26.11.14

 

nuba12

 Nuba, 1962-77 © Leni Riefensthal

 

 

 

José Cutileiro.jpg

 

 

Contas às vidas

 

 

Leitora atenta acha que reflexão sobre os ricos e os pobres tem muito que se lhe diga e é bastante complicada aos seus olhos. “É que para mim os ricos somos nós todos aqui no Ocidente, brancos, a quem não falta água quente para tomar banho e comidinha no prato, assediados por aqueles que se metem em barcaças e morrem à média de 5 por dia para tentar cá chegar (números de 2007, hoje devem ser mais). Assim, aos meus olhos, é tudo relativo em termos de desigualdade aqui por estas nossas bandas”.

 

Nem de propósito. Estudo apresentado quinta-feira passada por um grande banco suíço e uma agência de conselho a afortunados mostra que os cerca de 211.000 “ultra-ricos” deste mundo continuaram a prosperar em 2014 e detêm hoje 13% da riqueza mundial. O seu número aumentou de 6% e o seu património de 7%, chegando ao equivalente do dobro do PIB dos EUA. Estes ricos-ricos — patrimónios superiores a 30 milhões de dólares por bico — representam só 0,004% da população adulta mundial e compraram 19% dos produtos de luxo vendidos o ano passado. Enriqueceram ainda mais graças à boa saúde das bolsas — apesar de conflitos geo-políticos, tensões sócio-económicas, volatilidade dos mercados financeiros. Embora na Ásia vivam 46.635 deles — e tenham este ano aumentado em África mais do que noutra partes do mundo — concentram-se nos Estados Unidos (74.865) e na Europa (61.820).

 

Como, graças ao Estado providência, o fosso entre pobres e ricos na Europa é e será por muito tempo muito menos fundo do que noutros continentes, a minha amiga parece ter razão e os europeus deveriam ter vergonha e deixarem de se lamuriar.

 

Só que, como ela diz, a reflexão é complicada. Há quase 50 anos, tinha Portugal um Império Colonial e a Guerra Fria pautava o mundo, já a destruição criadora fazia das suas ao ponto do Luís Monteiro se gabar de ser um “nouveau-pauvre”. (Se estava convencido disso ou não, não sei. O Luís - de “Um homem não chora” e de “Felizmente há luar” - era mitómano, o que emaranhava a conversa: “A verdade, Zé, é uma água muito quente onde eu de vez em quando meto um dedo a ver se ainda queima, e ainda”). Seja como for, riqueza e pobreza extremas assustam à primeira vista mas depois a gente habitua-se; números como os que vão acima são difíceis de entender, como seriam os da fome e do analfabetismo — não é da leitura de estatísticas que bem estar ou mal estar vem. Os termos de comparação são o ano passado e o vizinho do lado. Os europeus veem que os seus vizinhos estão todos tão mal ou pior do que eles e percebem que — pela primeira vez há um par de séculos — os filhos vão passar pior do que os pais (sem sequer, ao contrário do que acontece noutros cantos do Mundo, fé descabelada em Deus que lhes engane a fome).

 

Uma achega mais à complicada reflexão. Enquanto, desde 2008-10, a Europa se atasca, roçando agora a deflação, milhões e milhões de pessoas no mundo inteiro passaram a comer todos os dias e para elas o século XXI é cornucópia de abundância.

 

 

 

 

   

link do postPor VF, às 09:01  comentar

pesquisar neste blog
 
mais sobre mim
Translator
sitemeter
contador sapo