2.4.14

 

 

 

 

Susana e os Velhos (1610)

Artemisia Gentileschi

 

 

 

 

A caça aos velhos

 

 

Quando eu era pequeno os meus pais tinham sempre razão. Quando o meu filho era pequeno o Dr. Spock já mudara as regras e quem tinha sempre razão era o meu filho. Feitas estas constatações receei às vezes que, se chegasse a velho, alguém tivesse entretanto descoberto que o melhor para os velhos era matá-los.

 

Humanistas horrorizados e tecnocratas como se não fosse nada com eles dizem-me agora que estamos à beira desse dia. O ambiente é propício: por exemplo, um estudo recente da Universidade Católica de Louvain mostra que empregados com mais de cinquenta anos de idade dão prejuízo financeiro às empresas onde trabalham. E é por aí que o gato vai às filhoses.

 

Comparação com África é instrutiva. Até meados do século XIX, em muitas sociedades tradicionais ao sul do Sará, os homens velhos tinham muito mais prestígio e poder do que os novos. Mandavam na aldeia, escolhiam as melhores mulheres, comandavam as hostes na guerra. Os novos obedeciam e esperavam a sua vez. Com os colonizadores veio o trabalho pago a dinheiro nos campos e nas minas. Numa economia monetarizada os novos tornaram-se os senhores: podiam, mais do que os velhos, comprar vacas para pagarem noivas e bens de consumo em geral, abundantes e indicadores de estatuto como nunca acontecera. Toda a gente ficou contente com a mudança — tirando, já se vê, os velhos.

 

Na Europa post-industrial a história foi diferente mas o resultado parecido — e pior. Os progressos da ciência e do bem-estar social estenderam a longevidade de maneira inédita, diminuíram a idade da reforma e restringiram o tamanho das famílias. Cada vez menos gente nova trabalha para sustentar gente cada vez mais velha. E os velhos, que já há muito tinham mau nome —

 

Em suma, somos os velhos

Cheios de cuspo e conselhos.

Velhos que ninguém atura

A não ser a literatura

 

E outros velhos. (Os novos

Afirmam-se por maus modos

Com os velhos). Senectude

É tempo, não é virtude.

 

escarnecia Alexandre O’Neill há mais de meio século — são hoje, em partes da sociedade portuguesa, mais mal vistos do que banqueiros, políticos ou jornalistas. O fim da picada.

 

E há mais. O predomínio descontrolado da economia financeira, desligando proventos da produção de bens, e a captura por gente do sector, jovem e altamente especializada, das alavancas do Estado, cavou um fosso entre o bom senso da maioria dos portugueses e a insensatez militante de quem os governa. Tal insensatez — ou “falta de inteligência emocional” — é frequente  em cientistas mas rara em políticos. Salvo talvez em Quislings, isto é, governantes que não prestam contas ao seu próprio povo mas a poder suserano de quem sejam vassalos.  

 

Quanto aos velhos? Impor eutanásia obrigatória — que poderia ser extinta, como o serviço militar, quando sábios da casa e da troika achassem que os números batiam certos. E a malta? A malta, na mesma: “Isto, Senhor Doutor, o que é preciso é a gente estar bem com a lei que há”. Descendentes dos heróis do mar? Ou dos que por cá ficaram?

 

 

link do postPor VF, às 10:15  comentar

De Nuno Mendes a 2 de Abril de 2014 às 11:49
Obrigado pelos seus textos, que haja alguma luz neste negrume.

Nuno Mendes

pesquisar neste blog
 
mais sobre mim
Translator
sitemeter
contador sapo