14.1.09

 

 

Nos corredores da Faculdade surgia o neo-realismo, receita de um estado novo ao contrário. Eu lia. Comprava esse movimento de sinceros e insinceros, sangue na estrada, miséria no lar, justiça que se impunha. O Alentejo dava porcos e neo-realismo, e passados mais de vinte anos continuava ainda a dar mais porcos e neo-realismo, tal o atraso de subdesenvolvimento em que nos encontramos. A cobertura quase total, os críticos mais apaixonados, tudo que não estivesse na defesa do povo, era condenado. Eu estaria para sempre condenado — um apátrida das letras. Mal sabia que daí a meses o acaso, mais uma vez na vida, me faria mudar de rumo. Iria encontrar em cheio, no domínio do poder literário, a força antídota e semelhante à situação política — aguardava-me em Coimbra a maçonaria poderosa e crescente do neo-realismo. O público estava já habituado ao ersatz, os editores caldeiravam a ração sem razão, não sabiam, dava-lhes dinheiro, como o algodão de Angola, o café e os diamantes. Havia que emborcar, e estar calado, saíndo fora da linha resultava levar na cabeça. E do Alentejo continuava a desembarcar mais prosa e mais suinagem. Tudo era verdade, quem não estivesse dentro da ordem nova, um excomungado. Havia que pertencer a uma ordem maçónica. Estar junto, amancebar o nosso espírito. Talvez a exigência da época, pensava eu. Qual época qual carapuça, sim a exigência mesquinha do português de querer tudo arregimentado. Essa a triste conclusão. O intelectual português passou séculos de perseguição e de miséria, não pode ter grandeza, a grandeza é produto da liberdade. No útero da sua natureza andrógina ele ainda ouve os sons da Inquisição, o silêncio da procissão dos autos-de-fé. Como haviam de aceitar um artista? Um artista só se aceita quando há liberdade de expressão. Foi assim que receberam Eça de Queirós, que sentiram Raul Brandão. Se eles ainda respirassem, seriam pasto para se queimarem vivos, tanto por parte dos neo-realistas como dos estado-novistas, ambos totalitários, ambos negadores de uma verdade de expressão que se sobrepunha à sua receita. Como podia eu ter consciência de culpa de um crime que não praticava?

A resposta foi dada pelo Cinatti ao publicar a revista Aventura. Ele não fazia cerimónia para dizer a verdade, menos ainda o Jorge de Sena, o Carlos Queirós, a Sophia, o José Blanc de Portugal, o Casais e tantos outros que colaboravam — "uma cidadela fundamentada na Amizade".

 


 

 

Ruben A.

in O Mundo à Minha Procura (vol.II)

 

 

 

Dedicatória aos meus pais

do segundo volume da autobiografia de Ruben A.

1966

 

 

Mais sobre o autor aqui , a sua autobiografia aqui e a sua fotobiografia aqui

 

 

link do postPor VF, às 13:08  comentar

De Ana Vidigal a 14 de Janeiro de 2009 às 20:47
Vera, venho aqui praticamente todos os dias. Bjos ana

De VF a 15 de Janeiro de 2009 às 00:09
Querida Ana,
o teu comentário é um grande estímulo para mim. Muito obrigada!
beijo
Vera

De Rosário Sousa Machado a 11 de Abril de 2009 às 13:07
querida verinha ,
é só para saberes que tenho vindo ao teu blog para bisbilhotar. A curiosidade impele-me e sou recompensada pela variedade e riqueza da informação que disponibilizas. Belo trabalho.
[Error: Irreparable invalid markup ('<br [...] <a>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

querida verinha , <BR>é só para saberes que tenho vindo ao teu blog para bisbilhotar. A curiosidade impele-me e sou recompensada pela variedade e riqueza da informação que disponibilizas. Belo trabalho. <BR class=incorrect name="incorrect" <a>bijos</A> <BR class=incorrect name="incorrect" <a>rosarinho</A>

De VF a 16 de Abril de 2009 às 13:41
Rosarinho,
O teu comentário, deixou-me muito satisfeita, pelo teu interesse e por assinalares a 'variedade' do material que apresento. É que tenho-me esforçado de facto por variar, para ver se não maço o Leitor!
beijinho e muito obrigada,
Vera

pesquisar neste blog
 
mais sobre mim
Translator
sitemeter
contador sapo