11.12.13

 

© Reuters / ABC

 

 

 

 

 

 

 

 

O baú do Kremlin

 

 

Escrevo longe da Pátria. A 1 de Dezembro era domingo, talvez haja quem nem se lembre de que já foi feriado. “Portugueses celebremos/ O dia da Restauração…”, 1640, a defenestração de Miguel de Vasconcelos (em todas as crises da nacionalidade houve fidalgos que traíram, lembrava o meu chorado Iá), o regresso a penates da Duquesa de Mântua, a chegada ao trono dos Braganças, quarta dinastia que durou mais do que qualquer das anteriores (370 anos) - tudo para esquecer.

 

Cabeças fracas, admiradoras bacocas de luteranos e calvinistas do Norte frio da Europa, querem fazer de nós gente essencialmente prática e, achando que tínhamos feriados a mais, cortaram a eito sem uma pálida ideia do que faziam. Não só por não saberem História mas também por pouco mais saberem seja do que for para além das preparações técnicas que receberam. E nem nessas são bons: para remédio da doença das nossas finanças os alemães impuseram austeridade e elas aplicaram-na no estado de espírito daquela senhora violada no pinhal da Azambuja por salteadores que tinham amarrado o marido a uma árvore. Quando acabaram e se foram embora ela libertou-o, contrita: “O que é que eu podia fazer, filho?”. “Nada, filha, mas escusavas de dar tanto ao rabo”.

 

É o dar ao rabo, o contentamento em punir madraços (que não somos, salvo aos olhos vesgos do Norte da Europa) que o povo não perdoa aos nossos governantes, tanto mais quanto os programas que pressurosamente adoptaram foram emenda pior do que o soneto. (Comparem-se números de há 5 anos com números de agora, na economia e nas finanças dos países a quem a austeridade foi imposta). Até o Papa, cujo reino não é deste mundo, se indigna com o que se anda para aí a fazer.

 

Tratar o povo por cima da burra está na moda. Na Rússia de Vladimir Putin, antigo coronel da ex-PIDE-DGS local, a empresa Louis Vuitton fez construir na Praça Vermelha, à beira do mausoléu de Lenine, um pavilhão de exposições em forma de gigantesco baú – 10 metros de altura, 30 de comprimento – no estilo inconfundível da bagagem da casa, que tapava a vista da igreja de S. Basílio. Iria receber a exposição “Alma das Viagens” feita pela GUM, (antiga loja do Partido, hoje dos plutocratas), com patrocínio de super-modelo russa dada à caridade, namorada de um filho do patrão de Vuitton.

 

A Praça conheceu melhores dias. Antes de ser Vermelha, vira passar czares; depois, tivera Lenine eterno, paradas militares da URSS, Iuri Gagarin, regressado do espaço. Desde o fim da Guerra Fria, concertos rock, rinque de patinagem, passagens de modelos, saltos de moto, foram-na dessacralizando. O baú de luxo foi a gota de água: afirmação tão descarada do triunfo do capitalismo levantou contra ela não só os saudosos de Estaline mas outros filhos da Mãe Rússia, desgostosos com a modernidade. O baú não durou 24 horas: as autoridades que o tinham aprovado mandaram-no desmantelar.

 

Excessos eslavos? Ou lembrança de que o povo é fogo e quem brinca com ele acaba por se queimar?

 

 

 

link do postPor VF, às 00:09  comentar

pesquisar neste blog
 
mais sobre mim
Translator
sitemeter
contador sapo