31.7.11

 

 

 

 projecto de Eduardo Anahory


 

O protótipo terá 30 metros por 20, sendo a superfície da piscina de 200 m2 (20 x 10 metros), ficando assim 400 m2 de «deck», o que permite a instalação confortável de mais de 100 pessoas. A toda a volta da piscina haverá o equipamento e serviços necessários a uma verdadeira praia: guarda-sois, colchões para banhos de sol, «snack-bar», etc.

 

Estas «Praias-Piscinas-Flutuantes» podem prestar serviço não apenas onde não existem praias mas também onde estas são pouco acessíveis — alagadiças ou menos acolhedoras — ou possuem uma fauna marítima de algum modo pouco tranquilizadora (medusas, tubarões, etc.) e, ainda, quando se trata de boas praias, mas que estão habitualmente apinhadas de gente, não podendo já oferecer nem espaço nem sossego.

 

Lisbon Courier, XXIII Ano- nº 268-269-Agosto de 1968

 

 

Veja também aqui

 

 


link do postPor VF, às 11:09  comentar

29.7.11

 

 

 

             

 

postais, anos 60


  

link do postPor VF, às 22:47  comentar

27.7.11

 

 

 

Portugal, Anos 50


 

 

Veja também aqui

 

 

 

link do postPor VF, às 12:17  comentar

25.7.11

 

 

 

Caparica,Portugal, anos 50 

(5 x 7 cm)

 

 

link do postPor VF, às 14:10  comentar

23.7.11

 

 

 

 

 

Desenho de Eduardo Anahory (1917-1985)
Revista Panorama, Anos 50

 

 

 

  

Eduardo Anahory, arquitecto, pintor, ilustrador, artista gráfico e decorador, inicia a sua actividade como artista gráfico em 1936 com a concepção, encomenda da Junta Nacional de Educação, do ex-libris comemorativo dos 10 anos da “revolução nacional”, da capa do Guia Oficial da Exposição do Mundo Português, e mantém uma assídua colaboração na revista Panorama. Participa, também, noutras iniciativas do S.P.N./S.N.I., como a I Exposição de Montras (Lisboa, 1940), as Exposições de Arte Moderna (1945 e 1946), os pavilhões da “Secção da Vida Popular” na Exposição do Mundo Português (1940) e o I Salão Nacional de Artes Decorativas (1949).

 

 

 

Veja também também aqui e aqui 

 

 

link do postPor VF, às 01:11  comentar

21.7.11

 

 

 

 

 

Centro Espacial Kennedy, Cabo Canaveral (esta manhã)

foto: Joe Skipper/Reuters

 

Mais aqui

 

Veja também aqui

 

 

 

link do postPor VF, às 12:25  comentar

20.7.11

 

 

 

 

 

cartaz do SNI

outros aqui

 

 

link do postPor VF, às 12:00  comentar

18.7.11

 

 

 

 

Bilhete-Postal da primeira década do séulo XX, Edição Adelino Alves Pereira.  

Veja outro aqui

 

link do postPor VF, às 00:33  comentar

15.7.11

 

 

 

 

Foz do Arelho, Portugal, 1911

 

 

 

sobre a fotografia vernacular leia aqui 

 

link do postPor VF, às 00:12  comentar

12.7.11

 

 

 

Portugal, anos 40

(Instanta) 4,5 x 4,5 cm

 

 

 

Mais aqui e na tag "snapshot"

 

 

 

link do postPor VF, às 23:43  comentar

9.7.11

 

 

 

 

Portugal, 1964

 

 

 


3.7.11

 

 

  

 

Portugal, 1970

 

 

 

A «Praia-Piscina-Flutuante» é um interessante empreendimento do arquitecto Eduardo Anahory, a que deu o nome de «Seapool».

 

Esta praia-flutuante pode definir-se como sendo uma grande jangada no centro da qual fica instalada uma piscina com paredes e fundo perfuradas, em rede de nylon, de modo a que a água seja constantemente renovada e filtrada. Esta jangada é constituída por elementos modulados cuja montagem, desmontagem e armazenagem é de grande facilidade.

 

A primeira «praia-piscina-flutuante» cuja inauguração assinalámos em número anterior, esteve instalada em frente da praia do Tamariz, no Estoril, durante o Verão deste ano. Era composta de 32 elementos com as medidas exteriores de 30 metros por 20 metros, tendo a piscina propriamente dita, as medidas de 20 x 10 metros. No «deck» de 400 m2, podiam instalar-se confortavelmente 100 pessoas, além do equipamento de bar, instalações sanitárias e equipamento acessório: guarda-sol, cadeiras e mesas.

 

A gravura mostra-nos um aspecto da «Seapool» instalada na praia do Tamariz. A despeito do elevado número dos seus utentes e de ter suportado por vezes ventos e ondulações fortes, não sofreu quaisquer estragos nas peças componentes. Agora desmontada e armazenada, voltará a ser instalada no próximo Verão.

 

Este tipo de piscina flutuante, além de trazer para o banhista a possibilidade de tomar banho ao largo sem correr qualquer risco, pode constituir óptima solução para as zonas da costa que não têm praias ou para ampliar e valorizar as praias acanhadas e superlotadas, podendo ser de grande utilidade também, com fins turísticos ou desportivos, em barragens e lagos.

 

 

 

in "Lisbon Courier" XXV Ano – nº 294-295-Outubro de 1970

 


link do postPor VF, às 20:33  comentar

pesquisar neste blog
 
mais sobre mim
Translator
contador sapo