20.2.16

 

 

 

 

 

 

Letter A.png

 

 

 

 

alarve
a.lar.ve
1. Nome (2 géneros)
2. adjectivo (2 géneros)

(do árabe al-árab, «os árabes»)

 

 

 

O alarve pode ser um rústico, mas é pela grosseria, pela bruteza, pelo excesso que se torna alarve. Tais atributos não são, porém, exclusivo do rústico, nem o rústico é necessariamente alarve. Pode ter-se comido alarvemente e ser-se um tipo decente. O que é diferente de comer como um alarve. O alarve gosta de pavonear o excesso, e esse é um registo particularmente alarve. A ignorância ostensiva é alarve. A importância empinada é alarve. O alarve tem a mania. Frequentemente tem a mania das grandezas. Há mais alarves entre os homens, embora a alarvidade se possa manifestar independentemente do género. O alarve é um campeão do sexo explícito no discurso e de contar cruamente anedotas picantes, mas é, ao mesmo tempo, um mestre do eufemismo e da alusão: diz coisas como «fogo», «fónix» e «tintins». O olhar constitui uma manifestação particularmente rica do alarve. Há ideias alarves. Chama-se alarvejar à acção dos alarves, que é também o termo onomatopaico que se lhes aplica. O alarve gosta de cooptar os outros para a sua própria alarvidade. O alarve gosta de mandar, razão pela qual há muitos alarves na política e no poder. O alarve gosta de fazer voz grossa, mesmo que isso por vezes não passe de um acto falhado. O alarve pretensioso gosta de usar as pessoas: no bolso ou na lapela.

 

 

 

 

link do postPor VF, às 09:00  comentar

pesquisar neste blog
 
mais sobre mim
Translator
sitemeter
contador sapo