10.12.14

 

 

kohl.jpg

Helmut Kohl

 

 

José Cutileiro.jpg

 

 

E se o povo ordena mal?

 

 

Na Baviera a CSU, irmã da CDU do resto da Alemanha, causou sensação há dias. Estudo apresentado à direcção do partido propunha que imigrantes fossem obrigados a falar alemão – mesmo em casa, quando estivessem só entre si. Até alguns bávaros ficaram perplexos e no resto do país houve indignação — salvo em partidos, pré-partidos, associações, confrarias de uma extrema-direita nacionalista e xenófoba, que pululam de há uns anos a esta parte, mais no que dantes fora a Alemanha Oriental. (“O patriotismo é o amor dos seus; o nacionalismo é o ódio aos outros” escreveu luminosamente Romain Gary).

 

A Baviera é próspera e tem outras boas coisas – automóveis BMW; braços abertos no acolhimento a Ingmar Bergman que lá pôs em cena teatro e ópera sete anos, expatriado até o fisco sueco lhe pedir desculpa por o ter feito escandalosamente prender sem razão – mas a aliança da sua direita com o resto da direita alemã nem sempre é fácil. Uma vez, num almoço de fim de Wehrkunde em Munique, ouvi Helmut Kohl, ainda Chanceler, somando aos convivas da sua mesa os anos que levava de vida política, enumerar a certa altura: “sete anos com Franz-Joseph Strauss como Vice-Chanceler — contam por catorze”.

 

Depois de algumas décadas a seguir à guerra (de 39-45) sem vestígios disso, o populismo começa a morder a Alemanha, agora reunida, não ainda com o sangue na guelra que mostra em França, na Hungria ou no norte de Itália, mas Berlim tem responsabilidade especial e se o borbulhar fascizante continuar talvez Angela Merkel dê uma guinada ao leme do seu (nosso) barco. Levando a sua chefia sem distracções causadas por “essa coisa da visão”, como diria o pai Bush, munida de antenas que captam ondas emitidas pelo povo e imune a sobressaltos que traíssem pulsões ou sentimento, deu nos últimos anos duas grandes guinadas, uma disparatada mas demagogicamente fácil, outra sábia mas politicamente complicada. A disparatada foi aproveitar desastre nuclear no Japão para decretar, à beira de eleições, o fim da energia nuclear na Alemanha. A sábia – e corajosa – foi opor-se ao gangsterismo aventureiro de Putin, que em má hora cometera o erro de lhe mentir, contra a opinião maioritária da sua gente, propensa a achar que o lugar dela é entre o Ocidente e a Rússia, e de industriais famintos de “business as usual”. A sua firmeza, desta vez, deu coluna vertebral à Europa no confronto com Moscovo.

 

Se populismo xenófobo continuar a grassar na Alemanha — e se Angela Merkel perceber que o marasmo económico o anima — talvez a Chanceler dê mais uma guinada. Resolva espaldar o Banco Central Europeu na sua missão de subir a inflação até quase 2%, permitindo-lhe comprar dívida pública, apesar dos tratados — outra vez contra os instintos do povo.

 

Se assim for, diz-me entendido nestas matérias, poder-se-á sair da crise com União e países viáveis. Se assim não for, depois de ter falhado a mal em 1918 e em 1945, a Alemanha agora terá conseguido dar cabo da Europa a bem.

 

 

 

 

link do postPor VF, às 10:22  comentar

pesquisar neste blog
 
mais sobre mim
Translator
sitemeter
contador sapo