20.12.17

 

rodrigues-migueis-g-ciup-704x350

 José Rodrigues Miguéis

 

 

 

José Cutileiro

 

 

 

Bananas e sacanas

 

 

 

José Rodrigues Miguéis (1901 - 1980), autor de romances aborrecidos e de uma novela genial (Páscoa feliz), homem de esquerda, militando na oposição ao regime dirigido minuciosamente pelo Presidente do Conselho de Ministros, António de Oliveira Salazar (que, nos primeiros anos, quando queria reorganizar o Estado, chegava a decidir ele próprio processos de acumulação de funções de pequenos funcionários públicos), viveu muito tempo em Nova Iorque e dizia que Portugal era um país de bananas governado por sacanas. Na minha juventude, quando as estupidezes e as maldades do governo do dia me lesavam e me indispunham cada vez mais com o ditador e os seus cúmplices – e quando não tinha percebido ainda que o Dr. Salazar, mais do que ser causa dos nossos males era, sobretudo, consequência deles – eu achava a formulação de Rodrigues Miguéis admirável e justa. (Só mais tarde me apercebi que qualquer nova-iorquino acharia qualquer português um banana, antes, durante ou depois do Estado Novo. Exemplo: em compêndios de clínica médica norte-americanos, entre os sinais gerais de doença – fadiga, falta de apetite, febre, etc. – figura, para sobrolho franzido de qualquer português bem-formado da minha geração, “falta de ambição”).

 

Com a longevidade da Democracia a aproximar-se da longevidade do Estado Novo - e tendo deixado muito para trás a República que, coitada, nem à maioridade chegou - passei por fase em que me apeteceu virar a formulação de pernas para o ar e dizer que Portugal era um país de sacanas governado por bananas, porque muitos dos nossos políticos vinham ainda da oposição ao regime anterior, e viviam na ilusão de estarem a libertar a bondade do chamado povo, enquanto o chamado povo, por seu lado, não estava tão desenvolto como entretanto ficou e não se tinha apercebido ainda de que ser livre não era passar a sentir o que os doutores do reviralho achavam que ele devia sentir mas sim sentir o que lhe desse na real gana, doesse aos doutores a quem doesse. (Digo o “chamado povo” e não o povo, com vénia ao meu amigo João Carlos Espada que prefere dizer “população” em vez de “povo”. Não sou cientista dessas coisas mas percebi porque é que ele o faz ao lembrar-me de conversa sobre democracia directa com Maria de Lourdes Pintasilgo - Deus lhe tenha a alma em descanso - então primeiro-ministro, em que ela me perguntou o que é que eu achava que o povo pensava. “Oh Maria de Lourdes, o povo sou eu” respondi-lhe. Para “povo” não vejo outra volta a dar-lhe, desde a abolição dos três estados. Para “população”, vá estatísticas).

 

A democracia destapou os portugueses e pôs tudo bem à vista. Temos sacanas e bananas sortidos entre quem governa e entre quem é governado. Sem ditadura o baralho baralha-se mais. Escândalos recentes mostram torpezas tão más na mó de baixo como na mó de cima. Vai custar muito pôr tudo no são. Mas, para país de fundo católico, sobretudo no Norte, e de costumes mouros, sobretudo no Sul, podia ser pior.

 

 

 

 

 

link do postPor VF, às 09:00  comentar

pesquisar neste blog
 
mais sobre mim
Translator
Blogs Portugal
contador sapo