22.3.17

 

José Cutileiro

 

As coisas são o que são. 

 

O que é ser? O que são coisas?

 

Quando perguntei ao Tio Zé Peidinho, pastor reformado (de gado, não de almas) como é que achava que o mundo tinha começado, analfabeto com melhor cabeça que muitos doutores que eu conheci – nesse tempo, doutores eram pelo menos licenciados em matérias estudadas em universidades e não técnicos enfeitados com o título no afã de serem promovidos a portugueses de primeira pelo tratamento que lhes passava a dar o comércio - respondeu: “Há de ter começado como tudo: de pequenino”.

 

O Tio Zé Peidinho tinha 82 anos, era muita idade nesse tempo, eu 32, e estávamos à conversa numa manhã de sol, só com barulhos de campo e de sinos da igreja da Vila às horas, meias e quartos de hora, porque escribas, acocorados ou não, precisam de saber às quantas o mundo anda. Pontualidade mais rigorosa só chegou com máquinas que exigiam disciplina no trabalho, começando no Noroeste da Europa com o que se chamou a revolução industrial. No lugar onde o Tio Zé Peidinho e eu estávamos tal revolução nunca tinha realmente chegado mas produtos e subprodutos seus tinham já feito mudar muita coisa: antes da fábrica de cartão construída na margem do Guadiana, antecipada com desconfiança (“Como se eu acreditasse que aquela merda serve para fazer papel” rosnou o secretário do tribunal da sua cadeira de lona na esplanada do Café Central à passagem lenta de um reboque carregado de maquinaria) mas que, pela primeira vez na história local, deu trabalho a operários entra o ano, sai o ano (até albufeira da barragem de Alqueva a ter deliberadamente submergido) encontravam-se na freguesia sinais claros de dependência do mundo exterior. Em casinhoto no sopé da colina havia há décadas uma bomba fabricada - e assinada - em Inglaterra para levar água do rio à cisterna intramuros lá em cima.

 

Registei a nossa conversa no gravador Philips e perguntei-lhe se queria ouvir. Ouviu atento e depois disse: “Olha que mánicazinha tã esperta!” Concordei, os dois embevecidos com aquela maravilha do progresso. Pouco tempo depois, em St.Antony’s College, Oxford, eu e um economista de turbante chamado Montek Sing que de lá foi para o Banco Mundial, ficávamos fascinados com grande fotocopiadora xerox na administração do colégio que além de nos fazer ouvir espécie de deglutição mecânica própria de tais engenhos, chispava luzes verdes. Talvez Montek e eu, o Punjab e o Alentejo, estivéssemos menos longe do campo original da espécie do que ingleses, americanos, alemães, judeus e outros que também viviam no Colégio e não me lembro de encontrar na contemplação da copiadora.

 

Remanso que acabou. Exponenciações da lei de Moore aceleram inexoravelmente o mundo digital. Física quântica tem aplicações práticas inesperadas e surpreendentes. O resto da natureza sofre ainda mais do que nós. Políticos desorientados querem diminuir trocas comerciais e produzir mais armamentos. Estamos a ficar analfabetos e não somos tão espertos como o Tio Zé Peidinho.

link do postPor VF, às 09:00  comentar

20.3.17

já-agora
já.a.go.ra
advérbio + advérbio
(do latim: jam + hac hora, nesta hora)

 

Bem sei que o dicionário regista palavras, unidades lexicais, e esta entrada é formada por duas, dois advérbios de tempo de significado similar, usados em conjunto em muitíssimas situações. Como noutros casos, aqui o resultado não é igual à soma das partes, o que torna ainda mais difícil explicar de forma lógica o sentido do seu uso. É uma das expressões do português mais difíceis de traduzir e de explicar, por exemplo a um estrangeiro. A saudade tem fama de não ter equivalentes, mas o «já agora» é um caso bem bicudo. Nem sequer é fácil substituir este par por outra expressão equivalente. A sinonímia que alguns dicionários propõem não é completamente convincente. Talvez a expressão «visto isto» se aproxime, mas é isso mesmo, uma aproximação. Só com uma perífrase se consegue explicitar o sentido oportunístico da expressão: «já que aqui estou», «já que é assim», «já que pergunta», etc. A expressão traduz um sentido de oportunidade em que o locutor procura tirar partido de uma dada situação. Vejamos as diferenças e as semelhanças de uso nos seguintes contextos:
1.
- Quer beber alguma coisa enquanto espera?
- Já agora bebo um café, obrigado.

2.

 

- Vou levar o carro à revisão e já agora mando arranjar o espelho partido.

3.
O maioral agarra, viril, a moçoila e com a outra mão desabotoa a berguilha, quando ela escapa com um safanão. Vendo-se de mãos a abanar e de berguilha aberta, o maioral diz para si, «já agora mijo».

 

 

 

 

 

 

 

 

link do postPor VF, às 09:00  comentar

15.3.17

José Cutileiro

 

 

Patriotas

 

Recep Tyyip Erdogän (devia haver uma espécie de v, em vez de trema, sobre o a mas falta no meu teclado embora só um tonto ou um fanático se queixaria disso: há quase um século Mustafá Kemal, depois conhecido por Kemal Ataturk – pai dos turcos – mudou o alfabeto em que se escrevia a língua turca do árabe para o nosso e ninguém se lembrou ainda de voltar para trás; conta-se de resto que o grupo de sábios encarregado da tarefa não atava nem desatava há mais de um ano quando Kemal mandou um dia vir a papelada, trabalhou sobre ela a noite inteira e de manhã fez entregar o alfabeto novo aos sábios), Recep Tyyip Erdogän, dizia eu, é déspota oriental obrigado por um século de ocidentalização da Turquia a dotar-se de constituição, parlamento e outras modernices que nunca se deveriam dar ao povo - até porque, depois de dadas, é muito difícil tirar-lhas – de maneira que procura ajeitá-las o mais possível às exigências de uma monarquia absoluta. Primeiro-ministro de 2004 a 2014 e Presidente da República desde 2014, tudo ao longo dos anos como deveria ser, em eleições livres e limpas, vai em Maio fazer um referendo para aprovar nova Constituição que torne a governação muito mais presidencial do que parlamentar. Ao contrário do que Erdogän esperara, animado não só pelos triunfos eleitorais anteriores mas também por aumento da sua popularidade a seguir a tentativa falhada de golpe de estado que tencionara matá-lo e colocou brevemente ao seu lado até oposicionistas tradicionais, sondagens agora não o deixam achar que sejam favas contadas e a campanha pelo sim não pode desleixar-se. Ora em 2014 Erdogän e o AKP, seu partido, perceberam melhor que os outros partidos turcos que os votos da diáspora eram importantes e passaram a fazer campanha no estrangeiro, o que se prepararam para repetir desta vez.

 

Entretanto, porém, aconteceram duas coisas: por um lado, políticos populistas na Europa estimulam entusiasticamente o ódio aos muçulmanos; por outro lado, traços autoritários com toques paranoides foram-se acentuando em Erdogän, envenenando também as perspectivas de adesão da Turquia à União Europeia. Por fim, arranjo manigânciado entre a União e a Turquia permite à primeira mandar emigrantes de países terceiros à segunda e à segunda receber dinheiro e vistos. Alemanha, Áustria, Suécia e Suissa, também fecharam agora a porta a ministros turcos mas os holandeses foram mais brutos, os turcos lembraram o nazismo – muito eficaz na Holanda durante a ocupação alemã – e hoje as relações políticas entre Haia e Ancara viram Clausewitz do avesso: guerra por outros meios. (Erdogän chamou à Holanda e à Alemanha “estados bandidos”). Dá jeito a uns e a outros por agradar aos mais renhidos dos seus patriotas.

 

A França mistura a República mais monárquica do mundo com Liberté, Égalité, Fraternité e autorizou o MNE turco a ir lá falar, sendo hipocritamente condenada por outros europeus e (também tem eleições à porta) pela sua própria extrema-direita.  

 

 

 


12.3.17

 

eles
e.les
pronome pessoal masc. pl.
(do latim ille)

 

O contexto de utilização deste pronome que interessa aqui evidenciar é o da referência a uma entidade ao mesmo tempo indefinida e abstracta, embora de natureza colectiva, da qual o locutor se separa e distancia ao referir-se a «eles». Um trabalhador de uma empresa, digamos, por exemplo, caixa do supermercado, referir-se-á ao conjunto de regras que tem de cumprir e à cadeia hierárquica a que tem de obedecer – isto é, referir-se-á à empresa que integra – como «eles». Num outro exemplo, um professor referir-se-á ao Ministério a cujos quadros pertence como «eles». Em ambos os casos, o locutor exclui-se da pertença às entidades que menciona. E neste «eles» há um travo a ressentimento e a hostilidade. É toda uma visão do mundo. «Eles» são o «sistema», a autoridade, a organização. O «eu» não faz parte dessa pandilha, que olha com desconfiança (não raro justificada, diga-se). Nesse caso, constitui um enunciado de desresponsabilização: «eles» é que têm a culpa, «eles» é que disseram para fazer assim. «Eles» são, por exemplo, o hospital ou o centro de saúde, o banco, a escola, as finanças, a administração pública, a meteorologia (eles dizem que vai chover), o corpo director da empresa, a polícia, os transportes, e, mais recentemente, a internet, o Google e similares. E, no repúdio e na indignação, dir-se-á, na versão suave, «quero que eles se lixem!». O que comporta sempre um certo risco, porque «eles» estão em toda a parte e têm ouvidos de tísico. O que vale é que a gente não tem medo deles.

 

 

 

link do postPor VF, às 09:00  comentar

8.3.17

 

José Cutileiro

 

 

Na caixa do supermercado

 

 

No sábado à tarde, quando, com a minha mulher, empurrando num carrinho o que ia comprar, cheguei junto das caixas só estava aberta a última das três – a do velho pequeno, calvo, irritadiço e rabugento. Chamo-lhe velho, embora ele tenha com certeza mais de vinte c cinco anos menos do que eu, assim como posso chamar a antigo condiscípulo na Valsassina um rapaz da minha idade: manhas de sobrevivência que querem dar vestígio de doçura à vida e não se inventam por mal. Chamo-lhe rabugento porque, entre o ano saia o ano, faça chuva ou faça sol, no calor dos verões bons ou no frio dos invernos maus, foi sempre assim que o vi, agastado por a máquina se recusar a ler etiquetas de preço, por frutos não terem sido pesados, por não ter chegado ainda à caixa outro empregado que tivesse chamado pelo telefone, por causas de mim desconhecidas que o levem a murmurar sombriamente consigo mesmo palavras indistintas. Funambulista das relações humanas, nunca cai: não chega a ser malcriado com a clientela e nem tampouco a ser acolhedor.

 

La Grande Épicerie onde passamos depois do golf da Myriam antes de seguirmos para casa é a última escala contra mundo dos rituais da semana e quando vejo o velho na sua caixa, sempre a mesma, procuro se possível sair por uma das outras, onde as mesmas raparigas belgas, magrebinas ou ucranianas, que vão variando com as semanas, se ocupam de nós sem imposição lúgubre de personalidade. Neste sábado tal não foi possível e ainda bem porque aconteceu, inesperadamente coisa extraordinária. Enquanto passávamos as compras do carrinho para o tabuleiro rolante que vai dar à caixa o velho que falava com o cliente anterior, já despachado, deu uma gargalhada e, não me tinha eu refeito do espanto, porque não fora sequer sarcástica, mais outra e outra ainda, de riso aberto e generoso. O cliente ria também, contente, em frente dele e saiu a seguir para o parque de estacionamento. O velho voltou-se para nós e eu disse-lhe:

 

 

“O Senhor vai desculpar-me o que eu lhe vou dizer mas nunca o vi tão feliz”.

 

 

“Devo tomar as suas palavras como um cumprimento?”

 

“Com certeza.”

 

 

“É que nunca estive tão feliz. Nem julguei que me pudesse alguma vez acontecer. Mas aconteceu, há umas semanas. E na minha idade. Encontrei a mulher dos meus sonhos” (falávamos na sua língua, o francês da Walónia, e o que ele disse foi J’ai trouvé la perle rare que é uma das imagens conhecidas da língua francesa para referir momento assim) “Nunca pensei que me aconteceria a mim” repetiu e ria, olhando-me nos olhos, contente de estar feliz.

 

Paguei, pusemos os sacos no carrinho e saímos para o parque de estacionamento. Tinha parado de chover e pensei que se eu acreditasse em espíritos e mesas de pé de galo procuraria quem pudesse conjurar Maupassant ou Tchecov ou O. Henry para eu lhe contar a história e ele fazer dela o que quisesse. Assim, pensei que só é pessimista quem quer. E que – longe vá o agoiro – é capaz de haver Deus.

 

 

 

link do postPor VF, às 09:00  comentar

5.3.17

 

 

ludíbrio
lu.dí.bri.o
nome masculino
(do latim ludibrium)

Embuste, engano; habilidade ou manha conducentes ao logro. A primitiva acepção de escárnio incorporou-se no significado que vingou na língua actual, envolvendo a menorização ou o desprezo pelo ludibriado, que, não sendo propriamente néscio, faz figura de otário. Engano ou ilusão obtidos com acinte e malícia premeditados. Intrujice. Por extensão, significa também cilada, emboscada. Por analogia com o futebol, diz-se que fulano foi «fintado» com o significado de «enganado com habilidade»; ou «toureado» se a analogia for de natureza tauromáquica. Logro astucioso da percepção elevado, por vezes, à categoria de arte: com minúscula ou mesmo com maiúscula.

 

 

 

 

link do postPor VF, às 09:00  comentar

1.3.17

 

 

José Cutileiro

 

Duas na ferradura

 

Ia começar a escrever mais este Bloco (chamo-lhes Bloco-Notas e a Vera consente-me tal liberdade poética por ter um grande coração; ao se referir a eles ela própria chama-lhes Blocos de Notas que é como se deve dizer) quando tive o meu filho ao telefone que, entre outras coisas, me contou haver recebido de presente a História da Segunda Guerra Mundial de Winston Churchill (versão abreviada, só com cerca de mil páginas) e estar a antecipar o gosto de a ler. Churchill dizia que a História o iria certamente tratar bem porque tencionava ser ele a escrevê-la e assim foi; embora ajudantes eminentes, eles próprios historiadores, tenham molhado a sopa como também era inevitável e costumeiro noutras artes – Miguel Ângelo não deu todas as pinceladas precisas para acabar o teto da Capela Sistina, nem tampouco foi Wolfgang Amadeus a lançar no papel todas as notas das suas partituras. O Zézinho – a graça do meu filho é José, como é a minha e como fora a do meu Pai; o nosso sistema de parentesco é cognático com forte pendor patrilinear mesmo depois da extinção dos morgadios; o diminutivo resulta de inclinação linguística portuguesa e senioridade nas famílias – é, como o pai, grande apreciador de Churchill e perguntou-me se eu sabia o que é que Winston considerava o mais forte argumento contra a democracia? Não. Eu só conhecia o mais forte a favor (o pior sistema de governo tirando todos os outros). O mais forte argumento contra era conversa de dez minutos com um eleitor médio. Em qualquer dos nossos países.

 

O que durante as décadas a seguir a guerra (1939-1945) cujo resultado permitira a sobrevivência das democracias parlamentares ocidentais (e, como moda nova, também em outras partes do mundo) fora tomado por graça elitista travessa de que a gente se ria e de que se esquecia a seguir, dói agora até ao osso…. depois da eleição de Donald Trump nos Estados Unidos e da escolha dos cidadãos do Reino Unido de saírem da União Europeia, no ano passado; da desfaçatez de Geert Wilders nos Países Baixos e de Marine Le Pen em França, um e outra à beira de eleições nos seus países e aparecendo muito altos nas preferências dos eleitores em sondagens de opinião – espuma fumegante sobre caldo a ferver de ódio a estrangeiros, de preferência da força sobre a razão para dirimir questões com outra gente – Trump a querer estar sempre à frente na corrida aos armamentos o que é prudente mas não devia ser badalado assim e a cortar dinheiro que faria baixar tensões e tornar guerras menos prováveis; para não falar de países de Leste na Europa em que demãos apressadas de democracia estão a estalar depressa e a deixarem à vista indecências de poder e de vida que eram o pão nosso de cada dia nas sociedades criadas e sustentadas pela União Soviética.

 

As duas na ferradura? É que o ferreiro não acerta: para lá do que vemos não percebemos nada. Sabemos que os remédios populistas receitados fazem a emenda pior do que o soneto, mas qual é o bom caminho? 

 

 

 

 

link do postPor VF, às 09:00  comentar

26.2.17
 
ventriloquismo
ven.tri.lo.quis.mo
nome masculino
(de ventríloquo, latim ventriloquus + suf. ismo)
 
 
Coisa antiga, esta da loquacidade, quando não eloquência, ventral. Trata-se de uma técnica de dissimulação articulatória destinada a fazer crer que as palavras ouvidas não são emitidas pelo locutor. Coisa de sibilas e adivinhos, posteriormente listada como bruxedo e devidamente perseguida. Aplicar o discurso «ventral» a uma segunda personagem, também presente, é um artifício mais moderno, tornado número de circo em que o ventríloquo dialoga com um boneco que assim parece ganhar vida. Uma espécie de Galateia sem intervenção divina, mas onde a vida é um simulacro. A fala não é do boneco, mas sim de quem o manipula e lhe empresta a voz e as palavras. Por analogia, é o que acontece quando certas eminências falam por interposta inexistência, isto é, por intermédio de algum boneco vivo disposto a dar expressão à paixão desses Pigmaliões por si próprios. Entre políticos faz figura de artimanha e, como no circo, todos fingem que não se dá por ela. Ainda por cima, não raras vezes, o subterfúgio passa por sinal de inteligência.
 
 
 
 
 
 
 
link do postPor VF, às 09:00  comentar

22.2.17

 

 

José Cutileiro

 

 

Uma Europa alemã?

 

 

 

Os Deuses estão outra vez zangados connosco, pensariam Reis e Pontífices olhando à volta e talvez mandassem sacrificar vacas ou virgens se os tempos fossem para tais estratagemas. Mas não são: já não é por aí que o gato vai às filhoses. Na Europa, o Vaticano resistiu enquanto pôde mas Angelo Roncalli, mais conhecido por João XXIII, a cuja memória Pasolini dedicou o filme O Evangelho segundo S. Mateus, convocou o Concílio Vaticano II e começou uma grande mudança, tão grande que sobreviveu aos rigores do Papa polaco e ganha ânimo novo com as larguezas do papa Francisco. O meu chorado Nuno Bragança, católico progressista como se dizia na altura mas entusiasta lúcido desse progresso, achava que se João XXIII houvesse vivido mais dez anos “tinha dado cabo de tudo”.

 

Mas o Vaticano não é membro da União Europeia e é por causa do estado desta que tanta gente hoje dorme mal. Ataques a “união cada vez mais chegada” dos europeus, prometida fará sessenta anos no mês que vem no preâmbulo de tratado assinado em Roma, têm sido bem-sucedidos e outros estão na calha. Primeiro, o chamado Brexit, em que aldrabões sem vergonha convenceram populações inglesas ignorantes e (pela primeira vez há um século) mais pobres do que os pais tinham sido, de que seriam mais ricas e poderosas fora da União Europeia do que dentro dela. Mentira patética mas, com determinação de manada de bisontes trotando para se afogar no mar, políticos e burocratas meteram mãos à obra e não se vê marcha atrás. Segundo, o chamado Presidente Trump, maluco com mau fundo, que baixou para abismos inéditos os níveis - moral e intelectual - exigidos pela função sem que tal pareça ofender a sua base eleitoral, considera a Alemanha perigo maior do que a Rússia, e está constitucionalmente ao abrigo de junta médico-psiquiátrica. Terceiro, no futuro próximo, eleição provável de populistas na Europa. Em Março o partido de Geert Wilders deverá vir à cabeça na Holanda. Como a hipocrisia holandesa – que deveria ser património cultural distinguido pela UNESCO – não o deixará governar, coligação de outros se encarregará de ir aplicando o seu programa à socapa. A seguir em França Marine Le Pen poderá ser Presidente e, querendo proteger a produção nacional e sair do Euro, fará o descabello do touro europeu, malferido pela estocada do Brexit.

 

A esperança está na Alemanha onde há eleições em Setembro. A insistência desta na manutenção indevida de enorme superavit e a sua cegueira luterana diante das dívidas que a austeridade, em lugar de aliviar, vai aumentando não deveriam animar ninguém a vê-la como base de sustentação do que restar da Europa. Mas quer Merkel quer Schulz são europeístas convictos e Senhora que ousou abrir os braços a todos os desgraçados do Médio Oriente saberá explicar aos seus que poderão deixar reestruturar a dívida grega sem sequer darem por isso.

 

Ao princípio a ideia fora europeizar a Alemanha. À vista está a germanização do que resta da Europa. É a vida.

 

 

 

link do postPor VF, às 09:00  comentar

19.2.17

L-letter-decorated

 

 

 

locupletar
lo.cu.ple.tar
verbo transitivo e pronominal
(do latim locupletare, «enriquecer»)

 

O termo latino tende a desaparecer em favor da palavra bárbara («rico» tem etimologia gótica) com que se explica o significado do primeiro. Ainda utilizada no vocabulário jurídico brasileiro, no português europeu parece por vezes ultrapassar o significado de «ficar rico», «encher-se», «abarrotar-se» para significar também «abarbatar» ou «abarbatar-se», o que se abeira já de terrenos escorregadios. E, como é sabido, o locupletamento levanta demasiadas vezes um rol de interrogações sobre a sua origem. Como este dicionário pessoal é também um dicionário de autoridades, quem melhor do que Camilo para nos interpelar sobre temas pungentes em bom português: «No abatimento da minha pobreza estúpida ainda me resta o olho penetrante da consciência para ver e admirar a perspicácia dos homens que se locupletam, e mais ainda dos locupletados que conservam, com aplauso público, o rótulo da sua honestidade. Isto é que é saber, isto é que é a prova do grande alcance do intelecto humano!» (Vinte Horas de Liteira, 1864).

 

 

 

link do postPor VF, às 09:00  comentar

15.2.17

 

 

 

 

 

José Cutileiro

 

 

Dores de cotovelo

 

 

Quando eu era novo, dor de cotovelo queria dizer dor de corno mas de maneira bem-educada. Se noivo ou namorado (ou noiva ou namorada) de repente suspeitava ou confirmava suspeita de traição da bem-amada (ou do bem-amado) o incómodo moral e físico que tal provocava: um sei bem quê que nasce sei bem onde, vem sei bem como e doe sei bem porquê (viro do avesso farrapo de Camões, em vez de procurar palavras minhas, porque o tempo não está para extravagâncias e, se não pouparmos em tudo, os guardas alemães e holandeses, gabarolas do superavit, que há meia dúzia de anos nos obrigam a fingirmos que somos como eles mais ainda se darão ao gosto de nos atormentar. Há quase um século e quase ao fundo do Hemisfério Sul, apanhado em apuros quejandos, o chileno Pablo Neruda escreveu “De outro, será de otro, como antes de mis besos/ Su voz, su cuerpo claro, sus ojos infinitos.” Pablito, chamavam lhe as criadas de casa dos pais, não estava obrigado por critérios de Maastricht e, antes de se meter a compor Odes compridas e apatetadas ao camarada Estaline, tinha talento a rodos. “Ya no la quiero es cierto pero talvez la quiero/Es tan corto el amor y es tan largo el olvido.”

 

Dores de cotovelo. Não sei se o termo ainda se usa no português falado pela gente nova: não vivo cá e o meu neto é holandês. Sem ser por mal, dou por mim agora a passar mais tempo com gente velha e aí descobri rudimentos de nova forma de correcção política. Parece que, para velhas e velhos se sentirem ainda integrados, se lhes deva falar – e falar deles – como se faz com as crianças, mas adaptando. “Ai, está a mirrar tão bem! Um dia destes está mais baixo que a avó.” “Então já lhe caíram mais dentinhos?” “Desde o Natal anda a esquecer-se de quase dez palavras por dia”, etc.  Adiante – se é esta a palavra indicada – e voltemos ao cotovelo.

 

Alentejano arguto, há muito amigo do coração – e, ao contrário de tantos conterrâneos seus, despachado, viajado e poliglota – embrenhado agora em vida de Cristo bem narrada por erudito sábio, encontra paralelos entre a Jerusalém que os romanos acabariam por arrasar e onde Jesus foi executado (para aclamação dos seus compatriotas que preferiram salvar Barrabás a salvá-lo a ele) e os sobressaltos violentas do nosso tempo, a chocarem fascismos. (Cesário Verde percebera: “A dor humana busca amplos horizontes/E tem maré de fel como um sinistro mar”). Segundo o meu amigo, e eu estou de acordo com ele, quando nós eramos novos – eu sou mais velho uma década e picos mas nessa altura a diferença parecia muito mais pequena do que parece agora: daí a dez anos o mais novo seria como o mais velho. A vida abria-se diante nós, estrada direita até onde a vista alcançasse. Agora, daqui a dez anos o mais novo será como nada que se já conheça hoje. Fecha-se diante de nós um cotovelo que, até lá chegarmos, não percebemos para onde se irá abrir.

 

Uma broncalina do camandro, diria o meu chorado António Garcia. Ou então: uma Bernardette do caboz.  

 

 

 

 

link do postPor VF, às 09:00  comentar

12.2.17

 

capital-letter-t-icon-53014

 

 

tento
ten.to
nome masculino
(do latim tentus, part. pass. de tenere, ter, segurar)

 

Cuidado, cautela, precaução, sentido, atenção, mas também, por extensão, tino, juízo, contenção. Palavra que tende a cair em desuso, como outras, cilindrada pelo estreitamento lexical que caracteriza o «português contemporâneo». Subsiste, apesar de tudo, na expressão «ter tento», ter cuidado ou juízo, e em particular na expressão idiomática «ter tento na língua», ter cuidado com o que se diz. Porém, a expressão subsiste largamente pela mesma razão que o «sim» supõe a existência do «não», isto é, o que justifica o uso é a ausência de tento. Por isso se usa sobretudo em contextos de advertência (tem tento na língua, para não dizeres disparates ou tem tento na língua para não falares de mais ou para não seres deselegante) ou de observação a posteriori (aquele não se safou porque não teve tento na língua). O termo subsiste porque o cuidado e o tino vão desaparecendo e o sinal disso é a incontinência verbal, observável desde logo no discurso público (o microfone é uma das formas modernas da tentação; o telemóvel parece que também). O «tento» dos comentadores desportivos, com o significado de «golo», tem um étimo diferente (talentum), embora também nesta área haja pouco tento, na outra acepção.

 

 

 

link do postPor VF, às 09:00  comentar

8.2.17

balcas

 

 

 

 

 

 

José Cutileiro

 

 

 

Guerras dos Balcãs

 

 

 

Agosto de 1992 no bar do White’s. Peter Carrington fizera as apresentações. “Lord King: British Airways. José Cutileiro: ele e eu destruímos a Jugoslávia juntos”. King mediu-nos de sobrolho carregado e respondeu: “Tiveram alguma ajuda.” Muitos anos antes, outro inglês inventara fórmula lapidar, evidente nos tumultos e confrontações do nosso tempo naquela parte do mundo que Lord Carrington fora mandatado pelas Comunidades Europeias a resolver (encarregando-me a mim da Bósnia). Escrevera Churchill: os Balcãs produzem mais História do que aquela que são capazes de consumir. A ocasião mais célebre, assassinato em Sarajevo do herdeiro do Império Austro-Húngaro por estudante sérvio em Junho de 1914 levara à primeira guerra mundial – a Grande Guerra.

 

Em 1991 Mitterrand dissera a próximos seus que, se as Comunidades Europeias não existissem, as tensões com a Alemanha teriam sido ingeríveis – mas a gestão foi mais questão de maneiras do que de equilíbrio de interesses. A Alemanha impôs reconhecimento prematuro da Croácia aos franceses e aos outros parceiros (em 1945, a Croácia rendera-se aos aliados uma semana depois de Berlim), tirando força à Conferência Carrington. Depois disso, porém, salvo alguma ajuda dada aos kosovares (inimigos dos sérvios meus amigos são) portou-se outra vez com decência rara em grandes países.

 

Depois da morte de Tito em 1981 a Federação Jugoslava era construção frágil. Dominada por ele que, saído do lado vencedor da guerra, soltando-se do jugo de Estaline e sendo ajudado em troca pelas potências ocidentais declarou ter inventado regime novo, uma espécie de ‘terceira via’. Na realidade, era como se meretriz num bordel tivesse decidido sair, estabelecer-se por contra própria e chamar à nova empresa colégio de freiras. Sobreviveu à morte do fundador mas, dez anos depois, não resistiu ao fim da Guerra Fria. As guerras que se seguiram, na Croácia, na Bósnia, no Kosovo atingiram cumes de crueldade semelhantes aos das Guerras Balcânicas de 1912 e 13 – muito distantes da papelada moralista emitida por Nações Unidas e União Europeia. 

 

Já no século XX, à beira de extinção, Império Otomano e Império Austro-Húngaro digladiaram-se nos Balcãs; medram por lá memórias de ambos e uma Sérvia independente tão marcada pelas peripécias da História que o lugar mais sagrado do seu território é no Kosovo, onde a grande batalha patriótica – a Aljubarrota deles, também travada no século XIV – foi uma batalha perdida. E nhurros como touros enquerençados.

 

Consumidores de História a mais pairam constantemente, como abutres. Os Estados Unidos de Bill Clinton viram em Sarajevo governo muçulmano que lhes convinha ajudar, fizeram durar a guerra e os seus desastres mais três anos do que preciso, e inventaram depois paz que só presença militar estrangeira garante. Fortalecendo de caminho tradição criada no Afeganistão de ajudar e armar inimigos jurados do seu país e do Ocidente em geral.

 

Amiga queria saber dos Balcãs. Chegará?

 

 

link do postPor VF, às 09:00  comentar

4.2.17

 

A -in-the-form-of-a-tree

 

 

adaptação
a.dap.ta.ção
nome feminino
(de adaptar, originado no latim adaptare + suf. ção)

 

Violência de primeira grandeza é a adaptação. O grande imperativo da sobrevivência e, logo, da evolução das espécies. Existindo antes da palavra que a nomeia, esta cingiu-se com propriedade em volta da ideia, aferrolhando-se numa mecânica articulatória bem reveladora das dificuldades, plena de oclusões e explosões. A-dap-ta-te! – é o que nos dizem como se manuseassem um chicote, fazendo-o estalar secamente sobre os nossos costados para que aceitemos o que temos de aceitar. Para que tomemos a forma que o mundo tomar. Para nos conformarmos. Se não quisermos ficar para trás, perdedores, perdidos, sós. Se nos adaptarmos – se nos ajustarmos, resignarmos, abdicarmos, renunciarmos, sujeitarmos – o mundo perdoa-nos inadimplências e outros deslizes de menor monta. Permite-nos até anestesiar as dores dessa violência maior, que age primeiro no íntimo para depois alastrar, sofrendo mutações cada vez mais subtis, podendo resultar, como sabemos, na desfiguração. E não vale a pena pensarmos em criar carapaças demasiado rijas — acabaremos asfixiados dentro delas. Melhor seria deixar crescer uma tromba ou um quinto membro que permitisse colaborar a maior distância, tratando-se de indispensáveis incumbências presenciais. Isso ou outra forma de acomodação que evitasse a desconfiança devida aos inadaptados, e o consequente tratamento. Por outro lado, a saturação da adaptabilidade pode ser fatal se, sem nos darmos conta, acabarmos presos, esmagados no seu terrível aperto consonântico.

 

(retirado de um diário inédito)

 

 

 

link do postPor VF, às 16:51  comentar

 

 

 

traje romântico.jpg

 traje masculino - século XIX

 

 

 

 

 

Para em tudo ser grande, este homem singular a quem os seus contempo­râneos chamaram «o divino», como a Pla­tão, foi um dos maiores, senão o maior ele­gante do seu tempo. Poeta do amor, tão belo, que se um dia os Amores descessem à terra fariam o ninho num verso seu; ora­dor tão eloquente, que o seu verbo evocava o daqueles atenienses maravilhosos que, envoltos no seu pálio branco, arrastando as suas sandálias doiradas, discutiam sob os loureiros roxos dos jardins de Academo: diplomata, homem do mundo, grande do ir mo, ministro de Estado — Garrett levou trinta anos de vida a espalhar em volta de si, como braçados de rosas, a elegância, a harmonia, a beleza e a graça. Por onde quer que passasse, a Moda curvava-se diante dele. Ministro na Bélgica, foi tão grande o sucesso pessoal da sua elegância que por toda a parte, nas montras, nos cartazes, nos jornais de Bruxelas aparecem as «capas à Garrett», os «chapéus à Garrett», as «jóias à Garrett». Regressando a Lisboa em 1846, de tal forma o seu tipo inconfundível se impôs, tanto o imitaram e o copiaram, que todos os retratos em miniatura pintados por Guglielmi parecem, pelo talhe das bar­bas, pelo jeito das cabeleiras, peias peque­nas moscas, pelos próprios folhos das cami­sas, o retrato de Garrett. Como Brummell, tudo na sua elegância era simples, mas tudo era perfeito e minucioso. Vestia-se em In­glaterra. Mandava vir de Londres as casa­cas, as meias, os sapatos de baile, as luvas de Jouvin, a libré verde do groom, a suit of clothes com que passeava em Sintra, até os seus assombrosos pijamas matinais de xa­drez branco e vermelho, cuja pantalona afunilava em meia como a dos arlequins. Bulhão Pato descreve o trajo com que ele se apresentava nas Câmaras, o mesmo que usava nas lutas da eloquência e nas entre­vistas de amor: «Casaca verde-bronze com botões de metal amarelo recortado sobre veludo verde; colete branco, deslumbrante, grandes bandas; calça de flor de alecrim; camisa finíssima, encanudada; luvas ama­relas.» Quando tinha de pronunciar algum dos seus monumentais discursos, não es­quecia nenhum pequeno pormenor de ele­gância: ele, que não usava rapé, levava sem­pre consigo uma pequena tabaqueira de ouro para o ajudar nos gestos; e nunca, antes de começar a falar, deixava de esfre­gar as mãos para as fazer mais pálidas. Como a sua nobre figura dominava então a assembleia! Que harmonia de atitudes! Que elegância majestosa, só comparável à de Lamartine! Iluminava-se, crescia, arre­batava. E, entretanto, Garrett não era belo. Garrett lutava com a falta de dotes natu­rais. O milagre da sua elegância foi, sobre­tudo, uma obra de arte, de paciência e de génio. Tudo nele era postiço, desde o es­partilho até ao chinó, desde os dentes até às ancas, desde o chumaço dos ombros até ao bucho das pernas. Quando à noite reco­lhia a casa, depois de um baile ou de uma recepção, desmanchava-se como um puzzle. E o que tem graça, é que era ele o primeiro a rir-se dos ridículos a que o obrigavam, não só os seus defeitos físicos, mas as própria exigências da moda de 1840. Uma noi­te, o criado de quarto de Garrett adoeceu e teve de ser substituído por outro — um pobre rapaz boçal chegado da província. Quando o «divino», quase de madrugada, de calção e meia, regressava de um baile dos marqueses de Viana — o primeiro baile de Lisboa em que apareceram camélias do Japão — foi já o criado novo que, pela pri­meira vez, se apresentou para o despir. — «Começamos pelo chino, percebe?» — disse-lhe Garrett, tirando a cabeleira pos­tiça e enfiando-a na boneca. O pobre rapaz, que nunca tinha visto arrancar os cabelos da cabeça com tanta facilidade, ficou va­rado de espanto. Depois, o poeta tomou um pequeno espelho, abriu a boca, fez saltar a dentadura e deu-a ao criado: — «Tome lá os dentes. Meta-os num copo de água.» O assombro do pobre homem subiu de ponto. Imperturbável, Garrett des­piu a casaca em «busto de abelha», o colete de reflexos de prata, o espartilho, e apon­tou os chumaços das espáduas: — «Tire-me os ombros.» Em seguida, puxou uma ca­deira, assentou-se: — «Agora, tire-me as barrigas das pernas.» O criado, muito pá­lido, coberto de suores frios, teve naquele instante a impressão de que o amo ia desfazer-se todo. (Garrett percebeu, levantou-se, avançou para ele e disse-lhe, olhando-o fixamente: — «Agora, desatarrache-me a cabeça devagarinho.» O pavor do ingénuo provinciano foi tal que abalou pela porta fora e nunca mais ninguém o viu. Este epislódio pinta a figura do poeta muito melhor do que todos os retratos e todas as carica­turas. No fim da vida, no período agudo da paixão pela Ignota Dea das Folhas Caí­das, Garrett esqueceu-se por vezes de que já tinha mais de cinquenta anos e de que nem todas as idades suportam as modas excessivamente audaciosas. Quando sobra­çava a pasta dos Negócios Estrangeiros, apareceu um dia em conselho de ministros com umas extravagantes calças de qua­dradinhos brancos e roxos, que fizeram sensação em Lisboa e que chegaram a despertar receios de natureza política. — «Então, como vão esses negócios da Fa­zenda?» — perguntou o poeta ao seu colega Rodrigo da Fonseca, estendendo-lhe afec­tuosamente a mão. — «Mal, muito mal — respondeu o espirituoso Rodrigo. — Sobre­tudo, os negócios da fazenda das tuas cal­ças. Se tu apareces assim no Parlamento, deitas o governo a terra!» A sua última preocupação foi a de mandar gravar por toda a parte, na baixela de prata, nos sine­tes de uso, nas pedras dos anéis, o seu es­cudo de armas rodeado das insígnias da grã-cruz e bailiado de Malta. A morte, po­rém, que tantas vezes tem piedade do génio, não o deixou ser ridículo por muito tempo. Dois anos depois, o divino Garrett, prín­cipe dos príncipes da elegância portuguesa, rodeado de flores, compondo ainda ao es­pelho a sua última toilette, morria vítima das duas mais terríveis doenças que se conhecem no mundo: a política e o amor. Sem dúvida, foram estes os corifeus da elegância romântica em Portugal — os «in­ternacionais», aqueles cujas jóias e cujas casacas nos fizeram, por um momento, quase tão admirados na Europa do sé­culo XIX, como os coches de D. João V nos tinham feito célebres na Europa do século XVIII. Mas, ao lado destes, quan­tos outros! Quanto janota ilustre fascinou Lisboa, nessa longa parada de elegâncias que ia da plateia de S. Carlos até aos sa­lões da Regaleira, do Marrare de Poli­mento até às alamedas doiradas do Passeio Público! De quantos está ainda fresca a memória, elegantes pragmáticos, devotos fiéis do ritual da Moda, capazes de se dei­xar insultar para não desfazer um só caracol da cabeleira, de se deixar matar para não desmanchar uma só prega das calças! Alguns passam, flagrantes e vivos, diante dos meus olhos.

 

 

Júlio Dantas in O heroísmo, a elegância, o amor*

Edições Roger Delraux

© Maria Isabel Dantas, 1980

 

 

 

* Conferências proferidas no Brasil em 1923 pelo autor, a convite da Academia Brasileira de Letras, por proposta do romancista Coelho Netto:

 

O Heroísmo: O Mosteiro da Batalha

 

A Elegância: Os Elegantes do Romantismo

 

O Amor: Mulheres que Camões amou

 

 

Nota:

 

O meu agradecimento a Manuel Sant'Iago Ribeiro, que me deu a conhecer estas conferências.

 

A imagem é do blog Des bobines et des songes 


 

 

link do postPor VF, às 08:00  comentar

1.2.17

 

WhiteHouse_Logo

 

 

 

 

 

José Cutileiro

 

Casa Branca, Nau Preta, felicidade na Austrália…

 

 

Coitada da Casa Branca. Álvaro de Campos faria troça dela mas ninguém ligava, sobretudo porque pouquíssima gente lia o estimável engenheiro ou sabia que ele era heterónimo do tradutor-correspondente Fernando Pessoa, namorado de Ofélia Queiroz, freguês do tinto do Martinho da Arcada e, dessa gente, alguma poderia perguntar-se se seria a Casa Branca de Washington (construída por escravos, incendiada pela tropa inglesa em 1812; as voltas que o Mundo dá…) ou quiçá a que dera o nome a entroncamento ferroviário da linha do Sul e Sueste, depois de Pinhal Novo, já no Alentejo, saída de ramal que ia a Évora e deitava a Reguengos de Monsaraz, enquanto as carruagens do comboio principal continuavam para Sul passando por Beja e acabando no Algarve de aquém mar.

 

Na Casa Branca do começo do Alentejo estive quando era pequeno, indo às vezes, no Verão, comprar bilhas de água à plataforma da estação; na de Washington, D.C. só uma. Jantei lá em 1999 quando o Tratado de Washington – fundamento legal da O.T.A.N. – celebrou 50 anos e, havendo a O.T.A.N acudido à Bósnia-Herzegovina depois do acordo de Dayton de 1995 em que os americanos meteram paz pelas goelas abaixo de sérvios, croatas e muçulmanos, que a engoliram com a pressa enjoada de quem bebe óleo de rícino (tal como Jacinto, em Paris, a preparar-se para Tormes) já a maioria dos proponentes da extinção da Aliança Atlântica tinham metido a viola no saco. Que nos sirva de lição que sem as sangrentas desavenças balcânicas – e com a Rússia tentando ajeitar-se mal aos instintos democráticos do bom Boris Nicolaevitch em vez de se submeter contente aos instintos autocráticos do pérfido Vladimir Vladimirovich - talvez os proponentes entusiásticos da paz perpétua Kantiana, crentes no fim da História, houvessem levado a sua avante e agora nem O.T.A.N tivéssemos.

 

Mas temo-la e, com sorte, irá resistir aos tumultos do 45° presidente dos Estados Unidos a quem a mudança da possidoneira dourada em estilo Luís XVI da penthouse de Trump Tower, na 5ª Avenida de Manhattan, instalada a seu mando e gosto, para o n° 1600 de Pennsylvania Avenue, Washington, deverá ter feito enorme confusão. Vindo daquele pastiche despropositado de monarquia absoluta, bem calhado com a sua maneira de ser - quer no pastiche quer no absolutismo - talvez nalgum pesadelo haja perguntado a si próprio se passara de cavalo para burro. Comparada com os palácios de Buckingham e do Eliseu para não falar do Kremlin, a Casa Branca quase faz ternura de tão provinciana e despretensiosa, assim uma espécie de solar de senhor local, homem de palavra – mulher ainda não houve - respeitado pelos criados, estimado na vizinhança, e seguro de ser quem é. Quando Jack Kennedy convidou duas dúzias de prémios Nobel disse-lhes que debaixo daquele tecto nunca estivera tanto talento, com a possível excepção das noites em que Thomas Jefferson lá jantara sozinho. Agora são outros tempos. Coitada da Casa Branca.

 

 

 

 

link do postPor VF, às 12:47  comentar

29.1.17

 

M hans-holbein-1523-death-letter-m-q75-500x498

 

melancolia
me.lan.co.li.a
nome feminino
(do latim melancholia)

 

Abatimento visceral, estado depressivo. A palavra latina veio do grego e designava originalmente a «bílis negra», um dos humores descritos por Hipócrates e Galeno, entre outros, configurando um dos temperamentos humanos básicos: o temperamento melancólico. Segregada pelo baço (spleen), a acumulação disfuncional da bílis negra nos órgãos internos, nomeadamente no cérebro, produziria um tal temperamento. A melancolia tem sido objecto ao longo dos séculos de largas reflexões, cuja notícia não cabe neste dicionário. Bastará recordar, e sem falar dos Antigos, a obra setecentista Anatomia da Melancolia de Richard Burton (cujas proposições, segundo o estudo clássico de Lily Campbell, muito terão contribuído para a definição da personagem Hamlet) ou o sentimento de spleen, a malaise omnipresente na poesia de Baudelaire e um dos seus traços essenciais. O rei D. Duarte descreve no seu Leal Conselheiro (c. 1438) a crise de melancolia por que passou: «Por quanto sei que muitos foram, são, e serão tocados deste pecado de tristeza que procede vontade desconcentrada, que ao presente chamam em mais dos casos doença de humor melancólico, do qual dizem os médicos que vem de muitas maneiras por fundamentos e sentimentos desvairados, - mais de três anos seguidos muito dele padeci, e por especial graça de nosso senhor deus me pôs de perfeita saúde.» Kierkgaard, Freud e tantíssimos outros autores a estudaram e se lhe referiram, em contextos e épocas diferentes. O autor polaco Marek Bienczyk acrescenta Pessoa à extensa lista, citando o «um nada que dói» do final de um poema de Álvaro de Campos. No entanto, um momento cuja referência é indispensável, pelo significado e alcance, é a gravura (1514) de Albrecht Dürer, precisamente intitulada Melancolia, que de algum modo se tornou o paradigma da condição melancólica. James Thomson, no poema The City of Dreadful Night, descreve a figura que é o centro da composição, concluindo «she gazes/With full set eyes, but wandering in thick mazes/Of sombre thought beholds no outward sight [olha/Com olhos totalmente fixos, mas errando por densos labirintos/De pensamentos sombrios não contempla uma visão exterior.] Num texto sobre a gravura de Dürer, Cioran observou que «c'est dans la mélancolie que l'homme est seul face à l'existence». Talvez seja nesse confronto que nasce uma espécie de tristeza que se origina nos ossos e se exprime num brando alcoolismo de silêncios.

 

 

 

link do postPor VF, às 01:32  comentar

25.1.17

 

sinal-mortal-do-perigo-16961015

 

 

 

 

 

José Cutileiro

 

Um caso clínico

 

 

 

 

A seguir à vitória de Trump as bolsas subiram, o FMI disse que com ele a economia cresceria mais, as associações industriais, sobretudo as PME dentro destas, rejubilaram, comentadores de direita acharam menos pecados em Trump do que nos esquerdistas que o atacam agora por toda a parte. Com efeito, os excessos do pato-bravo bilionário de Brooklyn convidam a escrutínio igualmente exigente do folclore oposto, bem à vista na Europa nas primárias socialista de França para escolher candidato à presidência da República: o vencedor da primeira volta – e deverá vencer a segunda – ganhou popularidade que lhe deu o triunfo por propor que cada francês/a passasse a ter à nascença subsídio para a vida (em 2012, o que provavelmente fez Hollande ganhar a Sarkozy foi anunciar, a meio da campanha, 75% de imposto a rendimentos anuais superiores a 1 milhão de Euros). Os franceses – os europeus ocidentais em geral – habituaram-se a viver com room service incluído mas continuam a achar que não deveria haver gente muito mais rica do que eles.

 

Nos Estados Unidos, o Partido Democrático, cuja incompetência contribuiu tanto ou mais para a eleição do grande narcisista do que inépcia do Partido Republicano – são as elites, gargarejam quase engasgados de contentamento os populistas – entrou em movimentação frenética, uma espécie de Tea Party liberal (dizem eles lá; aqui nós diríamos esquerdista) para encontrar rumo e tento antes de 2020 e não apanharem 8 anos do pato-bravo. Vai ser animado e é impossível prever se Trump será presidente de um mandato – Carter, Bush pai – ou de dois mandatos – Reagan, Clinton, Bush filho, Obama. E aí não há politólogo que nos valha mas talvez um alienista, como chamavam dantes aos psiquiatras.

 

Porque a questão da presidência de Donald J. Trump não é do foro político. A sua tomada de medidas prometidas na campanha logo nos primeiros dias de mandato, feita embora com espalhafato próprio, está na tradição (por exemplo, democratas facilitam o aborto; republicanos dificultam o aborto), podem ser mais ou menos sensatas (por exemplo. acabar com “Obama care” antes de instalado sistema equivalente irá lesar milhões de pessoas que, na maioria, votou Trump), podem levantar objecções fundadas e criar problemas futuros (por exemplo, sair de acordo comercial com países do Pacífico) mas política com alternância no poder foi, é e será sempre assim.

 

O que é novo, a não ser em monarquias hereditárias, é pôr no topo do poder do Estado alguém egocêntrico, infantil, incapaz de reflexão prolongada, patologicamente susceptível e aí baralhando pessoa e cargo, vaidoso, vingativo (segundo biógrafos seus, nas insónias não medita: pensa em dinheiro, sexo, comida ou vinganças que estejam por cumprir). Somos todos Narcisos (as águas do lago não sabiam se ele era belo ou não porque só tinham olhado para si próprias nos seus olhos) mas ser tanto e em tão alto lugar, cola ao mundo aviso igual aos de estações elétricas: Perigo de Morte.   

link do postPor VF, às 09:00  comentar

22.1.17
 

desenrascar

 

 
 
 
 
desenrascar
de.sen.ras.car
verbo
(pref. des + rasca + suf. ar)
 
 
Rasca ou rascada é, em primeiro lugar, a designação de um tipo de rede de arrasto e designou também um certo tipo de embarcação pequena. Não é de estranhar, portanto, que o termo nos tenha chegado com o significado de desenredar, desenvencilhar, desembaraçar, desemaranhar, desensarilhar, o que é natural tratando-se de redes, mas também, por extensão, de desencrencar, desencravar, desentalar, e, de forma geral, sair de um aperto, de uma dificuldade. Safar ou safar-se. O desenrascado é, por tal razão, o indivíduo desembaraçado, desenvolto. Ágil ou hábil. A lusa raça gosta de se ver como perita no «desenrascanço», em livrar-se de apuros, em improvisar uma forma de se safar. E vê isso como uma virtude. Mas uma ideia esconde a outra: um povo perito em desenrascar-se é o que está permanentemente enrascado. Perito, sim, em meter-se em enrascadas.
 
 
 
 
link do postPor VF, às 00:39  comentar

18.1.17

 

 

o-povo-unido

 

 

 

 

 

José Cutileiro

 

 

 

Lembranças do Verão Quente

 

 

 

 

Quando eu era pequeno e o Avô dizia ter estado com “um rapaz do meu tempo” eu achava que o Avô era parvo porque era velhíssimo, o seu contemporâneo sê-lo-ia também e rapazes começávamos a ser nós, os do meu tempo, de calças à golf, já com olho nas calças compridas. (O Avô veio a morrer bem mais novo do que eu sou hoje mas essa é outra história).

 

Na Escola de Belas Artes de Lisboa, vindo da Brasileira e metendo pela Rua Ivens, no Largo de S. Francisco, sendo lá porteiro o Sr. Cruz, com farda de contínuo e boné de pala azuis escuros, fazendo do vestíbulo rito de passagem entre os perigos do mundo exterior e as bem-aventuranças do seu território (“As Belas Artes é aqui?” perguntavam-lhe às vezes. “Bem”, respondia, “aqui há duas repartições. Há a Escola de Belas Artes e há a Academia de Belas Artes. Se vem para a Escola de Belas Artes é aqui. Se vem para a Academia de Belas Artes também é aqui”, seguindo-se conversa longa até indicação precisa da porta seguinte a que a visita devesse bater), as coisas refinaram. Havia movimentos artísticos e pulsões políticas. O Vasco Croft um dia disse-me, à saída de exposição de alguém do nosso tempo, meio trocista: “Brinca, brincando o tempo passa - e qualquer dia somos uma geração”.

 

Lembrei-me dessa sentença, devido às lufadas de 25 de Abril, às vezes polémicas, trazidas pelo desaparecimento de Mário Soares no dia 7 deste mês. (Disparate repete-se: Soares seria o responsável de “descolonização vergonhosa”. Ora a descolonização foi como foi porque a colonização, sobretudo nas últimas décadas, tinha sido como tinha sido – e porque a partir de 26 de Abril a tropa portuguesa se recusou a dar mais um tiro ou sequer a fingir que o poderia dar). Mas há já várias gerações para quem o 25 de Abril foi sempre no passado; o que li e ouvi neste par de semanas é diferente para os que se lembram como eu e para quem tenha uma vaga ideia dos pais lhe terem contado. E ocorrem-me coisas de que já nem me lembrava e apetece-me registá-las para que não se percam de vez. No verão de 1975, o chamado “verão quente” ardiam de vez em quando sedes do PC no Norte de Portugal, em Londres à hora do almoço o telefone começava a tocar na central e depois de posto em posto até alguém atender e nesse dia chegou ao meu gabinete. Eu era Conselheiro Cultural. Estava um sol luminoso, mais lisboeta do que londrino. Senhora de boa sociedade disse-me que tinha marcado há meses férias em Portugal mas estava assustada com o que via na televisão e nos jornais e perguntava à embaixada se era seguro ir. Respondi-lhe que era com certeza seguro. Insistiu, duvidosa. Repeti com mais pormenor e mais convicção ainda o meu louvor da hospitalidade portuguesa. Tornou a insistir. Perdi a paciência.

 

“Are you a Communist?”

 

“I beg your pardon!” abespinhou-se a minha interlocutora.

 

“If you are not a Communist you have nothing to worry about down there.”

 

“O” - e depois de um silêncio, secamente: “Thank you very much.” E desligou.

 

 

 

 

 

link do postPor VF, às 09:00  comentar

14.1.17

 

R gold

 

 

restauração
res.tau.ra.ção
nome feminino
(do latim restauratio, -onis)
 
 
 
Reparação, recuperação, conserto, restabelecimento, reposição. A palavra entrou também na língua, por via francesa, para designar a indústria da confecção e fornecimento de refeições em local próprio e aberto ao público. Embora se tenha tornado usual a distinção entre a restauração e o restauro, por exigência dos restauradores de arte (os campistas também fazem questão de não confundir tendas com barracas, por exemplo...), no fundo as duas acepções são similares e a sua génese é comum. Trata-de recuperar ou restabelecer alguma coisa, uma condição física, uma cadeira, um edifício, uma pintura ou um regime político e económico. Restauram-se as forças como se restauram a independência, a monarquia ou a democracia. No primeiro caso, a restauração pode fazer-se através de uma refeição que «nos ponha como novos», isto é que nos faça sentir como antes nos sentíamos. A restauração repara e recupera um estado original (ou bastante próximo disso), seja nos regimes, seja nos móveis, seja nas forças físicas ou anímicas. A perturbação surge quando, após um período de carência nos concedemos uma refeição lauta ou requintada e, no final, a nossa satisfação se traduz em frases como «depois deste almoço, sinto-me outro». No fundo, talvez o objecto restaurado seja sempre um outro objecto, e talvez o que diferencia as boas das más refeições, a boa da má restauração, seja a capacidade de nos fazer sentir outros.
 
 
 
 
link do postPor VF, às 10:32  comentar

11.1.17

 

 

 

Mário Soares

 

Mário Soares

1924-2017 

 

 

 

 

 

José Cutileiro

 

 

O bey de Tunis

 

 

 

O bey de Tunis entrou na literatura portuguesa na manhã em que Eça de Queiroz se serviu dele para acudir a um writer’s block. Prometera na véspera ao director do jornal que teria o artigo pronto para ele no dia seguinte. O moço da tipografia que viera buscá-lo esperava no pátio, andando de um lado para o outro com botas que rangiam. Mas a noite passara, a inspiração não chegara e agora, entre a espada e a parede, Eça, sem outro tema que lhe passasse pela cabeça, resolvera atacar o bey de Tunis – com má consciência, porque o que sabia do bei dava este como homem perfeitamente estimável e, ainda por cima, julgava ter visto algures que ele tinha morrido. Pouco importava. “Em Tunis há sempre um bey” decretou – e deu cabo dele.

 

Ou pelo menos assim resolveu dizer aos seus leitores e ao também escritor Pinheiro Chagas a quem treplicava. Eça escrevera em artigo publicado numa revista duas passagens cujos conteúdos haviam indignado Pinheiro Chagas: que a nossa colonização no Oriente fora um monumento de ignomínia e que no começo do século XIX Portugal fora uma colónia do Brazil. Num artigo de jornal Pinheiro Chagas replicara, com argumentos recheados de erudição (num deles evoca as Molucas, levando Eça a perguntar-lhe na sua tréplica: “Pois todas as Molucas, Pinheiro Chagas?) e condenara Eça pela insuficiência do seu conhecimento e a sua falta de patriotismo. Agora Eça, com talento polémico e leveza de prosa muito superiores aos do outro, considera Pinheiro Chagas um brigadeiro da campanha do Roussilhão que “sabiam deitar fundilhos numas calças e estavam convencidos de que Deus era padre” e diz-lhe por fim “Você, meu caro Pinheiro Chagas, não ama a Pátria, namora-a”. Pretendendo fazê-lo para desculpar Chagas dos disparates que contra ele dissera, inventa sardonicamente a história do bey de Tunis explicando que sabia bem quanto a falta de inspiração era razão de tantos disparates que se publicam nos jornais. (Ou diz isto por palavras suas, melhores do que as minhas, porque cito de memória e não vale a pena contar outra vez à leitora quanto a memória é traiçoeira: tanto ou mais do que as mulheres garantiu-me há anos, sem estar bêbado, um marialva desmemoriado).

 

Os tempos não são bons. Estamos a poucos dias de Trump dispor dos códigos secretos, isto é mais perto do que alguma vez estivemos de uma guerra nuclear – e de muitas outras arrelias convencionais. E Mário Soares deixou-nos. Entre Setembro de 1974 e Novembro de 1975, sempre que vinha de Londres a Lisboa tentava ir ver, antes de quaisquer outros, o mais pessimista e o mais optimista dos meus amigos, traçava a bissetriz entre o que cada um deles me dizia e sabia em que Portugal estava. Mais tarde, com a Pátria outra vez pacata, quando Victor Cunha Rego se foi embora procurei tentar substituir o pessimismo dele pelo meu. Não foi fácil mas não foi impossível. Mas o optimismo de Mário Soares não o encontro em mim e fiquei agora sem saber em quem o possa encontrar.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


7.1.17

 

 

B letter bricks

 

 

 

 

burgesso
bur.ges.so
nome e adjectivo masculino
(de origem obscura?)
 
 
 
A vida das palavras é realmente fascinante. A generalidade dos dicionários regista o termo dando-o como originado do nome do nadador britânico Thomas William Burgess, o segundo homem a fazer a travessia do Canal da Mancha a nado. O vocábulo usa-se na língua portuguesa como sinónimo de grosseiro, pouco inteligente, estúpido, ignorante, quer na variante vulgar, quer na pretensiosa. Bill Burgess ganhou uma medalha olímpica nos jogos de 1900, realizados em Paris, na modalidade de Pólo Aquático. Em 1904 fez a sua primeira tentativa de repetir o feito do Capitão Matthew Webb, em 1875, nadando de Dover a Calais. Após onze tentativas entre 1904 e 1908, Burgess realizou o feito, devidamente certificado, em Setembro de 1911. Além disso, foi o primeiro nadador a usar óculos de protecção para nadar, usando para tal os óculos que os pilotos de automóvel então utilizavam. O homem treinou posteriormente outros nadadores de sucesso. Como se chega então de Burgess, o nadador, a burgesso, o grosseiro e ignorante? Pela pujança necessária para realizar a travessia? Pela persistência que foi necessária? Pelo seu físico compacto? Não há, aparentemente, na biografia ou no carácter do indivíduo nada que justifique a necessidade ou o rumo do então neologismo. A verdade é que o termo existe, está registado e é usado. E não faltam burgessos que exemplifiquem as suas acepções. Vem logo à memória o Dâmaso Salcede de Os Maias, modelo de um tipo particular de burgesso que nunca perdeu seguidores involuntários e ainda ocupa, hoje, lugar cativo nas bancadas da oligarquia governante. Antes fossem nadadores. Digo, nadadores a sério.
 
 
 
 
link do postPor VF, às 09:00  comentar

4.1.17

 

 

terra_doente2xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

 

 

 

 

José Cutileiro

 

 

Ano Novo, vida nova

 

 

Pelo menos desde a passagem de ano de 1986 a 1987 – isto é, a primeira já com Portugal membro das Comunidades Europeias – tal exortação exprimia ‘pensamento desejudo’ - assim o meu chorado Gérard traduzia ‘wishful thinking’ - e não previsão sensata dos dozes meses que se seguiriam, partindo evidentemente do princípio que a contagem não fosse interrompida por girândola nuclear, deliberada ou acidental, sempre possível quando a segurança de cada um dos dois lados é garantida pela convicção mútua de que quem sair a matar mata mesmo mas será morto também. Tão convencidos estávamos todos disso que, como o leitor “tenebroso e cruel e tonto e traste” que comprara sonetos garantidos por dois anos ao meu chorado Alexandre, críamos nos marcianos mas não víamos a bomba. Não víamos nem vemos. (Alexandre; Gérard: com a idade, os mortos vão-se metendo mais e mais nas conversas. Lembram-se de coisas de que nós já não nos lembramos).

 

Falo no réveillon de 1986 a 1987 porque o quarto quartel do século XX começou em Portugal de maneira mais animada que a dos nossos vizinhos da Europa Ocidental. Estes, engordados e anafados em casulo formado no abrigo do confronto Leste-Oeste, estavam tão iludidos pelo seu próprio bem-estar que se persuadiram de que viviam em paz por terem passado a ser bons, por terem deixado de querer matar os outros, sem perceberem que a paz lhes era imposta por russos e americanos, a quem zaragata aqui não conviria (salvo evidentemente se um dos dois tivesse previsto nela estratagema para enfraquecer fatalmente o outro, o que não aconteceu). A Rússia perdeu a Guerra Fria de dentro para fora (costuma dizer-se a URSS mas tal exactidão formal torna as coisas mais confusas em vez de as tornar mais claras) porque o seu sistema político se desagregou por si, tal como George Kennan, diplomata-historiador, previra em 1946 quando estava encarregado de negócios dos Estados Unidos da América em Moscovo, onde Estaline viria a declará-lo persona non grata.

 

Portugal era diferente. Em parte para fugirem à tropa em África, milhares de migrantes portugueses em França, Alemanha, e outros países europeus beneficiaram das trente glorieuses – ganhava-se sempre mais do que se tinha ganho no ano anterior – mas, nas parvónias de onde diziam que vinham, a melhoria tinha sido pouca. No começo de 1974 os portugueses não esperavam vida nova. Até que, de repente, veio o sobressalto de trocar África pela Europa, de passar de patrão dos pretos a criado dos brancos. De anacronismo serôdio a modelo do futuro, para alguns entusiastas - para gente sensata, menos pobreza e mais liberdade. E, passados uns anos de turbulência, tornou a ser ano novo, vida velha mas num patamar mais alto.

 

Este ano será de vida nova, não por mérito ou culpa própria: nós por cá todos bem. Mas Trump, Brexit, Putin, Estado Islâmico, tudo cada vez mais desigual e cada vez mais perto de tudo, vão meter-nos as novidades pela porta dentro, boas e más. Sobretudo más.

 

 

 

 

link do postPor VF, às 15:51  comentar

31.12.16

 

images

 

 

concisão

con.ci.são

nome feminino

(do latim concisio, -onis, «acção de cortar»)

 

 

 

Brevidade e clareza na expressão. Na oralidade, a concisão pode ser confundida com secura ou mesmo com rispidez, sobretudo num país em que o discurso derramado faz figura. Na escrita, a concisão pode ser uma disciplina, um propósito. Boileau, no século XVII, teorizou sobre o assunto: «Mais mon esprit tremblant sur le choix de ses mots,/ N'en dira jamais un, s'il ne tombe à propos,/ Et ne saurait souffrir, qu'une phrase insipide/ Vienne à la fin d'un vers remplir la place vide./ Ainsi, recommençant un ouvrage vingt fois,/ Si j'écris quatre mots, j'en effacerai trois.» Carlos Drummond de Andrade afirmou lapidarmente que «escrever é cortar palavras». Dizer do autor de um texto que não teve tempo de escrever pouco, é dizer que a concisão é resultado de um trabalho árduo. «Corte, e corte de novo, tudo o que escrever — ao mesmo tempo que por obra da sua arte não deixa vestígios dos cortes — e o resultado final ficará repleto do que tem para dizer», dizia William Carlos Williams a Denise Levertov, em meados dos anos 50. Já em 1921 António Ferro clamava: «Escrever muito é fácil. Escrever pouco é heróico, muitas vezes. Poucos escritores têm essa coragem.» Para obter concisão submeta-se o texto à peneira da disciplina. O aforismo é, por excelência, o cúmulo da concisão na escrita, ainda que paradoxal, como este de Antonio Porchia, «As cadeias que mais nos prendem, são as cadeias que rompemos» ou este outro de Gustavo Corção: «o tempo é o único inimigo que ataca fugindo». No aforismo, a máxima concisão procura atingir a máxima expressão: a extrema concisão é talvez a obsessão da desmesura.

 

 

 

 

link do postPor VF, às 16:00  comentar

28.12.16

 

 

Institute for Advanced Study

 Institute for Advanced Study, Princeton

 

 

 

 

 

José Cutileiro

 

 

 

Os professores e o pessoal menor 

 

 

 

 

Quando eu nasci, todos os livros escritos para salvar o mundo já tinham sido escritos. Só faltava uma coisa: salvar o mundo. Assim escreveu Almada Negreiros no começo de A Invenção do Dia Claro - ou usou quase as mesmas palavras, que eu estou a citar de memória e a memória é má conselheira. Habituei-me a ela em pequeno por ter muita, tanta que uma vez pensei que, se tivesse nascido pobrezinho e os meus pais não pudessem continuar a mandar-me à escola, encontraria com certeza circo onde poderia ganhar a vida. Enganos da infância: mesmo sem ter tido de passar por essa prova, cedo me dei conta de que a memória, em vez de ajudar o pensamento a exercitar-se, o desimagina da acção e o torna preguiçoso – sendo que a passagem do tempo piora as coisas.

 

Desde o primeiro ano do liceu vivi em Lisboa, onde os clubes de futebol mais importantes eram o Sporting, o Benfica e o Belenenses, aprendendo eu naturalmente de cor as linhas de cada um deles: Azevedo, Cardoso e Manuel Marques; Canário, Barrosa e Veríssimo, etc. por aí fora. No Verão passado, em conversa com amigo inglês que não percebia porque é no coração de um dos bairros residenciais mais caros e exclusivos de Lisboa – o Restelo – estava enxertado um estádio de futebol moderno, com as grandes invasões populares periódicas e as perturbações permanentes de privacidade que tal acarreta, tive de lhe explicar que o bairro era anterior ao estádio mas que as licenças de toda a ordem precisas para poder construir este (não eram tantas quantas seriam agora mas já faziam um pacote) tinham não obstante sido obtidas porque o habitante mais importante do bairro, onde tinha a sua residência privada, se opôs às razões de peso evocadas por todos os seus vizinhos, apoiou do princípio ao fim a pretensão dos Belenenses, clube de que era adepto ferrenho e, sendo também à época Presidente da República, exerceu a sua influência junto da Câmara de Lisboa e de outras entidades relevantes.

 

O meu amigo, sem perceber nada (coitado, não é de cá) perguntou-me se Os Belenenses tinham sido o clube do Estado Novo. Respondi que achava que não porque, mais ou menos por essa época, reformado muito digno sentado ao meu lado num banco de eléctrico lia no jornal do Belenenses artigo intitulado a azul “Amor clubista: sentimento maravilhoso e inexplicável” da autoria de Miguel Urbano Rodrigues, comunista que se exilara e, depois do 25 de Abril, dirigira durante anos o Avante.

 

Entretanto passou-me pela cabeça a linha do Belenenses: faltava o interior direito; só 5 dias depois apareceu. Coisas assim acontecem cada vez mais.

 

Quanto à salvação do mundo. O Instituto de Estudos Avançados em Princeton é um templo de saber e progresso onde cheguei seis dias depois do Nine/Eleven. Passadas duas semanas, carpinteiro da casa perguntou-me como é que se distinguiam os carros deles dos dos professores. “Os professores não colam a bandeira nacional aos vidros”. Por estas e por outras é que Trump ganhou.

 

 

 

 

 

 

link do postPor VF, às 09:00  comentar

25.12.16

 

 

468px-Piero_della_Francesca_041

 

Nativity, 1470-1475 - Piero della Francesca

 

 

 

 

 

 

 

 

link do postPor VF, às 12:00  comentar

24.12.16

 

 

S letter

 

 

sofrível
so.frí.vel
adjectivo de 2 géneros
(de sofrer + sufixo ível)
 
 
 
 
Aquilo que é suportável, que se consegue sofrer, aguentar. Noutros tempos, designava também uma classificação escolar que se situava entre o medíocre e o suficiente. É no fundo o que hoje se designa como «suficiente menos», que é o eufemismo de sofrível, tal como o insuficiente, com a gradação de mais ou menos, o é para os antigos medíocre e mau. Imaginam as inteligências pedagógicas que nos governam que é menos humilhante ter insuficiente menos do que mau. Contudo, o «mau» constitui uma classificação clara, sem ambiguidades, ao passo que o medíocre é uma notação envergonhada, usada, tal como o sofrível, como forma de castigo ou de favorecimento. Se o mau não tem apelo nem agravo, o medíocre é um limbo, nem carne nem peixe. Há quem não passe do medíocre, há quem não passe do sofrível. O suficiente, curiosamente, assume-se quase como uma nova expressão da aurea mediocritas horaciana, a pequena felicidade encontrada no que se tem, sem outra aspiração. Não confundir com o sentido religioso do Ich habe genug da cantata de Bach, que é um contentamento de outra natureza. É precisamente no caminho entre o medíocre e o sofrível/suficiente pequeno que se tem construído a danação do país, cuja pequenez geográfica parece ter-se entranhado ao longo dos séculos na alma dos seus habitantes.
 
 
 
 
 
 
 
link do postPor VF, às 09:00  comentar

21.12.16

 

 

Napoleon_sainthelene-domaine-public.jpg

 

 

 

 

 

José Cutileiro.jpg

 

 

 

Waterloo e por aí fora

 

 

 

A batalha de Waterloo a 18 de Junho de 1815 do ar do dia ao cair da noite quando o corso Napoleão Bonaparte percebeu que estava perdido e fugiu para depois ser preso e desterrado na ilha de Santa Helena, possessão do Império Britânico no Oceano Atlântico ao largo da África Meridional onde viria a morrer, talvez envenenado com arsénico, acabou com a primeira tentativa moderna de estabelecer uma União Europeia. A segunda tentativa, destruída com Berlim em 1945, deveu-se ao austríaco Adolfo Hitler que se suicidou, havendo muitos dos grandes do seu regime que não se suicidaram sido julgados e enforcados em Nuremberga como criminosos de guerra. Essas duas tentativas foram liquidadas a ferro e fogo porque a ferro e fogo tinham começado, a primeira levando guerra a quase toda a Europa e a segunda a quase todo o mundo.

 

A terceira tentativa de União Europeia é a nossa, pacífica em parte porque os seus fundadores, depois de duas guerras mundiais, não podiam com uma gata pelo rabo e em parte porque o confronto entre União Soviética e Estados Unidos, entre comunismo e capitalismo, ambos armados até aos dentes, deixou os europeus ocidentais, confortados pelo Plano Marshall e pela OTAN, viajarem para o futuro em primeira classe pagando só bilhetes de classe turística. Les trente glorieuses chamam a esses anos em França (que o génio do general De Gaulle transformou de país vencido em país vencedor). Entretanto a União Soviética implodiu, o comunismo perdeu o crédito e os europeus ficaram sem o inimigo que os unia (o primeiro propósito da OTAN era defender-nos da União Soviética; o segundo é defender-nos uns dos outros). Como perigos menos apocalípticos se perfilam – o desagradável Putin; o Estado Islâmico – foi-se mantendo o que havia.

 

Mas este Outono, quando os Estados Unidos, em eleições livres e limpas mas sabotadas ciberneticamente pelo Kremlin, escolheram para presidente um charlatão demagogo, ignorante e instável, cujas prioridades de governo quanto a mudança climática, saúde pública, trabalho, relações internacionais, incluindo comércio internacional, etc., etc., e designação de futuros ministros nos deixam com o Credo na boca perante o futuro dos Estados Unidos e da humanidade em geral, o que há a fazer? Se a OTAN for posta em causa pelo seu sócio maioritário, como é que é? Pior ainda: neste tempo em que tudo se sabe assim que acontece (em 1815, a notícia da vitória em Waterloo levou 4 dias a chegar Londres) e toda a gente conta contos, aumenta pontos, esfuma por querer ou sem querer diferenças entre verdade e mentira; em duas democracias respeitadas os votantes escolheram Brexit e Trump (este, é certo, com Colégio Eleitoral de permeio), em que se sente corte radical entre o mundo da politica e o mundo das pessoas, alguém conhece que alma tem? Quem é que gosta de quê? Paz e direitos humanos estarão a passar de moda na Europa? O inferno são os outros? Será guerra que faz falta, para animar a malta?

 

 

 

 

 

link do postPor VF, às 09:00  comentar

18.12.16

 

 

Olavo 1.jpg

 

 

Em tempos, quando o Menino Jesus, ou tu, faziam anos, a família e os amigos da casa ofereciam-te objectos desconcertantes e inúteis, chamados brinquedos. Tu, está claro, ficavas muito contente com os presentes, por virem embrulhados em papéis vistosos, por constituírem uma novidade, aliás provisória (lamentável defeito da novidade!) mas principalmente por ser costume ficarmos contentes quando alguém nos oferece qualquer coisa. Na verdade, ou seja, no dia seguinte (a verdade só é completa no dia seguinte), verificavas que os tais brinquedos não correspondiam às tuas secretas ambições. Ah! O dia seguinte do brinquedo! Como é rápida a decadência do brinquedo, uma vez arrancado ao arranjo da montra da loja, onde brilhou, rodeado por outros brinquedos, valorizado por luzes hipócritas! Os brinquedos deviam ficar eternamente na suas caixas bonitas, ou penduradas nos tectos dos estabelecimentos para serem apontados pelos dedos indicadores dos meninos. É raro um brinquedo corresponder à imaginação da criança que o recebe. Deves lembrar-te de que, por volta dos teus seis anos, não achavas graça nenhuma a um boneco, por mais bonito que ele fosse. Eu, pelo menos, não achava. O que eu queria era um martelo verdadeiro para pregar pregos verdadeiros onde me apetecesse. A lei natural dos contrastes convida as crianças a desejarem ser adultas. Por exemplo: um cavalo vivo, com arreios de “cow-boy”, é artigo muito querido de todos os meninos. Pistolas autênticas, das que dão tiros homicidas, bicicletas de duas rodas, serrotes, etc., são objectos apreciadíssimos pela infância, que também aceita, resignadamente, as respectivas imitações, de lata, de três rodas, e sem dentes.

 

 

 

Olavo 2.jpg

 

 

 

Tenho um amigo um bocado parecido comigo nestes assuntos de educação infantil. Tem dois filhos a quem tudo permite e a quem gostaria de realizar todos os sonhos. Há tempo, um dos pequenos pediu-lhe um serrote com dentes afiados, e o pai fez-lhe a vontade. O serrote marcou época em casa do meu amigo. Vários móveis de estimação foram serrados pelo garoto que, trocadilho aparte, tem «bicho carpinteiro». O pai do serrador desgostou-se com a proeza do filho e julgo que lhe tirou o serrote. Mas teve desgosto quando lhe tirou o serrote. Disse-me, confidencialmente, que nunca mais o seu querido filho teria um brinquedo que lhe desse satisfação comparável à daquele serrote verdadeiro. «Resta saber — concluiu — se é melhor evitar a perda de móveis insubstituíveis ou a perda duma partícula da alegria de viver do meu filho». Mas, repito, não ê possível apertar em tão poucas linhas a extensa filosofia do brinquedo.

 

 

 

Olavo 3.jpg

 

 

[...] As crianças portuguesas já trazem de longe, quando nascem, uma indisciplina, uma desordem que não lhes consente manusear dinamite sem perigo de explosões. Logo, não as podemos presentear, aos dez anos, como acontece aos meninos alemães, com espingardas de tiro rápido, nem com cavalos de carne e osso, como é uso conceder às crianças inglesas. Sejamos prudentes com os nossos filhos, deliciosamente meridionais, imaginativos e bravos! Fabriquemos, para eles, alguns brinquedos mansos e já consagrados, mas tanto quanto possível aportuguesados.

 

 Olavo d’Eça Leal

in Revista Panorama, número 12, ano 2º, 1942

 

 

 

 

Olavo-dEa-Leal10.jpg

 

Olavo d’Eça Leal (1908-1976) pertenceu à geração de intelectuais e artistas portugueses que colaboraram na revista Contemporânea e no Salão dos Independentes. Escritor e célebre radialista da Emissora Nacional, a sua obra inclui o teatro, a poesia, as artes plásticas, a ficção e a literatura infantil. Escreveu e produziu dezenas de peças para a rádio e televisão, foi jornalista, ilustrador, e coleccionador ecléctico.

 

Em 1939 publica um livro para crianças, Iratan e Iracema, os Meninos mais Malcriados do Mundo, com ilustrações de Paulo Ferreira, que recebe o prémio Maria Amália Vaz de Carvalho. Esta história ao jeito de folhetim radiofónico infantil foi lida pelo autor aos microfones da Emissora Nacional no programa "Meia Hora de Recreio" em trinta e oito fragmentos. Em 1943 é editada a sua História de Portugal para os Meninos Preguiçosos (1943) ilustrada por Manuel Lapa.

 

Desenhos, pinturas, livros e objectos de Olavo d’Eça Leal reunidos ao longo dos últimos quarenta anos pelo seu filho Tomaz encontram-se expostos na Casa da Pinheira [The House of the She-Pine Tree] - Casa-Museu e Guest House situada numa antiga quinta do século XIX próximo da aldeia do Sabugo.

 

 

 

 

 

Agradecimentos: Tomaz d’Eça Leal, Casa da Pinheira , Hemeroteca DigitalAlmanak Silva, Restos de Colecção, JuvenilbaseWikipedia

    

link do postPor VF, às 17:15  comentar


pesquisar neste blog
 
mais sobre mim
Translator
sitemeter
contador sapo