7.12.16

 

Mandela em robben island.jpg

 Nelson Mandela em Robben Island

 

 

 

 

 

José Cutileiro.jpg

 

 

 

Menos pessimismo

 

 

 

Leitora fiel e correspondente escreveu-me o seguinte: “Para além de ser provável que sejamos naturalmente maus as pessoas só ouvem o que querem e os algoritmos aproveitam-se disso. Espero, com todas as forças, que o próximo Bloco-Notas seja menos pessimista”. Outra amiga disse-me do seu casal de filhos que ele é um miúdo generoso, sensível, bom, e que ela, mais pequena ainda, é torta. Mãe galinha, adora os dois por igual; cabeça fina como um coral, sabe o que tem em casa – fôssemos todos assim. A espécie é como é e cabe a cada um de nós encontrar maneiras da maldade ingénita fazer por fim o menor mal possível, ao próprio e aos outros. Mães, amando os filhos; toda a gente, tentando instalar dentro de si uma espécie de sexto sentido de amar o próximo como a nós mesmos (haverá técnicas novas, digitais?). Desmond Tutu – que, arcebispo da cidade quando eu o conheci, assinava Desmond Cape Town – disse-me que a fé era coisa complicada e incerta de que nunca se estava seguro mas “se V. sentir que o seu pior inimigo está destinado a vida eterna, à mão direita de Deus, tudo estará bem”. Calou-se um momento e acrescentou: “É claro que a gente só sente essas coisas muito, mas muito raramente”.

 

Eram dias felizes para Tutu e para muito mais gente. Nelson Mandela ia ser libertado daí a uma semana para negociar com Frederik De Klerk o fim do apartheid. Pousado na terra esse marco do bem, o mundo tem tido altos e baixos. A África do Sul é um pântano de corrupção. A muitos europeus e a mais de metade dos eleitores dos Estados Unidos da América parece agora que rebolamos atabalhoadamente rampa abaixo. Para lá do mal de cada um toda essa gente sente mal maior geral muito perigoso: a tomada de posse próxima de Donald Trump em Washington. Insónias aumentam. Desespera-se do futuro. Grande Eleitor (Republicano do Texas) sentiu que tinha de explicar, no New York Times, porque é que não daria o seu voto a Trump no dia 19. Cita os requisitos formulados por um dos pais fundadores da República (qualificações para o cargo, ausência de demagogia, independência de influências estrangeiras) enumera comportamentos de Trump desde a eleição popular que não passam essas fasquias e espera convencer mais grandes eleitores a escolherem outro republicano (o que parece quixotescamente vão). Amigo português que viveu em Nova Iorque e Washington e conhece bem políticos de lá indignou-se, alarmado. Democratas e republicanos detestam-se como nunca, a exasperação está à flor da pele, tal iniciativa levada por diante poderia acabar em guerra civil.

 

O bom e o bonito? Talvez não. Na África do Sul o presidente Zuma deverá ser corrido por corrupção. Quando Nixon, no fim, bebia muito, mais paranoide ainda, militares perto dos botões nucleares foram instruídos a não cumprirem eventuais ordens suas sem as verificarem. E para esperança, Churchill: os americanos encontravam sempre a solução certa de um problema - depois de terem experimentado todas as outras.

 

 

 

 

 

 

link do postPor VF, às 17:12  comentar

3.12.16

 

 

0127-HistoriatedAlphabet-blue-i-500x455.jpg

 

 
 
 
influência
in.flu.ên.ci.a
nome feminino
(do latim influens, -entis, part. presente de influere, afluir)
 
Acção de alguma coisa sobre outra ou sobre alguém causando um determinado efeito, originando um determinado influxo. A influência pode ter uma origem cósmica: fala-se da influência dos astros sobre certos fenómenos físicos (a relação entre as fases da Lua e as marés, por exemplo), mas também sobre as personalidades e os comportamentos das pessoas, que é o domínio da astrologia. A influência, isto é o poder de agir ou de afectar coisas e pessoas, aumenta proporcionalmente à proximidade do poder e da autoridade, ou melhor, às situações muito diversas em que o poder e a autoridade se manifestam (o poder não é só o poder político ou económico, é também o poder social, que hoje tem origens muito diversas e inesperadas). Estamos longe de Hans Castorp, personagem central de A Montanha Mágica, de Thomas Mann, que se submetia livre, voluntária e simbolicamente à influência alternada dos seus companheiros de sanatório, Setembrini e Naphta. Os influentes (título português de uma série televisiva francesa que no original se chama significativamente Les hommes de l'ombre) enquanto personagens obscuras ou eminências pardas sempre existiram e existirão. Entretanto, o mundo contemporâneo criou uma nova classe, que, pelo contrário, detesta a sombra: os influenciadores. Gente que pretende ocupar o tempo a influenciar o mundo, nomeadamente o mundo do consumo, no palco das chamadas redes sociais. Por exemplo. Uma espécie de «tráfico de influência» pré-pago. Enfim. E assim o poderoso banqueiro e a meninoca espevitada atingem os seus diferentes patamares de influência. O melhor testemunho sobre a amplitude do uso desta palavra é, porém, o de um lavrador de antanho, fantasista e aspirante a mulherengo, que, com o pudor dos homens simples, utilizava a expressão «estar com influência» para designar a erecção do pénis ou o estado de excitação que a ela conduz.
 
 
 
 
link do postPor VF, às 09:00  comentar

30.11.16

 

rotativa.jpg

 

 

 

 

José Cutileiro.jpg

 

 

 

 

Adeus Gutenberg

 

 

 

 

Sempre houve ricos e pobres, suspirava a avó Berta, católica apostólica romana (padre afilhado de missa do avô almoçava às vezes lá em casa), quando eu a vinha atanazar com horrores de injustiça social de cortar o coração que controleiro do PC ou entusiasta do MUD Juvenil ou sensibilidade própria agredida no liceu - educação primária caseira dera-me ilusões idílicas sobre o mundo – me houvesse trazido à atenção.

 

Era um mundo ainda em ordem. Contava ela que antes de começar a Guerra de 14 governava bem a casa com cinco tostões por dia e já no meu tempo de neto lia todos os dias às criadas o folhetim que saía na última página do Notícias de Évora, cuja complicada e ramificada intriga levava sempre mais do que um ano a fiar. Lembro-me do nome de um - A Toutinegra do Moinho - escrito por francês de nome afidalgado, salvo se fosse estratagema comercial para abrir ainda mais o apetite às leitoras porque, desde o Clube de Golf do Porto ao mais proletário sindicato do barlavento algarvio, passando pela feira da Malveira e pelo Grémio Literário, temos entusiasmo parolo por tudo quanto venha de fora. Numa das minhas voltas a Lisboa fui à loja de electrodomésticos do bairro e disse ao homem que queria um esquentador Junker. “Leve antes um Vaillant” respondeu-me ele. “Os Junkers já são feitos cá”.

 

Feito cá, feito lá; autores, jornais; tudo isto começa a soar um pouco anacrónico. Há dias o meu amigo Tom Friedman dizia no New York Times que a vida se complicara – e modernizara muito mais a ritmo inédito – em 2007, um ano antes da falência de Lehman Brothers e da magna crise que ainda está connosco quando progressos enormes em diversas áreas técnicas modernas cavaram mais – palavras minhas - a separação entre o mundo que nos criou e o mundo que crie quem nasceu depois da mudança de século. Em 2007 Steve Jobs lançou o primeiro IPhone, Facebook abriu-se a quem quer que tivesse endereço e-mail, invadindo o mundo, Twitter arrancou mesmo, os primórdios de cloud computing apareceram, Kindle pôs no mercado o livro electrónico, IBM produziu o computador cognitivo Watson que faz diagnósticos precisos e sugere tratamentos correctos, etc., etc.

 

E para além de tudo isto uma certa hierarquia de conhecimentos e a vigilância do respeito deles, garantidas pela invenção de Gutenberg e graças a ela largamente difundidas e validadas durante 5 séculos, tem vido a ser sacudida, às vezes mesmo obliterada, quando computadores e internet se oferecem à difusão equivalente de mentiras e verdades. O centro não aguenta as diabruras da periferia; mais: muita gente deixou de saber onde é o centro. Sentimentos de desenraizamento e desconfiança pululam; buscam-se valores seguros na família, na tribo, na nação, na pátria a qualquer preço moral: Brexit, Trump, Duterte nas Filipinas porque, contam o Pecado Original e outras mitologias, somos naturalmente maus. E como reza provérbio islandês: “Não há homem que não goste do cheiro dos seus próprios peidos”.

 

 

 

link do postPor VF, às 11:36  comentar

26.11.16

 

letter-c-monogram-hi.png

 

 

 

catita
ca.ti.ta
nome e adjectivo (dois géneros)
(de origem obscura)
 
As palavras de origem obscura são interessantes. Poder-se-ia dizer misteriosas, pelo menos em alguns casos. Catita usa-se para significar aperaltado, janota (um neologismo curioso que vem do tempo das invasões francesas); acrescentar aprimorado ou airoso já é, neste contexto, usar uma linguagem ela própria catita. Neste sentido pode-se falar de uma caligrafia catita, ou de automóvel (nunca um carro) catita, para dar exemplos de natureza diversa. «You know what I mean?», perguntaria neste ponto um falante de língua inglesa. Catita tem esta conotação de sujeito laboriosamente penteado e de gardénia na lapela, um pouco desgastado, mas sempre de ponto em branco, emproado, muitas vezes pesadamente. Transponha-se a ilustração para o feminino da forma julgada adequada. Um pouco o equivalente português de dandy, com um perfume de afectação, que alguns julgam ser o equivalente de requinte. Enfim, um peralta ou peralvilho (seja de sexo for, se acaso for de algum) genuíno ou apenas uma espécie de gente vulgar, mas acatitada segundo os ditames das montras ou dos influentes (palavra a que voltaremos em breve). Em suma, uns casquilhos.

 


23.11.16

 

 

Robespierre_executed_1 (1).jpg

 França, 1794

 

 

 

José Cutileiro.jpg

 

 

 

Mudam-se os tempos

 

 

Escrevo a 21 de Novembro, dia dos anos do Vasco Pulido Valente. De manhã lembrei-me dele quando tinha 14 anos ter dito ao pai, burguês de bem, inteligente, culto e informado (explicou-me como é que os romanos faziam a barba), engenheiro, opositor corajoso e coerente do regime salazarista, muito mais alto do que o filho que só deitou corpo no fim da adolescência. “Ah Pai, se eu tivesse a tua idade sabendo o que eu sei…” Na altura em que isto me vinha à cabeça, voz saída da telefonia do carro anunciou-me que era o dia dos anos de Voltaire.

 

O Vasco e Voltaire ao começo da semana – nada mau para antídoto de tanta patetice ignorante nos tempos que correm, disse com os meus botões. Devo-me ter distraído anos a fio e, pelas conversas que agora tenho tido e pelos jornais que agora tenho lido e pelos programas de televisão por que tenho saltitado, devemos ter andado (quase) todos distraídos porque recebemos com surpresa desagradável notícias sobre coisas acontecidas entre nós ou muito perto de nós de que (quase) ninguém estava à espera - nem bandarilheiros, nem apoderados, nem curiosos na tourada da política.

 

Vai-se um homem deitar à noite convencido de que os ingleses querem ficar na União Europeia e acorda de manhã para saber que afinal querem sair. Vai-se uma mulher deitar convencida de que o 45º Presidente dos Estados Unidos vai ser finalmente, à segunda tentativa, uma mulher sabichona e teimosa chamada Hillary Clinton, e acorda de manhã para saber que afinal quem ganhou foi um aldrabão inculto, novato em política e malcriado que entendia muito melhor os eleitores americanos do que a sua experiente rival e, ao contrário dela, lhes sabia falar ao coração – de tal maneira que eram capazes de esperar por ele 3 horas para um comício, ao frio, até à uma da manhã, sem arredarem pé. Ontem, na véspera dos anos do Vasco e do Voltaire, franceses da direita e do centro, à procura de alguém que pudesse bater Marine Le Pen, protofascista da Frente Nacional, na segunda volta da eleição presidencial do ano que vem – que ela irá à segunda volta é convicção geral – numa primária aberta da direita e do centro escolheram antigo PM de Sarkozy que as sondagens punham em terceiro lugar, beato metediço na vida dos outros, liberal à la Thatcher em economia (coisa rara no sentimento francês, cujo primeiro reflexo à vista de criança descalça na rua é achar que a culpa é dos Rothschild, em vez de achar, como Thatcher, que a culpa é da criança), com um fraco por - e muitas visitas à - Rússia de Putin. Se o propósito é encontrar quem junte o resto da França para derrotar a extrema-direita (como Jacques Chirac derrotou Jean-Marie, pai de Marine, noutra segunda volta, em 2002) parece-me má ideia: Alain Juppé teria sido melhor escolha mas é claro que há ainda, no Domingo, a segunda volta da final da primária.

 

Em cada francês vivem, enlaçados em coluna salomónica, um ci-devant et um sans culottes. Têm de pensar em tudo pelo menos duas vezes.

 

 

link do postPor VF, às 16:22  comentar

19.11.16

 

 

Capital D iStock.jpg

 

 

despoletar
des.po.le.tar
verbo transitivo
(de des espoletar)
 
 
 
Termo originário do vocabulário militar, relacionado com a espoleta (do italiano spoletta), mecanismo cuja acção faz explodir os projécteis. Fora desse âmbito circunscrito, a palavra ganhou o significado de desencadear e assim viveu pacificamente por muito tempo. Um belo dia, alguém levantou a voz de maneira a fazer-se ouvir e afirmou que o significado corrente contradiz o sentido original e que, sendo um disparate, a acepção corrente deveria ser combatida e banida. A lexicografia nacional, apanhada em falta, ruborizou e tratou imediatamente de agir em conformidade. Um dicionário remeteu a acepção para o terceiro lugar na hierarquia interna das acepções. Porém, é essa terceira acepção que indica ser de «uso generalizado». Curioso. No entanto, as milícias lexicológicas e lexicográficas deixaram passar, por exemplo, o termo abrolhar desabrolhar, ambos com o mesmo significado. Ou esposar desposar. (Interessante perceber que aqui a diferença já existia no latim). Mas há muitos mais. Todos casos diferentes do «destrocar» e do «deslargar». Talvez em certos casos o prefixo «des» não seja bem um prefixo. Nalguns casos, talvez tenha servido para restabelecer, oralmente, a alternância entre consoante e vogal? Veja-se como o aportuguesamento de palavras como sport, deu em português desporto (bem diferente do esporte dos brasileiros). É coisa de origem popular? Sem dúvida. Os habituais sacerdotes do uso desta vez tiraram férias, juntando-se à crítica snob, geralmente muito ignorante - sin nobilitas -, que por aí pulula, apontando o dedo aos erros básicos da populaça ignara. Às vezes moem-nos (ou esmoem-nos) o juízo, sobretudo porque os erros próprios são geralmente de natureza muito mais grave. O melhor é dar uma volta para desmoer...
 
                                                                                                                      
link do postPor VF, às 09:58  comentar

16.11.16

 

 

Lord Ismay2.jpg

Lord Ismay, primeiro Secretário-Geral da OTAN, entendia que esta servia 

"to keep the Americans in, the Russians out and the Germans down."

 

 

 

 

José Cutileiro.jpg

 

 

 

 

A partilha do fardo

 

 

 

         

A eleição de Donald Trump para presidente dos Estados Unidos da América foi tomada por muitas europeias e muitos europeus como uma ofensa e uma má criação. Nesse espírito, algumas administrações nacionais tão alapardadas ficaram (não se fazem coisas assim aos amigos!) que, por sugestão do alemão, vinte e cinco ministros dos negócios estrangeiros de países da União Europeia bem como a Alta Representante (vice-presidente da Comissão que põe outro chapéu para presidir às reuniões dos MNEs do clube: na União Europeia, diria Oscar Wilde, as coisas nunca são puras e raramente são simples) tiveram jantar de trabalho em Bruxelas para primeira troca de impressões sobre esse importante evento transatlântico (o inglês dissera que não deviam estar bons da cabeça, o francês lamentara educadamente ter obrigações mais importantes em Paris, o húngaro metera os pés pelas mãos com desculpas de mau pagador para disfarçar a euforia pro-Trump de Vitor Orban, primeiro ministro húngaro, e os três fizeram gazeta – o que, se nos lembrarmos que o Reino Unido e a França são os dois únicos estados-membros da União com forças armadas capazes de meterem respeito seja a quem for, mostra a aparente frivolidade do exercício).

 

Mas não há com efeito razão para grande tranquilidade europeia quanto à nossa defesa e à defesa dos nossos interesses. A OTAN, estabelecida em 1952, chama-se por extenso Organização do Tratado do Atlântico Norte e o Tratado do Atlântico Norte fora assinado em Washington em 1949 pelos Estados Unidos da América, o Canadá e uma dúzia de países da Europa Ocidental. Outros se foram juntando: quando Guerra Fria acabou havia 16 Aliados, depois foi um vê se te avias com todos os ex de Leste a quererem-se profilaticamente proteger da eventual sanha do Kremlin (já não existia U.R.S.S. mas a Mãe Rússia mete medo igual aos vizinhos; os que dizem que isso é mentira e que foram os Estados Unidos e seus aliados ocidentais que quiseram cercar a Rússia de perto, devem ser lembrados que os três países bálticos e a Polónia, vizinhos da Rússia e aliados na OTAN não foram por ela atacados militarmente desde o fim da Guerra Fria mas a Geórgia e a Ucrânia, também vizinhos dela mas fora da OTAN, o foram tendo além disso a Rússia anexado a Crimeia). Desde o começo que os Estados Unidos gastaram mais na defesa de todos do que os outros em absoluto e per capita. “Burden sharing” – a partilha do fardo – passou a ser pomo de discórdia mais vivo desde que a Guerra Fria acabou, tendo havido muitas discussões sobre o assunto, embora Clinton, Bush e Obama nunca tenham feito ameaças como Trump agora fez e nunca Bush e Obama tenham admirado Putin como Trump agora admira.

 

 

 

Nota Bene Portugal não foi dos primeiros assinantes do Tratado de Roma porque não era uma democracia e só entrou para as Comunidades Europeias depois de o passar a ser. Mas, sem o ser, assinou o Tratado de Washington e foi membro fundador da Aliança. Com coisas sérias não se brinca.

 

 

 

 

link do postPor VF, às 09:00  comentar

12.11.16

 

 

 

fancy-letter-legiblecursive-e.jpg

 

 

escrever
es.cre.ver
verbo
(do latim scribere)

 

 

 

Palavra que designa o acto de representar o pensamento por meio de sinais gráficos. Porém, por alguma razão se diz, geralmente, «fazer a lista das compras» e não «escrever a lista das compras». Neste sentido escrever é mais do que simplesmente redigir ou tomar apontamento. Daí que se diga muitas vezes «aquele é um tipo que escreve» para designar alguém que vá para além do apontamento ou da lista do supermercado. Este estatuto de nobreza (pobre) pode ser relativizado e enunciado em tom menor. Dizia o Pacheco (refiro-me a Luiz Pacheco), com a sua contundência habitual, que «não sou escritor, sou um gajo que escreve». A escrita tem ainda, no entanto, um prestígio imbatível: passar a escrito é tornar alguma coisa mais definitiva, alguma coisa que seja apenas do domínio do pensamento ou das intenções. Passar a escrito é oficializar, é tornar perene e solene. Se apenas se está a «escrever a alguém», isso quer dizer que se lhe está a enviar correspondência. Apesar disso, vivemos no império da oralidade, que é o do efémero, do atropelo, do esquecimento. Há coisas, porém, porventura demasiadas coisas, que só a escrever se pensam, que só escrevendo se dizem — porque as dizemos primeiro para nós. De outro modo, falhando a minúcia da expressão, embaraça-se o tempo na pressa da conversa e o pensamento, desatento, precipita-se na superfície escorregadia das palavras e das circunstâncias.

 

 

 

 

link do postPor VF, às 09:05  comentar

9.11.16

 

 

live-head-to-head-president@sm.png

00@sm.png

 @ The Washington Post (em actualização)

 

 

 

José Cutileiro.jpg

 

 

 

O povo é quem mais ordena

 

 

 

Ah é? Ora toma lá que já almoçaste! Até as criadas ficaram consternadas: Ai a Dona Hilária, coitadinha, tão boa Senhora, depois de tudo quanto aturou ao marido apanhar com mais esta. O povo é quem mais ordena. O fazedor de TV- Realidade sabe que para se ser herói é preciso ser-se mau e meteu-se à obra, com veia de actor consumado. Fez troça de aleijados. Tratou as mulheres como no Antigo Testamento mas em calão de agora (calando fundo em almas evangélicas americanas: muitas mulheres votaram nele). Prometeu acabar com Obama-care, isto é deixar os pobres sem qualquer assistência médica, como estavam antes que só lhes faz bem em vez de viverem à custa dos outros. Rever os tratados comerciais de maneira a proteger o operário americano, isto é, decretar proteccionismo sempre que achar que for preciso para ser amado pelo povo (como nos anos trinta da Europa a caminho de fascismos e guerra). Tornar a pôr a tortura de suspeitos de terrorismo nas práticas de interrogatório militares e da CIA (waterboarding e “muito pior”). Aquecimento global é conspiração chinesa. Contra imigração clandestina, levantar muralha na fronteira com o México com o México pagar por ela. Tudo descrito em promessas eleitorais, porque o povo é quem mais ordena e ao povo não se mente mais do que ao clero ou à nobreza. (Há espíritos mal intencionados e já foram contadas quarenta mentiras por discurso em dias de inspiração, mas o povo gosta e o povo é quem mais ordena – em dias de menos inspiração, anda por vinte. Mentir, para o homem dos golfes e dos casinos, é um estado natural.

 

O efeito em nós, europeus, começa por medo de deixar de haver disposição americana para nos defender: há mais de meio século que contamos com ela e o susto faz frio na espinha. Além disso tudo quanto seja homófobo, misógino, racista, reacionário genérico (como nos medicamentos) animou imenso com a brutalidade tosca exibida por Trump e vai tornar mais difícil dia-a-dia de decência. O povo é quem mais ordena. Porque é que, quando a chamada classe política perde o fio à meada e tribunos populistas capturam o poder (às vezes, como Hitler, em eleições livres e limpas) e se instalam, estes são, invariavelmente, velhacos? De mesmo antes do nosso tempo: Lenine, Estaline, Hitler, Mussolini, Mao Tse Tung, Pol Pot… Não há um que se aproveite (os que agora parecem estar na forja - Putin, Erdogan, Orban - tampouco prometem virtude). De maneira que embora a democracia canse e pareça às vezes estar em risco tem-se acabado por voltar a ela à la Churchill. O povo é quem mais ordena. Mas quiçá isso mude. A democracia parlamentar talvez se tenha dado particularmente bem com a imprensa de Gutenberg e atribuições afins. Nas redes sociais de agora e do futuro previsível, onde sapiência e responsabilidade se diluem até ao desaparecimento, palpita-me que tudo possa ser diferente. Entretanto o povo é quem mais ordena - e um americano em cada quatro julga que o sol anda à roda da terra.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

link do postPor VF, às 17:44  comentar

5.11.16

 

T6.jpeg

 

 

 

toleirão
to.lei.rão
nome masculino
(de tolo + sufixo ão)
 
 
No fundo, o toleirão não é mais do que um grande tolo. Contudo, há considerações a fazer, pois o termo é usado também na acepção de pedante, vaidoso, presunçoso. Daí à arrogância é um pequeno passo. O toleirão pode ser uma ou todas estas coisas, mas distingue-se por sê-lo sempre com ostentação e acinte. A conclusão a tirar é que esta caracterização é sinal de tolice. E a tolice, não esqueçamos, pode equivaler também a falta de inteligência ou de perspicácia, ou expressão de ingenuidade, quando esta é fruto do carácter simplório ou até de uma radical perda da razão, que leva ao disparate e à ausência de raciocínio. Porém, não é nestes últimos casos que se encontram toleirões e toleironas. O toleirão recheia a tolice com a sua importância do mesmo modo que se enchem chouriços. Poderia até dizer-se que é um tipo enchouriçado de si próprio. Um grande tolo, portanto.
 
 
 
 
link do postPor VF, às 09:00  comentar

2.11.16

 

Hillary-Clinton.jpg

 Hillary Clinton

 

 

 

 

José Cutileiro.jpg

 

 

A 7 dias de Broncalina do camandro?

 

 

 

Ou de Bernardette do caboz? Ou uma ou outra, tanto faz. Na segunda terça-feira de Novembro, próximo dia 8, os americanos dos Estados Unidos vão às urnas decidir o seu destino político – e o nosso. Toda a política é política local, disse famosamente Tip O’Neill, antigo presidente da Câmara dos Representantes em Washington, de origem tão irlandesa que em quase cinco décadas de serviço em altas instâncias do Partido Democrata nunca pôs os pés na Embaixada Britânica, porque os ingleses tinham sido os opressores coloniais, os responsáveis pelas terríveis fomes dos séculos XVIII e XIX no seu país, o Diabo na terra, e Tip não queria ser visto pelos outros irlando-americanos a comer o seu pão e a beber o seu vinho, tu cá tu lá com eles. Manteve essa ficção até ao fim, embora se desse com os ingleses como Deus com os anjos e os ajudasse quando tal fosse preciso.

 

Mas, para voltar ao aforismo de Tip, os grandes países têm vantagens sobre os pequenos (é certo que, neste ano da Graça de 2016, a pequena Valónia que nem chega a ser um país atrasou de vários dias a assinatura de acordo comercial muito importante entre a União Europeia e o Canadá e, como nos nossos dias o comércio externo é a única coisa pela qual a Europa ainda tem peso no mundo e se pode dar a algum respeito, houve gente que se assustou mas tudo foi depressa ao sítio assim que a questão de política interna belga que fizera a Valónia portar-se mal foi apaziguada – se eu fosse embaixador no activo acrescentaria nesta altura, entre parêntesis, ver meu 153). E há uma prática bizarra nalgumas organizações internacionais – parar o relógio da sala a poucos minutos da hora para a qual se programara o fim de uma reunião e só o deixar trabalhar outra vez quando se tiver chegado ao acordo pretendido, passadas horas, dias ou mesmo meses, podendo-se então olhar para o relógio e pretender que se acabou no dia e hora devidos. Começou isto quando Don Mintoff, zaragateiro marxista e populista, era primeiro ministro de Malta e inventava maneiras de tornar o seu país importante pela incomodidade que causasse aos outros. Por fim, para lidar com ele, teve de se inventar o conceito de “Consenso Menos Um”.

 

Entreténs de ricos para acudir a males menores. O que poderá estar à nossa espera na madrugada da próxima quarta-feira será um tsunami geopolítico de dimensões inéditas desde 1945, maior – para nós – do que o fim da União Soviética. A política local dos Estados Unidos, os interesses dos seus brancos pobres e dos seus fundamentalistas evangélicos, apostados uns em proteccionismo que os fechasse num casulo imune à globalização e os outros em Supremo Tribunal que recriminalisasse o aborto, poderá ganhar. A Senhora fez o que pôde mas, confessa, falta-lhe o jeito do marido ou de Obama, muitos não gostam dela e não se pode excluir que perca a eleição. Se tal acontecesse a ordem internacional sofreria sobressalto de consequências imprevisíveis para a Europa.

 

 

link do postPor VF, às 11:00  comentar

29.10.16

 

 

CAPITAL-LETTER-M.jpg

 

 

 

marau
ma.rau
nome e adjectivo masculinos
(do francês maraud, «maroto»)

 

 

Galicismo interessante por ter entrado no léxico português com uma grafia semelhante à do francês e não com uma grafia que reflectisse um critério fonético, isto é que terminasse com o som «ô». Ou então é uma palavra que nos diz alguma coisa sobre a articulação do ditongo «au» num certo momento da história da língua que poderia perfeitamente ser o período das invasões francesas. Seja como for, o «maroto» francês tem em português tons mais carregados. O marau é o mariola, coisa italiana que significa patife, querendo dizer o malandro, talvez mesmo o malandrão. Mais do que biltre ou tratante, o marau é o que hoje se chamaria um «hooligan» de salão. É o corrécio, palavra que parece ter desaparecido dos dicionários, mas que a célebre saga dos irmãos Cavaco popularizou, para quem se lembra, que indica aquele que não obedece a ditames. O marau é um vadio, mas é também um malicioso. No fundo, o marau é uma figura de todos os tempos, um tipo que prefere a boa-vai-ela, que vive de expedientes e aparentemente ninguém controla. Hoje há também os maraus da política, sempre na linha da frente do proselitismo partidário, cães-de-fila parlamentares ou governamentais. São dados à incontinência verbal e à veemência. Geralmente, aparecem muito na televisão.

 

 

 

 

link do postPor VF, às 11:02  comentar

26.10.16

 

Canadá- UE.jpg

 

 

 

 

 

José Cutileiro.jpg

 

 

 

In real time e sem anestesia

 

 

 

Às vezes parece estarmos a assistir assim ao fim do projecto europeu. Na sexta-feira passada, em lágrimas, a ministra do comércio externo canadiana, saindo de encontro com o presidente do governo valão (região do sul da Bélgica cujos habitantes falam francês), governo que à última hora decidiu bloquear acordo comercial de grande alcance, começado a negociar há 6 anos entre a União Europeia e o Canadá, fez a declaração seguinte (cito-a em francês como ela falou):

 

« Au cours des derniers mois nous avons travaillé très fort avec la Commission européenne et avec beaucoup des pays des membres-états de l’Union européenne, y compris l’Allemagne, la France, Autriche, la Bulgarie, la Roumanie. Le Canada a travaillé vraiment et moi personnellement j’ai travaillé très fort.

 

Mais il semble évident pour moi, pour le Canada, que l’Union européenne n’est pas capable maintenant d’avoir un accord international même avec un pays qui a des valeurs si européennes comme le Canada, et même avec un pays si gentil et avec beaucoup de patience comme le Canada.

 

Le Canada est déçu. Moi personnellement je suis très déçue. J’ai travaillé très fort. Mais je pense que c’est impossible. Nous avons décidé de retourner chez nous et je suis très, très triste et c’est une chose emotionelle pour moi. La seule bonne chose que je peux dire c’est que demain matin je serai chez moi avec mes trois enfants ».

 

É bonito - e triste - mas afinal, sábado de manhã (altura em que escrevo estas linhas: por razões longas de enumerar devo acabar hoje o texto que irá para o ar – ou o éter ou a web, não sei como dizer – na próxima quarta-feira) a senhora está ainda em Bruxelas a negociar com o presidente do Parlamento Europeu antes de voltar para casa ainda hoje e talvez, depois desta peripécia, tudo fique pronto a tempo do jovem Trudeau (filho do velho Trudeau que já morreu e também foi primeiro ministro do Canadá) assinar na quinta-feira em Bruxelas, como previsto, o novo acordo. Esperemos que sim – mas o episódio é característico da doença que mina a Europa desde que a URSS acabou. O medo dela dava pulsões centrípetas aos países das Comunidades Europeias que iam ajudando a União a fazer-se. Agora cada um trata de si e liga pouco aos outros, como era costume dantes. O poder comercial da Europa vem da Comissão negociar com terceiros em nome dos países membros. Este verão, sob enorme pressão da Alemanha e doutros, contra a opinião dos seus serviços jurídicos, a Comissão deixou que nações pudessem negociar também. Levou mais tempo e estava quase feito quando a estrutura constitucional belga permitiu que os valões se metessem a desmancha-prazeres. O precedente vai enfraquecer a Europa.

 

E dá mais uma história belga. Má. A maioria flamenga, de economia mais rica, está furiosa e eu lembrei-me do meu colega belga de Estrasburgo, em 1979. « Tu sais ce que c’est que la pollution ? Un wallon dans la Meuse. Et la solution ? Tous les wallons dans la Meuse! ».

 

 

link do postPor VF, às 09:00  comentar

22.10.16

 

 

234-initial-letter-I-q75-498x500.jpg

 

 

 

inócuo
i.nó.cu.o
adjectivo
(do latim innocuus)
 
 
Inofensivo, que não faz mal (nem bem). A palavra atraiu a personagem do inesquecível conto A palavra mágica, de Vergílio Ferreira, «por aquele sabor redondo a moca grossa de ferros, cravada de puas». Que sabor poderá ter hoje para o cidadão comum que não saiba o seu significado? Que sabor poderá ter a mais comum das palavras para o cidadão? Eis em que deveria consistir o ensino da língua, agora que estamos ortograficamente equipados para sermos devidamente equiparados. A verdade é que nada é verdadeiramente inócuo nos tempos que correm: quase tudo tem, para alguns, consequências negativas, prejudiciais, nocivas; outras, mais raras, não fazendo mal, chegam mesmo a fazer bem. Parece haver quem use a palavra como sinónimo de vacuidade, de supérfluo (termo articulado habitualmente como supérfulo, o que tem o «mérito» de repor a alternância entre vogais e consoantes) ou de futilidade. Não significa tais coisas, mas compreende-se a relação com uma espécie de categoria «vazia». Porém, sempre salvaguardando o facto de essas tais coisas poderem não ser inócuas, nem ter consequências inócuas. 

 

 

 

 

link do postPor VF, às 09:00  comentar

19.10.16

 

 

GiveUsBarabbas.png

 

 

 

 

 

José Cutileiro.jpg

 

 

 

Barrabás

 

 

 

Os povos portam-se mal, mesmo povos que toda a gente aprendeu na escola serem viveiros de democracia. (Embora haja progresso: se, em vez de passar os dedos pelo teclado do computador para compor estas linhas no ano da Graça de 2016 eu estivesse a passar aparo de caneta de tinta permanente sobre papel almaço no ano em que nasci, quisesse ser rigoroso e ficar bem com a minha consciência, teria tido de escrever “que toda a gente que foi à escola aprendeu” porque à escola no Portugal dessa altura pouquíssima gente ia, sendo o remanescente maioritário das crianças portuguesas grupo a que o aparachique e ficcionista Soeiro Pereira Gomes chamou “os filhos dos homens que nunca foram meninos”, dedicando-lhes o romance Esteiros de que gostei, sendo o único romance neorrealista que me agradou porque os outros sofriam todos de pecha, comum também às pinturas dessa escola, que professor numa universidade de Londres explicava bem: “No impressionismo pinta-se o que se vê; no expressionismo pinta-se o que sente; no realismo social pinta-se o que se ouve”. Pinta-se e escreve-se).

 

Os ingleses, herdeiros da Magna Carta com que gostavam de vez em quando de apoucar os outros, graças a Primeiro Ministro conservador cuja paciência para os eurocépticos do seu partido se esgotara e resolvera pôr a questão da Europa a referendo e cuja inépcia o fizera depois perdê-lo (expediente político favorito dos populistas, o referendo foi ganho por demagogos desonestos e irresponsáveis) votaram por sair da Europa sem entenderem bem do se tratava, sobretudo por estarem fartos dos “políticos de Londres” e de um sistema que cria 1% de ricos cada vez mais ricos e 99% de uma mistura de pobres cada vez mais pobres e de classe média a resvalar para a pobreza. Com a poeira a assentar está a descobrir-se que o país vai ficar mais fraco do que era e que a mudança lhes vai custar os olhos da cara.

 

Os norte-americanos que gostam tanto ou mais do que os ingleses de se pavonearem com evocações da Magna Carta (mais as sua próprias Declaração de Independência, Constituição e Alocução de Gettysburg), a seguir a mais de um ano de berrarias e impropérios que se chamaram eleições primárias em cada um dos dois grandes partidos e agora campanhas mesmo para a presidência do país, entre uma senhora competente (sem jeito para a política mas competente) e, pelos padrões da sua terra, do seu tempo e da sua profissão, decente, e um mitómano sociopata, desonesto e ordinário, indecente por quaisquer padrões. Milhões de americanos parecem achar que deveria ser ele o novo inquilino da Casa Branca. Dia 8 de Novembro se saberá mas muito mal já foi feito - para ficar.

 

Toda a gente gosta de lembrar Churchill: a democracia é o pior sistema de governo tirando todos os outros. É verdade mas é verdade também que o povo tem dias: a história moderna está cheia de maus exemplos – e não só ela. Convém nunca esquecer que o povo escolheu Barrabás (e terem sido os judeus já não serve de desculpa).

 

 

 

 

link do postPor VF, às 08:00  comentar

15.10.16
 

D-Francesco_Torniello_da_Novara_Letter_D_1517_(rie

 

 
 
 
 
desplante
des.plan.te
nome masculino
(derivação regressiva de desplantar)
 
 
 
Na esgrima, o desplante é uma variante de equilíbrio que consiste na perda momentânea do ponto de gravidade quando o esgrimista faz recair o peso do corpo sobre um dos pés e a arma está na mão contrária. Na vida em geral, esta questão tem que ver com um outro ponto de equilíbrio (ou de desequilíbrio): é quando a audácia ou a ousadia vestem o manto do descaramento ou da falta de vergonha, do atrevimento de rosto insolente, da desfaçatez (mais uma boa palavra de feição castelhana). No fundo, o desplante fala-nos da ausência do lugar natural ou normal: desplantar é retirar uma planta pela raiz, arrancar, mas pode aplicar-se a pessoas, a grupos de pessoas, a povos inteiros. Na acepção de falta de vergonha, são muitas as marés que vão dar a essa costa.

 

link do postPor VF, às 09:15  comentar

12.10.16

 

 

 

Famous_Germans_collage_2.jpg

 

 

 

 

José Cutileiro.jpg

 

 

 

Deutschland über alles?

 

 

 

 

Ou não? Na eleição de António Guterres para Secretário-Geral das Nações Unidas houve episódio esquisito. Depois de 5 votos a feijões todos ganhos por Guterres e antes do sexto, o governo da Bulgária retirou a sua candidata, Directora Geral da UNESCO, senhora socialista que tinha o apoio da Rússia e, por instigação de Angela Merkel, nomeou outra, Comissária Europeia, de direita. Guterres ganhou também a sexta votação e veio a ser escolhido por aclamação pelo Conselho de Segurança; a recém-vinda búlgara de direita teve ainda menos votos do que a búlgara de esquerda (que se mantivera em liça, indigitada por outro país). O curioso da história é Merkel ter decidido meter-se ao barulho quando a vitória de Guterres estava assegurada. Houve escolhas para Secretário-Geral da ONU renhidas, num caso pelo menos exigindo coelho tirado à última hora da cartola para fugir a impasse de vetos cruzados. Mas este ano não. Ou Merkel foi mal informada pelos seus de como as coisas se estavam a passar ou julgou que apesar de tudo a sua vontade prevaleceria (mais provavelmente, mistura de ambas as coisas). Não prevaleceu. Será o proverbial canário da mina?

 

Oxalá. Quem trate há muito tempo de coisas europeias - nos milhares de reuniões, entra o ano sai o ano, em que diplomatas, burocratas, políticos e técnicos de (hoje) 28 países concertam posições sobre toda a espécie de assuntos – conheceu três fases distintas quanto à participação da Alemanha. Na primeira, durante aí um quarto de século a seguir ao Tratado de Roma de 1957 - criador do processo formal que levaria à União Europeia - a Alemanha derrotada, saindo aos poucos da ruína, envergonhada, não mostrava preferências próprias nem levantava a voz, cultivava europeísmo em vez de patriotismo, e era seguidora disciplinada de quaisquer consensos. Na segunda, começada no fim dos anos 80, a Alemanha, primeiro com a capital ainda em Bona e depois, de novo inteira, em Berlim, começou a dar sinais cada vez mais fortes e frequentes de hegemonia e de gosto por a exercer. (O anúncio, em Dezembro de 1991,de que ia reconhecer a independência da Croácia sem esperar por acordo a Doze foi marco importante de autonomia política reconquistada). A terceira começou em 2010 com a crise financeira e a austeridade, declarada política obrigatória no Sul da Europa para quem quisesse receber ajuda de “Bruxelas” (que compensou primeiro perdas de bancos alemães e franceses), e foi anunciada em termos moralistas ofensivos pela formiga germânica às cigarras meridionais. Grande responsável pelo marasmo económico europeu tem sido acompanhada, também noutros campos, por arrogância crescente de quase todo o pessoal alemão que participa nos milhares de reuniões europeias.

 

O descontentamento de outros europeus perante esta situação absurda cresce; talvez leve Berlim a mudar de rumo. É urgente que o faça antes de tanta cegueira acabar de vez com reabilitação alemã que parecia há 10 anos ter vindo para ficar.

 

 

 

NB Há gente a mais agora a dar palpites sobre política internacional. E aconselhar a Alemanha, de dedo em riste, a partir de um pequeno blog lisboeta parece néscio. Mas será? Em 1914 quando se soube no Cartaxo que a Alemanha invadira a Bélgica, o director do jornal da vila saltou de cadeira de barbeiro meio escanhoado e saiu a correr, anunciando que ia escrever artigo a escavacar o Kaiser. E o facto, como lembrou o advogado e dramaturgo Amilcar Ramada Curto que contou depois a história, é que o Kaiser perdeu a guerra.

 

 

 

 

link do postPor VF, às 08:00  comentar

8.10.16

 

 

E letter.jpg

 

 

 

eternidade
e.ter.ni.da.de
nome feminino
(do latim aeternitas, -atis)
 
 
 
Qualidade do que dura e não tem fim: a vida eterna ou o sono eterno. Perpetuidade. Imortalidade. Associado ao significado transcendente de «para sempre», o termo pode também ser usado para designar o período variável de duração, literal ou simbólica, do que deixamos quando morremos. É quase sempre pura ilusão, no sentido português de «engano» (em espanhol, curiosamente, a palavra «ilusión» usa-se no sentido de expectativa, de esperança). Se aplicado à vida terrena, à vida de todos os dias (por exemplo, a chegada de um autocarro, a queda de um governo, o final de um filme ou de uma conversa especialmente aborrecidos), a noção de eternidade traduz-se, na maior parte das vezes, pela expressão de impaciência «nunca mais». 
 
 
 

 

link do postPor VF, às 09:00  comentar

5.10.16

 

família numerosa.jpg

 

 

 

 

 

 

José Cutileiro.jpg

 

 

 

 

Família

 

 

 

 

A família faz-nos amar pessoas de quem nunca gostaríamos se as tivéssemos conhecido de outra maneira. Assim, não gostamos delas mas amamo-las. Treino inestimável para a vida, de que nem nos damos conta: aprende-se sem ter de ser ensinado.

 

Família como é em Portugal. No centro está o próprio, com pai e mãe, irmãos, irmãs, avós paternos e maternos, tios, tias, primos, primas, a certa altura quase sempre também mulher ou marido, filhos, filhas, netos, netas, sobrinhos, sobrinhas (e sogros, sogras, genros, noras). O parentesco traça-se igualmente pelo lado do pai e pelo lado da mãe; este sistema de parentesco, existente na Europa toda e, hoje em dia, em muitas outras partes do mundo, chama-se cognático. Há outras variedades. Se o parentesco se traça só pelo lado do pai o sistema chama-se patrilinear. Se se traça só pelo lado da mãe chama-se matrilinear - o que não quer dizer mulheres a mandar; quem manda são sempre os homens (‘matriarcados’ são ficções mitológicas). O que varia é a transmissão de bens, obrigações, honras de uma geração para outra. No sistema cognático estes são transmitidos pelos dois lados, no patrilinear eu herdo através do meu pai e o meu filho herda através de mim. No matrilinear eu herdo através do irmão da minha mãe e o filho da minha irmã herda através de mim. No primeiro caso não tenho parentes do lado da mãe; no segundo, é do lado do pai que não os tenho. Nalgumas sociedades tradicionais, como as dos aborígenes australianos, há regras de casamento complicadíssimas. Os europeus que as descobriram em finais do século XIX só vieram a entendê-las devidamente com ajuda de modelos matemáticos, enquanto os aborígenes, analfabetos e ignorantes de álgebra, as dominavam tão completamente que sabiam sempre com quem poderiam casar ou não (antes de instrução e envangelização obrigatórias lhes terem começado a embotar a broca do entendimento).

 

Seja como for, a família –no começo disto tudo, à bulha com outras famílias - é o primeiro grupo a que se pertence. Quer para quem acredite, com Jean-Jacques Rousseau, que o homem é naturalmente bom e é a sociedade que depois o estraga, quer para quem acredite, com Thomas Hobbes, que a maldade nos vem da matriz e só a sociedade poderá minorá-la. Desde que há homo sapiens até hoje – um ápice na história do universo – outros grupos foram tirando comando e controle à família até se chegar à visão de superestado que a União Europeia ambiciona ser. Mas quando as coisas dão para o torto como, de há 8 anos para cá, estão a dar na Europa e nos Estados Unidos – “A malta agora é mais pobre do que eram os pais da malta” - a família sai do pano de fundo e volta à boca de cena, nem sempre para maior bem-estar de todos nós. Com ela reforçam-se, em ordem descendente de mal fazer, máfias, nepotismo, corrupção, compadrios. Perde-se respeito pela coisa pública - a res publica, a República – e pelos que enriquecem à custa dela e nossa. A hora é dos gladiadores. Não se irá ao sítio a bem.

 

 

 

 

link do postPor VF, às 09:00  comentar

1.10.16

 

 

483-Troilus-and-Criseyde-II-In-May-initial-cap-q85

 

 

 

 

 

insónia
in.só.ni.a
nome feminino
(do latim insomnia)

 


Estado de privação do sono, também designado por espertina, pleno de inquietações fantasiosas (ou de fantasias inquietantes), acalentadas por lúcidos, embora lúgubres, fantasmas nocturnos, que o dia expulsou e se refugiaram na penumbra. Recanto da memória onde se guarda a banheira de Arquimedes. Para o insone, a noite torna-se crua, redonda, não literária, sem princípio nem fim, só noite.

 

 

 

 

link do postPor VF, às 09:00  comentar

28.9.16

 

 

 

trabalhadores_de_uma_fabrica_de_bombas_na_inglater

 

Fábrica de armamentos em Inglaterra durante a Primeira Guerra Mundial 

 

 

 

 

José Cutileiro.jpg

 

 

 

Pátrias

 

 

 

“O patriotismo é o último refúgio do bandalho” proclamou o Dr. Samuel Johnson, lexicógrafo inglês do século XVIII - na Europa, pátrias começavam a ganhar mais importância do que fés e dinastias - cujo humor cáustico continua a ser apreciado. Reforçadas por revoluções europeias de meados do século XIX, pátrias mostrariam a sua força crescente contra outras lealdades na Primeira Guerra Mundial: as classes operárias alemã e francesa, marimbando-se para exortações a que proletários de todo o mundo se unissem, mataram-se zelosamente uma à outra nas trincheiras da Flandres. “Patriotismo é amor dos nossos; nacionalismo é ódio aos outros” lembrou por seu lado Roman Gary, nascido judeu polaco, morto – por suicídio – cidadão francês, cuja origem estrangeira levara a baixarem-lhe a Note d’amour na academia aeronáutica, se juntara aos aviadores da França Livre de De Gaulle e foi, até hoje, o único escritor a ganhar o Prémio Goncourt duas vezes – a segunda sob pseudónimo, a mangar com o júri - publicando também romances em inglês e casado algum tempo com Jean Seberg de quem se separou e que se suicidou antes dele. Na sua vida e à sua volta desenrolaram-se muitas das barbaridades do fim da primeira metade do século XX no centro da Europa.

 

Nós portugueses, a irmos para nove séculos de história dentro das mesmas fronteiras – que os Amigos de Olivença me perdoem a pequena inexactidão – oito se quisermos contar com Tavira, não damos valor ao sossego ontológico desta periferia com vista para o mar. Devíamos dar. Javier Solana contou-me ter conhecido em Bratislava senhor muito velho que ao longo da vida mudara sete vezes de nacionalidade sem nunca ter mudado de casa. A mim explicou-me há meio século proprietário alentejano, para me contar da vida sob a Primeira República (1910-1926): “Isto o que é preciso, Senhor Doutor, é a gente estar bem com a lei que há”. Para nós, as leis mudaram poucas vezes e, sobretudo, nunca nos mandaram dizer que eramos outros. Logo a seguir aos anos do fim do Império, anos em que tinham realmente querido dar-nos cabo do juízo (diante de mim, no Clube de Évora, um deputado à Assembleia Nacional e dois grandes lavradores do distrito disseram a jornalista francês de Le Monde, vindo por haver ‘eleições’: “Portugal é uno do Minho a Timor” em uníssono sem sombra de ironia na voz), amigo meu que ensinava em Genebra recebia compatriotas incessantemente preocupados com a “identidade nacional” - o que o deixava perplexo porque, dizia, não havia país mais idêntico que Portugal.

 

Talvez por isso, cá o Dr. Johnson não vigore: os bandalhos terão de encontrar outro refúgio. Lá fora, estão ultimamente na maior: patrioteiros como Marine Le Pen em França, Trump nos E.U.A., Putin na Rússia, Orban na Hungria, Duterte nas Filipinas, etc., etc. trazem à superfície o pior na sua gente, voltam-na contra outras gentes e aceleram o mundo para novo desastre.

 

As luzes que em 1914 se apagaram na Europa apagam-se agora pelo mundo inteiro.

 

 

 

 

link do postPor VF, às 09:00  comentar

24.9.16

 

 

 

G letter.png

 

 

 

gerúndio
ge.rún.di.o
forma nominal do verbo, invariável, terminada em -ndo.
(do latim gerundium)

 

 

Os matizes do gerúndio em português prendem-se com o seu uso na forma simples ou na forma composta, dependendo (cá está) da sua posição relativa na frase. Algumas gramáticas, ao descreverem (ou descrevendo…) o emprego desta forma, falam até de «construções afectivas», motivo pelo qual a coisa deveria até estar muito na moda. Mas não. Parece haver uma tendência para preterir o gerúndio em favor de outras soluções que o não contemplem, por exemplo a sua substuição pelo infinitivo antecedido de preposição (exemplo «a cantar»), recuperando (cá está de novo) a ideia de que é uma coisa um pouco provinciana, rústica, ou ainda como forma de desvinculação do português do Brasil, o que só pode ser pura ignorância. Como se a região de Lisboa não constituísse, também ela, uma variante dialectal do português e não a língua sem rebarbas, rebrilhante de tão polida, que alguns dos seus falantes imaginam. Variante em que as noções de progressão indefinida ou de duração estão menos presentes de um modo tão expressivo. Felizmente que à pergunta sobre como vai a nossa vida, podemos responder: cá vai indo.

 

 

 

 

 


21.9.16

 

 

 

 

 

nato.jpg

 

 

 

 

José Cutileiro.jpg

 

 

 

Defesa europeia, Brexit e bom senso

 

 

 

 

Alguns entusiastas vêm na saída anunciada do Reino Unido da União Europeia não um desastre mas uma oportunidade. O seu argumento é que, ao longo dos anos, o Reino Unido várias vezes impediu com o seu veto projectos de defesa europeia propostos por outros estados membros (na União Europeia, questões de defesa são decididas por unanimidade) como, por exemplo, a criação em Bruxelas de um quartel-general europeu. Deixando os ingleses a União, outros poderão levar os seus projectos avante, aumentando assim, segundo eles, a capacidade defensiva da União Europeia.

 

Hão de poder, com certeza. Mas espero que o bom senso prevaleça e isso não venha a acontecer. Os vetos dos ingleses a tais iniciativas não eram birras, eram resultado de duas condições necessárias para que defesa europeia eficaz possa existir: uma, que a Organização do Tratado do Atlântico Norte (vulgo NATO) esteja pronta a intervir 24 horas por dia, 365 dias (6 em anos bissextos) por ano em caso de ataque a qualquer membro da Aliança (não aconteceu até agora e só esteve para acontecer uma vez: a 12 de Setembro de 2001, evocando o Artigo V do Tratado, todos os outros Aliados se disponibilizaram para ajudarem os Estados Unidos mas estes agradeceram e recusaram); outra, que os países Aliados elaborem os seus orçamentos nacionais de maneira a poderem arcar com as despesas que lhes caibam na partilha do fardo fiscal colectivo da defesa da Europa, em que os Estados Unidos também participam.

 

Enquanto a União Soviética existiu, medo saudável dela ajudou a arrumar as ideias nas cabeças de ministros, parlamentares e contribuintes na Europa Ocidental, e foram feitos esforços sérios de cumprimento das metas orçamentais acordadas para cada Aliado. Depois do colapso da União Soviética e do fim da Guerra Fria as coisas mudaram. Nenhum Aliado europeu gasta o que devia – e como devia - em defesa, sendo, de longe, o Reino Unido e a França os que mais se aproximam do cumprimento dessas obrigações. Juntamente com dimensão, arsenal nuclear e história (incluindo assentos permanentes no Conselho de Segurança da ONU), tal faz deles os únicos Aliados membros da União que são potências militares mundiais.

 

Na área da defesa, a saída do Reino Unido em nada enfraquece a União Europeia nem prejudica iniciativas Franco-Britânicas. Por uma razão: a defesa dos países membros da União Europeia contra eventuais ataques de terceiros cabe, não à União, mas à OTAN (directamente, para a maioria porque são também Aliados; indirectamente - tradição vinda da Guerra Fria -, para Irlanda, Áustria, Finlândia e Suécia que o não são).

 

O risco de “iniciativas europeias” (bem intencionadas ou/e antiamericanas), por exemplo, a de um quartel-general em Bruxelas seria, por um lado, prejudicarem unidade ocidental, condição sine qua non de bom funcionamento da defesa europeia e, por outro, competirem irracionalmente por fundos escassíssimos dando azo a ainda mais desculpas de mau pagador.

 

 

 

link do postPor VF, às 09:00  comentar

17.9.16

 

A.png

 

 

 

algo
al.go
pronome indefinido
advérbio
(do latim aliquod, «alguma coisa»)

 

O étimo de «algo» é a forma neutra de aliquis, de onde se originou a palavra «alguém». A muito antiga palavra fidalgo constitui uma reminiscência dessa genealogia: resulta de fi(lho) + de + algo, sendo «algo» aqui equivalente a «alguém», como quando se diz aos filhos para estudarem para serem «alguém», ainda que desprovidos de fidalguia. Como pronome indefinido, significando «alguma coisa», o termo tem tido um incremento notável. O seu uso faz mesmo parecer que as formas «alguma coisa» ou «qualquer coisa» estão contaminadas de um plebeísmo a evitar; faz figura de linguagem elevada. Há mesmo quem adopte o termo em regime de exclusividade. A marca de chocolates Ferrero Rocher tem culpas no cartório. Todos se lembram daquele anúncio em que uma senhora diz ao motorista «Ambrósio, apetecia-me tomar algo», frase que tem aliás dado azo às mais descabeladas versões. Com ajuda da patroa do Ambrósio ou não, o certo é que «algo» parece ter caído no goto das massas falantes: «aconteceu algo» ou «tenho algo a dizer» ou «ele fez algo de bom». Os próprios dicionários impam, repletos de «algos». Não se tratando de obscenidade, modismo, ou incorrecção, é apenas causa de prurido ou caso de irritação, agravada quando alastra, como nódoa, à escrita e aos seus práticos. Menor favor dos utentes da língua parece merecer o uso do termo como advérbio – como na frase «Caro senhor, achei o seu texto algo insosso» –, no sentido de «um pouco» ou «um tanto». Enfim, é das tais coisas para as quais não se vê saída, ao contrário da Lanalgo, que tinha cinco entradas para uma saída feliz.

 

 

 

 

 

link do postPor VF, às 09:00  comentar

14.9.16

 

 

 

Olympians.jpg

 

@ Percy Jackson 

 

 

 

 

 

José Cutileiro.jpg

 

 

 

Deuses

 

 

 

 

Em igreja desafectada num lugarejo da Beira profunda, pedindo-se a vizinha chave para a abrir, amigos dos Pais descobriram estatueta magnífica de S. Sebastião do século XVII. Um ano depois, estando por perto, pediram outra vez à vizinha para lhes abrir a igreja – e não viram o S. Sebastião. Perguntaram se alguém o teria levado (passava-se isto há uns 80 anos e começara já a compra por dez reis de mel coado de obras de arte achadas na província portuguesa por citadinos astutos - pilhagem comparável às das Invasões Francesas do começo do século XIX, com a vantagem de as obras assim preservadas terem ficado em Portugal) mas nada da igreja fora entretanto vendido. De entrada, a vizinha nem percebia bem de que é que eles estavam a falar até, de repente, se fazer luz no seu espírito: “A gente capemo-lo e fizemos uma Santa Teresinha!”

 

O catolicismo cultivou os Santos e as Santas, alguns plasmados de anteriores figuras pagãs, amortecendo assim o choque brutal do monoteísmo - a invenção mais traumática e funesta da humanidade - na vida de cada um (e cada uma) de nós que com ele tivesse de lidar. Santos e Santas são cortesãos celestes, com acesso directo a Deus menos ou mais facilitado, desde Santos e Santas modernas sem cultos enraizados nas mentes dos fiéis às hipóstases mais celebradas da Senhora sua Mãe. Beatas (e beatos) estabelecem as suas intimidades. Uma de Reguengos, a quem mãe aflita com doença de filho viera pedir intervenção de Nossa Senhora de Fátima (de que a beata possuía imagem a que rezava), respondeu-lhe: “Deixa estar filha que eu, em chegando a casa, caio-me lá com a minha Periquita!”. Às vezes, como entre humanos, as coisas dão para o torto: o meu amigo Fernando viu numa igreja de Luanda mulher de pé em cima de um banco insultando em kiluanda imagem de Nossa Senhora do Carmo, por esta não ter cumprido a sua parte de um acordo.

 

As coisas passavam-se assim com Deuses e Deusas quando toda a gente tinha vários. Era o caso - para escolher sociedade evoluída - da civilização romana com quem os cristãos tiveram problemas, não por terem Deus diferente, tal não aquecia nem arrefecia os romanos, mas por não admitirem existência de Deuses dos outros. A intolerância não foi inventada pelos monoteístas mas foi dotada por eles de superioridade moral. Desde as origens no Próximo Oriente as chacinas não pararam. Mas salvo em casos especiais – judeus ortodoxos, Tea Partiers americanos, waabistas - as três grandes religiões reveladas parecem hoje menos viradas para o proselitismo, mormente a Hebraica quiçá por ter sido mais maltratada do que as outras duas. A Cristã chega a roçar o agnosticismo. Mais novo, o Islão dá fiéis cheios de sangue na guelra. Se algum dos seus entusiastas, fanático do chamado Estado Islâmico, nos perguntar o que fizemos do Deus a quem chamam Alá, em cujo nome matam e esfolam, devemos responder que o capámos e fizemos um Nosso Senhor Jesus Cristo, user-friendly para crentes e descrentes.

 

 

 


10.9.16

 

 

O rose petals.jpg

 

 

 

omissão
o.mis.são
nome feminino
(do latim omissio, -onis)

 

 

O que se deixa de fazer ou de dizer. Esquecimento, voluntário ou involuntário. Silenciamento com que se modela a realidade e, por tal razão, recurso gramatical e estilístico muito presente na resposta a perguntas do tipo «O que fizeste hoje?» ou «Em que estás a pensar?». Lacuna. Falta. Ocultação. Apagamento. Técnica narrativa que consiste numa aceleração ou salto no tempo; exemplo clássico é, entre muitos outros, o início do terceiro capítulo de Os Maias: «Mas esse ano passou, outros anos passaram. Por uma manhã de Abril, nas vésperas da Páscoa, Vilaça chegava de novo a Santa Olávia.» Na economia da construção da verdade opera por supressão, que é uma forma de selecção. Mentira politicamente mais subtil ou juridicamente menos gravosa. Forma de cobardia.

 

 

 

link do postPor VF, às 09:00  comentar

7.9.16

 

 

angela_merkel.jpg

 

Angela Merkel

 

 

 

 

José Cutileiro.jpg

 

 

 

A questão alemã

 

 

 

 

 

No Domingo passado - a leitora terá dado por isso - partido da extrema-direita alemã passou à frente da CDU, vindo com 21% dos votos em segundo lugar, a seguir aos 30% dos Sociais Democratas vencedores e relegando para terceiro lugar, com 19%, o partido da Senhora Merkel, em eleições regionais no mais pequeno dos Länder, Mecklemburgo-Pomerânia Ocidental, entalado entre o resto da Alemanha a Polónia e o Mar Báltico, que não conta mais do que 2% do eleitorado do país, fazia parte da República Democrática Alemã antes de reunificação e é o Land onde a Chanceler vota e é eleita. Esta coincidência, a seguir a três desempenhos notáveis em eleições regionais na Primavera da Alternativa para a Alemanha (24,3% em Saxe-Anhalt; 15,1% em Bade-Wurtemberg; 12,6% em Renânia-Palatinado) levou Frauke Petry, porta-voz do partido, a cantar “vitória” e a declarar que “os cidadãos perderam a confiança nos velhos partidos” (que, para ela, são todos menos a Alternativa).

 

Até às reacções hostis de muitos alemães à generosidade voluntarista e unilateral de Angela Merkel no acolhimento de imigrantes do próximo Oriente, sobretudo de imigrantes fugidos do horror sírio, a Alemanha fora, desde as grandes crises começadas em 2010 - a crise das dívidas soberanas e, mais tarde, a crise da imigração – ou, melhor ainda, desde o fim da segunda guerra mundial em 1945, o país europeu menos provável para berço de novo regime fascista, depois do surto triunfalista dos antigos na década de 30 e do seu esmagamento implacável na de 40, do século passado. Mais do que isso. Entre a derrota de 1945 e a reunificação de 1991 a Alemanha Ocidental, primeiro de rastos e depois, a pouco e pouco, levantando-se do chão por determinação tenaz (com ajudas de fora: estar proibida de se meter em grandes despesas militares; ver perdoado o grosso das dívidas de guerra incorridas na paz de Versailles de 1919 e a seguir à rendição incondicional de 1945 porque Washington, Londres e Paris precisavam dela forte contra a Rússia Soviética) tornara-se, de longe, a grande potência que melhor tratava potências médias e pequenas.

 

E era também a nação europeia que levava mais a sério a Europa (primeiro as Comunidades Europeias e, mesmo depois da reunificação lhe devolver Pátria própria, a União Europeia).

 

Helmut Kohl avisava: “Quem vier a seguir a nós [governar a Alemanha] não se lembrará da guerra”. Felizmente apareceu Merkel, que se lembrava da Alemanha de Leste. Mas a sua austeridade pôs a economia europeia na cauda do crescimento económico do mundo (e mostrou urbi et orbi que a dívida afinal ainda não estava paga).

 

A Alternativa assusta mas é cereja para bolo que não foi cozido. Julgo que o enxerto democrático continue a vingar no tronco teutónico. Que quanto a imigração a Alemanha ajude a civilizar os países do Leste europeu em vez de ceder à barbaridade destes. Que os alemães se convençam de que meio século sem lhes darem ouvidos não lhes dá direito a não ouvirem os outros.

 

 

 

 

link do postPor VF, às 09:00  comentar

3.9.16

 

 

shield-with-police-p-letter.jpg

 

 

 

 

 

participação
par.ti.ci.pa.ção
nome feminino
(de participatio, -onis)

 

 

Como acção cívica ou expressão de cidadania designa o dever de intervir, de ajudar, de colaborar, de contribuir, de cooperar. Como exigência contemporânea significa falar, comentar, seguir, configurando uma espécie de obrigação de comunicar, muito para além do âmbito jurídico da participação, como a queixa ou a denúncia, ou do âmbito social, como a participação do nascimento, do casamento ou do óbito. A participação, como a comunicação, de que é causa e consequência, está na ordem do dia, na ordem de serviço da ordem geral. Dizem que faz bem à saúde. De pequeninas, as crianças aprendem os seus fundamentos e as escolas requerem impiedosamente a sua prática; as famílias reclamam-na, as empresas exigem-na e até a premeiam, os artistas praticam-na ou servem-na, os governos administram-na. Ficar calado e quieto a um canto pode ser interpretado como disfunção com direito a acompanhamento de psicólogo e subsequente reeducação. É preciso ter um certo cuidado.

 

 

link do postPor VF, às 09:00  comentar

31.8.16

 

 

Carta de Guia de Casados.jpg

 

 

José Cutileiro.jpg

 

 

Gemeinschaft

 

 

 

 

Quando eu era novo, Gemeinschaft era bom. Lembrava o tempo em que palavra de homem valia mais do que papelada oficial de burocratas sem cara e sem alma. Em que costumes seculares de aldeia, validados por gerações seguidas de analfabetos norteados por curas, prevaleciam sobre códigos escritos alheios, impostos pelo estado moderno, que os roubava para seu sustento e lhes levava os filhos para a guerra. Um tempo que provavelmente já não se vivia em parte nenhuma e que a saudade da gente imaginava. Mas o passado não pára de mudar e agora, segundo aprendi num ensaio de Henrique Raposo na revista do Expresso que trazia os Duques de Windsor na capa (“The Windsors were here alright. The bed is still cold”), Gemeinschaft afinal é mau e as nossas saudades dele também. Isto por razões longas de enumerar mas de que se pode dar o tom numa penada: se nesse tempo se falava com respeito de palavra de homem não se falava nunca de palavra de mulher. Era, aparentemente, coisa que não existia ou, se existia, não contava. Só fidalgas ricas, viúvas de jure ou de facto, se podiam dar a tal luxo, como D. Felipa de Vilhena armando os filhos cavaleiros.

 

Marx, sempre a puxar a brasa à sua sardinha, escreveu que não havia uma moral dos senhores e uma moral dos escravos: havia uma moral feita pelos senhores para os escravos. Julian Pitt-Rivers, antropólogo inglês que morreu há quinze anos, entre as três mulheres com quem foi casado contou uma duquesa espanhola, viveu uns tempos numa vilória do sul do país e observou-a bem (“The town begins and ends as abruptly as the Spanish day”) explicava que, em Espanha, os muito pobres – e nessa altura havia muitos - não tinham meios que chegassem para se poderem portar bem, os muito ricos, incluindo então muitas Grandezas de Espanha, tinham meios demais para precisarem de se portar bem, e eram as vastas classes médias que passavam por este mundo permanentemente atormentadas por rosário de penas que temor a Deus ou falatório de vizinhos lhes quisessem causar.

 

Voltando às mulheres, D. Francisco Manuel de Melo (1608-1666) que comandara a pacificação de Évora depois da revolta do Manuelinho em 1637 fora claro numa passagem capital da sua Carta de Guia de Casados: “Que o marido sofra da mulher tudo menos ofensas e a mulher ofensas e tudo”. Lido hoje, tal não se enquadra bem no espírito do tempo.

 

Assim nos vamos entretendo por Lisboa, capital do Porto, enquanto a Europa (ou melhor, a União Europeia, invenção política que tem dado aos europeus de hoje peso e força no mundo, isto é, seguro de vida) se vai destricotando em protecionismos protofascistas. Cercada por um mundo onde os valores do Iluminismo e da Democracia Representativa são arvorados em inimigos do povo. Onde Putin, Erdogan, teocratas sauditas e teocratas iranianos praticam com desenvoltura guerras pequenas, preparando-se para grandes guerras. Onde Trump quer privar a OTAN do arsenal nuclear americano e se arrisca a ser eleito em Novembro.

 

 

 

 

link do postPor VF, às 15:20  comentar

30.8.16

 

 

Untitled-1.jpgFernando Guedes (1929-2016)

 

 

 

 

Ignoro se têm sido muito ou pouco estudadas eventuais afinidades do nosso modernismo com o dos Britânicos, para além da comum recusa do sentimentalismo (mas talvez não a procura radical da despersonalização e do distanciamento, que quase só encontramos em Pessoa; a estética imagista só terá verdadeira expressão portuguesa com Alberto de Lacerda, mas esta poderá ser uma opinião controversa), mas não resisto a chamar a vossa atenção para os conselhos que William Carlos Williams, um outro americano que foi figura de proa do Imagismo, dava à poeta inglesa Denise Levertov, em 1954, repercutindo ainda nesse momento, de forma bastante fiel, o ideário imagista de Pound e Eliot em 1914. Dizia ele: «Corte, e corte de novo, tudo o que escrever — ao mesmo tempo que por obra da sua arte não deixa vestígios dos cortes — e o resultado final ficará repleto do que tem para dizer».

 

O crítico britânico Harold Monro, num livro intitulado Some Contemporary Poets, publicado em 1920, conta a história de um jovem poeta americano recém-chegado dos Estados Unidos que procurou Eliot a fim de lhe mostrar os seus trabalhos. Este, ponderou longamente em silêncio um poema e, erguendo finalmente os olhos, terá dito: «Precisou de 97 palavras para o fazer; eu acho que poderia tê-lo feito em 56». Mas nada disto era novo e os próprios imagistas não se cansavam de o afirmar: «Estes princípios não são uma novidade; caíram em desuso. Eles são o essencial de toda a grande poesia».

 

É claro que estamos no plano estilístico da precisão. Mas creio que poderíamos articular isto, independentemente dos particulares relativos à diferença de contextos, com o que António Ferro — fundador e referência desta Casa — escrevia, em 1919, em Leviana (publicado em 1921):

 

«O excesso de pormenores embrulha a concepção, a intenção. Já que não podemos simplificar a vida, simplifiquemos a literatura. A literatura, como a vida, está atravancada. Há que descongestioná-la: um só quadro numa parede, dois ou três móveis em cada sala. Simplifiquemos! Simplifiquemos! A falta de espaço é cada vez maior. Há que fazer peças com poucas personagens, romances com poucas páginas, telas com poucas tintas. Seleccionar! Seleccionar! Escrever muito é fácil. Escrever pouco é heróico, muitas vezes. Poucos escritores têm essa coragem».

 

Como é sabido, The Waste Land, o poema de Eliot que Fernando Guedes considera o mais visionário do século xx, foi drasticamente reduzido na sua dimensão pela mão de Pound, que na dedicatória de Eliot é justamente designado como il miglior fabbro.

 

***

 

Há muito que Fernando Guedes se interessa por estes dois autores, Eliot e Pound. Poeta, ligado à Távola Redonda, nessas «folhas de poesia», cuja publicação se iniciou em Janeiro de 1950, apresentou e traduziu ambos (possivelmente pela primeira vez entre nós, como ele próprio notou na sessão de apresentação do livro). Eliot fora distinguido com o Nobel em 1948; Pound, internado num hospital psiquiátrico, recebera o Prémio Bollingen, em 1949. Posteriormente, no final da década, Fernando Guedes haveria de dirigir uma outra revista que logo no título – Tempo Presente – evocava Eliot (O tempo presente e o tempo passado/ São ambos presentes talvez no tempo futuro/E o tempo futuro contido no tempo passado) e que no segundo número apresentava traduções de Pound e saudava a sua libertação, ocorrida no ano anterior.

 

Deste modo, o que Fernando Guedes faz nestas quatro comunicações é arrumar de forma condensada o seu próprio percurso de leitor de Eliot e Pound ao longo de décadas e apresentar a sua visão sobre o lugar de cada um deles na poesia do século xx. Partindo de uma perspectiva, que foi antes de mais geracional, de reavaliação da modernidade face à tradição, de indagação estética (o tal percurso partilhado em fraterna amizade com Fernando Lanhas), mas também ideológica na marcação das suas distâncias, Fernando Guedes engloba no seu interesse por estes poetas a dinâmica concisa e complexa da estética imagista, a relação com as artes plásticas, e, muito particularmente, a sua ressonância mítica e religiosa.

 

 

Jorge Colaço

 

Excerto de um texto lido no Círculo Eça de Queirós no dia 4 de Setembro de 2014 a propósito do livro de Fernando Guedes T. S. Eliot e Ezra Pound – uma tentativa de aproximação às suas vidas e às suas obras, publicado nesse mesmo ano.

 

 

O artigo de Jorge Colaço  Na morte de Fernando Guedes (1929-2016)  aqui.

 

Algumas obras de Fernando Guedes disponíveis na Wook aqui

 

 

 

 

 

 

 

link do postPor VF, às 15:24  comentar


pesquisar neste blog
 
mais sobre mim
Translator
sitemeter
contador sapo