17.12.14

 

Quentin_Metsys_001.jpg

O cambista e sua mulher, Quentin Metsys 1514 

 

  

José Cutileiro.jpg

 

 

Coisas do bem e do mal

 

 

“A caricatura é o tributo que a mediocridade paga ao génio”. Assim abriu Oscar Wilde conferência a estudantes de Harvard que o esperavam, todos de fraque azul e girassol na lapela porque o repentista de Dublin tinha fama de se apresentar dessa maneira. Mas alguém o prevenira, viera de cinzento e sem girassol, e quem enfiou a carapuça foram os estudantes de Harvard.

 

Lembrei-me hoje do aforismo por ter sabido que os banqueiros holandeses, alarmados com a má reputação do ramo desde a crise de 2008 — má reputação reforçada por escândalos seguidos, alguns implicando cumplicidades de grandes bancos internacionais a fim de manipularem criminosamente taxas de câmbio, outros revelando desprezo completo de banqueiros e bancários pelos interesses de clientes e de accionistas, e todos pondo ganância de lucro à frente de obrigações morais ou deontológicas — decidiram submeter os praticantes da profissão (ou ofício, ou arte) à obrigação de prestarem juramento pelo qual se obrigam a não lesar clientes e accionistas por acção ou omissão (um pouco assim como o juramento hipocrático dos médicos): “Que Deus me ajude a manter e promover confiança no sector financeiro”, reza a certa altura. Por enquanto só prestaram juramento — perante Deus ou dando a palavra de honra — administradores e empregados de alto nível mas a partir do ano que vem será obrigatório para todo o pessoal. Na Holanda, os proponentes da medida estão convencidos de que esta terá efeito moralizante e ajudará a recuperar a confiança perdida na banca.(Pelo sim pelo não, o governo limitou bónus a 20% dos salários).

 

Nos principais centros financeiros da Europa — Frankfurt, Paris, Milão e, sobretudo, Londres — não há tanta fé no remédio receitado pelos bons prestamistas de Amsterdão. Nesses restantes lugares o protestantismo está diluído, muito misturado com outras confissões religiosas — ou com nenhumas — e é, ele próprio, menos rigoroso. A veia calvinista pura é mais exigente (em Genebra, um monumento soturno a Calvino — “homenagem dos seus concidadãos” — ilustra, para quem tivesse dúvidas, que não estamos neste mundo para nos divertirmos. Genebra não é nos Países Baixos mas foi lá que Calvino pontificou). Seremos salvos — ou não — pela Graça de Deus e não por obras. E não se sabe quem é predestinado: neste mundo, o mais que cada um pode fazer é tentar portar-se tão bem quanto se o fosse, ganhando de caminho respeito dos vizinhos. Sobrado a luzir de se poder lamber mas lixo varrido para debaixo dos tapetes. Virtude pregada no templo mas alcaloide à vontade e prostituta bonita para a gente namorar. Alguns banqueiros holandeses respeitados estão cheios de fé na cruzada porque acham que moralização só poderá vir de dentro. Outros contam com estímulos mais terra a terra: medo da cadeia, por exemplo.

 

Mas uma luta do bem contra o mal foi aberta e algum jeito há de dar. Como diria Oscar Wilde — e La Rochefoucauld tinha dito —: “A hipocrisia é o tributo que o vício paga à virtude”.

 

 

 

link do postPor VF, às 07:55  comentar

pesquisar neste blog
 
mais sobre mim
Translator
sitemeter
contador sapo