Domingo, 11 de Janeiro de 2009

Poema

 

 

Margarida, 1940

 

 

A minha mãe aos vinte anos. Nesta altura estudava filologia germânica na Faculdade de Letras, onde conheceu alguns dos seus maiores amigos.

Gostava acima de tudo de poesia. Anos mais tarde haveria de publicar dois livros de poemas. 


 

na avenida

 

sobre o pavimento enobrecido

poisada, a sombra —

não sei quê despercebido

entra de soslaio

no meu olhar embevecido

 

evasiva

a sombra treme,

e o sol entontecido

despista a pomba

 

passam assim,

oblíquos,

os reflexos de algo indeciso

entre o sonhar e o partir

para um país desconhecido...

 

 

Margarida Futscher

Lugar Comum, 1965

 

publicado por VF às 17:07
link do post | comentar | favorito

pesquisar

mais sobre mim

posts recentes

Evora-Africa

O Bloco-Notas de José Cut...

Escultura de Manuel Rosa

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

O Bloco-Notas de José Cut...

tags

todas as tags

links

arquivos

Creative Commons License
This work by //retrovisor.blogs.sapo.pt is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Blogs Portugal

blogs SAPO

subscrever feeds