24.8.16

 

 

 

transatlantic phone call 1927.jpg

Telefonema transatlântico (1927)  

 

 

José Cutileiro.jpg

 

 

 

 

Escrita em dia

 

 

 

“Senhoras analfabetas a porem a escrita em dia” disse para mim mesmo, numa de Alexandre O’Neill, quando as vi as duas ao fundo da Comida de Santo, raparigas do meu tempo, exercitando as mandíbulas mais na conversa do que no feijão preto. Passou-se isto antes do Facebook e da restante variedade das chamadas redes sociais – antes do skype, embora já houvesse telefones (modernice que o Marechal Foch, comandante das forças francesas na Primeira Guerra Mundial, detestava, delegando sempre que possível num ajudante de campo e desejando vivamente o seu desaparecimento em tempo de paz) telefones que permitiam e permitem, valha-nos isso, namorar horas a fio, com fios ou sem fios através do éter, emitindo ou recebendo sopros delicados nas orelhas quando tenha de se julgar em vez de se poder experimentar.

 

Esta estranheza com o que é novo e algum medo dele existiu sempre mas é muito pior do que alguma vez foi (isto é, passou a haver muito mais gente assustada com o progresso do que encantada com o progresso, pelo menos no Velho Mundo) porque, por um lado, o ritmo das mudanças técnicas nunca acelerou tanto quanto agora e, por outro lado, também graças a esse ritmo, tudo se sabe in real time (como há quem goste de dizer nestes nossos dias em vez de dizer ‘no mesmo momento’ ou ‘na mesma altura’). Dantes não era assim: a batalha de Waterloo que fixou por quase um século o destino da Europa, derrotando Napoleão e reforçando o poder da Inglaterra e dos alemães, foi travada um pouco ao sul de Bruxelas entre o nascer e o pôr-do-sol do dia 18 de Junho de 1815 mas o resultado dela, levado por estafeta que ia mudando de cavalos – com o Canal da Mancha de permeio - só foi conhecido em Londres quatro dias depois. Washington Irving, romancista americano do século XIX escreveu um conto que ficou célebre, apareceu em antologias, foi ensinado em cursos de literatura, traduzido em dezenas de línguas e se chamava O homem que dormiu vinte anos. O herói, para lhe chamar assim, dormira efectivamente duas décadas e, depois de acordar na mesma cama, encontrara ao levantar-se, no dia-a-dia restabelecido, muitas coisas novas que nunca conhecera antes e muito o perturbavam. Tenho-me lembrado dele mas pensando que, pelo andar da carruagem, daqui a quinze ou vinte anos, outro ficcionista americano dotado poderá publicar novo best-seller sob o nome “O homem que dormiu vinte minutos”.

 

Muito do que se passa agora nas tecnologias de ponta é inédito: entra na categoria das novidades absolutas mas mudanças vertiginosas de outra natureza já várias vezes assustaram gente. Por exemplo, inflações galopantes, de que a alemã dos anos 20 por ajudar à subida de Hitler ao poder ficou célebre, deram quotidianos bizarros. Amiga exilada no Brasil em 1975, no supermercado punha-se à frente do empregado que ia aumentado os preços de uma ponta à outra da loja e teve uma criada que comprava cuecas pagando em dez prestações porque assim lhe saíam muito mais baratas. 

 

 

 

 

 

link do postPor VF, às 18:15  comentar

26.8.15

 

4-inquisio-26-638.jpg

 

 

 

 

José Cutileiro.jpg

 

 

Fés

 

 

 

Foi no século XX que se descobriu que o Bispo Pedro de Santa Maria, um dos mais zelosos inquisidores espanhóis, tinha nascido judeu, chegara a rabino em família de rabinos, e só aos trinta anos virara católico. Quem se espante, não devia. No mundo de twitters, Facebook, selfies, ponha os olhos nos rapazes e nas meninas que em Bordéus, Manchester, Santa Comba Dão – poderá acontecer lá também - troquem confortos multiculturais do estado social europeu pela certeza sangrenta que oferece o Estado Islâmico do Iraque e da Síria. (Alexandre O’Neill sabia que a sociedade de consumo iria dar para o torto: Sonetos garantidos por dois anos./E é muito já leitor, que mos compraste/Para encontrar a alma que trocaste/Por rádios, frigoríficos, enganos…)

 

Poderemos mais pacatamente lembrar-nos dos neocons americanos que desencaminharam George W. Bush ou de alguns liberais europeus apologistas da austeridade. Viveram, uns e outros, juventudes embebidas nas extrema-esquerdas dos respectivos países. Muito inteligentes e lidos, na minha experiência do seu convívio partilham uma pecha. Sem folga entre certezas ideológicas da juventude que repudiaram e certezas ideológicas da idade madura que abraçaram, são incapazes de perceber que as vidas das pessoas não se regem nem por umas nem por outras. Quase dão razão ao alentejano orgulhoso, baixo com cara de homem alto, que um dia me perguntou: “O que é que vem nos livros que um homem da minha idade não saiba?”

 

Geralmente são incorruptíveis - o que no Portugal de hoje os torna bentinhos – mas não confundir alhos com bugalhos. Não esquecer que incorruptíveis também foram Robespierre, em França; Salazar, em Portugal; o Mullah Omar, no Afeganistão. Vão fazendo muito mal ao mundo porque a sua paranoia doce os leva, num passe de mágica, de premissas incontestáveis a conclusões dementes.

 

Florescem muito bem em tempos de crise. Em Les Dieux ont Soif (Os Deuses têm Sede), romance de Anatole France passado na Revolução Francesa durante o Terror, Évariste Gamelin, pintor, membro do Comité de Salvação Pública, jacobino apaniguado de Robespierre, cruza-se num jardim de Paris com mãe burguesa nova e bonita acompanhada por filho pequeno brincando com uma bola que rola até aos pés do pintor. Este devolve-a, recebe sorriso contente e grato da burguesa e a seguir pensa, com tristeza resignada, que para que aquela criança viesse a ser feliz em crescida, talvez fosse preciso guilhotinar a mãe.

 

A jantar com liberal iluminado – marxista duro nos seus verdes anos - e católico reflectido, daqueles a quem o Dr. Mário Soares chamava “a direita inteligente”, tornei a confirmar o meu preconceito. Não há mais erudito, racional (e bem educado) do que o liberal mas, fosse ele a mandar, galoparíamos para a chamada luta de classes com vigor inédito desde a guerra de Espanha. O católico constante sabia que, embora o Bem esteja sempre longe, muito mal pode ser evitado usando de bom senso, decência e - lembrai-vos? - amor do próximo.

 

 

 

link do postPor VF, às 11:06  comentar

10.6.15

 

 

Camoes_-_retrato_de_goa_2b.jpg

 

 

 

 

 

José Cutileiro.jpg

 

 

10 de Junho

 

 

 

“Portugal: questão que eu tenho comigo mesmo”. Este verso da Feira Cabisbaixa de Alexandre O’Neill ressoa em mim. Tentei ver-me livre dele por via post-moderna — “Portugal é questão que Alexandre O’Neill tem consigo mesmo” — mas, sendo o post-modernismo um rosário de asneiras, a esperteza não me ajudou a sair do labirinto.

 

Alguns anos depois, o homem de teatro Mário Viegas, em campanha para a Presidência da República, lançou esta palavra de ordem: “Europa não. Portugal nunca!”. Também ressoou em mim. Deveria ser adaptada e divulgada em todas as línguas da União. Os europeus – 7% da população, 25% do produto, 50% da despesa social do mundo… E ainda se queixam? – terão de perceber que se não há ninguém melhor do que eles, tampouco eles são melhores do que seja quem for. É claro que píncaros éticos assim são para Espinosas, não para mortais comuns. Mas, se não quisermos outra vez guerras entre nós, é para esse lado que se deve esticar a corda e não para o outro como fazem agora patriotas finlandeses, lepenistas franceses, ukipistas ingleses, tantos outros. (Hoje digo sim à Europa. Sabe-se que, para quem não tenha muita fé, não há nada pior do que ir a Roma; no meu caso, quinze anos de vida em Bruxelas fizeram de um eurocéptico um europeísta. E passei a preferir Portugal sempre a Portugal nunca: sabedoria ou senilidade?)

 

Entre os dizeres de O’Neill e Viegas, Portugal vivera a 25 de Abril de 1974 o seu terceiro grande sobressalto no século XX. Hoje a maioria não se lembra do Estado Novo. António Alçada Baptista, em 1998, escreveu sobre ele: “(…) no tempo do antigo regime vivi com alguma ansiedade a condição de ser português. Não tínhamos liberdade e aguentámos uma guerra colonial que era para mim uma vergonha. O governo tinha tomado conta de todos os valores patrióticos e religiosos e por isso era com muita dificuldade que eu conseguia ter orgulho no meu país”.

 

Era assim nesse tempo com muitos de nós, católicos ou ateus, monárquicos ou republicanos. Ditaduras e guerras dão tratos de polé ao patriotismo. Em 1940, o regime francês de Vichy, presidido pelo marechal Pétain, julgou à revelia o general De Gaulle, refugiado em Londres, e condenou-o à morte por traição à pátria. Por sua vez, em 1945, o regime francês de Paris, presidido por De Gaulle que ajudara a derrotar a Alemanha nazi, condenou Pétain à morte por traição à pátria. De Gaulle, cujo único filho varão era afilhado de Pétain, comutou a pena em prisão perpétua.

 

Na paz e democracia do Portugal europeu de hoje, um inglês da Várzea de Colares - Deus lhe tenha alma em descanso – gabava-se ser o único colunista da imprensa lisboeta que gostava de Portugal; os seus confrades lusos não paravam de dizer mal do país. Alguém lhe explicou. Ele louvava Portugal mas se estrangeiros viessem atacá-lo meter-se-ia no primeiro avião para Londres. Os confrades lusos talvez não gostassem de Portugal mas amavam-no e, se estrangeiros investissem, morreriam por ele. Simples, no fundo.

 

 

 


20.5.15

 

 

2-Ponte_Vasco_da_Gama.jpg

 Ponte Vasco da Gama - Há valores seguros.

 

 

 

José Cutileiro.jpg

 

 

Verniz a estalar

 

 

Os sapatos de verniz levados a S. Carlos estalavam depressa mas não fazia mal: só novos-ricos queriam tudo novo em folha e, como o bom senso de Miami (Better nouveau riche than no rich at all), não tinha chegado à capital deste Império, ricos-velhos, nouveaux pauvres (o Luís Stau Monteiro dizia que era um desses), todo o resto da tribo olhavam por cima da burra para volframistas, africanistas, brasileiros, porque nisto de dinheiro, o único bem ganho e moralmente aceite era o herdado. Na novela de José Régio “Davam Grandes Passeios aos Domingos”, que decorre em Portalegre, Alto Alentejo, entre a primeira e a segunda Guerras Mundiais, o melhor partido para meninas casadoiras nos filhos de lavradores ricos, o Chiquinho Paleiros, não estudava “porque não precisa”, de rica que a família era. “Manhã de rico” queria dizer levantar-se tarde por não ter de trabalhar para outros nem para si. Quem não tivesse nascido rico e começasse a alardear dinheiro levantava logo suspeitas e – até mais ou menos ao fim do século do XIX  se não pudesse provar ter encontrado tesouro escondido em cova no campo ou buraco de ruína, da fama de trafulha não se livrava (no século XX, se não tivesse ganho a Lotaria, mais tarde o Totobola ou o Euro milhões). Gente de bem não mudava a ordem das coisas e das pessoas. Ainda no Alentejo: um golpista era muitas vezes chamado de “pulante” ou “trampolineiro” – alguém que queria chegar acima da sua condição. Por isso também, em grandes apertos financeiros da Nação, se esperava dos ricos que pagassem a crise. Entretanto, serões de ópera, de boa música sinfónica ou de câmara entretinham-nos, ataviados como reis, diante da casa onde nasceu Fernando Pessoa. Vivia-se ao tempo em que o meu chorado Alexandre O’Neill ouviu no mestre Escama, barbeiro, um agente da P.S.P. afirmar didaticamente ao resto da freguesia: “Ser polícia dá cantina, barbeiro, autoridade!” (E o senhor engenheiro responder ao engraxador residente que hoje não engraxava porque engraxava na Baixa).

 

Já houve quem dissesse que o passado é um país estrangeiro. Talvez, mas eu além de me ir afastando no tempo, vivo fora e apesar de tudo isso cada vez que volto acho que o país não mudou no essencial, apesar de três diferenças conspícuas: os novos são mais altos, os velhos são mais velhos e as pequenas fodem todas. À parte isso, às vezes, quanto mais diferença querem, pior. Exemplo: a Ponte Salazar passou a Ponte 25 de Abril não por nós termos mudado mas por não termos. “Isto, Senhor Doutor, o que é preciso é a gente estar bem com a lei que há” disse-me homem bom da sua aldeia em 1965. O acolhimento aos retornados, a cerviz vergada à austeridade, não lhe tornariam a dar razão?

 

Hoje, brutalidade da polícia indigna os portugueses. Em 1965 cabo chefe de subposto da GNR contou-me que quando lhe vinham fazer uma queixa, ele ouvia e dava logo a seguir um par de estaladas ao queixoso/a. Se a queixa fosse mantida, abria processo.

 

Não há de ser nada.

 

 

 

link do postPor VF, às 07:44  comentar

2.4.14

 

 

 

 

Susana e os Velhos (1610)

Artemisia Gentileschi

 

 

 

 

A caça aos velhos

 

 

Quando eu era pequeno os meus pais tinham sempre razão. Quando o meu filho era pequeno o Dr. Spock já mudara as regras e quem tinha sempre razão era o meu filho. Feitas estas constatações receei às vezes que, se chegasse a velho, alguém tivesse entretanto descoberto que o melhor para os velhos era matá-los.

 

Humanistas horrorizados e tecnocratas como se não fosse nada com eles dizem-me agora que estamos à beira desse dia. O ambiente é propício: por exemplo, um estudo recente da Universidade Católica de Louvain mostra que empregados com mais de cinquenta anos de idade dão prejuízo financeiro às empresas onde trabalham. E é por aí que o gato vai às filhoses.

 

Comparação com África é instrutiva. Até meados do século XIX, em muitas sociedades tradicionais ao sul do Sará, os homens velhos tinham muito mais prestígio e poder do que os novos. Mandavam na aldeia, escolhiam as melhores mulheres, comandavam as hostes na guerra. Os novos obedeciam e esperavam a sua vez. Com os colonizadores veio o trabalho pago a dinheiro nos campos e nas minas. Numa economia monetarizada os novos tornaram-se os senhores: podiam, mais do que os velhos, comprar vacas para pagarem noivas e bens de consumo em geral, abundantes e indicadores de estatuto como nunca acontecera. Toda a gente ficou contente com a mudança — tirando, já se vê, os velhos.

 

Na Europa post-industrial a história foi diferente mas o resultado parecido — e pior. Os progressos da ciência e do bem-estar social estenderam a longevidade de maneira inédita, diminuíram a idade da reforma e restringiram o tamanho das famílias. Cada vez menos gente nova trabalha para sustentar gente cada vez mais velha. E os velhos, que já há muito tinham mau nome —

 

Em suma, somos os velhos

Cheios de cuspo e conselhos.

Velhos que ninguém atura

A não ser a literatura

 

E outros velhos. (Os novos

Afirmam-se por maus modos

Com os velhos). Senectude

É tempo, não é virtude.

 

escarnecia Alexandre O’Neill há mais de meio século — são hoje, em partes da sociedade portuguesa, mais mal vistos do que banqueiros, políticos ou jornalistas. O fim da picada.

 

E há mais. O predomínio descontrolado da economia financeira, desligando proventos da produção de bens, e a captura por gente do sector, jovem e altamente especializada, das alavancas do Estado, cavou um fosso entre o bom senso da maioria dos portugueses e a insensatez militante de quem os governa. Tal insensatez — ou “falta de inteligência emocional” — é frequente  em cientistas mas rara em políticos. Salvo talvez em Quislings, isto é, governantes que não prestam contas ao seu próprio povo mas a poder suserano de quem sejam vassalos.  

 

Quanto aos velhos? Impor eutanásia obrigatória — que poderia ser extinta, como o serviço militar, quando sábios da casa e da troika achassem que os números batiam certos. E a malta? A malta, na mesma: “Isto, Senhor Doutor, o que é preciso é a gente estar bem com a lei que há”. Descendentes dos heróis do mar? Ou dos que por cá ficaram?

 

 


5.1.14

 

 

 

Sport Lisboa e Benfica 1966/1967

 

 

Postal reproduzido no livro Retrovisor, um Álbum de Família. Texto e outra foto neste blog aqui.

 

A crónica de Ferreira Fernandes Nunca passei por ele sem dizer "obrigado" aqui

 

O ensaio de Nuno Domingos As lutas pela memória de Eusébio aqui

 

Alexandre O'Neill sobre Eusébio aqui

 

Perfil de Eusébio aqui

 

 

link do postPor VF, às 11:58  comentar

9.12.13

 

 

Ultimamente tenho abrandado o ritmo de posts, às vezes por falta de tempo para dedicar ao blog e outras vezes por falta de material e de inspiração. Gostaria de ter chegado aos 500 nestes cinco anos mas o meu espólio familiar tem naturalmente limites e, de momento, não tenho novas colecções em mãos. As minhas leituras também se têm prestado menos, nos últimos tempos, à composição de vinhetas politico-literarias.

 

Serendipity:

 

Estava eu nesta dificuldade quando José Cutileiro me telefona a propor — muito cerimoniosamente, o que ainda me faz sorrir — alojar a sua crónica “Bloco-Notas” no Retrovisor. Nesta blogosfera recheada de espaços tão apetecíveis, anuncia-me que, of all places, gostava de estrear-se neste cantinho. Terá sido o chamamento de gente como Cinatti, O’Neill, Nemésio ou Garrett?

 

Preciso de explicar que José Cutileiro é o meu Perfect Reader, o leitor ideal, o leitor a que aspira todo aquele que escreve, o leitor exigente que leu o que escrevemos de fio a pavio, percebeu tudo e gostou do que viu. Neste caso, não só gostou como se deu ao trabalho de redigir e publicar na revista do MNE uma resenha elogiosa de Retrovisor, um Álbum de Família, ultrapassando largamente tudo o que eu poderia esperar em termos de reconhecimento de um trabalho tão circunscrito. Nem sequer nos conhecíamos pessoalmente em 2009, foi o meu irmão que lhe deu o livro.

 

Desta feita, o meu leitor ideal dá-me a enorme alegria de vir arejar este "cabinet de curiosités", que andava muito precisado, e abrir-lhe as portas a novos leitores, a quem dou desde já as boas vindas. 

 

 

Stay tuned, o Bloco-Notas de José Cutileiro começa a 11 de Dezembro. Sai à quarta-feira.

 


3.3.12

 

 

 

 

Ninguém (a partir de Frei Luís de Sousa)*

Teatro da Trindade, Lisboa 1978-79

 

Foto (Detalhe): António Lagarto 

 

 

De onde vem o meu interesse por Garrett? Sempre foi, em primeiro lugar, literário. As coisas não começaram bem. A primeira recordação que tenho é a de ter lido o Frei Luís de Sousa no liceu. Sou do tempo dos liceus. Nessa altura, tive um professor de português que me disse que o FLS era uma «lufada de ar fresco no teatro português». A peça não era uma novidade, já tinha visto várias produções televisivas que, nessa época, eram ciclicamente transmitidas. Umas melhores, outras piores, eram geralmente medíocres. Do alto da minha insolência adolescente decidi que o FLS era exactamente o contrário: uma coisa doentia.

 

O tempo que mediou entre esse momento e a descoberta de que o tal professor estava coberto de razão constituiu verdadeiramente o meu percurso de descoberta de Garrett. O meu deslumbramento seria total.

 

O teatro português é pobre e só tem dois autores grandes (perdoe-se-me o radicalismo): Gil Vicente e Garrett. O resto são inexistências, miudezas, tentativas, ou obras avulsas. Apesar de muito conhecida, não se tem sublinhado suficientemente a natureza da concepção trágica enunciada por Garrett na Memória ao Conservatório Real. Talvez um dia possamos abordar isso aqui. Além do mais, o FLS podia ter dado, se tivéssemos tradição musical, uma grande ópera. A grande ópera portuguesa.

 

Nesse caminho de descoberta e conversão, as Viagens constituem um momento fundamental. Primeiro, em leitura desconcertada. Mais tarde, ajustadas as peças do puzzle, penetrei o seu mundo e amei-as até hoje. Elas permitiram a descoberta de toda uma família literária e espiritual, a que julgo, modestamente, pertencer.

 

Para ler as Viagens (percebi-o ainda mais perfeitamente quando as ensinei) é preciso – toda a leitura é assim – «acertar» primeiro com o tom em que devem ser lidas. Depois, é preciso saber mover-se na infinidade de referências de que é feita. Isso é também parte da sua modernidade.

 

É preciso ter aprendido a ler uma página de um livro apenas pelo prazer da sua leitura. É preciso também ter passado por muitos outros autores e muitos outros livros. É preciso descobrir a sua desenvoltura e compreender a sua novidade.

 

Por tudo isso, as Viagens acumularam gerações de equívocos e inimizades feitas na escola: é uma obra que precisa de um certo grau de maturidade para ser bem lida. Para ser saboreada. Eis outro tema que, por si só, mereceria reflexão.

 

Um outro momento fulcral foi o texto admirável de David Mourão-Ferreira (que falta faz David) sobre As Folhas Caídas (primeiro publicado num opúsculo da Seara Nova, depois incluído na colectânea Hospital das Letras). Por aí se podem descobrir proximidades e distâncias entre a vida vivida e a vida escrita, entre o impulso confessional e os caminhos do engenho, entre os sobressaltos reais e o artifício literário.

 

Fui também descobrindo, como é evidente, outras coisas sobre o homem e as suas circunstâncias, as suas contradições, os seus dilemas.

 

Garrett: o soldado liberal capaz de apontar os vícios do liberalismo. O romântico (como hoje o entendemos) que, romanticamente, recusava o romantismo (como então se entendia). O escritor cuja glória literária não fez apagar o drama pessoal. O homem de espírito. O pesquisador das raízes do nosso imaginário poético. O autor cujo nacionalismo não era provinciano e tinha, sem paradoxo, um cunho europeu. E também o realizador, o homem de acção. O congregador de vontades. O político, o orador. O crítico impiedoso da negligência portuguesa. E também o civilizado, o mundano, o autor de O Toucador, jornal para damas, o dandy, o elegante cheio de souci de soi, o sedutor. O visconde.

 

E, claro, de novo o infinito sabor da sua prosa, o donaire, para usar a expressão de outro tempo, tão deliciosa, que o meu querido amigo João Bigotte Chorão gosta de usar a propósito da escrita garrettiana (cf. o prefácio à edição das Viagens da Lello).

 

Porque a admiração pela obra também se faz da descoberta dos outros admiradores de Garrett, o escritor que tantos escritores bem diferentes admiraram sem reservas, desde logo Camilo e Eça. E ainda há uma pequena mas sólida «confraria» garrettiana que reúne gente muito diferente entre si, irmanada nessa admiração.

 

Jorge Colaço

in blog o divino** , 9 Janeiro de 2005

 

Jorge Colaço escreve aqui 

 

 

 

 

 aqui

 

 

 

 

 

 

 

* Ninguém (Frei Luís de Sousa):

Encenação de Ricardo Pais

Texto de Almeida Garrett, Maria Velho da Costa, Alexandre O'Neill

Música de Carlos Zíngaro

veja o cartaz do espectáculo aqui

 

** O blog garrettiano o divino foi recentemente desactivado no blogs.sapo.pt

 

 

link do postPor VF, às 00:04  comentar

22.1.11

 

 

 

- Patriazinha iletrada, que sabes tu de mim?

- Que és o esticalarica que se vê.

 

- Público em geral, acaso o meu nome...

- Vai mas é vender banha de cobra!

 

- Lisboa, meu berço, tu que me conheces...

- Este é dos fala sozinho na rua...

 

- Campdòrique, então, não dizes nada?

- Ai tão silvatávares que ele vem hoje!

 

- Rua do Jasmim, anda, diz que sim!

-É o do terceiro, nunca tem dinheiro...

 

- Ó Gaspar Simões, conte-lhes Você...

- Dos dois ou três nomes que o surrealismo...

 

- Ah, agora sim, fazem-me justiça!

 

- Olha o caixadòclos todo satisfeito

a ler as notícias...

 


Alexandre O’Neill

In  Feira Cabisbaixa (1965)

 

 


 

 

 

 

 

©Assírio & Alvim aqui

 

 



19.1.11

 

 

 

Ao sair da Telecine O'Neill percebeu que estava a ser muito solicitado por outras agências. Já tinha aliás trabalhado em regime de free-lancer com outras agências, como a MR Estúdios, de Manuel Rodrigues*, para quem fez muitas campanhas. «Há um slogan que ele fez na MR, feito para a Mobil, e que não foi aprovado, "Mobil Serviço, dê por ele sem dar por isso"; a campanha não foi aprovada.» (JM)**

 

Na MR fez as campanhas da Gazcidla, do café instantâneo Tofa*** - «Tofa: revelando num instante o segredo de um aroma» - e das canetas Parker****, com longos textos a acompanhar o slogan «Diz-me com quem andas dir-te-ei quem és». Num deles, o público alvo são os jovens: «Um jovem como tantos outros. Herdeiro de uma civilização, será o seu continuador. Estudante. Escrevendo, compreende o passado para construir o futuro. E mais tarde, quando sobre o papel as palavras se alinharem nervosamente, quando a mão lutar por seguir o cérebro que pensa, é o Amanhã que está surgindo e foi uma Parker que O escreveu.» Para as mulheres que pudessem ambicionar uma Parker, O'Neill escreveu: «Recortada no vermelho de um forro, entre o branco de um lenço de cambraia e o reflexo de um espelho, Parker brilha como uma jóia. Delicada, elegante, feminina - Parker. Um número de telefone: Parker. A hora de um encontro: Parker. Um nome, uma morada: Parker. Uma data a lembrar: Parker.»

 

Pois, leitor, assim era o mundo português em 1965: o rapaz usava a caneta para - que bagatela - construir o futuro; a mulher (chique), para apontar os afazeres do amor e da ociosidade. Mas conceda-se que é um bom texto publicitário (não se trata aqui de poesia), ao conseguir insinuar um tom de erotismo num objecto a ele tão ligado como a caneta, num tempo a ele tão avesso. Certo é que a Parker gostou do trabalho de Alexandre O'Neill, que começava a ser conhecido como publicitário com génio.

 

 

Maria Antónia Oliveira

in Alexandre O'Neill, uma Biografia Literária

©2005 Maria Antónia Oliveira e Publicações Dom Quixote


 

 

 

 

aqui

 

 

 

Notas:

 

*MR Estúdio e Manuel Rodrigues, neste blog, aqui

** A campanha para a Mobil foi aprovada, contrariamente ao que recorda João Martins. Veja um anúncio aqui

 

*** Tofa aqui

**** Parker em Portugal aqui

 


 

Maria Antónia Oliveira, autora da biografia de Alexandre O'Neill, fala sobre sobre o seu trabalho, aqui


link do postPor VF, às 13:06  comentar

15.1.11

 

 

Ó Portugal, se fosses só três sílabas,

linda vista para o mar,

Minho verde, Algarve de cal,

jerico rapando o espinhaço da terra,

surdo e miudinho,

moinho a braços com um vento

testarudo, mas embolado e, afinal, amigo,

se fosses só o sal, o sol, o sul,

o ladino pardal,

o manso boi coloquial,

a rechinante sardinha,

a desancada varina,

o plumitivo ladrilhado de lindos adjectivos,

a muda queixa amendoada

duns olhos pestanítidos,

se fosses só a cegarrega do estio, dos estilos,

o ferrugento cão asmático das praias,

o grilo engaiolado, a grila no lábio,

o calendário na parede, o emblema na lapela,

ó Portugal, se fosses só três sílabas

de plástico, que era mais barato!

 

*

 

Doceiras de Amarante, barristas de Barcelos,

rendeiras de Viana, toureiros da Golegã,

não há «papo-de-anjo» que seja o meu derriço,

galo que cante a cores na minha prateleira,

alvura arrendada para o meu devaneio,

bandarilha que possa enfeitar-me o cachaço.

 

Portugal: questão que eu tenho comigo mesmo,

golpe até ao osso, fome sem entretém,

perdigueiro marrado e sem narizes, sem perdizes,

rocim engraxado,

feira cabisbaixa,

meu remorso,

meu remorso de todos nós...

 

 

Alexandre O’Neill

in Feira Cabisbaixa (1965)

©Assírio & Alvim

 

 


11.1.11

 

 

 

O cineasta António-Pedro Vasconcelos, que tinha 35 anos há 35 anos, recorda os tempos em que era difícil ser jovem num País vigiado e em que nem se podia beijar a namorada em público, mas onde também era impossível ser um velho intelectual activo e respeitado num regime que perseguia inteligência e liberdade.

 

Não é fácil explicar a um jovem de hoje - que julgará que o querem gozar quando se conta que a primeira televisão do realizador foi comprada a prestações para ver um jogo internacional do Benfica ou que chegou a pôr no "prego" (essa instituição antiga, onde se deixavam objectos, fosse a máquina de escrever ou o par de sapatos, como garantia do dinheiro emprestado) a aliança de casamento e o esquentador da casa de banho - o que era ter 21 anos no Portugal das décadas de 50 e de 60.

 

Só a partir de 1966/67 é que começa a surgir um maior consumo (televisão, semáforos, novos cafés) e, naturalmente, o boom da publicidade, que deu emprego a muita gente, dos escritores (O'Neill, Sttau Monteiro, Alves Redol, Ary dos Santos) aos cineastas (Fernando Lopes, José Fonseca e Costa e António-Pedro Vasconcelos, que filmou uma centena de anúncios).

 

O pior era, contudo, esse "ambiente de Feira Cabisbaixa, como tão bem definiu [no livro de poemas] o Alexandre O'Neill". Expulso de um café por beijar a namorada ou a conversar olhando sempre para a mesa do lado e tentando perceber se havia algum informador da PIDE a ouvir o que se dizia, com uma censura que só deixava projectar “Os Quatrocentos Golpes” depois de fazer 14 cortes no filme de Truffaut, ao sair dessa Lisboa provinciana, fechada e vigiada para Paris da liberdade e da vivacidade o choque era enorme.

 

Um jovem português de hoje, além de não sentir a vergonha ("era quase humilhante, a não ser que se tivesse, como cartão de visita, o estatuto de exilado, desertor, resistente") de ser identificado com o País da ditadura e da guerra colonial - o que era inevitável até 1966, "quando tudo mudou por causa do Eusébio no Mundial de Inglaterra" -, também não sente o mesmo contraste entre Portugal e o resto da Europa.

 

"Assediado para entrar no PCP, como toda a gente da minha geração (até porque os comunistas dominavam o Cineclube Universitário e a revista Imagem), apesar de ter ideais revolucionários, não aderi (nem nenhum dos meus amigos da época) porque li, quando era muito novo, um livro sobre os Processos de Moscovo e fiquei a saber o que era o estalinismo."

 

No fundo, a forma do seu grupo de amigos se manifestar era, por exemplo, distribuírem-se por uma sala onde era projectado um filme português daquela época e começar a patear - como fizeram no Éden, a 6 de Maio de 1960, na estreia de “O Cantor e a Bailarina”, de Armando de Miranda, acabando todos na esquadra.

 

"Um lado tenebroso do regime é que os intelectuais ou se exilavam, como o Jorge de Sena, ou então desistiam, morriam por dentro".

 

Um dos primeiros contemplados com os subsídios da Gulbenkian, em 1971 rodou Perdido por Cem, em torno de Artur, um rapaz da província (interpretado por José Cunha) que aproveita uma boleia de Rui (papel confiado a José Nuno Martins) para se escapar para Lisboa. Numa das cenas, filmada em directo na Pastelaria Suíça, no Rossio, o protagonista "lia Musil e olhava para as pessoas que por ali estavam, quase só homens, todos de chapéu, vestidos de negro, cinzento ou azul escuro, com um aspecto taciturno, como se fosse a Feira Cabisbaixa do O'Neill".

 

 

Fernando Madaíl

in "Diário de Notícias", 25 de Abril de 2009, na íntegra aqui

 

 

 

 

 

 

 

 

Cartaz do filme Perdido por Cem

de António Pedro Vasconcelos (Portugal 1972).

 

 

 

um post recente sobre António Pedro Vasconcelos e a sua obra aqui

 

 

 


22.3.09

 

 

 

 

 

 

 

Design de Manuel Rodrigues

 

 

 

 

 

Contracapa de

PANORAMA - Revista Portuguesa de Arte e Turismo

Nº 16 IV Série – Dezembro de 1965

Edição do Secretariado Nacional da Informação, Cultura Popular e Turismo

 

 

Logotipo

 

For the record, confirmei a suspeita de que as notas dactilografadas que usei para o perfil de Manuel Rodrigues se destinavam a uma publicação. Com efeito, um artigo de Margarida Futscher acompanha na edição referida da revista Panorama as imagens reproduzidas nos dois últimos posts.

 

Ver o perfil de Manuel Rodrigues aqui

link do postPor VF, às 11:35  comentar

15.3.09

 

 

 

 

 

Maria Violante Vieira

1.11.1915 -  27.1.1997

 

 

 

Tinha o dom de ouvir os outros, porque se interessava verdadeiramente por eles e porque raramente falava de si própria. Julgo que mantinha essa sua reserva, ou pudor, mesmo com os amigos mais íntimos. Era inteligente e generosa.

 

Para minha irmã Cristina, em particular, a sua presença reconfortante, num período particularmente difícil para a nossa família, tornou-a numa figura de referência. Data desses tempos, ou seja do princípio dos anos 60, esta fotografia tirada por Cristina, no Monte Estoril, ou talvez em Sesimbra, onde Maria Violante se refugiava por vezes no Hotel do Mar.

 

 

Tita - como os sobrinhos e nós lhe chamávamos - tinha uma vida de trabalho intensa. Geria com a irmã, Maria Antónia Vieira Gagean, as empresas que haviam herdado do pai, a Papelaria Progresso e a Papelaria da Moda, e o escritório Vialga, representante da  Parker em Portugal. Ali foram empregues os talentos de criadores tão diversos como o designer Manuel Rodrigues e o poeta Alexandre  O'Neill, que cunhou 'slogans' publicitários para a famosa marca de canetas, segundo acabo de descobrir na tocante biografia de Maria Antónia Oliveira (Publicações Dom Quixote 2007).

 

No início dos anos 70, Maria Violante estabeleceu um primeiro contacto com a UNICEF para trazer para Portugal os cartões de Natal desta agência mundial de ajuda às crianças mais desprotegidas. Na sequência desse contacto, fundou a associação “Amigos da Unicef". Em 10 de Abril de 1979 foi oficialmente criado o Comité Português para a Unicef, ao qual passou a dedicar-se inteiramente, desempenhando o cargo de Presidente até ao final da sua vida.

 

Foi em casa de Maria Violante, um pequeno apartamento com vista para o Tejo, próximo do Jardim do Príncipe Real, que Cristina e eu estivémos pela última vez com o Professor Agostinho da Silva, seu companheiro dos últimos anos. Pouco tempo depois, no dia de Natal de 1996, ou na véspera, não sei, fomos as duas vê-la ao hospital. Foi uma visita muito breve, o tempo de uma carícia e de uma troca de olhares de despedida.

 

 

Visite a Unicef Portugal aqui

link do postPor VF, às 13:05  comentar


pesquisar neste blog
 
mais sobre mim
Translator
Blogs Portugal
contador sapo