3.12.14

 

adriaen_van_utrecht_-_vanitas_still-life_with_a_bo

 Adriaen van Utrecht, Vanitas: still life with bouquet and skull c.1642

 

 

José Cutileiro.jpg

 

 

Diques e barba rija

 

 

O meu filho holandês diz-me que na sua terra começaram este ano a nascer bebés cuja média de vida se prevê venha a ser de 120 anos e que — palpita-me — medirão, também em média, 2 metros de altura. A pátria dos heróis de Srebrenica dá pelo nome de Países Baixos não devido à estatura dos seus habitantes mas ao facto de um terço do território ter sido conquistado ao mar, estar abaixo do nível deste e ser protegido de inundações fatais por laboriosa teia de diques mantida em ordem por vigilância constante. Deus fez o mundo e os holandeses a Holanda.

 

Viver sob tal espada de Dâmocles estimula prudência e o sentimento de que pode ser preciso partir o mealheiro de um momento para o outro; com o dinheiro não se brinca. Fantasias arriscadas evitam-se: na Primeira Grande Guerra o país conseguiu ficar neutro; no fim dela acolheu o Kaiser deposto que em 1941 lá morreu feliz, convencido de que Hitler triunfaria. Na Segunda, invadido pela Alemanha, foi de todos os países europeus ocupados aquele cujas autoridades colaboraram mais eficazmente com os nazis no plano de exterminação dos judeus. Depois da vitória de 1945, a Rainha voltou para a Haia do exílio em Londres e o país foi um dos fundadores da OTAN e do que é hoje a União Europeia. Tornou-se, por comparação com os vizinhos, um paraíso para minorias —  desde transsexuais a sírios maltratados. Modelo de democracia e protecção dos direitos humanos, defende com unhas e dentes os seus interesses comerciais, seja onde for no mundo. Perante Israel, na Europa só os alemães os batem em culpa. Há uns 20 anos, o ministro dos estrangeiros anunciou-me que o lema da política externa holandesa era: “Paz e lucros”.

 

Foi feixe de contradições assim que levou Jaime Gama a dizer-me um dia “Você sabe? A política externa holandesa faz-me nojo”. Simon Schama, com visão de historiador, encontrou melhor fórmula para a inquietação das almas naquele canto da Europa: “O embaraço da riqueza”. A mim “Paz e Lucros” como lema para quem queira prosperar no mundo sem fazer muito mal aos outros, parece honesto e sensato.

 

Quanto a longevidade, não sei se há prospecções feitas para Portugal e, se as há, que números dão. Palpita-me que não deitaremos tão longe na idade (como me palpita que não seremos tão altos). Antes assim, dado que, a menos que se decretem eutanásias etárias — impopulares em princípio e conflituosas na aplicação — o comer dos velhos custará cada vez mais ao trabalho dos novos. Teremos, em todo o caso, de temperar a vontade (tomar o país ao mar é tarefa de todas as gerações; tomá-lo aos mouros foi de duas ou três) - ou de desfeitear as estatísticas, como o meu amigo Zé, hospitalizado com coisa má, a quem telefonei outra vez.

 

Vai na terceira sessão de quimioterapia. “E então?” “Disseram-me que ia perder o cabelo todo mas não me caiu nem um”. Riu-se e acrescentou: “A barba é que se pôs a crescer, rija como nunca antes”. Ah grande Zé! Fossemos todos como tu e a Pátria estaria salva.

 

link do postPor VF, às 08:52  comentar

pesquisar neste blog
 
mais sobre mim
Translator
sitemeter
contador sapo