18.4.14

 

 

 

Goa? séc. XVII
Museu Nacional Machado de Castro, Coimbra
Arquivo Nacional de Fotografia / Carlos Pombo da Cruz Monteiro

 

link do postPor VF, às 00:14  comentar

16.4.14

 

 

 

 

 

 

 

Cem anos depois

 

 

A Primeira Guerra Mundial começou vai fazer cem anos no princípio de Agosto. Livros e televisões evocam o cheiro pungente de milhões de mortos — desde 7.000 para Portugal até 1 milhão e 600.000 para a Rússia — ruínas de cidades e descampados. Os horrores que foram filmados, aqueles sobre os quais se lê e os que se adivinham são muitíssimos. E o horror maior é que menos de 21 anos após o fim da Primeira Guerra Mundial a Segunda havia começado.

 

Durou de 1939  a 1945, matou mais gente ainda (portugueses, só em Timor) e acabou, tal como a Primeira, pela derrota da Alemanha e seus aliados. A Alemanha ficou arrasada e dividida; em vez de a fazerem pagar pela guerra, perdoaram-lhe dívida e houve o Plano Marshall, foi-se recompondo sem revanchismos que levassem a outro Hitler e à tentação de nova guerra. Reunificada, democrática, cívica e próspera (até 2010, a única das grandes potências europeias invariavelmente decente com os pequenos) os incómodos que, nos últimos anos, a sua fobia patológica da inflação tem causado a vizinhos pequenos e pobres são graves mas não se comparam com a anexação nazi dos sudetas.

 

Os sudetas têm sido lembrados agora não por causa da Alemanha mas por causa da Rússia. O ex-KGB Vladimir Putin anda a armar aos czares e resolveu anexar a Crimeia (dito e feito), perturbar a parte oriental da Ucrânia e não se sabe que mais ainda. Outras terras europeias com minorias russas — Estónia, Letónia, Lituânia (três estados-membros da União Europeia, aliados na OTAN) — sentem-se ameaçadas pela retórica expansionista e revanchista do Kremlin. Juntamente com Polónia e Suécia — e E. U. A — querem que a Rússia seja avisada em termos inequívocos. Além das sanções aprovadas depois da anexação da Crimeia, deveriam explicitar-se sanções mais graves a serem aplicadas se a Rússia tornar a pôr pé em ramo verde. Apesar de Putin insistir em exercícios militares perto de fronteiras, fomento de rebelião na Ucrânia e retórica perigosamente ambígua, membros da União do sul, entre eles Portugal e às vezes Alemanha, estão relutantes a elevar o tom e recomendam “prudência e diplomacia”.

 

Atenção. O Kremlin sabe que nenhum poder ocidental mandará rapazes e raparigas matarem e morrerem pela Crimeia (e presume que pela Ucrânia também não). No mundo pre -1945 que Putin parece imaginar à sua volta, europeus e americanos devem figurar como poltrões anafados e sem chefe, incapazes de resistirem ao quero, posso e mando do Senhor de todas as Rússias.

 

Mesmo sem comemorar a Primeira Guerra Mundial com o começo da Terceira poderíamos sair vitoriosos desta embrulhada. O poder económico conjunto de Europa e Estados Unidos é tão superior ao da Rússia que sanções inteligentes levariam o Kremlin à glória. Mas seria preciso que alemães, britânicos, franceses, todos, fizéssemos pequenos sacrifícios a curto prazo.

 

Sem a coragem de conter Estaline não teria havido OTAN nem União Europeia. Esperemos que Putin chegue para nos endireitar outra vez a espinha.

 

 

 

link do postPor VF, às 08:15  comentar

9.4.14

 

 

 

 

Le Déjeuner sur l'herbe

Édouard Manet (1863)

 

 

 

 

 

O sarilho francês

 

 

Revolução Francesa e Revolução Americana, feitas para a felicidade ser possível sobre a Terra, tiveram destinos diferentes. No Novo Mundo, os derrotados de 1776 fugiram para sempre. Na Velha Europa, os vencidos de 1789 fugiram também - mas depois voltaram. Em cada francês coabitam um ci-devant e um sans-culotte e a República gosta de armar em Monarquia. A América é igualitária. Um dia no State Department, a discutir defesa europeia (as coisas de que um homem se lembra de tratar…) disse a Peter Tarnoff, vice-ministro dos estrangeiros: “V. sabe, a Europa é complicada”. “Sei, sei. É por isso que nós estamos aqui”. Parte da simplificação transatlântica resume-se assim: riqueza, a que cada um possa e queira mas todos tu cá, tu lá.

 

Durante a guerra de 1939-45 a França adaptou-se tão bem à ocupação nazi que há um livro chamado “Quarenta Milhões de Pétainistas” mas figurou entre as potências vencedoras com lugar cativo no Conselho de Segurança da ONU e ocupação militar de uma das quatro zonas em que a Alemanha foi dividida. Graças ao general de Gaulle, refugiado em Londres donde, a 18 de Junho de 1940, pela telefonia da BBC apelou os franceses à resistência. E graças ao Partido Comunista (depois de Hitler invadir a URSS em 1941; até aí, respeitador do pacto Germano-Soviético de 1939, nem tugira nem bulira). Em país maioritariamente colaboracionista, gaulistas e comunistas morreram pela França livre e ganharam. Os primeiros quatro versos de um poema célebre de Aragon — “Celui qui croyait au ciel/Celui qui n’y croyait pas/Tout deux adoraient la belle/Prisonnière des soldats” — publicado clandestinamente, encapsulam o que ‘spin doctors’ chamariam hoje a “narrativa” francesa da guerra. De Gaulle só esteve no poder 10 anos, o Partido Comunista partilhou governos menos tempo ainda, mas ambos reforçaram o anti-americanismo francês. Os comunistas por fidelidade a Moscovo; De Gaulle por Washington o ter humilhado durante a guerra.

 

Houve caprichos caricatos (o Minitel, tentativa saloia de internet), outros custosos (a semana de 35 horas). Anti-americanismo e anti-capitalismo eram unha com carne; em 2012, após 17 anos de presidentes de direita, o socialista François — “Não gosto dos ricos” — Hollande chegou ao Eliseu. Tal como Mitterand, quis governar à esquerda e perdeu o eleitorado centrista. A seguir guinou à direita e alienou parte da sua base levando tal banho em eleições locais que mudou o primeiro-ministro. Nomeou Manuel Valls, ‘Tony Blair francês’, mas para ofender menos os seus impôs-lhe no governo figurões da ala mais esquerdista do partido. Desrespeito antigo por padrões fiscais europeus mantém-se (embora agastada, a Alemanha continua a pôr-lhe a mão por baixo; sem o eixo franco-alemão a Europa teria esquecido muito menos Hitler).

 

Até 2017 nada mudará. Depois, pouco. A França não quer a Europa para ser mais europeia. Quere-a para a Europa ser mais francesa, para que uma pitada de inflação seja o sal da economia.

 

 

 

 

link do postPor VF, às 09:31  comentar

6.4.14

 

 

 Jean Guitton

 

 

Cher Gyp,

 

As-tu une âme, mon petit chien?

 

J'ai séjourné, il y a bien longtemps, à Hickleton chez un grand seigneur anglais, Lord Hali­fax, que tu connais bien. Lord Halifax ne pou­vait se séparer de toi, son petit chien, qu' il avait appelé Gyp.

Gyp, je m'en souviens, tu prenais à cinq heures le thé avec lui. Tu étais de sa famille, comme l'est un frère. Mais ce qui m'a le plus surpris, c'est que lorsque tu es mort, ton maître t'a fait faire un petit cercueil et il t'a enterré près de l'église.

 

Un jour, je lui dis que sa conduite avec toi m'étonnait beaucoup : il te traitait comme si tu avais eu une âme, et donc une immortalité, Alors, le vieux lord me regarda en même temps qu'il te regarda. Il me dit : «Peut-être Gyp n'a-t-il pas d'âme (soul), mais Gyp a certainement un avenir (future). Car il a pour moi des mouve­ments d'amour — ici, ayant compris, tu aboyas — et tout mouvement d'amour est néces­sairement éternel, comme la beauté.»

 

Cette tendresse avait rapproché Maurice Genevoix de tes congénères, et de tous les ani­maux, en particulier des écureuils, qu'il affec­tionnait. Il disait que l'animal n'est pas une bête. Il est bien plus : l'animal, pour Genevoix, était un «préhomme ensoleillé».

 

Je crois à la souffrance des animaux. Il me suffit d'entendre la plainte des bêtes pour savoir qu'elles souffrent. Je ne suis pas comme Des­cartes qui, lorsqu'il donnait un coup de pied à un chien, le faisait sans aucune pitié, parce que le chien était pour lui une mécanique.

Saint Paul disait que les animaux gémissent avec la création tout entière.

 

Mais je crois à la souffrance des animaux d'un point de vue religieux. Car le Christ sur la croix était semblable à un agneau blessé. Selon saint Jean, le Christ est mort au moment même où l'on immolait les agneaux pour célébrer la pâque juive. Par son oblation, Jésus mettait fin aux autres sacrifices : il est devenu le seul Agneau.

Et de ce point de vue, je pense que l'animal qui souffre est associé d'une manière très lointaine à la Passion.

 

Et c'est pour toi, Gyp, que je me récite le quatrain de Gérard de Nerval:

 

 

Respecte dans la bête un esprit agissant:

Chaque fleur est une âme à la nature éclose.

Un mystère d'amour dans le métal repose,

Tout est sensible! Et tout sur ton être est puissant

 

 

 

Jean Guitton

in Lettres Ouvertes

© Éditions Payot & Rivages, 1993

 

 

link do postPor VF, às 17:18  comentar

2.4.14

 

 

 

 

Susana e os Velhos (1610)

Artemisia Gentileschi

 

 

 

 

A caça aos velhos

 

 

Quando eu era pequeno os meus pais tinham sempre razão. Quando o meu filho era pequeno o Dr. Spock já mudara as regras e quem tinha sempre razão era o meu filho. Feitas estas constatações receei às vezes que, se chegasse a velho, alguém tivesse entretanto descoberto que o melhor para os velhos era matá-los.

 

Humanistas horrorizados e tecnocratas como se não fosse nada com eles dizem-me agora que estamos à beira desse dia. O ambiente é propício: por exemplo, um estudo recente da Universidade Católica de Louvain mostra que empregados com mais de cinquenta anos de idade dão prejuízo financeiro às empresas onde trabalham. E é por aí que o gato vai às filhoses.

 

Comparação com África é instrutiva. Até meados do século XIX, em muitas sociedades tradicionais ao sul do Sará, os homens velhos tinham muito mais prestígio e poder do que os novos. Mandavam na aldeia, escolhiam as melhores mulheres, comandavam as hostes na guerra. Os novos obedeciam e esperavam a sua vez. Com os colonizadores veio o trabalho pago a dinheiro nos campos e nas minas. Numa economia monetarizada os novos tornaram-se os senhores: podiam, mais do que os velhos, comprar vacas para pagarem noivas e bens de consumo em geral, abundantes e indicadores de estatuto como nunca acontecera. Toda a gente ficou contente com a mudança — tirando, já se vê, os velhos.

 

Na Europa post-industrial a história foi diferente mas o resultado parecido — e pior. Os progressos da ciência e do bem-estar social estenderam a longevidade de maneira inédita, diminuíram a idade da reforma e restringiram o tamanho das famílias. Cada vez menos gente nova trabalha para sustentar gente cada vez mais velha. E os velhos, que já há muito tinham mau nome —

 

Em suma, somos os velhos

Cheios de cuspo e conselhos.

Velhos que ninguém atura

A não ser a literatura

 

E outros velhos. (Os novos

Afirmam-se por maus modos

Com os velhos). Senectude

É tempo, não é virtude.

 

escarnecia Alexandre O’Neill há mais de meio século — são hoje, em partes da sociedade portuguesa, mais mal vistos do que banqueiros, políticos ou jornalistas. O fim da picada.

 

E há mais. O predomínio descontrolado da economia financeira, desligando proventos da produção de bens, e a captura por gente do sector, jovem e altamente especializada, das alavancas do Estado, cavou um fosso entre o bom senso da maioria dos portugueses e a insensatez militante de quem os governa. Tal insensatez — ou “falta de inteligência emocional” — é frequente  em cientistas mas rara em políticos. Salvo talvez em Quislings, isto é, governantes que não prestam contas ao seu próprio povo mas a poder suserano de quem sejam vassalos.  

 

Quanto aos velhos? Impor eutanásia obrigatória — que poderia ser extinta, como o serviço militar, quando sábios da casa e da troika achassem que os números batiam certos. E a malta? A malta, na mesma: “Isto, Senhor Doutor, o que é preciso é a gente estar bem com a lei que há”. Descendentes dos heróis do mar? Ou dos que por cá ficaram?

 

 


29.3.14

 

 

 

Le Métis de Dieu

Ficção/ Drama

 

Domingo, 30 de Março 2014 às 17h30

 Cinema S. Jorge, Sala Manoel de Oliveira 

 

 

A surpreendente história de Jean-Marie Lustiger, filho de emigrantes judeus polacos, em França, que manteve a sua identidade cultural judaica mesmo depois de se converter, ainda jovem, ao catolicismo e de ser ordenado padre. Subindo rapidamente na hierarquia da Igreja, Lustiger foi nomeado Arcebispo de Paris pelo Papa João Paulo II, em 1981, e estabeleceu uma nova postura que respeitasse a sua dupla identidade enquanto judeu católico, o que lhe granjeou amigos e inimigos de ambas as facções.

 

Após a exibição do filme haverá um debate com a participação de Padre José Tolentino de Mendonça e Rabino Eliezer di Martino moderado por António Marujo.  

 

 

Entrevista com o realizador Ilan Duran Cohen aqui

 

 

link do postPor VF, às 22:54  comentar

28.3.14

 

 

Documentário de Lewis Cohen

Sábado, 29 de Março 2014 às 16h30

Cinema S. Jorge, Sala Manoel de Oliveira

 

 

The kidnapping and brutal murder of a young French Jew, Ilan Halimi, kicks off a roller coaster quest to bring his tormenters and killers to justice, along with an enlightening search through history to discover the origins and reasons for perpetuation of the age-old myth of Jews as the world’s financial purse string holders. Jews & Money is a probe into the myth about Jews, and where and when it took root. Why is the Jew so often cast as the banker or trader, pawnbroker or movie mogul? Of all the medieval moneylenders, why is only Shylock remembered? How did the Rothschilds become the symbols of international capitalism? And why does a simple cell phone salesman get pegged as rich, and die for it?

 

A debate with the participation of Richard Zimler, Manuela Franco, Jorge Martins and Marina Pignatelli will follow the screening.​

  

 

Ilan Halimi

1982-2006

 

 

Em 2006, um jovem vendedor judeu é raptado nos arredores de Paris por um bando de criminosos, que exigem um resgate de meio milhão de euros convencidos de que “todos os judeus são ricos”. Não era o caso.

 

Este documentário investiga quando e onde estarão as raízes desse mito, por que razão o banqueiro, o comerciante, o dono da loja de penhores ou o grande empresário da indústria cinematográfica são tantas vezes representados por judeus? Entre tantos agiotas medievais, por que motivo é Shylock o único que ainda hoje é recordado? Como é que os Rothschild se tornaram os símbolos do capitalismo internacional? E porque é que um modesto vendedor de telemóveis passa por rico, morrendo por causa disso?

 

Após a exibição haverá um debate com a participação de Richard Zimler, Manuela Franco e Jorge Martins moderado por Marina Pignatelli.   

 

 

link do postPor VF, às 11:40  comentar

26.3.14

 

 

 

 

 

 

 

Uma invenção recente

 

Há guerras desde que há homens; a paz é uma invenção recente — escreveu jurista inglês do século XIX. Até ao aborrecimento da Crimeia, o pessoal governante dos países da União Europeia e os Democratas de Obama nos Estados Unidos pareciam convencidos de que a invenção chegara para ficar. Mesmo Ângela Merkel, filha de pastor luterano e com juventude passada de Stasi à coca, teria dito a Obama que Putin vivia “noutro mundo” — subentendendo que o “mundo real” era aquele em que o presidente dos Estados Unidos e ela própria viviam.

 

Não perceberam nada — tal como o alto funcionário da Comissão de Bruxelas que me disse há anos, discutindo o lugar da Europa no mundo, que a ideia da União Europeia entrar em guerra era inconcebível para ele. Muitos falavam então no “dividendo da paz” — desde o fim da Guerra Fria não era preciso gastar dinheiro em defesa — esquecendo a exortação romana “se queres paz prepara a guerra” (ou Duff Cooper, ministro de Churchill, quando escreveu que desarmar para evitar a guerra seria como fechar as esquadras de polícia para acabar com o crime). Muita gente caricaturou o académico americano que depois da derrota do comunismo anunciou o fim da história — íamos todos, no mundo inteiro, viver para sempre em democracia+economia de mercado — mas os governos europeus portaram-se como se tivessem levado a caricatura a sério.

 

Arruaceiros de países pequenos e mais ou menos distantes foram metidos na ordem sem grandes custos (com ajuda de Washington). Países maiores que, por exemplo, nos vendam petróleo, podem pintar a manta dentro de casa que a gente não os apoquenta. Regras simples. A hipótese de mau comportamento egrégio, contra os nossos interesses e a nossa bazófia moral, da parte de um dos grandes, terá levado estados-maiores a planos secretos mas não se esperava que tornasse a acontecer mesmo, pelo menos no nosso tempo. Toda a gente acha que governantes como os da Segunda Guerra Mundial — De Gaulle, Churchill, Roosevelt — já não há: até Putin, por incómodo que seja, não chega aos calcanhares de Estaline.

 

Além disso, desde Jack Kennedy em 1960, passou a estar na moda escolher chefes políticos muito novos. A União Europeia está cheia deles e tal acrescenta à impopularidade da classe política numa altura em que esta é acusada de não ter sido capaz de prever a crise económica, de lhe ter acudido de maneira nociva e (se Putin não tomar juízo) de ter deixado a Europa indefesa.

 

Ora o juízo de Putin não é o nosso. Deu-se por missão fazer com que a Rússia torne a meter medo ao mundo, os russos estão com ele — pelo menos até ao preço do petróleo baixar — e a impopularidade dos políticos ocidentais é notória.

 

Para manter paz e honra será preciso vencê-lo pela economia. Começando por fazer do tratado comercial que europeus e americanos estão a negociar, e aumentaria os PIBs respectivos, um objectivo estratégico. A URSS perdeu a Guerra Fria por não ser capaz de competir economicamente com o Ocidente.

 

 

 

Imagem aqui

 

  

link do postPor VF, às 10:17  comentar

22.3.14

 

 

 

 

De 27 a 30 De Março de 2014 serão apresentados em Lisboa, no cinema S. Jorge, filmes e documentários recentes, na sua maioria em estreia absoluta. Desde dramas históricos até comédias comoventes e sessões para escolas e famílias, a programação é pautada por debates, propostas de literatura, experiências gastronómicas e, a fechar o evento, a participação especial de um DJ Klezmer.

 

A escolha dos filmes desta segunda Mostra leva-nos numa viagem por diversos países, épocas e facetas não exploradas da Grande História, da Bielorrússia à Patagónia. Uma Grande História que talvez se exprima com a maior eloquência nos breves 16 minutos mudos da curta-metragem Sapatos. Encontramos também Mengele, retratado em O Médico Alemão, de Lucía Puenzo, e deparamo-nos com rapazes e raparigas palestinianos e israelitas a Dançar em Jaffa, que nos ensinam que é possível amar o inimigo. Rosinha tece o seu enredo à volta dos trágicos acontecimentos de Março de 1968 na Polónia, num argumento interpretado pelos mais talentosos actores e actrizes polacos da actualidade. Já numa Berlim mais contemporânea, Os Mortos e os Vivos lança-nos no encalço de Sita, uma jovem que é confrontada com um terrível segredo de família. Paixão e traição são também os temas fortes que marcam o filme alemão Fim de Temporada.

 

Seguem-se duas grandes obras de produção israelita, O Casamenteiro num tom de humor muito especial, e A Vida é Engraçada, um filme que surpreende pela humanidade e imperfeição das suas personagens, em que todos nos poderemos rever.

 

Encerra o cartaz O Cardeal Judeu, filme baseado na extraordinária vida do cardeal francês Jean-Marie Lustiger. A projecção será seguida de uma troca de ideias entre o Padre José Tolentino de Mendonça e o Rabino Eliezer di Martino.

 

Para completar, ao longo da Mostra decorrerá uma feira do livro, onde poderemos encontrar os mais variados títulos de autores judeus e/ou temáticas judaicas, uma sessão dedicada à Rede de Judiarias de Portugal, e ainda provas de vinhos, degustação de chocolates e diversos produtos Kosher.

 

Consulte o programa completo aqui

 

 

 

link do postPor VF, às 15:14  comentar

19.3.14

 

 

Cerco do Porto: desembarque dos Bravos do Mindelo aqui

 

 

 

 

 

As coisas são o que são

 

 

Há muitos anos, a almoçar com o Luís Sttau Monteiro numa tasca em Algés, mandámos vir bacalhau à Braz e favas com chouriço mouro. O bacalhau estava óptimo; as favas bastava vê-las para duvidar. O Luís provou-as e disse: “Ná, não é isto. Mas a verdade é que nós também não somos”.

 

Desde que vivemos em democracia — não era o caso quando o Luís e eu íamos à tasca de Algés — sempre que me indigno com qualquer coisa feita ou desfeita pelo governo português lembro-me dessa pérola de sabedoria.

 

A democracia veio com a Europa que nos mimou não fôssemos, perdido o Império, cair no comunismo. Quando chegou o euro ficámos com o rei na barriga. Dinheiro de fora, barato, gasto durante década em que a economia não cresceu, deu o “milagre português”: toda a gente se achava melhor do que as favas de Algés. Depois veio a troika - alternativa politicamente correcta a ocupação estrangeira, ditada por países do Norte (que inocentaram os seus bancos de tropelias aqui feitas) – para nos ajudar a sair do buraco. De maneiras lembrando a inabalável fé dos comunistas que sabiam como nos salvar, entre Março e Novembro de 1975. Queres Paraíso na Terra? Só depois de Inferno intermédio.

 

Para o resto do mundo a Europa não é modelo, é incómodo. A globalização assusta-nos por já não a comandarmos, ao contrário do que aconteceu em globalizações anteriores — desde Vasco da Gama até às décadas de progresso que precederam a Grande Guerra foram 400 anos a mandar vir. Agora, depois de meio século de paz, os europeus estão azedos uns com os outros: países ricos do Norte contra países remediados do Sul; nenhum disposto a mandar soldados reforçarem soldados franceses na República Centro-Africana (depois de alguns o terem prometido); os que percebem que Putin é um perigo universal contra os que acham que bálticos, polacos e suecos deviam era ter juízo e não provocarem o Czar de todas as Rússias. Se já sabia que atrasava a recuperação económica do mundo por inépcia própria, a União Europeia sabe agora que andou a pregar o direito e o bem acima das suas posses morais.

 

Cada um tem as suas fezes. Em Portugal a imposição de costumes luterano/calvinistas de gente habituada a tratar directamente com Deus a gente calhada na mediação de Santos e de hipóstases de Nossa Senhora é obra. Não há precedente na nossa história, salvo talvez nas leis de Mouzinho da Silveira que, cercado no Porto, fez do Portugal medieval um estado moderno. A legislação só foi aplicada depois do fim da guerra civil em 1834 - mas nem tudo mudou. Por 1900 a dívida externa era tal que, sem a Grande Guerra, Alemanha e Inglaterra teriam partilhado as nossas colónias.

 

Os portugueses hão de ser sempre os mesmos porque não há outros dizia o primeiro Duque de Palmela. Colega de Mouzinho, não só se bateu de armas na mão como convenceu banqueiros de fora a emprestarem dinheiro para os liberais ganharem a guerra.

 

Deplorável situação permanente, diria Jorge de Sena. Ou vigor do Sebastianismo?

 

 


12.3.14

 

 

 

 

 

 

 

Prepotências, roubalheiras, aldrabices

 

 

Em 2008, corriam os Jogos Olímpicos de Pequim, a Rússia capturou militarmente à Geórgia duas partes do seu território — a Ossétia do Sul e a Abkhásia — de estatuto autónomo e muitos habitantes russófonos. Bush, em Washington, protestou menos do que Obama agora perante Ucrânia e Crimeia. Nós, os da União Europeia, com Sarkozy à frente, inventámos uma “mediação” que nada devolveu à Geórgia, sossegou a Rússia e nos deixou de consciência tranquila. Para o conforto ensimesmado dos europeus (5%, 25% e 50% da população, do produto e da despesa social mundiais, respectivamente) foi como se a crise da Geórgia não passasse de tempestade num copo d’água.

 

Com o Kremlin, continuou-se business as usual. A França vendeu à Rússia navios de guerra que a ajudaram no emprego e na balança de pagamentos; a Alemanha, a Itália e a Holanda pouco fizeram para diminuírem a sua dependência energética da Rússia; Londres e os paraísos fiscais cobertos pelo Reino Unido —  das Ilhas do Canal às Ilhas Cayman — continuaram a gerir e a lavar bem os milhões dos oligarcas (e preços de casas em Londres chegaram à estratosfera). Do outro lado do Atlântico, Barack Obama — que tal como Jimmy Carter com Brejnev, parece convencido de que no fundo, no fundo, Putin reconhece que ele tem razão — meteu-se há anos a tentar pôr no são as relações com a Rússia e com tal inépcia o fez que, em vez de ganhar lealdade de um novo amigo levou o Kremlin a perder o respeito que, antes dele, ainda tinha pela Casa Branca. Entretanto, com a Geórgia no papo, Vladimir Vladimirovich sente-se seguro na sua missão histórica de recuperar a grandeza russo-soviética. Como se diz por lá: comer abre o apetite.

 

E agora, por causa de zaragatas na Ucrânia e na Crimeia, lugares longínquos sobre os quais quase todos os europeus — ainda não refeitos de Lehman Brothers / dívidas soberanas / banca à nora — sabem pouco e mal, porque muito do que nos chega é propaganda russa, espera-se que os nossos governos e o americano se unam e façam recuar o Kremlin. Há de ter que ver. Sem chefia americana e com vendilhões a encherem os nossos templos, receio que as medidas que forem tomadas fiquem aquém do  preciso para fazer a Rússia largar a Crimeia.

 

Na Guerra Fria confrontavam-se capitalismo e comunismo. Hoje de um lado estão estados de direito com sufrágio universal e do outro o feixe de brutalidades, roubos e mentiras que dá pelo nome de capitalismo de Estado. Os europeus que sabem na carne dessa poda — Bálticos; ex-Pacto de Varsóvia — procuram que combatamos por todos os meios ao nosso alcance a opressão asfixiante e corrupta que a Rússia quer impor à Ucrânia, com sanções imediatas que doessem mesmo ao Kremlin e promessa a Kiev de adesão à União Europeia. Alemães, britânicos, franceses, outros, arrastam os pés.

 

Nem Estados Unidos nem União Europeia mandarão os seus morrer pela Ucrânia. Mas com visão, coragem e determinação poder-se-ia travar Putin sem guerra — por enquanto.

 

 

 


8.3.14

 

 Thérèse Delpech

 

 

Chaque époque a l'épidémie qu'elle mérite. Au temps de Freud, ce sont les maladies de l'âme qui font une entrée spectaculaire. Elles avaient certes une histoire aussi longue que celle de l'humanité, mais au moment où la psychanalyse voit le jour des bouleversements historiques inédits multi­plient les risques de déséquilibre psychique. Dès l'Antiquité, Thucydide et Euripide, évoquant respectivement la guerre du Péloponnèse et la guerre de Troie (1), décrivent les ravages qu'exer­cent sur la psyché les grandes transformations de l'histoire. Au XIXe siècle cependant, la tourmente a quelque chose d'incommensurable avec tout ce qui l'a précédée, car il s'agit d'une perte irrépa­rable du passé, décrite par Chateaubriand dans les Mémoires d'outre-tombe. Un abîme sépare désormais l'ancien monde et le nouveau. L'esprit, tourmenté par cet abîme, s'engage dans des aven­tures intérieures dont témoignent les portraits romantiques, avec leur regard sombre tourné vers le dedans. Ce qu'ils y voient, Freud pense l'avoir découvert près d'un siècle plus tard, au terme d'une odyssée personnelle aussi longue et péril­leuse que celle d'Ulysse, où il se retrouve non à Ithaque, l'île de l'heureux retour chez soi, mais à Thèbes, lieu de meurtre, de suicide et de culpabi­lité, où règne l'« inquiétante étrangeté » décrite par le romantisme allemand. Que s'est-il donc produit ?

 

Le rapport que l'époque entretient avec le passé fournit précisément une réponse. Au XIXe siècle, celui-ci subit de tels coups de boutoirs - poli­tiques, familiaux, religieux - qu'il explose littéra­lement, faisant voler en éclats tous les repères de la tradition. Balzac dira que l'on se trouve désormais au milieu des débris d'une grande tempête. Rien n'avait préparé le psychisme à de tels bouleversements, car la conjonction de la tabula rasa de la Révolution, de la remise en cause de l'autorité du pater familias, et de l'apparition d'un monde laïcisé n'avait pas de précédent. Les névroses que traite Freud sont souvent l'expres­sion du vertige qui en résulte : l'intériorité est comme perdue dans un labyrinthe (2). L'inventeur de la psychanalyse n'aurait donc pas imposé à l'humanité sa névrose personnelle, comme le prétendent ses détracteurs. Il n'aurait pas davantage fourni une explication universelle du psychisme humain avec le thème du parricide, comme le voudraient ses fidèles. En créant une nouvelle science de l'âme il aurait simplement exprimé la tragédie intime de son temps.

 

Thérèse Delpech

in L'Homme Sans Passé, Freud et la Tragédie Historique

(Prologue - La Grande Rupture)

© Éditions Grasset & Fasquelle, 2011

 

 

 

1. Raymond Aron a souligné les analogies entre les bouleversements introduits par les grandes guerres euro­péennes et ceux de la guerre du Péloponnèse.

 

2. Voir le thème du labyrinthe chez Chamisso, où le diable joue le rôle du guide.

 

 

 

 

link do postPor VF, às 16:07  comentar

5.3.14

 

 

 

 

 

 

Prolegómenos a qualquer Europa futura que possa apresentar-se como potência

 

 

Ao anunciar sanções contra o (antigo) regime ucraniano a União Europeia mostrou que afinal existia. Vários dos seus membros tinham, até aí, sido contra pois receavam que tal fosse provocar a Rússia (e provocou mas, como dizia o outro, quem não tem competência não se estabelece).

 

As sanções foram anunciadas em Bruxelas. Em Kiev os MNEs de Alemanha, França e Polónia mediaram acordo que diminuía os poderes do presidente e antecipava eleições — mas os manifestantes não desarmaram e o parlamento, com muitos deputados da maioria presidencial a juntarem-se aos da oposição, depôs o presidente, substituiu-o, até às eleições, pelo presidente do parlamento, e nomeou um governo provisório.

 

Apoiando o novo regime, a Europa agiu escudada nos seus valores. Putin de entrada ficou calado; Medvedev disse que o novo poder em Kiev era ilegal; houve manobras militares. A seguir Putin fez rufar tambores na Crimeia (doada à Ucrânia em 1954, muita gente lá acha que estaria melhor entregue a Moscovo do que a Kiev), ameaçando integridade territorial que considerara sagrada no caso da Síria — “a lei é a lei e temos de a cumprir, gostemos dela ou não” dissera na altura. Entre ecos de ópera bufa e avisos de tragédia, o homem para quem o colapso da União Soviética foi a maior catástrofe geopolítica do século XX está a obrigar Europa e Estados Unidos a encontrarem maneiras de o conter. Não é fácil. A nostalgia post-imperial russa assusta; a Ucrânia não é uma pera doce. Obama parece às vezes julgar que a razão, irmã do amor e da justiça, levará sempre a melhor; moles, muitos europeus acham que não é com eles. Mesmo assim, graças sobretudo à Alemanha (mesmo a Alemanha da prudente Merkel) o cerco vai apertando. Se a União Europeia não perder cabeça e coragem e abrir a porta à Ucrânia — e se a Ucrânia perceber que sem estado de direito não sairá da cepa torta — a nossa segurança terá dado um salto em frente.

 

A União Europeia tem fronteiras seguras a Norte, Ocidente e Sul. A Sudeste menos: o Médio-Oriente é viveiro de conflitos (a adesão da Turquia, prometida há décadas mas negociada com vagares de lesma, deve ser acelerada; será melhor tê-la dentro da barbacã, virada para fora, do que fora, virada contra a barbacã). Por fim, a Oriente: Ucrânia significa fronteira. O acordo com a União Europeia que à última hora o presidente deposto se recusara a assinar seria mais um passo para a pôr do nosso lado dessa fronteira. É do nosso maior interesse dá-lo e impedir que a Rússia faça o que sempre fez: mude os marcos da propriedade para ir ganhando terreno.

 

A União Europeia não é empresa multinacional ou ONG filantrópica. É uma ambição política, entrançada com vontades nacionais centenárias. Se quer o seu lugar de grande potência no mundo terá de falar com uma só voz e dar-se ao respeito por toda a parte. Como acontece hoje na Ucrânia, com a Alemanha à frente ou, com a França à frente, no Mali.

 

 

 

imagem aqui

 

 


3.3.14

 

 

Lisboa, Fotografia Vasques, 1937
Fotografia gentilmente cedida por Maria Teresa Blanco Camilo, a quem muito agradeço
link do postPor VF, às 13:52  comentar

26.2.14

 

 

 

 

 

 

 

 

A peste homofóbica

 

 

(Mas, antes dela, noto que a Islândia, vítima há anos de colapso bancário ruinoso, anunciou desistir de candidatura à União Europeia. Saiu da crise ajudada pelo FMI, com flexibilidade que impediu o país de endividar gerações vindouras. No Sul da Europa tivemos menos sorte. A Alemanha, que queria salvar os seus bancos, impôs-nos austeridade com as consequências conhecidas. Moral da história: teria sido perfeitamente possível sair da crise sem pôr o futuro no prego. Faltou visão a Berlim e coragem a todos).

 

Voltando ao título. Como erradicar a peste homofóbica que grassa hoje na África e na Rússia contra mais de um século de progresso social e de decência promovidos na Europa Ocidental e nos Estados Unidos? A maior e mais maltratada das minorias, em todo o mundo, são as mulheres (demograficamente em maioria como os pretos na África do Sul do apartheid) que gozam hoje, na teoria e na prática europeias e norte-americanas, quase dos mesmos direitos e deveres que os homens. Homossexuais, minoria mais pequena, deixaram de ser discriminados, como se sabe, nas leis desses estados. Em cada vez maior número deles, podem casar e adoptar. Nessas sociedades vibram ainda focos de oposição religiosa e de deferência pelos costumes mas liberdade e tolerância têm levado a melhor no debate que continua.

 

Em contraste vivo, o Parlamento da Rússia de Putin, a pretexto de proteger as crianças de riscos de pedofilia, passou legislação que na prática criminaliza a homossexualidade e deixa homossexuais à mercê de arbitrariedades da administração e do público.

 

O que se passa em África é mais alarmante ainda. De 54 estados do continente, 38 criminalizam a homossexualidade (3 —  Sudão, Mauritânia, Somália — e o norte da Nigéria, que adoptam a charia, preveem pena de morte). Nigéria e Uganda endureceram há pouco as suas leis. Mesmo na África do Sul, apesar de ocidentalizada pelo humanismo de Mandela, existe ambiente homofóbico (lésbicas submetidas a violações colectivas, “para as curar”). Uma declaração do Presidente da Gâmbia ilustra o quadro africano: “A homossexualidade nunca será tolerada e poderá incorrer a pena máxima pois quer levar a humanidade a extinção inglória. Combateremos essa bicharia, os chamados homossexuais ou gays como combatemos os mosquitos da malária ou com mais vigor ainda. No que me diz respeito, LGBT só pode significar Lepra, Gonorreia, Bactéria, Tuberculose; coisas nocivas. Esclareço também que a Gâmbia não poupará nenhum homossexual e portanto a imunidade diplomática não será respeitada no caso de diplomatas homossexuais”.

 

David Cameron disse que queria “exportar o casamento homossexual” para o mundo inteiro. Foi logo acusado de neocolonialismo. Tiranetes cruéis encontraram mais desculpas para o mal que faziam. Não sou fanático do progresso; é prudente respeitar tradições mas, neste caso, norte-americanos e europeus têm razão e quem se lhes opõe faz subir marés de fel no sinistro mar da dor humana.

 

 

Imagem aqui

 

 

 


23.2.14

 

Congopresse Study photographs, 1930-1960 

Photographs taken by Congopresse photographers in the Belgian Congo. Accompanying the images are French and Flemish language captions which include specific information on locations and photographers, though often without dates.

 

 

Léopoldville, 1 Juillet 1948

H. Goldstein / Congopresse

© Royal Museum for Central Africa, Tervuren

 

A Léopoldville,le 1er juillet 1948, un Te Deum a été chanté en plein air devant le monument au roi Albert 1er, par S.E. le Cardinal Van Roey, Archevêque de Mâlines, Primat de Belgique, à l'occasion de 1'anniversaire de la proclamation de l' Etat Indépendant du Congo. Aussitôt après fut inauguré le monument aux Pionniers qui, il y a cinquante ans, construisirent le Matadi à Léopoldville, le premier chemin de fer de la Colonie. 

 

Léopoldville, 1 Juillet 1948

H. Goldstein / Congopresse

© Royal Museum for Central Africa, Tervuren

 

Te Deum: vue de la place et du boulevard Albert 1er

 

Léopoldville, 1 Juillet 1948

H. Goldstein / Congopresse

© Royal Museum for Central Africa, Tervuren

 

Les enfants des travailleurs indigènes de L'Otraco, organisme qui assure la gestion du chemin de fer, défilent devant les autorités à la fin de la cérémonie.

 

 

 

Sobre a minha colecção de fotografias Congopresse leia o post "No Congo" aqui e veja mais fotos clicando na tag "Congo".

 

 

link do postPor VF, às 17:20  comentar

19.2.14

 

 

 

Portugueses prisioneiros dos alemães na Primeira Guerra Mundial (1916) Wikipédia

 

 

 

 

 

 

Duas lições da História

 

 

Lisboa tinham-na os mouros.

                                                                        

Quem a havia de tomar?

                                                                                

El-Rei D. Afonso Henriques

                                                                          

Com os Cruzados a ajudar.

 

 

 

O espírito dos Lusíadas fora assim afunilado no livro de leitura da terceira classe dos meninos e meninas portugueses, no começo dos anos 50 do século passado. Graças sobretudo a cartas de dois dos cruzados conhecem-se alguns pormenores do feito, praticado em 1147. As cartas não referem porém o episódio que ficou gravado para sempre na história militar lusitana, lembrado por pais a filhos, com nome de Largo na Baixa de Lisboa e tudo. Martim Moniz, fidalgo próximo de El-Rei, uma vez aberta fresta entre os batentes da porta principal da fortaleza, atravessou-se nela, dando a vida pela vitória. O seu corpo impediu que os mouros conseguissem voltar a fechar a porta, os cristãos entraram por ela e conquistaram a cidade.

 

 

A tradição não conta que na véspera à noite se teria travado viva discussão entre conselheiros de D. Afonso Henriques. Uns preconizariam o ataque directo à porta principal, aproveitando a passagem dos cruzados e antecipando a chegada de quaisquer reforços mouros vindos do sul. Outros porém, sustentariam que tal esforço seria vão e custoso em vidas, que o cerco acabaria por esfomear os sitiados e os levaria à rendição, e até que, entretanto, ficariam tão enfraquecidos que dentro de duas semanas se poderia fazer ataque surpresa à noite, escalando a parte mais baixa da muralha, nas traseiras do castelo. É plausível — se bem que as fontes utilizadas não sejam geralmente consideradas fidedignas por medievalistas — e, embora não diga de que lado se colocara Martim Moniz, sabe-se o que aconteceu depois e há uma lição a tirar.

 

 

A política externa conduzida quer à maneira europeia de hoje (“Não há rapazes maus”) quer à maneira universal de Clausewitz (de armas na mão, se preciso for) exige determinação, sentido de oportunidade e coragem. Se estes tivessem faltado a D. Afonso Henriques há 1867 anos o destino da cidade de Ulisses teria sido outro e não haveria heroísmo de Martim Moniz para nos inspirar.

 

 

Segunda lição. Em 1916, Portugal entrou na Grande Guerra contra os alemães. Tropas portuguesas combateram em África e no norte de França, tendo sofrido muitas baixas na batalha de La Lys onde as nossas forças se bateram ao lado dos ingleses. Conheci há muitos anos tenente-coronel  reformado, visita de casa de amigos açorianos, que nessa batalha comandara uma bateria de morteiros. Era uma santa pessoa. Tão bom e tão piedoso que, disse-me ele, de cada vez que atirava um morteiro contra os alemães, rezava pedindo a Deus para não matar ninguém.

 

 

Lição: guerras, que dão largas ao pior que há no homem, despertam também às vezes o melhor nele. Politicamente incorrecto? Talvez, mas é assim.

 

link do postPor VF, às 09:08  comentar

14.2.14

 

 

 

 

[...] Aos 72 anos de idade, um ilustre poeta açoriano começa a escrever exaltados versos de amor tardio a uma mulher. Prolonga essa escrita por cerca de quatro anos e ela ocupa para cima de 220 páginas do volume agora editado pela Imprensa Nacional-Casa da Moeda, em edição da responsabilidade de Luiz Fagundes Duarte, Caderno de Caligraphia e outros poemas a Marga. Pensa em publicar em vida uma parte substancial dessa poesia, embora o livro só venha a sair a 14 de Fevereiro de 2003, isto é, a seis dias de se completarem vinte e cinco anos sobre a sua morte e, pelo menos desta vez adequadamente, a coincidir por um acaso feliz com a data conhecida como «dia dos namora­dos». No deslumbramento que sente, há dois aspectos que permitem relacioná-lo com outros casos: um é o do Garrett das Folhas Caídas, já referido, experiência de maturidade e libertação erótica, vivencial e poética, que na época foi quase revolucionária, mas que hoje, ante os poemas de Nemésio, mais se diria uma tímida produção para ser estudada em colégios de freiras; o outro é um paradigma humano e literário que implica uma experiência em que se cumulam maturi­dade, consciência da idade vivida e rejuvenescimento: refiro-me ao de Fausto e Margarida, com alguma ambiguidade, aliás irrelevante, no deslizamento da identificação com a personagem, Fausto, para a identificação com o próprio autor, Goethe: «Que tudo isto, afinal, são glosas de Goethe e Margarida», diz Nemésio, ou ainda:

 

No amor de Margarida eu, Goethe, me renovo.

Ah, Goethe victorino, como estes Versos finos cansam!

Goethe, se o for,  —  Victória a Margarida!

 

Mas paz a Margarida

Na praia da Victória

Onde o mar amanhece

E lhe traz peixe fresco [...]

 

Para além dos vários jogos de palavras a partir da onomástica, de que fica dado um exemplo, a coincidência de nomes, habilmente explorada pelo poeta português, entre a heroína de Goethe e a musa de Nemésio, funciona de modo a estabelecer o paralelo entre dois homens idosos e sabedores, dois criadores, que se transfiguram pela experiência amorosa. E também nas idades das protagonistas haveria por certo uma notável disparidade, uma vez que a Gretchen do Fausto é uma jovem inexperiente e Margarida Vitória contava 54 anos muito vividos em 1973, à data em que estes textos eclodem e explodem... Mas o princípio actuante de ambas estas figuras femininas, na vida e, para o que nos interessa, na expressão lírica da criação literária, é semelhante porque ambas proporcionam aos seus interlocutores entreverem a recuperação da juventude perdida e um intenso sentimento de felicidade.

 

 

 

Vasco Graça Moura

in Discursos vários poéticos ["Anfíbios sistemas de palavras", ou a poesia de amor de Vitorino Nemésio* apresentação de Caderno de Caligraphia e outros poemas a Marga (IN-CM, 2003)]

Edição © Babel, 2013

texto ©Vasco Graça Moura, 2013

 

 

Imagem: aqui

 

link do postPor VF, às 09:48  comentar

12.2.14

 

 

Lo mismo.

Goya - Los Desastres de la Guerra - No. 03 

 

 

 

 

 

O sem-fim

 

 

A Guerra de Espanha fora a derrota da democracia pelas forças negras do fascismo ou fora a última Cruzada? Mobilizado como médico militar nos Açores, o pai visitava colega de curso preso na Ilha Terceira por ter combatido numa Brigada Internacional. Amigo dos irmãos da mãe, filho de notário de Évora, morrera abatido no avião de caça franquista que se voluntariara para pilotar. Paixões extintas?

 

A Segunda Guerra Mundial veio a seguir, 21 anos depois de acabar a Primeira (tão má que os franceses lhe chamaram, esperançados, “la der des der”, a última das últimas). Poucos anos depois de nazismo e fascismo perderem em 1945, começou a Guerra Fria entre democratas e comunistas que acabou com o colapso da União Soviética em 1991. (Não passou a Quente por Washington e Moscovo disporem de arsenais nucleares capazes de destruírem várias vezes a humanidade, dando juízo a cabeças políticas e militares. O Dr. Strangelove ficou-se pelo cinema. Mas quando Zawahiri, chefe de Al Queda, excomunga grupos seus que matam na Síria, por serem indisciplinados e agirem por conta própria, a violência serve a anarquia. Bombas atómicas nas mãos de anarquistas fanáticos seriam realmente um grande perigo).

 

Depois do fim da Guerra Fria um académico americano julgou que a História tinha acabado: íamos todos ser capitalistas e democráticos. Por seu lado Vladimir Putin declarou que o desaparecimento da União Soviética fora a maior catástrofe geopolítica do século XX. O americano estava enganado — a História voltou em força — mas o engano não teve a menor importância. A convicção de Putin, essa, é assustadora quer quanto ao que se imagine ser a evolução interna da Rússia regida pela sua batuta quer quanto à atitude da Rússia em relação ao “estrangeiro próximo”. Ainda a História. No começo do Código da Imperatriz Catarina, redigido no século XVIII, diz-se que a Rússia é grande demais para ser governada por mais do que uma só pessoa. E, quer antes quer depois de S. Vladimiro os converter ao cristianismo em Kiev, os russos só aceitaram as fronteiras que têm quando alguém do outro lado lhes bateu o pé e disse: daqui não passam!

 

A Ocidente nada de novo. Em França e Espanha governos incapazes de convencerem os seus do que era economicamente possível — como Schroeder fez — armaram-se em modernos noutras questões — homossexualidade, aborto — e despertaram Pétainismos e Franquismos latentes que agora pintam a manta. Alemães —  que fizeram de súcia com a Rússia pipeline no Mar Báltico para evitar a Polónia — não querem incomodar muito Moscovo. Ensimesmados, os ingleses afastam-se da Europa e deixam de ser ponte para os americanos. Em suma, os europeus preferem fugir a chatices a pensar no futuro. Washington, virada também para dentro por Congresso demente e Presidente frouxo, já não mete o respeito que metia ao mundo.

 

Em Kiev o frio não arrefece os espíritos. A janela de oportunidade fecha no fim dos jogos de Sochi. Alguém ajuda os ucranianos a baterem o pé?

 

 


10.2.14

 

Congopresse Study photographs, 1930-1960 

Photographs taken by Congopresse photographers in the Belgian Congo. Accompanying the images are French and Flemish language captions which include specific information on locations and photographers, though often without dates.

 

 

 

 

Port de Léopoldville (sans date)

Photo: J. Mulders / Congopresse

© Royal Museum for Central Africa, Tervuren

 

 

Port de Léopoldville 1948

H. Goldstein / Congopresse

© Royal Museum for Central Africa, Tervuren

 

 

Le 2 Juillet 1948, le M.V. "Général Olsen", le premier bateau de grand tonnage a moteur Diesel mis en service sur le fleuve Congo, et le S.W. "Reine Astrid" ont fait une excursion sur le Stanley-Pool. ils avaient à leur bord les personnalités invitées aux fêtes du 50ème anniversaire de l'inauguration du chemin de fer du Bas-Congo.

 

 

Emate, Congo (sans date)

Photo: E. Lebied / Congopresse 

© Royal Museum for Central Africa, Tervuren

 

 

Pour ravitailler en combustible les bateaux qui parcourent le fleuve et les grandes rivières du Congo, d'innombrables "postes à bois" ont été établis le long des rives. Le bois abattu dans les forêts voisines s'y entasse au bord de l'eau, par centaines de stères. Au poste d'Emate une équipe de travailleurs ravitaille un grand stormwheeler.

 

Emate, Congo (sans date)

Photo: E. Lebied / Congopresse

© Royal Museum for Central Africa, Tervuren

 

 

Le SW "Reine Astrid" renouvelle sa provision de combustible au poste à bois d'Emate.

 

 

 

 

Photos:

© Royal Museum for Central Africa, Tervuren

 

 

 

Sobre a minha colecção de fotografias Congopresse leia o post "No Congo" aqui e veja mais fotos clicando na tag "Congo"

 

Agence Congo Presse hoje aqui

 

 

 

link do postPor VF, às 13:11  comentar

7.2.14

 

 

 

Noronha da Costa, 1976

Tinta celulósica sobre tela fotosensível, 1200 x 800 mm

colecção P.O.P.

© Noronha da Costa

 

Imagem: "Abecedário", edição comemorativa/catálogo da recente exposição 40 anos do Ar.Co (1973-2013) no MNAC- Museu do Chiado.

 

Visite a exposição de Luís Noronha da Costa (obras de 1967 a 1974) patente no CAMB – Centro de Arte Manuel de Brito  até 2 de Março de 2014. 

 

 

Guiné-Bissau hoje aqui e aqui (English | Français| Português )

 

 

link do postPor VF, às 12:46  comentar

5.2.14

 

 

Aeroporto de Berlim, Foto © Michele Tantussi/Bloomberg

 

 

 

 

 

 

 

Síntese dialéctica

 

 

“Luanda é a síntese dialéctica de Fátima e da Costa da Caparica” troçava o Gérard quando lá ia vender fitas, na transição entre o fim do Império e o começo da cleptocracia. “Síntese dialéctica” estava muito em voga na altura. Intelectuais de esquerda usavam-na para tentar emprestar rigor científico a palpites. (Nas casernas da Revolução dizia-se “consenso”).

 

Há dias, amigo antigo e sabedor, reconheceu que continuávamos os dois com um diferendo de opinião sobre remédios para a crise europeia —  da qual ele acha que estamos a começar a sair. Na sua tese, a austeridade havia sido a única alternativa viável para Portugal (e para os outros países europeus assistidos). Fora aplicada, com troika e tudo, porque sem ela já ninguém nos emprestaria um tostão e rapar o fundo dos cofres do estado não dava para pagar vencimentos no mês seguinte. De acordo.

 

A minha antítese diz respeito à maneira como a crise europeia foi combatida logo que começou na Grécia, quando o então primeiro-ministro revelou ao mundo o estado catastrófico das finanças do país – segredo de Polichinelo em Bruxelas mas ferida aberta para as narinas dos mercados que mordem sempre que lhes cheire a sangue fresco. A perspicácia colectiva do G20 inclinou-se para a austeridade e, na Europa, a Alemanha assegurou que sem ela não estaria disposta a ajudar ninguém. Nisso, governo, parlamento e povo alemães foram unha com carne, juntando a exigências técnicas Schadenfreude perante o castigo de pecadores.

 

Ora, penso eu, se Helmut Kohl fosse nessa altura Chanceler da Alemanha — mesmo que já da Alemanha reunificada — teria chefiado os seus em vez de lhes ter obedecido e haveria declarado: “A dívida grega é uma dívida europeia. A gente toma conta dela”. Os mercados iriam farejar sangue alhures; o preço do dinheiro não teria subido como subiu para Atenas, Dublin, Lisboa, Roma, Madrid; na Grécia e nos países depois assistidos, as dívidas externas seriam hoje mais pequenas do que tinham sido em 2010 em vez de serem escandalosamente maiores; solidariedade alemã à cabeça teria levado a reformas internas; haveria muito menos desemprego; a criatividade das classes médias não teria sofrido um rombo; não haveria êxodo da juventude.

 

Kohl não teria declarado a dívida europeia por ter bom coração mas por ter visão da História, passada e futura. Vivera a guerra e sabia que solidariedade europeia era condição sine qua non de uma Alemanha viável e duradoura. Que sem União Europeia a guerra voltaria.

 

Nenhum dos governos europeus chamou à pedra a curteza de vistas de Merkel. Daí a “síntese dialéctica”: para sair o menos devagar possível do buraco é preciso continuar a cumprir o que governo e Presidente determinarem. A oposição deve fustigar o governo em tudo o resto mas juntar-se-lhe no que diga respeito a políticas, constitucionais, acordadas com credores e fiadores para pôr fim à crise - até para as melhorar. É o único comportamento responsável se quiser um dia voltar a ser governo.

 

 

 

 


3.2.14

 

 

 

Luc Tuymans

Reconstruction (Reconstitution), 2000.

© 2000, Friedrich Christian Flick Collection, photo courtesy David Zwirner, New York

 

 

Les dix tableaux qui constituent la série «Mwana Kitoko: Beautiful White Man» (Mwana Kitoko: Bel Homme blanc») ont trait à l'histoire du régime colonial belge au Congo et à l'assas­sinat de Patrice Lumumba en 1961. Premier homme politique nommé Premier ministre de l'ac­tuelle République démocratique du Congo à la suite d'élections démocratiques, Lumumba fut assassiné moins de sept mois après que son pays eut arraché son indépendance à la Belgique. Leader charismatique qui s'éleva avec vigueur contre les brutalités historiques du joug belge et appela à l'unité nationale, il représentait une menace pour les ambitions néocoloniales de la Belgique et des Etats-Unis, qui visaient à maintenir un contrôle politique et économique sur ce pays riche en ressources. On a pu rattacher la fomentation de son assassinat au gou­vernement belge, à la cia et aux hommes politiques sécessionnistes congolais; le mystère qui entoure les circonstances de sa mort reflète l'obscurité des réseaux de pouvoir en lice.

 

Dans «Mwana Kitoko», Tuymans interroge l'aptitude de la peinture à répondre aux événements traumatiques du passé récent et à les refléter de façon critique. Les œuvres sont tirées de sources iconographiques disparates, qui vont d'anciens films de propagande à des photos, prises par l'artiste, de scènes imaginaires et reconstituées, qui soulignent l'influence que les événements historiques continuent d'exercer sur le présent. La série comporte tout un éventail de styles et de genres, depuis le portrait formel jusqu'à l'instantané pris en passant. Exposées ensemble, ces images hétéroclites montrent que les récits historiques sont toujours formés de fragments contingents, incertains et discutables.

 

in Luc Tuymans (Catalogue de l' Exposition Luc Tuymans - Retrospective

Sous la Direction de Madeleine Grynsztejn et Helen Molesworth

Palais des Beaux-Arts de Bruxelles, 2011

@2011 Ludion & BOZAR

 

 

 

 

*

 

 

 

 

 

Léopoldville c. 1950

Foto: Gaby Foto, Leo

Fotografia do meu espólio familiar (ver mais na tag "Congo")

 

 

 

link do postPor VF, às 09:30  comentar

1.2.14

 

 

 

Kinshasa, 2000

© Marie-Françoise Plissart

Plaizier Bruxelles

 

 

Veja também neste blog o post Kinshasa - Récits de la Ville Invisible

 

link do postPor VF, às 08:55  comentar

31.1.14

 

 

 

Burkina Faso (s/data)

© Bastin & Evrard

Plaizier Bruxelles

 

 

link do postPor VF, às 10:33  comentar

29.1.14

 

 

 

 Albrecht Dürer

 

 

 

 

 

 

Rodas da Fortuna

 

 

Por não ter podido ir às cerimónias fúnebres na África do Sul, a Raínha de Inglaterra mandou celebrar em Março, na Abadia de Westminster, um serviço religioso em memória do seu amigo Nelson Mandela, o único político que lhe telefonava directamente: “Olá Elizabeth. Como está o Duque?” 

 

Quando recebi a notícia tinha acabado de ler entrevista com Winnie Mandela, contando 9 meses de prisão em Joanesburgo in illo tempore, durante os quais a torturaram. Em Robben Island, lembra-nos a revolucionária, ex-segunda mulher de Mandela, os presos nunca foram torturados e tantos anos lá fechados sem jornais, sem telefonia, sem televisão, sem visitas, haviam-nos cortado do mundo. Quando o marido fora solto não percebia o que se passava cá fora. Por isso embarcara na reconciliação com os brancos, mal tocando nas desigualdades económicas e deixando a África da Sul com enormes problemas por resolver. Quem percebera fora ela e considera-se “avó espiritual” de Julius Malema, ex-chefe dos Jotas do ANC, expulso do partido por extremismo, que formou o seu próprio movimento, quer luta de classes a sério e ressuscitou canção revolucionária, popular no auge do apartheid, que incita a matar os boers à metralhadora.

 

Nelson Mandela era um génio político e um modelo moral mas não teria sido solto para acabar com o apartheid se o Muro de Berlim não tivesse caído. O desaparecimento da inspiração e do apoio soviéticos abriu caminho à transição pacífica que ele (com ajuda de De Klerk) conduziu magistralmente. O ANC, porém, ficou sem bússola política. Na África do Sul a maioria negra, oprimida e humilhada, pudera arrimar-se a três espaldares: racismo, cristianismo (quase todas as variedades locais) e marxismo-leninismo. O racismo conseguiu alguns aderentes que fundaram o PanAfrican Congress mas cedo se apagou perante marxistas e cristãos. Estes coalesceram no ANC que, fundado em 1912, sonhava, desde o estabelecimento do apartheid em 1948, levar o país ao socialismo. Com a dissolução da União Soviética esse sonho acabou. Mandela percebera tudo. Quem não percebera fora Winnie e, agora, o seu “neto espiritual”.

 

A gente não se deve espantar porque estavam em boa companhia: só há dias François Hollande anunciou sem rir — nem chorar — que se convertera à social-democracia: isto é, que deixaria de tentar arruinar o capitalismo e passaria a negociar para os seus fatia cada vez maior do bolo. Que o Presidente da França tenha levado tanto tempo a perceber, dá que pensar.

 

Tudo isto seria menos importante se capitalistas europeus e americanos tivessem — ao menos eles — percebido. Mas não. Também há poucos dias, um dos maiores bancos mundiais, multado milhões de dólares por falcatruas escandalosas que lesaram milhões de pessoas, aumentou de milhões o bonus anual do seu presidente. Casos assim enchem a gente de fé.

 

Na Europa das vacas magras avisam-nos que vacas gordas, gordas, nunca mais voltarão. E os Malemas deste mundo vão oleando as metralhadoras. 

 

    


26.1.14

 

 

 Borama Girls Photo Club, Somalia, 2013

 

View Slideshow

 

 

 

In March 2013, UNICEF and ARETE STORIES launched a pilot project which trained 400 children along with 10 of their teachers how to use a camera and portray their everyday lives. The children themselves chose the various topics – water, food, friends and family and animals – that they wanted to capture. These photographs depict the rarely glimpsed, everyday lives of Somali children as seen through their own eyes.

 

Somalia is one of the worst places in the world to be a child. While conditions vary in the regions, the years of conflict, famine, displacement, lack of health facilities or schools have taken their toll on Somalia’s children. More than 200,000 children are still malnourished – mostly in the south – and more than a million children of primary school age are out of school. 

 

link do postPor VF, às 11:26  comentar

22.1.14

 

 

 

 

 

 

Adeus Pax Americana

 

 

A “capacidade inimaginável de mentir sem pejo” dos nossos políticos alarma amiga minha (e devia alarmar toda a gente: se os valores em que assenta a decência de viver forem esquecidos teremos vendido a alma ao Diabo). Mas será o fim da raça — anunciado prematuramente em 1934 por  Pessoa, em 1875 por Eça e, alguns séculos atrás, pelo Velho do Restelo? A minha amiga receia que sim. Eu tenho dúvidas. A Espanha, a partir-se aos bocados, não tem queixada para nos abocanhar e à Europa de Bruxelas falta vocação de Pátria. Para o mal e para o bem, não há de ser nada.   

 

Seja o que for que por aqui medre, porém, terá, mais o resto da Europa e os outros 4 Continentes, de aprender a viver sem os Estados Unidos como Senhores do Mundo. Haviam passado a sê-lo desde o colapso da União Soviética. A 11 de Setembro de 2001 levaram grande bordoada – pior do que o bombardeamento japonês de Pearl Harbour em 1941 porque o Havai é um arquipélago no Pacífico e Nova Iorque e Washington são o coração do país – outras bordoadas, pequenas e não tão pequenas, externas e internas, se foram seguindo. O mundo está-lhes a escapar das mãos e eles já não sentem tantas ganas de o agarrar. Ora, se de vez em quando a Pax Americana importunou muitos de nós, o incómodo de viver com ela não era nada comparado com o incómodo de sem ela viver.

 

Patrão fora, dia santo na loja –  ou, mais a propósito, guerras sem fim. Sem Washington a meter-se decisivamente nas questões, desavenças agravam-se, feridas em vez de sararem infectam. Sofrimento indescritível — e evitável — aflige cada vez mais gente. A tragédia humanitária da Síria que indecisões americanas deixaram avolumar à nossa beira para lá de remédio programável e plausível é a que dá mais nas vistas. Mas não faltam outras pelo mundo fora.

 

Não existe potência capaz de desempenhar papel comparável ao que fora até há pouco o da América. A China, de que às vezes alguns se lembram, vem carregada de dificuldades de sua própria invenção. Capitalismo desenfreado em regime de partido único criou classe média — e milhares de milionários — exigindo voz na coisa pública e prenunciando grandes sobressaltos. Desenvolvimento selvagem criou desastres ecológicos duradouros. A política “um filho só” criou distorções demográficas que levarão gerações a corrigir. E a capacidade militar chinesa não dará para Pequim distrair mal-estar em casa com aventuras fora.

 

A Rússia continua a ser “O Alto-Volta com bombas atómicas” (Helmut Schmidt dixit). A Índia é uma democracia mas desigualdades abissais – até entre homens e mulheres – atrasam-lhe ambição de bem-estar geral, quanto mais de hegemonia. O Brasil do rolezinho está longe de poder ajudar a pôr o mundo em ordem. E a Europa, com a História, zangada, a voltar a galope sobre a desunião cavada pela austeridade, perdeu a vez.

 

Em mundo sem rei nem roque teremos de olhar melhor por nós. Começando — talvez dissesse a minha amiga — por dar crédito e autoridade à virtude.

 

 

     

link do postPor VF, às 06:41  comentar

20.1.14

 

A special theme also has its place here, that of slavery. It is special in that it does not feature in traditional images of reverse-glass painting. In the 1980s, on the initiative of Y. Dupre, administrator of the Regards Croises association, Gora Mbengue produced a series of works relating to slavery. Then in 1989-90 Mor Gueye took over and created a series inspired by the same theme. Here, for the first time, we are presented with a dramatic subject handled gravely. This is unusual, for reverse-glass paintings tend to tackle all themes positively, if not always with humour. Whether the subject is Islam, where we en­counter religious propaganda or a cult of the saints, history, in which the praise of national heroes is sung, or tales and proverbs, where the oral tradition is itself celebrated, there is not one reverse-glass painting that is not optimistic. Even in scenes of daily life, humour, sometimes mixed with cynicism, is brought to bear on theft, adultery, domestic conflict and other problems, large and small. After all, the end justifies the means: the moral message asserts itself almost by accident, with ease and never sententiously. We receive constant lessons in good spirits; then, sud­denly, in a commissioned work on slavery we encounter drama. Reverse-glass paintings bluntly confront us with the brutal reality: torture, chains, babies thrown to crocodiles in front of their mothers, distress, the house of the slaves at Goree, whose 'door of no return' requires no comment. It is, of course, impossible to handle the issue of slavery with detachment. Attemps to generate laughter in order to avoid crying would be inexcusable. The fact, therefore, that traditional reverse-glass painting never alludes to this episode in Senegal's history is in no way surprising, for it would be a departure from the fundamentally optimistic inclination of this art. Interesting as further attempts to portray the history of slavery might be, this particular commission was intended to teach a lesson in tolerance in schools and cultural centres, and slavery remains a marginal trend. Further, one must not forget that reverse-glass paintings were originally intended exclusively for Senegalese people - to define their religious af­filiation, for example, or to educate, or to supply decorative scenes that would give an aesthetic touch to a home. What Senegalese would want to awaken such painful memories when, thanks to reverse-glass paint­ing, he can instead proclaim his deepest beliefs, both religious and intel­lectual?

 

Senegal and Gambia were the first regions in western Africa from whence slaves were exported. This commerce, at its height in the 18th century, was encouraged by the kings of Kayor and Baol, who traded human merchandise for various products, especially guns.Wolof aristocrats and leading citizens did not need the impetus of this commerce to create their own reserves of slaves, who were already to hand under the caste system. They did not have any scruples about systematically seizing individuals or groups that they could use for bar­tering. As for the French, their insatiable demand for African labour sanctioned this state of affairs. The lure of profit did the rest, establishing a foul triangular system of commerce that was to prove to be difficult to abolish.

 

 

Anne-Marie Bouttiaux-Ndiaye 

in Senegal Behind Glass, Images of Religious and Daily Life

(Profane genres and subjects)

© 1994 Prestel-Verlag, Munich and New York and the Royal Museum for Central Africa

 

 

 

 

Mor Gueye  The House of Slaves at Goree, 1992

 

33x48 cm 

Private collection

 

A black and white composition, both in theme and tone. The white officer in his uni­form, conceited and haughty, dominates the scene by his height as well as by his position in the organization of the image. The black slaves are crushed, small, crumpled and separated, with the women on one side and the men on the other, just as the house of slaves was actually arranged. At the 'door of no return', a gaping black hole, is a slave squatting in front of the inescapable fate that awaits him. There are a few contemp­orary 'scholarly' artists who work in black and white, but Mor Gueye is the only tradi­tional one who does so.

link do postPor VF, às 10:22  comentar

18.1.14

 

Moral tales and proverbs have generated a whole spectrum of paintings, often dealt with humorously, and with certain characters treated with derision. There is no doubt that these pictures follow the same pedagogic purpose as the tales, sayings, riddles and other stories that are told at home by the fireside in the evening. When the women were out buying reverse-glass paintings to decorate their homes, they not only sought out examples that articulated their religious beliefs, but also ones that would show examples of good and bad behaviour to their children.

 

 

 

 

Alexis Ngom The Torment of the Bad Master, 1995

55x48 cm

Private collection

© Royal Museum for Central Africa, Tervuren

This painting illustrates a widely held belief according to which a master who mistreated his animals will be punished after his death by the ones he mistreated.

 

 

 

 

Babacar Lo (Lô Ba)  The Baobab-Women, 1994

48 x 33 cm

© Royal Museum for Central Africa, Tervuren

A tale from Casamance: two young women are turned into baobab trees for mocking an elderly hunchback. The moral of the story is a reminder of the strong respect in which the elderly are held in African societies.

 

 

 

Anne-Marie Bouttiaux-Ndiaye 

in Senegal Behind Glass, Images of Religious and Daily Life

(Profane genres and subjects) 

© 1994 Prestel-Verlag, Munich and New York and the Royal Museum for Central Africa

 

 

 

 

link do postPor VF, às 11:35  comentar


pesquisar neste blog
 
mais sobre mim
Translator
sitemeter
pesquisar neste blog
 
contador sapo