentes

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

tags

todas as tags

links

arquivos

Creative Commons License
This work by //retrovisor.blogs.sapo.pt is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Blogs Portugal

blogs SAPO

subscrever feeds