12.11.14

 

Mother-and-Child-with-Orange-1951.jpgMother and Child with orange, Picasso 1951

 

José Cutileiro.jpg

 

 

Tiago, 4 anos; Europa, 2.500 desde o Século de

 

Péricles.

 

 

 

Garantem-nos que desta vez é mesmo a decadência do Ocidente e a passagem da Europa de cavalo a burro. Em tempo real, sem anestesia. E com rol de queixas: aquecimento global; envelhecimento debilitante; deflação; Ébola e outras pandemias; Rússia que quanto mais come mais vontade tem de comer; sarracenos matando-se uns aos outros em nome de Deus com sanha que tínhamos esquecido (e a decapitar alguns de nós para nos avivar a memória); China – Perigo Amarelo! - a dar má vizinhança marítima e a despejar sobre nós cada vez mais bugigangas que fabrica; zaragatas que dantes não havia ou de que não nos dávamos conta; os bárbaros às portas da cidade — tudo afogado no saber digital como pêssego em calda. Que mundo vamos nós deixar aos nossos filhos? — afligem-se pais e mães.

 

O pai do Tiago fez a pergunta contrária: “Que filhos vamos nós deixar ao mundo?”. Estavam a passar uns dias connosco e nisto de pais com filhos pequenos ficou-me de exemplo a resposta recebida há 20 anos da mulher do meu chefe de gabinete. Era domingo, ainda não havia telefones portáteis, eu precisava de falar com ele, liguei o número de casa e inqueri quando ela atendeu: “Como vai a mãe feliz de duas crianças extraordinárias?” “Desculpe, Senhor Embaixador. A mãe extraordinária de duas crianças felizes.”

 

Tiago é uma criança feliz e a felicidade é contagiosa. O restaurante onde os levámos na sexta-feira tem três salas e a certa altura parlamentou com o pai licença de ir espreitar a que não se via bem da nossa, perto da cozinha. Voltou de olho a brilhar - “Há uma festa!” anunciou, disse que lhe tinham dado um beijinho e quis lá tornar com a mãe. Foram, voltaram, o jantar continuou e de repente, pelas minhas costas chegou à nossa mesa redonda grande fatia de bolo de chocolate, trazida ao Tiago num prato de sobremesa por mulher bonita, alta, de longos cabelos louros, confiante, rendida ao sedutor de 4 anos, e que a seguir voltou, alegre, para a sua festa de anos.

 

E a decadência do Ocidente? Há cada vez mais velhos na Europa e, como Helmut Wohl me disse já há muitos anos, os violinos e os vinhos melhoram com a idade; os pianos e as pessoas pioram. Por muito que se queira contentar a terceira idade, o contentamento não é natural nela. Infelizmente, como em quase todos os países europeus — com saudável excepção da França — todos os anos morrem mais pessoas do que nascem, o velho continente ocupa lugar cada vez mais pequeno no mundo. Mas, enquanto houver mães e pais admiráveis de crianças felizes, que não perguntem que mundo vão deixar aos filhos mas que filhos vão deixar ao mundo, crianças contentes na descoberta da vida desmentirão a decadência do Ocidente.

 

Em Portugal há mais. Tiago e os pais ficaram cá em casa por eu ser padrinho da mãe dele. Amigo que os trouxe do aeroporto não pôde depois levá-los por ir a Lisboa ao baptismo de um sobrinho. Retornados em 75, austeridade agora, férias — a família cobre tudo.

 

 

 

link do postPor VF, às 06:05  comentar

pesquisar neste blog
 
mais sobre mim
Translator
sitemeter
contador sapo