29.1.17

 

M hans-holbein-1523-death-letter-m-q75-500x498

 

melancolia
me.lan.co.li.a
nome feminino
(do latim melancholia)

 

Abatimento visceral, estado depressivo. A palavra latina veio do grego e designava originalmente a «bílis negra», um dos humores descritos por Hipócrates e Galeno, entre outros, configurando um dos temperamentos humanos básicos: o temperamento melancólico. Segregada pelo baço (spleen), a acumulação disfuncional da bílis negra nos órgãos internos, nomeadamente no cérebro, produziria um tal temperamento. A melancolia tem sido objecto ao longo dos séculos de largas reflexões, cuja notícia não cabe neste dicionário. Bastará recordar, e sem falar dos Antigos, a obra setecentista Anatomia da Melancolia de Richard Burton (cujas proposições, segundo o estudo clássico de Lily Campbell, muito terão contribuído para a definição da personagem Hamlet) ou o sentimento de spleen, a malaise omnipresente na poesia de Baudelaire e um dos seus traços essenciais. O rei D. Duarte descreve no seu Leal Conselheiro (c. 1438) a crise de melancolia por que passou: «Por quanto sei que muitos foram, são, e serão tocados deste pecado de tristeza que procede vontade desconcentrada, que ao presente chamam em mais dos casos doença de humor melancólico, do qual dizem os médicos que vem de muitas maneiras por fundamentos e sentimentos desvairados, - mais de três anos seguidos muito dele padeci, e por especial graça de nosso senhor deus me pôs de perfeita saúde.» Kierkgaard, Freud e tantíssimos outros autores a estudaram e se lhe referiram, em contextos e épocas diferentes. O autor polaco Marek Bienczyk acrescenta Pessoa à extensa lista, citando o «um nada que dói» do final de um poema de Álvaro de Campos. No entanto, um momento cuja referência é indispensável, pelo significado e alcance, é a gravura (1514) de Albrecht Dürer, precisamente intitulada Melancolia, que de algum modo se tornou o paradigma da condição melancólica. James Thomson, no poema The City of Dreadful Night, descreve a figura que é o centro da composição, concluindo «she gazes/With full set eyes, but wandering in thick mazes/Of sombre thought beholds no outward sight [olha/Com olhos totalmente fixos, mas errando por densos labirintos/De pensamentos sombrios não contempla uma visão exterior.] Num texto sobre a gravura de Dürer, Cioran observou que «c'est dans la mélancolie que l'homme est seul face à l'existence». Talvez seja nesse confronto que nasce uma espécie de tristeza que se origina nos ossos e se exprime num brando alcoolismo de silêncios.

 

 

 

link do postPor VF, às 01:32  comentar

pesquisar neste blog
 
mais sobre mim
Translator
posts recentes
Blogs Portugal
contador sapo