26.4.17

 

 

france 2017

França, 2017 

 

 

 

José Cutileiro

 

 

 

A caça aos pobres

 

 

 

Nos Estados Unidos, os brancos (e brancas, o machismo do homem não as apoquentou) pobres, desempregados, adoentados, alcoolizados, suicidários dos Estados, antigamente industriais, que votaram Trump em Novembro passado quando 8 e 4 anos antes tinham votado Obama e que o aldrabão mal formado dos reality shows e dos concursos Miss Universo vai tornar mais desesperados ainda, sabotando o programa de assistência na saúde de Obama em vigor (não conseguiu substitui-lo por programa melhor contra o que prometera na campanha eleitoral: o núcleo duro do Partido Republicano entende que a culpa dos pobres serem pobres é dos pobres, que se adoecerem e não tiverem dinheiro para se tratarem, paciência, e que quando morrerem Deus saberá para onde mandar as suas almas) e cortando no orçamento federal inúmeras verbas destinadas a ajudarem pessoas a reintegrarem-se no mundo do trabalho - toda essa gente que esperava até de madrugada se Trump chegava atrasado aos comícios, continua a achar que só ele a entende e se bate por ela em Washington.

 

Lembrei-me deles (e delas) no Domingo à noite quando uma das cadeias de televisão francesas que cobria as eleições passou mais uma vez, já tarde, pelo feudo de Marine Le Pen nos Hauts de France (departamento que se chamava dantes Nord – Pas de Calais mas há anos reforma administrativa libertou o poeta que dormita na alma de cada burocrata francês, dando-lhe nome mais subido) e entrevistou dois apoiantes dela, homens novos da classe operária que não estavam exuberantes porque tinham esperado que ela ganhasse a primeira volta mas ficara em segundo lugar o que dá para passar à volta final mas não é tão glorioso. “Só ela é que entende o povo”; “Só ela sabe falar connosco” disseram. “Os outros são todos liberais”. (Não teriam dado ainda pela subida fulgurante de Jean-Luc Mélenchon, que chegou em quarto lugar muito perto do terceiro, orador entusiasmante, sensato sobre o meio ambiente, que tiraria a França da União Europeia e a associaria a Cuba e à Venezuela numa grande frente de esquerda. Douce France…). Filmado mais cedo na sua horta, viu-se homem de meia-idade, triste mas sorridente, que tinha sempre votado comunista mas há duas eleições votava Le Pen. “Na segunda volta tudo pode acontecer.”  

 

(Como dizia o meu professor de matemática na Valsassina, quando se irritava com incompreensão de equações simples por aluno chamado ao quadro: “Oh senhor! É bom ser burro mas não tanto!”)

 

Mas, indo ao cerne da questão: o fim do comunismo não foi a irradicação de uma doença – foi o falhanço de um remédio. E o colapso da União Soviética bem como a ética peculiar da China fizeram o capitalismo tomar escandalosamente o freio dos dentes. Não será pela terceira via de Blair nem pelo Bonapartismo aggiornato de Macron mas se não se descobrir maneira de corrigir - a bem - diferenças entre muito poucos muito ricos e muitos muito pobres, vamo-nos meter numa broncalina do camandro - ou numa Bernardette do caboz.

 

 

 

 

link do postPor VF, às 09:00  comentar

19.4.17

 

 

aspirina

 

 

 

José Cutileiro

 

 

O fim das Luzes?

 

 

Em 2005, por altura da tentação de uma Constituição europeia, tinha havido dois avisos, dois “nãos” a referendos – um vindo de país onde não fica bem gastar dinheiro com mulheres e vinho e não se gosta de inflação (a Holanda); outro vindo de país onde fica bem gastar dinheiro com mulheres e vinho e uma pitada de inflação é o sal da economia (a França) – mas quem mandava nessa altura na Europa (que é mais ou menos quem agora nela manda) usou de falcatrua a que ninguém se opôs: tiraram dois ou três pratos da ementa proposta mas deixaram ficar os outros todos, apagando os nomes que lhes tinham dado e escrevendo no cardápio nomes diferentes. A malta (como o Zeca Afonso chamava à gente) esteve-se nas tintas porque se vivia ainda na tradição das trente glorieuses: o ano corrente fora melhor do que o ano anterior e o ano que viria a seguir seria melhor ainda do que o ano corrente, de maneira que, se a minha mulher-a-dias podia trocar de Toyota em segunda mão, não a aquecia nem arrefecia que eu trocasse de BMW ou o Rockefeller local – nessa altura era o Ricardo Salgado, agora ainda há menos quem se assemelhe à tribo americana – trocasse de Bentley.

 

A seguir vieram as crises começadas em 2008 e, na peugada delas, a austeridade. E a gente sem aprender. Não surpreende muito: quando se toma uma aspirina e a cabeça deixa de doer; quando, se se for preso, se pode chamar um advogado que consegue tirar-nos da cadeia ou, se a lei obrigar a que lá fiquemos, garante a nossa defesa ao abrigo de leis, até ao tribunal se se vier a chegar lá; quando, se se adoece, se tem direito a médico, tratamento e hospitalização; quando, se se perde o emprego, se tem direito a subsídio de desemprego, etc., etc., é difícil imaginar que neste baixo mundo se possa viver muito melhor do que assim.

 

De aspirina a subsídio de desemprego tudo se deve a evolução especial da humanidade na pequena península da Eurásia a que se chama Europa, durante os últimos quatro séculos. (O século de Péricles e Jesus Cristo também contaram mas, embora tenham sido conhecidos de civilizações orientais e médio-orientais, não levaram nelas milagres como os do desenvolvimento das ciências e do humanismo na Europa). Habituadas a viver com room service permanente, numa espécie de upgrading da condição humana tomado tão naturalmente como as estações do ano ou as marés, as nossas gentes não querem perceber que, como no filme de Tati Mon Oncle, “tudo comunica” e que, quem apoie o Brexit, Le Pen em França (amigo experiente aposta, dobrado contra singelo, que ela vai ganhar à primeira volta), Orban na Hungria, o gémeo sobrevivente na Polónia e também Erdogan na Turquia, Trump nos Estados Unidos, Putin na Rússia, vai apagando uma a uma as lâmpadas que nos alumiam; talvez mal e pouco mas não há outras. Fundamentalistas Corânicos ou Bíblicos (que negam a teoria da evolução) ou budistas (que limpam etnicamente a Birmânia) deixados à rédea solta darão cabo de tudo. Até da aspirina.

 

 

 

link do postPor VF, às 09:00  comentar

12.4.17

 

Patrie

 

 

 

 

José Cutileiro

 

 

 

Pátria

 

 

 

Em Novembro de 1994 fui escolhido para Secretário-Geral da União da Europa Ocidental, em Bruxelas. Havia quatro candidatos: um belga que desistiu quando outro belga, Willie Claes, foi escolhido para Secretário-Geral da OTAN; um político italiano substituído a certa altura por um diplomata italiano, fidalgo competente muito bem-educado – foi dele que recebi o primeiro telefonema de parabéns depois de ser eleito – e um espanhol, Enrique Barón Crespo, ex-ministro de Felipe Gonzalez, ex-Presidente do Parlamento Europeu, que a França tomara de ponta quando ele quisera mudar o Parlamento Europeu de Estrasburgo para Bruxelas (crime de lesa-majestade para qualquer alto funcionário francês, cujo lema é: L’État c’est (aussi) moi).

 

Um mês depois recebi uma carta manuscrita com estampilha francesa, remetida por Joaquín Romero Maura. Estivéramos juntos em St. Antony’s, eu antropólogo, ele historiador. Anos depois de Oxford, fui convidado para seminário sobre religião e política no Mediterrâneo, organizado em Roma por universidade americana. Numa manhã radiosa de Maio, o professor americano que presidia à reunião, careca como Mussolini, antes de começar os trabalhos anunciou gravemente que Martin Heidegger tinha morrido. “Should we do something?” Éramos uns vinte sentados a mesa quadrada e vi Joaquín, do outro lado, escrever num pequeno papel, dobrá-lo, passá-lo a vizinho do lado que o passou a vizinho do lado, até mim a quem vinha endereçado. Desdobrei-o e li: La classe obrera tiene un inimigo menos!

 

Abri o sobrescrito. A carta vinha em inglês, datada de Darkest Périgord e começava assim:      

 

Dear José,

The joy of seeing Enrique Barón loose the job almost made me forget to congratulate you on getting it. (A alegria de ver Barón Crespo perder o lugar quase me fez esquecer de te dar os parabéns por o teres ganho.)

 

Agradeci-lhe e nunca mais soube dele. Não sei se continuará historiador ou se   terá virado banqueiro; se Goody (dinamarquesa que em Oxford se recusara a viver em Summertown House, bloco de apartamentos da Universidade, porque a ideia de duzentas teses a serem escritas debaixo do mesmo teto a deixava deprimida) e ele continuam vivos, casados e felizes.

 

Gosto desta história – e mais ainda nos dias incertos que atravessamos – porque mostra o disparate sem nome dos patriotismos anti-europeus que agora vicejam e ganham raízes por vários cantos da Europa. Em França é com sentimentos assim que Marine Le Pen, na extrema direita, e Jean-Luc Mélenchon, na extrema esquerda, animam a malta – onde pululam, de um lado, beatos integristas e, do outro, devotos de Estaline e de Trotsky. Se qualquer deles os dois for eleito Presidente, a União Europeia acabou. Édouard Macron sabe isso, sabe muito mais coisas ainda e julgo que seria capaz de meter a França nos eixos sem dar cabo dela. Mas talvez lhe falte o jeito de um Bill Clinton ou de um Mário Soares para convencer pessoas burras a quererem coisas inteligentes. Carisma, chamam-lhe alguns.

 

 

 

link do postPor VF, às 09:00  comentar

10.4.17

 

F Hay-font-letter-F

 

 

 

fezada
fe.za.da
nome feminino
(de + z + sufixo ada)

 

Crença, convicção, grande fé. Porém, ao contrário da fé, cuja relação com a razão foi vasta e fundamentadamente explicada por Bento XVI, o «papa mau», ao tempo explicado assim às crianças e ao povo por certos sectores eclesiais, a fezada não carece de um fundamento absolutamente racional. Carece de vontade e de esperança, é certo, e em grandes quantidades; de wishful thinking, que o patriotismo linguístico tem limites, mas não se baseia em argumentos irrefutáveis, antes em sinais de leitura intransmissível. Radica no «palpite», na convicção íntima, inalienável e intimamente construída, na intuição -- mesmo certeza -- inexplicável. Ter fezada porque sim. No fundo, uma aposta contra as leis da probabilidade. Ter uma fezada no Euromilhões em dia de prémios grandes, ter fezada na vitória do Benfica em maré baixa contra um clube dado como inultrapassável. Há quem viva sem fé, não parece plausível que se consiga viver sem fezadas.

 

 

 

link do postPor VF, às 16:19  comentar

5.4.17

 

SGB_news banner Oxford_BEB000016-01

 

 

 

 

 

José Cutileiro

 

 

 

Primavera

 

 

 

Só me dei verdadeiramente conta da Primavera quando ela irrompeu em Oxford, no meu primeiro ano lá. Em Portugal havia uma estação cinzenta, chuvosa e fria de meio de Outubro a meio de Março e uma estação luminosa, quente e seca do fim de Março ao começo de Outubro. (E a Primavera de Cabul, em 1952, entrara e saíra também sem eu dar por ela). Com muitas árvores de folhagem permanente e pouquíssimas de folhagem caduca (ou, em Cabul, quase sem árvores), a natureza não parece morrer e ressuscitar todos os anos como acontece em partes mais temperadas da crosta terrestre do que a Lisboa e o Cabul dos meus liceus, francês em Cabul, Lycée français de Kaboul chamado da Independência, fundado em 1922, destruído pelos talibãs e reaberto em 2002; traduzido do francês em Lisboa, Escola Valsassina seguida de ano lectivo no Pedro Nunes. Nessa altura, o nosso curso dos liceus estava para o curso dos liceus em França como o Dicionário Prático Ilustrado da Lello está para o Petit Larousse: só mudava o vernáculo (e acrescentavam-se pessoas, lugares e feitos da nossa geografia e da nossa história).

 

A Primavera de Oxford foi um triunfo da vida sobre a morte para este meridional. Era ano particularmente trabalhoso para mim, a ler ou a escrever (com caneta) sentado em maples, raramente à mesa, sozinho no meu quarto de estudante de manhã à noite e pela noite fora ou ensimesmado no refeitório do colégio. De repente, a redoma estilhaçou: chegara a Primavera. As cidades portuguesas onde eu vivera tinham raízes árabes e depois da cabra o árabe é o mais implacável fazedor de desertos do mundo; intramuros, casas brancas apinhavam-se em ruas estreitas – da minha janela à tua vai o salto de uma cobra – fora de portas o baldio começava. Oxford, pelo contrário, mistura constantemente a cidade e o campo, no espaço de cada um e nos espaços de todos. Sem que eu me tivesse dado conta do que estivera a germinar, ao levantar um dia os olhos da leitura, tudo tinha mudado. Havia sol entre os ramos das árvores, entre as árvores e os telhados, nos papéis da minha mesa. As árvores, de todas as quais todas as inglesas e ingleses sabiam os nomes e que eu tratava por igual (franceses e italianos são também de ignorância penosa na matéria) tinham outra vez todas folhas e muitas das que se viam perto das casas davam também flores, brancas, encarnadas, amarelas, azuis. Do ar do dia ao sol nascente milhares de pássaros cantavam, namorando. Na minha rua, velhas que o frio escuro do Inverno guardara em casa, singravam de bicicleta a frescura da manhã, vestidas de algodões mais coloridos do que as flores das árvores - que naquela terra a viuvez não era negra.

 

Tudo isto já lá vai há mais de meio século. Entretanto Lisboa, Évora e Oxford mudaram como nunca tinham mudado em qualquer meio século anterior. E, mau agoiro, o clima está a pregar-nos cada vez mais partidas. Vou para a semana a Portugal. Dizem-me que vai chover enquanto no Brabante Valão se espera que faça Sol.

 

 

 

link do postPor VF, às 09:00  comentar

pesquisar neste blog
 
mais sobre mim
Translator
sitemeter
contador sapo