11.2.15

 

baptismo de Kiev 1.jpg S. Vladimiro baptizando os russos em Kiev

 

 

 

 

José Cutileiro.jpg

 

 

 

Nem paz nem guerra

 

 

Houvesse a União Soviética durado mais dez anos, a viagem da construção europeia teria continuado sem os equívocos do euro (posto em marcha antes de tempo por visionários seguros dos bois alcançarem depois o carro – por não perceberem que, acabado o medo de Moscovo, deixara de haver espora no flanco do esforço comum); sem explosão de nacionalismos centrífugos e sem termos de pagar excesso de bagagem pela reunificação alemã (quando esta por fim chegasse, a Europa seria já tão forte que quase nem daria por isso).

 

Mas a U. R. S. S. não durou. Tornámos a dar connosco confrontados com a questão do lugar da Alemanha na Europa (tão incómoda desde a primeira reunificação alemã que, no século passado, deu duas guerras mundiais; que, no fim da segunda, conselheiro do presidente americano Roosevelt propusera que se transformasse a Alemanha em país apenas agrícola; e que hoje, encaroçada com fé de aiatola em austeridade ruinosa para a economia e a política europeias, Berlim acelera a diminuição do poder europeu no mundo).

 

Sem inimigo exterior forte e decidido (como foi a União Soviética durante a Guerra Fria),os europeus da União — com mais de mil e duzentos anos de guerras e más vontades desde a coroação de Carlos Magno em Aix-La-Chapelle (Aachen em alemão) em 800 A.D. — parecem, muitos deles, mais inclinados a irem cada um para seu lado do que a meterem ombro à roda de todos. Recomeçaram a reparar nas maldades dos parceiros e parecem ter esquecido as dos antigos inimigos. Para vários partidos de extrema-direita na Europa, Putin dá exemplo a seguir e não desmando a evitar: o Front National de Marine Le Pen tem preferido bancos russos a franceses; o húngaro Victor Orban faz a apologia de regimes autoritários como o russo e o turco; na Grécia o partido de extrema-esquerda Siriza foi buscar à direita nacionalista e xenófoba parceiro para governar. Não se trata de quintas colunas; a Guerra Fria não vai voltar porque era uma guerra santa, entre duas crenças, e uma das crenças deixou de ter fiéis. Mas o tripé onde assenta a nossa democracia – separação da igreja do estado, estado de direito, respeito pelos direitos humanos – está a ser atacado de vários lados e, os nossos filhos e netos, habituados, no seu mundo sem fome e sem guerra, a considerarem esse tripé parte da ordem natural das coisas (e não o que ele é: invenção humana recente, constantemente ameaçada) se não dobrarem vigilância, arriscam-se a perder o luxo de civismo e decência ganho na Europa ocidental desde 1945 e em toda a Europa para cá da Rússia desde 1990.

 

Tirando em fundamentos que não são para aqui chamados — Há ou não há Deus? Que fazemos por cá? — sabe-se hoje mais de tudo, na hora e em toda a parte, do que alguma vez se soube. Mas não ajuda. Do Kremlin, Vladimir Vladimirovic vai fazendo Anchlüss, tomando Sudetas, qualquer dia invade um Báltico — e nós continuaremos a dizer que o problema só terá solução política e Deus nos livre de dar armas a Kiev.

 

 

 

link do postPor VF, às 07:03  comentar

pesquisar neste blog
 
mais sobre mim
Translator
sitemeter
contador sapo