28.5.16

 

 

 

letter-e espelho.jpg

 

 

 

espelho
es.pe.lho
nome masculino
(do latim speculum)

 

 

Superfície regular capaz de reflectir a radiação luminosa que nela incide e que, se for plana, fornece uma imagem virtual, direita, simétrica, de igual dimensão à do objecto reflectido e sem distorção cromática. Os espelhos vulgares que temos em casa são fabricados com um vidro muito polido coberto de um dos lados com nitrato de prata a que se sobrepõe uma camada protectora de tinta preta. A parte da Óptica que estuda a reflexão da luz, e por extensão os fenómenos relacionados com os espelhos, tem o nome de Catóptrica.
O espelho, ou o efeito de espelho, é um elemento omnipresente na nossa cultura, e tal presença define a maior parte dos sentidos em que usamos a palavra. Narciso extasia-se e deseja a sua imagem reflectida na água até compreender a natureza vã desse amor sem solução (Ovídio, Metamorfoses, Livro III, 402-510). É que os espelhos não podem ser usados para mentir, pois a imagem produzida pelo objecto não se pode produzir na ausência deste, como salienta Umberto Eco no ensaio Sobre os Espelhos. E – embora se possa mentir acerca das imagens especulares –, os espelhos conservam simbolicamente a característica de assumirem uma espécie de ética de integridade (o reconhecimento da inteireza do corpo através da imagem especular de um «outro», de que falava Lacan) e uma exigência de representação da verdade. Veja-se, por exemplo, o espelho da Madrasta de Branca de Neve em relação à supremacia absoluta da sua beleza ou o diálogo de Hamlet com a mãe: «Come, come, and sit you down; you shall not budge;/ You go not till I set you up a glass/ Where you may see the inmost part of you.» [Venha, venha, e sente-se aí; não se mova; Não se vá antes de eu lhe trazer um espelho Onde poderá ver a parte mais funda de si] (Shakespeare, Hamlet, Acto III, Cena 4). Diz-se então que o espelho é implacável e insusceptível de ser enganado. A dissimulação será devolvida como dissimulação. Porém, o mesmo acontece com as ilusões de quem só vê o que quer ver, que é também, entre outras coisas, o princípio da vaidade: a imagem de um outro que nos olha com os olhos com que nos vemos, num espelho que assim se encerra e se torna impossível atravessar.

 

 

link do postPor VF, às 09:00  comentar

pesquisar neste blog
 
mais sobre mim
Translator
sitemeter
contador sapo