23.3.16

 

 

Eanes Machel 2

Samora Machel e Ramalho Eanes

 

 

José Cutileiro.jpg

 

 

Nobre povo

 

 

 

Quando o Presidente Ramalho Eanes visitou Moçambique em 1981 a expectativa local era imensa. Pela primeira vez desde a independência, que tinha sido só há seis anos, um presidente português visitava o país, havia espíritos claros e espíritos baralhados e houve ajustes de última hora a fazer. Do nosso lado, por exemplo, para o banquete oferecido por Eanes, em retribuição do banquete de boas vindas que Samora Machel, Presidente de Moçambique, lhe oferecera, o Protocolo do Estado em Lisboa fizera imprimir cartões de convite na boa cartolina do costume com espaço em branco onde os nomes dos convidados fossem depois escritos à mão na embaixada em Maputo: O Presidente da República/ tem a honra de convidar (espaço em branco), etc.. Os cartões chegaram felizmente alguns dias antes e, de entrada, o Protocolo não percebia ser preciso corrigir a asneira: então não era o Presidente que convidava? Era com certeza, mas não estava em Portugal e seria por isso preciso precisar que era o Presidente da República Portuguesa. Em Moçambique, “O Presidente da República”, sem mais nada, significaria Samora Machel ou, pior, daria a entender que Portugal não se dera ainda bem conta da volta dada pelo mundo.

 

Do lado moçambicano o equívoco foi muito diferente e muito maior. Chovia a potes no dia em que Eanes chegou a Moçambique e em Moçambique chuva dá sorte. Animado, o povo saiu à rua sem necessidade do enquadramento e dos cantes da Frelimo, correntes à época para louvor de causas que o regime achasse nobres – “Vamos para a Tanzania/Agradecer ao Presidente Nyerere”, etc. -, aplaudindo e provavelmente esperançado que depois da chegada do presidente português chegasse outra vez comida. Não chegou mas, apesar disso, toda a gente, dum lado e doutro, achou a visita um sucesso. As relações entre Lisboa e Maputo nunca se estragaram e o actual Presidente de Moçambique foi o único chefe de estado dos PALOP convidado e presente na cerimónia de tomada de posse do novo presidente português.

 

Não sei se entendimento entre os povos nos está na massa do sangue ou não mas imprensa estrangeira especializada na coisa europeia, distante do ‘peito ilustre Lusitano’ e por isso mais ‘objectiva’, como os comunistas gostavam de dizer, tem, nos últimos dias, feito notar que, em contraste flagrante com os seus colegas da União, o nosso primeiro-ministro acha que não nos mandaram refugiados a mais mas sim a menos e pede que venha mais gente. Atitude de nobreza rara nesta tragédia dos fugitivos da guerra na Síria, quando tantos dos seus pares se levantaram contra Angela Merkel num espectáculo de falência moral equivalente à dos entusiastas de Donald Trump nos Estados Unidos. Contra a corrente, entendo que se vai chegar a alguma decência europeia porque amor do próximo lá levará. E não fará mal lembrar que entre os “retornados” havia muitos que nunca tinham estado em Portugal, muitos que não eram brancos, e muitos que eram muçulmanos e hindus. Nação valente e imortal.

 

 

 

link do postPor VF, às 09:00  comentar

pesquisar neste blog
 
mais sobre mim
Translator
sitemeter
contador sapo