28.3.09

 

 

 

 

Casa de Freitas  c. 1930

 Concelho de Amarante  

 

Aproveito o facto de ter evocado o meu bisavô Guilherme Pereira de Carvalho, no post anterior, para satisfazer a curiosidade de um amigo que, um dia destes, me perguntou com intuição certeira “que casa mágica é esta que serve de pano de fundo ao blog". Situada na região de Entre Douro e Minho, a 'Casa de Freitas' acolheu sucessivas gerações da minha família materna. Nos anos cinquenta foi inteiramente reconstruída, após um grande incêndio que só deixou de pé a fachada, mas o seu aspecto actual é praticamente idêntico.

 

Foram muitas as fotografias de família e amigos tiradas nesta casa ao longo do século XX e eu estava à espera de um momento oportuno para apresentá-la ao Leitor, desde que, logo no primeiro dia, abri com esta vista uma excepção à regra de não mostrar no blog imagens do livro Retrovisor, um Álbum de Família (a sair em breve). 

 

 

A Casa de Freitas terá sido mandada construir por António Pereira de Carvalho, nome a que correspondem supostamente as iniciais “APC” que encimam o portão do jardim. Sei que a propriedade foi comprada pelo meu bisavô a Joaquim Leite de Carvalho. Guilherme Pereira de Carvalho (1854-1927) — a não confundir com o meu avô, do mesmo nome — e Joaquim Leite de Carvalho eram naturais do Lugar de Freitas, na Freguesia de Telões, e ambos comerciantes estabelecidos no estado brasileiro da Baía. Uniam-nos laços de parentesco. Descobri recentemente esta fotografia de Joaquim Leite de Carvalho num álbum de família muito antigo que pertenceu a meu tio-avô António Guilherme Pereira de Carvalho:

 

 

Joaquim Leite de Carvalho

c.1900

 

Por morte de meu bisavô, a propriedade coube em herança a sua filha mais velha, Maria do Carmo (Mariêta), que por sua vez a deixou aos sobrinhos.

 

Hoje a Casa de Freitas pertence a um bisneto de Guilherme Pereira de Carvalho.

 

 

O álbum de António Pereira de Carvalho está aqui 

 

 

link do postPor VF, às 10:50  comentar

De David Ferreira a 20 de Setembro de 2012 às 23:10
Boa noite.

Tenho procurado referências sobre um Pão-de-Ló, entitulado Pão-de-Ló de Freitas. O mesmo é tradicional de Amarante, no entanto os doceiros de Amarante desconhecem por completo.
Sabe-me indicar se esta Casa de Freitas será a responsável pelo Pão-de-Ló de Freitas?

Melhores cumprimentos,

DF

De VF a 21 de Setembro de 2012 às 19:04
Curioso! Não sei, julgo que nunca ouvi falar, mas vou indagar.

De DF a 26 de Setembro de 2012 às 09:03
Agradeço-lhe. E se entretanto conseguir obter alguma referência, por favor diga-me!

Cumps,

DF

De VF a 31 de Dezembro de 2013 às 19:26
A receita do Pão de Ló de Freitas figura no livro "Cozinha do Mundo Português" (Edição Tavares Martins, 1962) da autoria de Maria Adelina Monteiro Grillo e Margarida Futscher Pereira. Posso assim confirmar que se trata de receita desta casa.

De DF a 6 de Janeiro de 2014 às 13:15
Agradeço a resposta. Sabe-me dizer onde será possível comprar (se é que ainda é feito) este Pão-de-Ló de Freitas?

Infelizmente não possuo o livro "Cozinha do Mundo Português".

De VF a 6 de Janeiro de 2014 às 13:29
O livro está esgotado há muitos anos. Sugiro que procure em alfarrabistas.

De Isabel Pacheco de carvalho a 30 de Março de 2015 às 00:06
Para quem queira saber a receita do Pão-de-Ló de Freitas, aqui vai...

Pão-de-Ló de Freitas
Ingredientes :

8 ovos
o peso de 2 ovos de açúcar
o peso de 2 ovos de fécula de batata
o peso de 2 ovos de farinha de arroz
1 colher de chá de fermento em pó
Confecção

Batem-se as gemas com o açúcar.
Batem-se as claras em castelo bem firme e adicionam-se cuidadosamente ao preparado anterior.
Finalmente, junta-se a farinha peneirada com o fermento e a fécula.
Tanto as claras como a farinha não devem ser batidas, devendo apenas ser misturadas em movimentos envolventes de baixo para cima.
Leva-se o pão-de-ló a cozer em forno muito brando (160ºC) numa forma muito bem untada com manteiga.
Depois de cozido, retira-se o pão-de-ló do forno, tendo o cuidado de não o deixar apanhar correntes de ar.

De VF a 2 de Abril de 2015 às 19:45
Muito obrigada Isabel!
e Boa Páscoa :-)

De Gonçalo Marques Barbosa a 9 de Fevereiro de 2017 às 19:31
Boa noite,

Esta casa teve em algum momento como proprietário Joaquim Rodrigues Teixeira, justamente nas primeiras décadas do século XX?

pesquisar neste blog
 
mais sobre mim
Translator
posts recentes
contador sapo