14.12.16

 

Trump-Tower-Lobby-Atrium-NYC.jpgTrump Tower

 

 

 

 

 

José Cutileiro.jpg

 

 

 

 

Sangue na guelra

 

 

 

Trump, a sua rapaziada e alguma raparigada também, a começar com as brasas da família – e essas são importantes: amigo comunista, português de gema, disse-me que não se pode olhar só para Trump, deve-se olhar para Trump e para a mulher, porque é logo outra coisa, até um comunista fica bem disposto e se esquece do governo de generais – todos, deve dizer-se, de primeira ordem salvo um, paranoide, que vai ser Consultor para Segurança Nacional - e bilionários – todos leitores fieis de Ayn Rand, judia russa ateia, desde os anos 40 maître à penser de homens de negócios americanos que queiram julgar-se super-homens, apologista de egoísmo feroz e de desprezo pelos pobres (uma espécie de Calvino desembolado – e sem Deus..), governo que está a ser inexoravelmente tricotado como uma telenovela concebida, pormenorizada e redigida por comunistas primários ignorantes para mostrarem bem aos telespectadores os horrores do capitalismo norte-americano. Vão chegar ao poder em Washington daqui a cinco semanas, cheios de sangue na guelra.

 

Há quase dois anos, quando o homem anunciou que ia às primárias republicanas muita gente se riu, em parte por achar ambição tonta que depressa seria posta no seu lugar, de que os seus rivais no Grand Old Party se descartariam logo nos primeiros embates e em parte por esperar que, entretanto, nos fôssemos divertir todos porque, na sua ordinarice egocêntrica de possidónio de luxo, o homem às vezes até era engraçado e perspicaz. Quão perspicaz, porém, nenhum dos seus rivais, republicano ou democrata, tinha sequer sonhado.

 

Com método rigoroso, conhecimento intuitivo dos eleitores, dos gostos e das fobias deles, sobretudo dos que nem o curso dos liceus tinham acabado e que a globalização atirara para o desemprego (que nos Estados Unidos dói muito mais do que na União Europeia porque subsídios de desemprego não há e de saúde, até ao Obama care, o Estado não tratava e, com o governo que se anuncia, vai provavelmente deixar de tratar outra vez), gente ululante nos comícios de Trump, facilmente aliciada para pregões de agressividade inédita como os que exigiam a prisão imediata de Hillary Clinton – “Lock her up” gritavam em uníssono - agressividade de resto que se estendia a toda a campanha e polarizou a sociedade americana – até porque os agressores se sentiram reconhecidos e recompensados pela vitória nas urnas poucas semanas depois da candidata democrata, num desabafo captado por microfone que deveria ter estado desligado, os descrevera com desprezo altivo acabando por lhes chamar um bando de “deploráveis”.

 

O governo que sairá disto tudo assustará muitos americanos e quase todos os europeus cada vez mais convencidos estes de terem nascido com direito a room service desde o berço até à cova desde que não metam cá emigrantes. “Oh Maria, tira o puto da rua que vai haver merda” largou uma da Madragoa que estava a ouvir falar de coisas destas na telefonia e julgara que os desmandos iam ser à sua porta.

 

 

 

link do postPor VF, às 15:22  comentar

pesquisar neste blog
 
mais sobre mim
Translator
sitemeter
contador sapo